Porque             para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não             podem ser comparadas com a glória que ha de ser revelada em nós.             Romanos 8:18

Bem vindo a nossa página de estudos, o conteúdo desta página  tem como finalidade auxiliar no conhecimento e desenvolvimento espiritual do estudante da palavra de Deus.

ADORAÇÃO E LOUVOR

A MÚSICA

 

          Para entendermos os judeus dos tempos bíblicos, precisamos vê-los como um povo que gostava imensamente de música. Mas eles não faziam música à nossa maneira hoje, em que um toca e outros ouvem; não. Muitos deles tocavam seus instrumentos, cantavam e dançavam, não se limitando a escutar apenas. Quase toda reunião ou ocasião festiva servia de pretexto para se fazer música.

As atividades musicais variavam muito, desde corais bem ensaiados até espontâneas danças de rua. Eles levavam a vida muito a sério, mas também sabiam divertir-se. A lei de Deus continha muitas orientações que incentivavam a alegria e o divertimento.

Logo nos primeiros capítulos da Bíblia, vemos a música ocupando um lugar importante na sociedade. Os filhos de Lameque foram os iniciadores de três significativos segmentos sociais: os criadores de gado, os artífices e os músicos (Gn 4.20-22).

A música se tornou um excelente meio de comunicação entre os seres humanos, e destes com Deus. Os hebreus expressavam suas mais profundas emoções em composições poéticas. que eram feitas para serem cantadas. A estrutura da poesia hebraica não era baseada em ritmo, mas em formas de raciocínio, em harmonia de idéias e em antíteses. Não seria errado afirmar que os antigos salmos eram sempre cantados, e geralmente com acompanhamento musical.

Nem sempre era preciso haver uma ocasião especial para o canto coletivo. Era comum grupos de trabalhadores cantarem durante o trabalho. Quando Deus prometeu a Moisés que daria água ao povo, ele os reuniu, e todos entoaram um cântico de louvor onde falavam do poço que Deus lhes dera e que os príncipes haviam cavado (Nm 21.16,17).

E tempos depois, quando da reconstrução do templo, os sacerdotes se apresentaram para louvar a Deus com cânticos. Tocaram címbalos e trombetas e cantaram em coro para louvor a Deus. A letra desses cânticos falava de louvor e ações de graça. E quando foram lançados os alicerces do templo, todo o povo gritou em alta voz (Ed 3.10,11).

Muitos desses músicos eram bastante habilidosos e possuiam bom conhecimento musical. O rei indicou alguns harpistas e tocadores de címbalos especificamente para serem os músicos oficiais (1 Cr 25.1,6). E havia também os cantores, todos eles muito bem preparados, como os 288 que cantavam no tabernáculo (1 Cr 25.7).

Os músicos de Israel eram tão bons que, quando Senaqueribe, rei da Assíria, invadiu a terra, exigiu, para fazer o tratado de paz, que lhe entregassem alguns músicos, tanto homens quanto mulheres.


COMO DEUS USOU A MÚSICA  Seria difícil precisar todas as vezes em que Deus fez uso da música para atender a um de seus objetivos. Sabemos que ele se utilizou de uma suave música (da harpa de Davi) para afastar os maus espíritos de Saul (1 Sm 16.23).

Além disso, através do cântico de Moisés, ele advertiu ao povo de Israel para que evitasse aqueles que estavam tentando corrompe-lo (Dt 31.3Oss).


OCASIÕES ESPECIAIS  As ocasiões especiais forneciam um motivo a mais para eles cantarem. Um exemplo disso foi a época em que o rei Josafá reuniu o povo para entoar louvores a Deus e exaltar sua santidade, porque ele milagrosamente os tinha livrado dos moabitas e amonitas (2 Cr 20.2Oss).

Após a famosa travessia do mar Vermelho também, Moisés e os filhos de Israel louvaram a Deus alegremente, porque ele havia lançado ao mar o cavalo e seu cavaleiro (Ex 15).

Outra ocasião em que eles cantaram para extravasar sua alegria foi o dia em que recuperaram a arca da aliança, que havia sido capturada pelos inimigos (1 Cr 16). Eles sairam com liras e harpas; tocaram cimbalos e fizeram soar as trombetas. E o rei Davi escreveu um salmo de ações de graça especialmente para comemorar o evento. Ao final dele, o povo gritava “amém” e louvava a Deus.

Alguns dos cânticos se incorporaram á sua tradição e folclore. Na ocasião em que Davi derrotou os filisteus, seus feitos foram exaltados em cânticos pelas mulheres, o que irritou muito o rei Saul (1 Sm 18.6,7). É provável que elas tenham cantado em forma antifonal. Um solista ou pequeno grupo de cantores dizia: “Saul feriu os seus milhares”, e um grande coral respondia cantando: “Porém Davi os seus dez milhares”.  


COMPOSITORES  Naquela época, os músicos não com­punham suas cantigas com intuito comercial, como acontece hoje. E geralmente aqueles que cantavam entoavam suas próprias composições. Provavelmente, os coros cantassem em uníssono, e não a mui­ tas vozes, como se faz em nossos dias, mas isso não quer dizer que eles não ensaiassem. Tanto os solistas como os corais passavam mui­tas horas preparando seus números.

Um dos mais famosos compositores bíblicos foi o rei Salomão, um homem de muitos talentos, que escreveu cerca de 1005 músicas (1Rs 4.32).        


OS INSTRUMENTOS  Flauta. A flauta antiga era um instrumento de madeira, e não de metal, que possuía apenas um orifício, pelo qual se controlava a altura do som. Sendo um instrumento de sopro, é um ancestral do clarinete. Seu tom musical bastante agudo era ideal para casamentos e funerais (Mt 9.23; Is 30.29).

Havia ainda outro tipo de flauta, parecida com a primeira e que era apreciada por pastores. Às vezes era feita de madeira, às vezes de osso. Geralmente não era tocada no templo.

Saltério (lira). Era o instrumento que Davi tocava, feito de cordas montadas sobre madeira. Uma das madeiras usadas na confecção dele era o sândalo (1 Rs 10.12). O saltério podia ter de 3 a 12 cordas. Nos dias de Josefo, fazia-se esse instrumento com dez cordas, O termo hebraico que designa saltério é kinnor.

Trombeta. Constava de um tubo longo, cujas pontas eram alarga­das à semelhança da boca de um sino. Na maioria eram feitas de cobre ou de prata. Nas cerimônias do templo, usavam-se sempre duas trombetas de prata. Mas houve ocasião em que os sacerdotes toca­ram 120 (2 Cr 5.12).

Shofar. Tocado nas sinagogas, o shofar era um instrumento feito de chifre de carneiro de forma arredondada. Foi ele que os israelitas tocaram por ocasião da queda das muralhas de Jericó (Js 6.20), e o termo ali empregado é yobet. E o que Gideão e seus companheiros tocaram para pôr em fuga os midianitas também foi um shofar (Jz 7.16-22). Na confecção dele não se poderia utilizar chifre de boi.

Harpa. A harpa era feita com um bojo de vidro ou de peles em cujas bordas se esticavam as cordas. Mas havia também quem a montasse sobre bases de madeira ou metal. Geralmente se fabricava esse instrumento com dez ou vinte cordas.

Tamboril. Era um pequeno tambor semelhante ao pandeiro feito de um aro de madeira e peles de animais afixadas nele. Não era tocado no templo, mas muito apreciado nas festas e danças. Na ocasião em que Davi mandou trazer a arca de volta a Jerusalém, esse instrumento foi um dos que se tocaram na comemoração (2Sm 6:5).


Cimbalos (Pratos).Eram um importante instrumento do grupo de percussão, muito semelhante aos que existem hoje. Como outros instrumentos próprios para a marcação do ritmo, eles eram mais utilizados em celebrações e festas do que nas cerimônias do templo.


ORQUESTRAS E BANDAS
 Tanto em Israel como em outras nações, havia muitos grupos musicais organizados. O rei Nabucodonozor era um dos que gostavam de ouvir bandas, bem como Davi (2 Sm 6.5) e outros governantes.    


DANÇAS
 Sendo um povo que apreciava a música rítmica, era difícil um israelita ficar parado ao ouvi-la. Por natureza, eles eram irriquietos e efusivos. Gostavam de expressar livremente as emoções, tanto as alegrias como as tristezas. Muitas vezes os seus gritos de angústia eram tão ruidosos como os gritos de alegria e ações de graça.

Certa vez o rei Davi dançou perante o Senhor (2 Sm 6.14), e o mesmo fizeram Miriã e um grupo de mulheres (Éx 15.20). No passado, os israelitas costumavam dançar por ocasião dos festivais de colheita (Jz 21.l9ss).

Nos tempos neotestamentários, as crianças dançavam nas ruas (Lc 7.32); também houve dança na festa de comemoração da volta do Filho Pródigo (Lc 15.25) Não se sabe exatamente como seriam essas danças, mas provavelmente eram como as danças folclóricas, e não como as de hoje, quando homens e mulheres formam pares para dançar.    


A MÚSICA NA ERA CRISTÃ
 Entre os cristãos também o canto teve papel muito importante nos cultos. O próprio Jesus cantava durante as cerimônias religiosas. Por ocasião da última ceia, antes de sair para o monte das Oliveiras, ele e seus discípulos cantaram um hino (Mt 26.30). É provável que tenham entoado os Sal­mos 115 a 118, ou 113 e 114, que costumeiramente se cantava na Páscoa.

Ao que parece, nos momentos de aflição, os cristãos obtinham renovadas forças através do cântico. Quando Paulo e Silas estavam no cárcere em Filipos, eles buscaram consolo na oração, no louvor e no cântico de hinos (At 16.25), enquanto os outros prisioneiros resmungavam e praguejavam.  

O INCENTIVO AO CANTO Os primeiros cristãos davam muito valor ao cântico. Era uma maneira de abrir o coração para Deus e uns aos outros, bem como para promover a própria edificação.

Paulo aborda a questão da música em três trechos de suas cartas:

Efésios 5.18,19; 1 Co 14.15; Cl 3.16. Ele aconselhava os crentes a entoarem salmos, hinos e outros cânticos espirituais. Ensinava que eles deviam cantar e tocar.

Nos dias da tribulação, descritos no Apocalipse, destacam-se diversas manifestações musicais. Há o cântico dos vinte e quatro anciãos que dizem: “Digno és de tomar o livro...” (Ap 5.9), dos 144.000 que já no final da tribulação cantam um “novo cântico” (Ap 14.3), e dos vencedores, que cantam o “cântico de Moisés”, também ao término da tribulação (Ap 15.3).

Para os judeus a música tinha origem divina, pois uma concepção tão bela só poderia ter vindo do céu. Por isso, incorporaram-na a suas festas, às cerimônias do templo, às sinagogas, e depois, naturalmente, ela passou a ser adotada na igreja.

E O NOSSO LOUVOR E ADORAÇÃO, HOJE, COMO DEVE SER?

TEXTO :-João 4:21-24

I)- INTRODUÇÃO

Todos os ensinos de Cristo, inclusive as suas parábolas, nos mostram que a vida cristã é uma vida abundante e uma vida que deve produzir fruto. Tanto é que Ele diz em  João l5, que o galho que afirma estar nEle que é a videira, e não produzir fruto, será cortado e lançado no fogo.

            Se o resultado que buscamos de nosso relacionamento com Deus é produzir frutos, o nosso ato de adoração e culto a Ele deve ser a motivação, isto é, servir como adubo – estimulo, para que a produção seja maior e melhor.

            Nosso culto de adoração deve produzir maior dedicação, para que possamos servir ao Senhor melhor! Se não obtemos estes resultados, então temos que examinar a nossa experiência de culto para saber o que pode ser melhorado, para que ela de fato produza mais dedicação e melhor serviço cristão.

            Sabemos que o Senhor está a procura de verdadeiros adoradores.
Ø       Está Ele à nossa procura?
Ø       Será que o nosso culto, de fato, O agrada?

  II )- O QUE É CULTO

            O dicionário diz que cultuar é reverenciar e adorar um ser divino. Em nosso caso seria o Senhor Jesus.

            Prestar culto a Deus é adorá-lo e amá-lo profundamente, é dedicar muito respeito, reverência e dignidade ao Senhor.

            De acordo com I Pedro 2:9, a própria definição de igreja implica em louvor e proclamação das virtudes e do poder de Deus ao Mundo:  “”Vós  porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, afim de proclamardes as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz..””

            Em nosso dias está havendo uma troca de valores em muitas igrejas, como segue abaixo:

FORMA  ERRADAS

 FORMA CORRETA

O pregador é o executante / artista

     O pregador é o anunciante

A congregação é o juiz ou crítico

     A congregação é o executante /      artista

Deus é o anunciador da mensagem

     Deus é o juiz ou crítico

III )-  O QUE É LOUVOR:-  É  glorificar a Deus por todas as coisas, sabendo que tudo contribui para  o nosso bem.   Romanos  8:28

            Porém, em muitas ocasiões, os cânticos são sobre pessoas e não sobre Deus. Quando   isto acontece, não é um louvor a Deus.

            Posso cantar e não louvar, como posso  louvar e não ser através da música.  estamos  vivendo uma realidade que Israel viveu no tempo do profeta Ezequiel, (Ez. 33:31-33), ou seja, a adoração  pela técnica, ritmo e etc.  Mas, nem sempre estamos dispostos  a praticar a mensagem  cantada, ou seja, o fruto desejado por Deus.

TEORIA:-  Cantamos:-
“Bendita a hora de oração” ou
“Preciosas são as horas na presença de Jesus”
PRATICA:-
Muitas vezes não ficamos nem minutos na presença do Senhor!
TEORIA:- Cantamos:-
“Vamos nós trabalhar, somos servos de Deus”

PRATICA:-
Mas não levantamos uma palha para servir no reino de Deus!

Não podemos esperar um fim satisfatório, sem nos preocuparmos com os meios. E há muitos que estão usando todo tipo de meio para dizer que estão louvando a Deus, ou fazendo a  obra  de Deus, porém, sem se preocuparem com as diretrizes da  palavra do senhor.

 Há hoje mais do que nunca, a necessidade de discernimento espiritual, para  não cairmos nas  astutas ciladas do diabo, nesta área do louvor e em outras áreas.

           Os jovens de hoje, estão num verdadeiro campo minado, onde os meios de comunicação estão  bombardeando suas mentes com músicas e ritmos desvirtuados, e o pior de tudo isto é que  eles estão  tomando gosto por isso, e estão levando para dentro das igrejas com o pretexto de louvarem  a Deus.

 E  alguns  são mais ousados e  usam versículos bíblicos para os apoiarem em seus  comportamentos, tais como: 

I Corintios   9:22 que diz: “ Fiz-me  como fraco para os fracos,  para  ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para todos os meios, chegar a salvar alguns.”

O que na verdade verifico é que existe no anonimato, uma divisão de gerações, ou seja, os mais velhos cruzam os braços e não cantam os louvores jovens.  Os jovens por sua vez, fecham-se  e não cantam os hinos antigos, do cantor cristão, salmos e hinos etc.
 Muitos buscam emoção extrema através da música. Buscam uma experiência estática que os deixa enebriados, da mesma maneira que ficam certos cantores de rock, que perdem totalmente suas responsabilidades individuais e começam a agir como grupo, em comportamento de massa, grandemente influenciados pelo ritmo persistente e às vezes, ensurdecedor!

  IV)- PONTOS IMPORTANTES
IV. a)-  A verdadeira adoração produz serviço
 Todas as grandes e verdadeiras experiências de adoração na Bíblia produziram um compromisso com o Senhor e um contrato de trabalho!

  ü       Ezequiel:- Após a sua visão maravilhosa da glória divina foi enviado por Deus aos filhos rebeldes de  Israel que estavam obstinados e teimosos, para trazê-los de volta a Deus.
ü       Moisés:- Após a visão da sarça ardente, foi enviado a libertar o povo de Israel da escravidão do Egito.
ü       João:- Em Patmos, teve uma tremenda visão de todas as criaturas no céu adorando a Deus, mas imediatamente após esta experiência, Deus lhe disse:- “Escreve cartas às sete igrejas da Ásia!”  

Deus procura adoradores que o adorem em espírito e verdade. Deus procura adoradores cuja experiência de adoração produza frutos: mais dedicação e melhor serviço cristão.
Temos que ser honestos:- Se o resultado do nosso culto não é este, não é verdadeira adoração, mas é entretenimento e encenação!
SERVIÇO CRISTÃO TAMBÉM É:-

  v      Dar uma palavra de ânimo a quem precisa;

v      Ensinar a respeito de Cristo a alguém;

v      Suprir a necessidade de  alguém que chamamos de irmão;

v      Acertar as coisas com quem tem algo contra nós;
É por isto que Jesus disse que se trouxermos uma oferta ao altar e ali nos lembrarmos que nosso irmão tem algo contra nós, que devemos ir reconciliar e acertar as contas em primeiro lugar, para depois vir e oferecer o nosso culto!
IV. b)- Há verdadeira adoração quando não  há pecado

Ø       Através de Isaias Deus deixou bem claro que não podia aceitar culto solene associado ao pecado. (Isaias 1:12-15)

Ø       Através  de Amós Deus disse:- “Porque sei serem muitas as vossas        transgressões, e graves os vosso pecados; afligis o justo, tomais       suborno, e rejeitais os necessitados na porta”. (Amós 5:12)
Ø       Também disse:- “Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos,                  porque não ouvirei as melodias dos teus instrumentos” (Amós 5:23)

  IV. c)- Há verdadeira adoração quando há humildade
A atitude  física daqueles que tiveram grandes experiências de adoração na bíblia mostra grande humildade :-  Prostravam-se, no chão, com seus rostos na terra, e mostravam-se inteiramente submissos a Deus!
Vemos a mesma atitude de humildade nos grandes cânticos apocalípticos encontrados no último livro:-

Apocalipse     4:8-11

Os quatro seres viventes

Apocalipse     5:8-14

Idem  + os 24 anciãos

Apocalipse     7:9-12

Cântico dos glorificados

Apocalipse   11:15-18

A sétima trombeta

Apocalipse   12:1012

A peleja e a vitória do povo de Cristo

Apocalipse   14:3-7

O cântico novo

Apocalipse   15:2-4

O cântico de Moisés e do cordeiro

Apocalipse   16:5-7

O cântico do anjo do flagelo

Apocalipse   19:1-8

O cântico dos remidos

  O orgulho é o maior impecilho para a verdadeira adoração em espírito e em verdade.
O orgulho foi o pecado de satanás;  Alguém diz que este é o grande aliado do inimigo em nossos corações, o nosso “EU”. Ele precisa ser morto!
 De que maneira?
Através de nossa identificação com Cristo em sua humilhação emorte.(Ap.12:8-11).

Veja a questão da parábola do fariseu e do publicano.  Deus  não aceitou a adoração do fariseu por causa do orgulho, por sua vez aceitou a humildade do publicano, que se despiu de méritos e capacidades próprias.

  V )-  RAZÕES PARA A ADORAÇÃO

  1)- Deus ordena em sua palavra.
“Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a  Ele darás culto”(Mateus 4:10)
“Todo o ser que respira louve ao Senhor. Aleluia” (Salmos 150:6)
São várias as  citações onde Deus nos ordena a louvá-lo. Veja quantos salmos  começam com “ louve ao senhor”. O que é isto senão uma ordem de louvarmos a Deus?
Muitas pessoas evitam de pecar para não desobedecerem os mandamentos de Deus, porém, deixam de louvá-lo nas circunstâncias da vida, o que também é pecado.
2)- Porque fica bem aos retos louvá-lo  (Salmos 33:1)

Ø       A expressão “fica bem” significa apropriado, adequado, certo, etc. Alguns cristãos parecem achar que louvar a Deus e regozijar-se Nele é impróprio e inconveniente.

Ø       salmista declara, bom é render graças ao Senhor, e cantar louvores ao seu nome, ó Altíssimo (Salmos 92:1). 

Ø       Esta escritura sugere algo da influência benéfica do louvor. É atividade boa, saudável e terapêutica. Recebemos uma libertação sadia ao louvarmos a Deus, que beneficia  à pessoa inteira.

  3)- Ele está entronizado entre os louvores  (Salmos 22:3).

O santo de Israel está entronizado (habita), em nossos louvores.  Podemos cercar-nos com  a presença de Deus, cultivando uma atitude de louvor. Então estaremos mais cônscios de sua presença, do que  de problemas, dificuldades, circunstâncias adversas, etc.
Há tantas bênçãos a serem obtidas do louvor ao Senhor, mas a maior é que o Senhor Habita os nossos louvores.

  4)-  O louvor glorifica a Deus.

“O que me oferece sacrifícios de ações  de graça, esse Me glorificará.”  Cada vez que oferecemos louvor escritural e espiritual, levantamos, magnificamos e glorificamos o nosso Deus.  Como cristãos, o nosso fito e desejo na vida deve ser o de glorificar a Deus
Esta é uma maneira escritural de fazê-lo.

  5)-  Louvor gera poder.

No salmos 84, Davi proclama:- “Bem aventurados, Senhor os que habitam em tua casa (louvam-te perpetuamente...  bem aventurado o homem cuja força está em Ti... Vão indo de força em força...” Este homem  também conhece a alegria do Senhor através de uma vida de louvor porque “a alegria do Senhor é a nossa força”(Neemias 8:10).

  6)- Os valores invertidos.

q       Muita gente diz:  “Se somente Deus satisfizesse os desejos do meu coração, como eu O louvaria por isso”. 

q       A ordem Divina, porém, é invertida. Primeiro nós o louvamos, e Ele então satisfaz os desejos do nosso coração.

q       Daí e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos darão; (Lucas 6:38).

  7)-  O louvor precede  a vitória.

Em (II Crônicas 20), o rei Josafá levou o povo de Deus para a  Batalha contra os inimigos. Ele nomeou cantores levitas para louvarem ao Senhor dos Exércitos dizendo:- “Rendei graças ao Senhor, porque a sua misericórdia dura para sempre”.  E assim, os inimigos foram desbaratados em uma emboscada.
Imagine um  exército sendo conduzido por cantores louvando a Deus. Como parece estranho esta passagem à  nossa mente humana.       
Entretanto, as armas de nossa milícia não são carnais (naturais). Mas são poderosas em Deus para destruir as fortalezas de satanás.  Avançar louvando a Deus é caminhar com fé e vitória. Podemos então aquietar-nos e contar com  o livramento do Senhor.

  8)- O louvor é proteção contra o desvio.
Ninguém cai em desvio se manter uma vida de louvor a Deus. Romanos 1;21 no diz:- “portanto, tendo o conhecimento de Deus não o glorificaram como Deus, nem lhe atribuíram graças, antes se tornaram nulos os seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato”.
Jó não caiu em apostasia porque ele manteve firmemente seu louvor a Deus, mesmo nas circunstâncias as mais adversas e difíceis. Todas as coisas pelas quais se pode dar graças a Deus e louvá-lo, jamais se tornaram um meio de desviar-nos de Deus e de levar-nos para a apostasia.
Cultive a atitude de louvor e adquira o hábito de  dar graças a Deus em todas as coisas, e  nada poderá derrotá-lo ou afastá-lo de Deus.

  ALELUIA!  DEUS SEJA LOUVADO!.
VI )- DEZ MANDAMENTOS DE LOUVOR E ADORAÇÃO
1)-:- Ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele darás culto

  “TU” adorarás. Não há exceções ou exclusões.

“Adorar”. Amar, adorar, louvar, dar graças, conversar intimamente, cantar para, elogiar, alegrar-se em, etc.

“Dar culto”. Eis um mandamento do Senhor. O louvor não é somente recomendado mas também, ordenado para o homem  reto. Não venerar a Deus é uma desobediência a uma ordem do Senhor.

“Ao Senhor teu Deus”.  Nossa adoração é para o seu uso e louvor. Não é principalmente para o nosso prazer e  a nossa alegria pessoal, mas para o seu louvor e glória!  
Repare que adoração vem antes de culto ou serviço. Até que aprendemos a adorar de maneira aceitável, não podemos servir a Deus de maneira aceitável. Deus deseja mais, receber a nossa adoração do que o nosso serviço. O Pai procura “aqueles que o adorarão em espírito e em verdade”. (João 4:23) Deus está a procura de adoradores.

  2)-  Adorarás ao Senhor:

Ø       Por sua grandeza (Salmos 48:1) “Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado”

Ø       Por sua bondade (Salmos 100:5) “Bendizei-lhe o nome, porque o Senhor é bom”

Ø       Porque ele é digno (Ap. 4:11) “Tu és digno, Senhor... de receber a glória, a honra, poder”

                      3)- Entrai por suas portas com ações de graças

e nos seus  átrios com hinos de louvor.

(Salmos 100:4).

            Agradece ao Senhor ao entrares pela porta da igreja e quando chegares bem no meio da casa de Deus, deixa que o louvor encha o teu coração e esteja em teus lábios.
A ação de graças é o prelúdio do louvor. Começa a agradecer a Deus por toda a sua bondade e misericórdia para contigo. Rememora as suas bênçãos, dá graças a Ele e então entra em verdadeira adoração. Não espere que o pregador inicie o louvor dentro de ti, esteja agradecendo e louvando a Deus desde o momento em que entrardes em sua casa.
                  4)- Oferecerás o  “sacrifício de louvor”  (Hebreus 13:15).

ü       Sob a lei, animais eram sacrificados a Deus.

ü       Sob a graça estamos oferecemos o “sacrifício de louvor”. Isto é um ato deliberado de oferecer adoração a Deus.

ü       Sacrifício  é o ato de dar algo que temos, para o bem de outros, muitas vezes a alto custo pessoal.  Isto inclui dar louvor a Deus, mesmo quando parece estar dando tudo errado.

ü       Louvar a Deus diante das dificuldades, adversidades ou de perdas sofridas.

ü       Louvar a Deus quando a nossa natureza e o nosso temperamento não nos facilita fazê-los.  Quando a timidez ou as  inibições o tornam difícil.

ü       Paulo e Silas oferecem um “sacrifício de louvor” de seus cárceres à meia noite, e como Deus ficou deleitado em recebê-los.

  5)- Adorarás o Senhor de coração e com todo o seu coração.

§      “Firme está o meu coração, ó Deus, o meu coração está firme, cantarei e entoarei louvores”(Salmos 57:7)

§     “Dar-te-ei graças, Senhor, Deus meu,  de todo o coração, e glorificarei para sempre o teu nome”. (Salmos 86:12).

§     verdadeiro louvor começa no coração. É a expressão de nossas emoções, sentimentos e  desejos para com Deus. É o verdadeiro âmago de nosso ser, a fonte de nossas emoções, clamando o nosso louvor, veneração, adoração, amor e devoção a Deus.

§     Começa no coração (devaneio, meditação, etc. ), e exterioriza numa manifestação física.
6)- Adorarás o Senhor com louvor audível.

q    “Bendizei ó povos, o nosso Deus; e fazei ouvir a voz de seu louvor”(Salmos 6:8).

6.a) Com clamor (oração):-

q    “Celebrai a Deus com vozes de júbilo” (Salmos 47:1)

q   “Cantem com júbilo e se alegrem os que tem prazer na minha retidão; e digam sempre glorificado seja o Senhor” (Salmos 35:27).  

  6.b) Com canto:-

·       “Salmodiai a Deus, cantai louvores; salmodiai ao nosso Rei, cantai louvores”  (Salmos 47:6)

·      “Apresentai-vos diante dEle com cântico”  (Salmos 100:2)

  6.c) com aclamação e alegria:-

¨    “Aclamai a Deus, toda a  terra. Salmodiai a glória do seu nome” (Salmos 66:1-2)

¨   “Vinde cantemos ao Senhor com jubilo, celebremos o rochedo da nossa salvação” (Salmos 95:1 )
Deve ser com aclamação e alegria. Não com ruído espantoso, assustador ou desagradável.
Deve alegrar à pessoa que o faz; alegrar a Deus; e alegrar aos outros celebrantes; pois Paulo diz:-  “Seja tudo feito para edificação”.
6.d) Com riso:-

v   “Então a nossa  boca se encheu de riso, e a nossa língua de jubilo a cantar; então entre as nações se dizia:- Grandes coisas tem feito o Senhor por eles.... e por isso estamos alegres" (Salmos 126:2) .

6.e) com palmas:-

Ø   “Batei palmas todos os povos, celebrai a Deus com vozes de jubilo”. (Salmos 47:1)

6.f) Com instrumentos musicais:-

ü   “Louvai a Deus com trombeta, o saltério, a harpa, o adufes, instrumentos de cordas, címbalos sonoros, címbalos retumbantes, etc. (Salmos 150).

  7)- Louvará o Senhor , em todo o tempo.

Ø       “Bendirei o Senhor em todo o tempo, e o seu louvor estará
      sempre em meus lábios”
(Salmos 34:1).

  Ø       Louvando o Senhor, “continuamente.... perante a arca” 
           (I Crônicas 16:6).

Ø       E digam sempre: “Glorificado seja o Senhor” (Salmos 35:27).

Ø       Em hebreus 13:15  temos o mandamento de louvor contínuo do novo testamento, e repare que até se refere a sacrifício de louvor, dando a entender que nem sempre será fácil ou conveniente fazê-lo.  “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto dos lábios que confessam o seu nome”.
8)- Adorarás e louvarás em toda a parte e em todos os lugares.

v      A fim de “darmos graças” continuamente, de ter o louvor a Deus em nossos lábios e em todo o tempo, nós obviamente temos que adorá-lo em toda a parte e em todo lugar.

v      “Rendam graças ao Senhor por sua bondade e por suas maravilhas para com os filhos dos homens”  (Salmos 107:31).

  9)- Louvarás ao Senhor com tudo o que há em ti.
 “E o vosso espírito, alma e o corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vida de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo” ( I Tessalonicenses 5:23).
 Este verso no ensina que temos três partes, sendo compostas de :- espírito, alma e corpo. Davi nos ensina a “Bendizer ao Senhor com tudo o que há em mim”.

§         A)- Espírito:- “Meu espírito se alegrou em Deus meu salvador”. (Lucas 1:47).

§         B)- Alma :- “Bendize, ó minha alma ao Senhor” (Salmos 103;1).

§         C)- Corpo :- “E toda a carne louve ao Senhor” (Salmos 145:21)

  v      Tudo o que há em mim  (Corpo)  =  a)- ações 

                                                                   b)- interno/externo

                                                                   c)- trabalho/estudo

                                                                   d)- relação com as pessoas, etc.

  v      Bendiga o seu nome        =    Bendizer é provocar nas pessoas através de nosso testemunho, o falar bem do nome de Deus.

v      Não se esquecer dos seus feitos:-

a)-  Não esquecemos de comer/beber/dormir/trabalhar.

b)-  Não esquecemos quando alguém nos faz algo de ruim.

            c)-  Temos a tendência de esquecer dos feitos.  (falta de gratidão)

              Quando nos  esquecemos dos feitos de Deus, acabamos:-
v      Reclamando;   
v      Desanimados;
v      Deixamos de crescer na graça e conhecimento;   
v     Veja alguns benefícios de Deus:-

Perdoa as iniquidades

Sara as enfermidades

Redime a vida da perdição

Coroa de benignidade e de misericórdia

Encha nossa boca de bens

Prolonga nossa vida

Faz-nos justiça

É misericordioso

Não nos trata conforme merecemos

Ele a conhece a nossa estrutura

É longânimo

É benigno

10)-  Todos os seres animados e inanimados devem louvá-lo.

Seres que louvam

Textos bíblicos

O cosmo em geral      

Salmos 19:1-6 e  148:1-6

Os anjos seus

(Salmos 103:20)

Os exércitos seus

(Salmos 103:20)

Os seus servos

(Salmos  135:2)

Jerusalém

(Salmos  147: 12)

As Baleias

(Salmos 148:7)

Abismos, fogo e saraiva, neve, vapores, vento fortes 

(Salmos 148:7-8)

Montes, outeiros, árvores frutíferas e todos os cedros

(Salmos 148:9)

Feras, gados, répteis e aves voadoras

(Salmos 148:10)

Reis da terra, os povos, príncipes e juizes

(Salmos 148:11

Rapazes, donzelas, velhos e crianças

(salmos 148:12)

Os filhos de Israel

(Salmos 148:14)

  VII )- Conclusão:-  O que você está esperando para adorar a Deus?  Faça agora, faça sempre.
As  situações que surgem na sua vida, apenas querem proporcionar a você uma oportunidade de adorar a Deus e crescer um pouco mais.
 Conforme diz Habacuque 3:17-18 :-

“Ainda que a figueira não floresça, nem haja

Fruto na vide; o produto da oliveira minta,

e os campos não produzam mantimento;

as ovelhas da malhada sejam arrebatadas,

e nos curais não haja vacas, todavia, eu me

alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da

minha salvação.”  

Ev.  Wellington Pereira da Silva

            Assinar o livro de visitas

              Exibir o Livro de Visitas

<< Anterior   |   Páginas: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09 10 11, 12, 13, 14, 15,16, 17, 18, |19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 | Próxima >>
 
Para mais informações entre em contato com [email protected]
Site reformulado em 25 de Maio de 2004.

Ilustrações
   Veja aqui algumas      ilustrações que poderá ajudar a ilustrar sua     mensagem.
CRONOLOGIA
Um relance sobre os primeiros seiscentos anos depois de Cristo.Durante este período, a Antiguidade clássica chegou ao fim, o paganismo desvaneceu-se gradualmente e começou a ser modelada uma civilização baseada no cristianismo. O quadro seguinte nos da um breve panorama deste processo.
Artigos da História

VENHA A NÓS O VOSSO REINO
 
O ímpensável aconteceu: Constantino, o novo co-imperador de Roma, apoiava o cristianismo! Em breve, a Igreja, com o seu apoio, criaria um credo duradouro. Os pagãos reagiriam, mas em vão.  No entanto, uma nova Roma se ergueria no Oriente.

Mártires
Cristãos perseguidos 
até a morte.
“Apologia e Identidade”.
Paulo de Tarso
Os foros de cidadão romano, a instrução recebida nas escolas, as suas qualidades pessoais, tudo isto serviu para fazer dele um instrumento especial para a obra missionária.
Jesus de Nazaré

ESTUDO SOBRE A VIDA E MINISTÉRIO DO SENHOR JESUS CRISTO.

Homens de Deus
Patriarcas
Juizes
Reis
Profetas
Os Apóstolos.
Versões da Bíblia
Conheça o livro mais vendido no mundo, suas
versões e línguas de origem.
Bíbliologia
Como é constituida a Bíblia quais os canons
aceitos?; quais as suas divisões?
Escatologia
Conheça os fatos escatológicos mediante profundo estudo Bíblico.
Curiosidades Bíblicas
Perguntas e respostas contidas na Bíblia.
Significado de Nomes Bíblicos
Como morreram os Apóstolos
Você Sabia? Que:
Quem Somos
Nosso Credo
Declaração doutrinária

 

 
Nivaldo Maia de Brito Email: [email protected]                                 
Hosted by www.Geocities.ws

1