CURSO DE LATIM
 



| Introdução | Lição 1 | Lição 2 | Lição 3 | Lição 4 | Lição 5 | Lição 6 |
| Lição 7 | Lição 8 | Lição 9 | Lição 10 | Lição 11 | Lição 12 | Lição 13 |


LIÇÃO 5

5.1. Particípios

Aprendemos que, em português, formas verbais do tipo “amado”, “vendido”, “caído” são chamadas de particípios. São adjetivos formados a partir dos verbos “amar”, “vender”, “cair”. Em latim vimos até agora que amatus é o particípio perfeito passivo de amo, amare. É um particípio relacionado ao passado. Seria possível um particípio relacionado ao presente ou ao futuro?

Em português, conhecemos adjetivos como minguante (Lua minguante), cadente (estrela cadente), seguinte (página seguinte); agonizante (homem agonizante), corrente (água corrente), contribuinte (sócio contribuinte), e muitos outros. Antigamente esses adjetivos eram chamados de particípios presentes. Note que cada um deles é equivalente a uma perífrase do tipo que + verbo: cadente = que cai; agonizante = que agoniza; contribuinte = que contribui, etc.

Pois bem, em latim também existe tal tipo de adjetivo. Do verbo amo, amare temos amans = amante, que ama; de incipio, incìpere temos incipiens = incipiente, que começa; de sentio, sentire temos sentiens = sentiente, que sente. São os particípios presentes ativos.

Em português temos também adjetivos como nascituro (bebê nascituro), morituro (homem morituro), vincituro (exército vincituro). Podem ser substituídos por perífrases do tipo que está para + verbo: nascituro = que está para nascer; morituro = que está para morrer; vincituro = que está para vencer.

Em latim tal tipo de adjetivo é chamado de particípio futuro ativo. Do verbo amo, temos amaturus, a, um = que está para amar; de incipio temos incepturus, -a, -um = que está para começar; de sentio temos sensurus, -a, -um = que está para sentir.

Todos esses três tipos de particípio são bastante usados em latim, em maneiras que não conhecemos em português. Existe em latim um quarto tipo de particípio, o particípio futuro passivo, que estudaremos mais abaixo, e traz consigo a idéia de obrigação, dever. Comecemos estudando a formação de cada um deles.

5.1.1. PARTICÍPIO PRESENTE ATIVO

Forma-se adicionando -ns à raiz do presente de cada verbo:

opta/ns = que deseja
imple/ns = que enche
duce/ns = que conduz

Na quarta conjugação (e também nos verbos que seguem a quarta conjugação: ver 4.1.1) adicionamos -ns à raiz do verbo acrescida de e:

audi/e/ns = que ouve
faci/e/ns = que faz

5.1.2. PARTICÍPIO PERFEITO PASSIVO

É o nosso conhecido particípio, formado com a terceira parte principal do verbo:

optatus, -a, -um = desejado, desejada
impletus, -a, -um = enchido, enchida
ductus, -a, -um = conduzido, conduzida
auditus, -a, -um = ouvido, ouvida

Como qualquer adjetivo em latim, concorda com o substantivo a que se refere em gênero, número e caso.

5.1.3. PARTICÍPIO FUTURO ATIVO

É formado também a partir da terceira parte principal do verbo, de onde retiramos -us e adicionamos em seu lugar -ùrus. -a, -um:

optat/urus, -a, -um = que está para desejar
implet/urus, -a, -um = que está para encher
duct/urus, -a, -um = que está para conduzir
audit/urus, -a, -um = que está para ouvir

Também concorda com o substantivo a que se refere em gênero, número e caso.

5.1.4. PARTICÍPIO FUTURO PASSIVO

Esse particípio deixou pouquíssimas marcas em português, e seu sentido original quase se perdeu. É encontrado em palavras como diminuendo, dividendo e despiciendo. Note que não equivale ao gerúndio português, e podem ser esclarecidos fazendo-se udo da expressão que deve ser + verbo: diminuendo = que deve se diminuído; dividendo = que deve ser dividido; despiciendo = que deve ser desprezado.

Como você pode notar, existe em cada forma a noção de dever, obrigação. Esse particípio é formado a partir do radical do presente mais a terminação -ndus, -a, -um. Também nos verbos da quarta conjugação e os que a seguem, interpomos um -e:

opta/ndus, -a, -um = que deve ser desejado
imple/ndus, -a, -um = que deve ser enchido
duce/ndus, -a, -um = que deve ser conduzido
audi/e/ndus, -a, -um = que deve ser ouvido

Em resumo, temos a seguinte tabela de particípios:

                                   Ativo                                                Passivo

presente           amans = que ama                                        --------
perfeito                        --------                                            amatus = amado (que foi amado)
futuro               amaturus = que está para amar                   amandus = que deve ser amado           

Estudaremos agora alguns dos usos de cada um deles.

5.2. Alguns usos dos particípios

Acima demos para cada particípio uma tradução “crua”, assim como o fizemos com os tempos do subjuntivo. Na verdade, a tradução do particípio depende do tempo do verbo da oração principal, do mesmo modo com aconteceu com o subjuntivo.

Um particípio presente refere-se a uma ação contemporânea à ação do verbo principal; um particípio perfeito a uma ação anterior à ação do verbo principal; e um particípio futuro a uma ação posterior à do verbo principal.

Esse sistema encontra alguns problemas na prática, pois o latim não dispõe de dois particípios, um presente passivo e um perfeito ativo. Essa deficiência pode ser superada na tradução sem maiores problemas (uma outra língua que faz uso de um sistema semelhante, porém mais preciso e simétrico, é o Esperanto, que possui os particípios que faltam ao latim). Estudemos cada caso.

5.2.1. Particípio presente ativo

Observe a tradução da frase seguinte, fazendo-se uso da idéia de contemporaneidade:

Nauta clamans pugnavit.         O marinheiro que gritava lutou.
                                               O marinheiro lutou gritando.
                                               Gritando, o marinheiro lutou.
                                               Enquanto gritava, o marinheiro lutou.
                                               Mesmo gritando, o marinheiro lutou.

Note que em cada caso o particípio se refere a uma ação que ocorre ao mesmo tempo que a ação principal. A tradução vai depender do contexto em que estiver a frase.

Freqüentemente, quando queremos dar a idéia de concessão, inserimos tamen, “no entanto”, na frase: Nauta clamans tamen pugnavit. “Embora gritando o nauta no entanto lutou”. Quase sempre esse “no entanto” pode ser dispensado nas traduções para o português.

5.2.2. Particípio perfeito passivo

Observe a tradução da frase seguinte, fazendo-se uso da idéia de anterioridade:

Nauta territus clamavit.          O marinheiro aterrorizado gritou.
                                               O marinheiro, tendo sido aterrorizado, gritou.
                                               O marinheiro que havia sido aterrorizado gritou.
                                               Como havia sido aterrorizado, o marinheiro gritou.

Note que em cada caso o particípio se refere a uma ação que ocorreu antes da do verbo principal. A tradução vai depender do contexto em que estiver a frase.

Note também a característica passiva do particípio: o marinheiro não aterrorizou, mas sim foi aterrorizado. Isso justifica o nome “particípio perfeito passivo”.

5.2.3. Particípio futuro ativo

Observe a tradução da frase seguinte, fazendo-se uso da idéia de posteridade, ou seja, o particípio expressa uma ação que se realizará logo após o início da ação do verbo principal, o que sentimos como uma expectativa:

Nauta pugnaturus clamavit.                O marinheiro que estava para lutar gritou.
Estando para lutar, o marinheiro gritou.
O marinheiro que ia lutar gritou.

Em todos esses casos, a ação de lutar é posterior à de gritar. Note que o marinheiro gritou antes de ir lutar, ou ainda, vai lutar depois de ter gritado.

5.2.4. Particípio futuro passivo

O particípio passivo expressa uma ação que ocorrerá ou terá que ocorrer depois da ação principal. Traz consigo uma noção de obrigatoriedade. Há casos em que esta noção desaparece. Estudaremos mais à frente no curso.

Observe a tradução:

Libros legendos in mensa posuit.        Ele pôs na mesa os livros que devem ser lidos.
                                                           Ele pôs na mesa os livros a serem lidos.

***

Exercícios:

I. Traduza:

1. a) liber lectus; b) liberorum lectorum
2. a) litterae missae; b) litteris missis
3. a) regnum perdendum; b) regna perdenda; c) regno perdendo
4. a) dona danda; b) donorum dandorum
5. a) femina visura; b) feminarum visurarum

II. Traduza:

1. Insula a nauta capta delebitur.
2. Nauta provinciam capiens pecuniam regni rapit.(rapuit).
3. Nauta provinciam capturus pecuniam regni rapit (rapuit). (rapio, rapui, ratum, rapere - roubar)
4. Insula capta deletura.
5. Regnum capiendum est magnum.
6. Donum viris librum lecturis dedisti.
7. Sententia mutanda est.
8. Venia petenda erit.
9. Pecunia petenda est ne nautae insulam deleant.
10. Si bellum gerendum, pecunia optanda. (cuidado: o verbo sum foi omitido!)

***

5.3. A conjugação perifrástica

Existe em latim um tipo de conjugação chamada de conjugação perifrástica, que faz uso de um particípio futuro, tanto o ativo quanto o passivo, mais uma forma do verbo sum. Não representa, em vista do que já vimos acima, uma dificuldade a mais a ser aprendida. De fato, sua tradução é quase imediata, e a listaremos aqui aproveitando o que foi dito sobre os particípios.

Não se preocupe em memorizar cada uma das formas: use esta seção apenas como referência!

1. Conjugação perifrástica ativa

Pode ser traduzida por uma destas expressões: estar para, haver de, tencionar:

INDICATIVO

Pres.:               amaturus, -a, -um sum             Estou para amar
                                                                       Hei de amar
                                                                       Tenciono amar
Imp.:                amaturus, -a, -um eram           Eu estava para amar, etc.
Fut.:                 amaturus, -a, -um erit              Eu estarei para amar, etc.
Perf.:                amaturus, -a, -um fui               Eu estive para amar, etc.
M.Q.Perf.:       amaturus, -a, -um fueram        Eu tinha estado para amar, etc.
Fut. Perf..:        amaturus, -a, -um fuero           Eu terei estado para amar, etc.

SUBJUNTIVO

Pres.:               amaturus, -a, -um sim              Que eu esteja para amar, etc.
Imp.:                amaturus, -a, -um essem         Se eu estivesse para amar, etc.
Perf.:                amaturus, -a, -um fuerim         Eu tenha estado para amar, etc.
M.Q.Perf.:       amaturus, -a, -um fuissem       Eu tivesse estado para amar, etc.

Como pode ser notado, a tradução dada para cada uma das formas não é muito comum e, de fato, é pouco encontrada na prática.

Mais importante é a conjugação passiva:

2. CONJUGAÇÃO PERIFRÁSTICA PASSIVA

Com uma idéia de obrigação, pode ser traduzida por uma destas formas: dever ser, sou digno de, ter que:

INDICATIVO

Pres.:               amandus, -a, -um sum             Eu devo ser amado
                                                                       Sou digno de ser amado
                                                                       Tenho que ser amado
Imp.:                amandus, -a, -um eram           Eu tinha que ser amado, etc.
Fut.:                 amandus, -a, -um ter               Eu terei que ser amado, etc.
Perf.:                amandus, -a, -um fui               Eu tive que ser amado, etc.
M.Q.Perf.:       amandus, -a, -um fueram        Eu tinha que ter sido amado, etc.
Fut. Perf..:        amandus, -a, -um fuero           Eu terei que ter siso amado, etc.

SUBJUNTIVO

Pres.:               amandus, -a, -um sim              Eu tenha que ser amado, etc.  
Imp.:                amandus, -a, -um essem         Eu tivesse que ser amado, etc.
Perf.:                amandus, -a, -um fuerim         Eu tenha estado para ser amado, etc.
M.Q.Perf.:       amandus, -a, -um fuissem       Eu tivesse estado para ser amado, etc.

5.4. Dativo de agente com passivo perifrástico

Vimos em 4.4 que o agente da passiva é expresso pelo ablativo com ou sem a preposição a, ab. Volte lá e confira, e entenda bem o que vem a ser um agente da passiva.

Com a conjugação perifrástica passiva o agente não é expresso pelo ablativo, mas pelo dativo! Na prática, no momento da análise de alguma oração em que se encontre a conjugação perifrástica passiva, procure por um dativo. Ele pode ser o agente:

            Puella poetae videnda est.                   A menina tem que ser vista pelo poeta.
                                                                       O poeta tem que ver a menina.
            Liber legendus erit feminae                 O livro terá que ser lido pela mulher.
                                                                       A mulher terá que ler o livro.

Observe a tradução alternativa na segunda frase. Note também que, por ser um adjetivo, o futuro perifrástico passivo deverá concordar com o sujeito, puella ou liber, segundo a frase.

***

Exercício

I. Traduza:

1. Sententia mutanda est viro.
2. Venia petenda erit agricolis.
3. Pecunia petenda est nautis ne insulam deleant.
4. Si bellum gerendum est incolis, pecunia optanda.
5. Feminae liber legendus fuit.

***

5.5. Dativo de posse

Construção muito comum em latim, o dativo pode ser usado com o verbo sum para mostrar o possuidor de alguma coisa. Observe:

Corona est reginae                 A coroa é “à rainha” = A rainha tem uma coroa.
Liber amico est.                      O livro é “ao amigo” = O amigo tem um livro.

Como em muitas outras construções, o dativo serve de referência a alguma coisa. Essa função referencial está quase sempre presente no dativo, como vimos aqui e na seção anterior. O dativo nem sempre é objeto indireto. (Na verdade, o objeto indireto é um tipo de referência...)

5.6. O verbo possum, “poder”

O verbo possum, potui, ----, posse, “poder, ser capaz de” é um composto do verbo ser, e se conjuga como fazendo-se a junção de pos- ou pot- a uma forma do verbo ser, no tempo que se quer.

Durante a conjugação, procure responder à seguinte pergunta: quando se usa pos- e quando se usa pot-?

Vamos à conjugação. Complete as formas que faltam e traduza:

presente           imperfeito         futuro               perfeito            m.q.-perfeito    futuro perfeito

INDICATIVO

possum            poteram          potero             potui                potueram         potuero
potes                                       poteris                                     potueras         
                        poterat                                                                                   potuerit
possumus                                poterimus        potuimus         
                       poteratis                                  potuistis           potueratis       
possunt           poterant                                                                                 potuerint

SUBJUNTIVO

possim             possem                                    potuerim          potuissem
possis                                                                                      potuisses
                        possem                                    potuerit          
                                                                        potuerimus      potuissemus
possitis                                                          
possint             possent                                                           potuissent

Quando se deve usar pos- e quando se deve usar pot-? Que particularidades você destacaria na conjugação no modo subjuntivo?

***

Exercício

I. Traduza

1. Possumne hic ambulare? (hic - aqui)
2. Nauta audiens vir bonus esse potest.
3. Nautis gladii sunt.
4. Filiae agricolae pluchri oculi erant. (oculus, -i - olho)
5. Reginae multa pecunia est, mihi nihil. (mihi - a mim)
6. Mihi est pecunia, tibi est terra (tibi - a ti)
7. Terraene agricolis sunt?
8. Neque hic neque ibi pecunia est populo. (ibi - lá, aí; populus, -i - povo)
9. Sine domo vivere non potest. (sine + abl. - sem; vivo, vixi, victus, -ere -viver)
10. Ante portas pugnans interfectus est. (ante + acus. - diante; porta, -ae - portão, porta; interficio, interfeci, interfectus, -ere - matar)

***

5.7. Infinitivo como objeto direto de verbos

Exatamente como em português, alguns verbos em latim podem ser seguidos de um infinitivo:

Amicum videre opto.                          Desejo ver um amigo.
Feminam videre possum.                    Posso ver uma mulher.
Bonus esse videtur.                             Ele parece ser bom.

Essa construção é muito comum em latim, e na quase totalidade dos casos os dois verbos vão para o fim da frase.

Uma particularidade muito importante do verbo video, “ver”, é que, na voz passiva, ele adquire o significado de “parecer”, “ser semelhante a”:  videor, “eu pareço”; videtur, “ele parece”; videbatur, “ele parecia”, etc.

Note que, mesmo conjugado na passiva, esse verbo tem um significado ativo em português. Encontraremos outros assim nas lições subseqüentes.

***

>>> CONTINUAÇÃO DA LIÇÃO 5 (EXERCÍCIOS)


| Introdução | Lição 1 | Lição 2 | Lição 3 | Lição 4 | Lição 5 | Lição 6 |
| Lição 7 | Lição 8 | Lição 9 | Lição 10 | Lição 11 | Lição 12 | Lição 13 |



Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting
1