CURSO DE LATIM
 



| Introdução | Lição 1 | Lição 2 | Lição 3 | Lição 4 | Lição 5 | Lição 6 |
| Lição 7 | Lição 8 | Lição 9 | Lição 10 | Lição 11 | Lição 12 | Lição 13 |


LIÇÃO 3

3.1. Substantivos da segunda declinação

Já estudamos os substantivos da primeira declinação. Seria necessário adentrarmos em uma série de particularidades antes de passarmos para o estudo da segunda. Mas iremos, com o passar das lições, lhe alertando para uma ou outra pequena irregularidade, e alguma possível exceção.

Assim como a primeira declinação é caracterizada pela terminação -ae no genitivo singular de todos seus substantivos, a segunda declinação se caracteriza por ter o genitivo singular terminado em -i, em todos seus substantivos. Enquanto a maioria dos substantivos da primeira declinação era do gênero feminino, os da segunda são, em sua maioria, masculinos ou neutros:

dominus, domini (M)             senhor
puer, pùeri (M)                      menino
saxum, saxi (Neutro)             rocha, pedra

            As terminações variam: -us, -er, -um,  mais a palavra vir, viri, “varão”.

            Eis a declinação completa:

                                   Singular                                                           Plural

Nom.   dominus           puer       saxum                       domini             pùeri             saxa
Gen.     domini             pùeri      saxi                           dominorum      puerorum     saxorum
Acus.   dominum         pùerum  saxum                       dominos           pùeros          saxa
Dat.     domino            pùero     saxo                          dominis            pùeris           saxis
Abl.     domino            pùero     saxo                          dominis            pùeris           saxis
Voc.    domine            pùer       saxum                       domini             pùeri             saxa

Repare as seguintes características:

a) As terminações do dativo e do ablativo singular são iguais; no plural são as mesmas da primeira declinação: -is

b) O vocativo é igual ao nominativo, no singular e no plural, exceto para substantivos terminados em -us, quando se torna -e;

Existem duas regras importantes para os neutros, de qualquer declinação:

1) As formas do nominativo e do acusativo são sempre idênticas, sejam quais forem;

2) O nominativo e o acusativo plurais terminam sempre em -a.

Alguns substantivos terminados em -er, perdem o -e na declinação, como ager, que se torna agri no genitivo (e não *ageri), e mantém o radical agr- em todos os outros casos. Casos como esse serão notados no decorrer das lições

***

Exercícios:

1. Decline no singular campus, -i (M), “planície, campo”, líber, libri, “livro”
2. Decline no plural bellum, -i (N), “guerra”, vir, -i, “homem, varão”.

***

3.2. Adjetivos da primeira e da segunda declinações

Vistas as duas primeiras declinações, podemos agora tratar do primeiro grupo de adjetivos do latim, os adjetivos que se declinam ou como os substantivos da primeira declinação, ou como os da segunda.

Para cada adjetivo desse grupo, temos três terminações distintas, uma para o masculino, outra para o feminino, e outra para o neutro: magnus, magna, magnum, “grande”.

Independente das terminações do substantivo com o qual concorda em gênero, número e caso, os adjetivos desse grupo tomam a forma terminada:

em -us quando usados com substantivos masculinos:
magnus poeta - grande poeta

em -a quando usados com substantivos femininos:
magna insula - grande ilha

em -um quando usados com substantivos neutros:
magnum saxum - grande rochedo.

Como dissemos, os adjetivos concordam em número e caso com os substantivos a que se referem:

                        magnae insulae - as grandes ilhas

e não se esqueça que as terminações não são necessariamente idênticas:

                        magnOrum poetArum - dos grandes poetas.

Eis a tabela completa da declinação de bonus, bona, bonum, “bom, boa”

                        Singular                                                           Plural

            M.         F.          N.                            M.                   F.                    N.

Nom.   bonus    bona     bonum                      boni                 bonae              bona
Gen.     boni       bonae   boni                          bonorum         bonarum         bonorum
Acus.   bonum   bonam  bonum                      bonos              bonas              bona
Dat.     bono      bonae   bono                         bonis               bonis               bonis
Abl.     bono      bona     bono                         bonis               bonis               bonis
Voc.    bone      bona     bonum                      bone                bonae              bona

Não é necessário que você estude essa tabela. Basta apenas observar que os adjetivos masculinos seguem a declinação de dominus, -i; os femininos a declinação de puella, - ae; e os neutros a declinação de saxum, -i.

Como aconteceu com ager, agri, assim também ocorre com alguns adjetivos, como pulcher, pulchra, pulchrum, “belo, formoso”, que no genitivo masculino torna-se pulchri. Daí a declinação segue normalmente, fazendo uso do radical pulchr-.

Como em português, os adjetivos podem ser usados como se fossem substantivos:

                        bonum amat                Ele ama o bom (aquilo que é bom)
                        multum habet              Ele tem muita coisa (muito)
                        mala timet                   Ele teme coisas más (maus acontecimentos, etc.)
                        magna optat                Ele deseja coisas grandes

Note que usamos com o neutro a palavra “coisa” para traduzir os adjetivos usados substantivamente. Nem sempre ela deve aparecer em traduções, e uma opção é procurar outra palavra mais conveniente em um dicionário.

***

Exercícios

1. Decline conjuntamente no singular:

a) pulcher capillus (capillus, -i, “cabelo”)
b) verbum acerbum (verbum, i, (N), “palavra”; acerbus, -a, -um, “severo; azedo”)

2. Decline conjuntamente no plural:

a) malus liber
b) validus vir (validus, -a, -um, “forte”)

***

3.3. Ablativo de instrumento ou meio

O ablativo sem preposição é usado para indicar o instrumento ou o meio com que algo é feito:

            Romani gladiis pugnabant.      Os romanos lutavam com espadas.
                                                           Os romanos lutavam por meio de espadas.

            Oculis videmus.                      Vemos com os olhos.
                                                           Vemos por meio dos olhos.

Puellas taeda terruit.                Ele assustou as meninas com uma tocha.
                                               Ele assustou as meninas por meio de uma tocha.

3.4. Ablativo de modo

O ablativo pode ser usado com ou sem a preposição cum para indicar o modo ou maneira como as coisas são feitas:

Verba misera cum venia audivisti.
Tu ouviste palavras infelizes com indulgência.
Verba misera magna cum venia audivisti.      
Verba misera magna venia audivisti.
Tu ouviste palavras infelizes com grande indulgência.

A preposição cum é exigida nessa construção quando o substantivo não é modificado por um adjetivo. Quando o é, cum é opcional, e pode ser colocada entre o adjetivo e o substantivo. Este tipo de construção é muito comum em latim, e a veremos ainda com outras preposições.

***

Exercício

Traduza

1. Si incolae saxis pugnavissent, inimicos non superavissent.
2. Nisi malos saxis gladiisque e insula pepulissemus, servi nunc essemus.
3. Magna cum laetitia bona verba audio.
4. Litteras cum gaudio scribo.
5. Verba poetarum magna cum invidia audivimus.
6. Bona magna diligentia peto.

diligentia, -ae - aplicação                                  peto, -ivi, -itus, -ere - pedir; buscar; dirigir-se a
gaudium, -i - prazer, regozijo                            pugno, -avi, -atus, -are - lutar, combater, brigar
laetitia, -ae - alegria, felicidade                        servus, -i - escravo
nunc - agora

3.5. A seqüência dos tempos

Um fato que nem sempre nos damos conta em português é que, em períodos subordinados, não podemos usar livremente os tempos verbais. Por exemplo, não podemos dizer coisas como “Quero que cantasses”, ou “Queria que cante”. O falante do português sabe que deve dizer: “Quero que cante” e “Queria que cantasses”. Esse fato ocorre porque o tempo do verbo da subordinada depende do tempo da principal. Isso é muito importante na sintaxe da língua, essa dependência, essa correlação, essa concordância entre os tempos. Em latim esse fenômeno também ocorre, e ainda com maior precisão.

Na primeira lição, fizemos uma distinção entre os tempos, chamando-os ora de tempos primários, ora de tempos secundários. No indicativo, seriam chamados de tempos primários o presente e os futuros, e de secundários todos os passados. Vamos estender essa classificação ao subjuntivo: serão tempos primários o presente e o perfeito, e secundários o imperfeito e o mais-que-perfeito.

Lembremo-nos da tabela que deixamos no fim da lição anterior:

PRESENTE                     (1)              PRESENTE     (1s)
IMPERFEITO                 (2)              IMPERFEITO (2s)
FUTURO                        (3)
PERFEITO                      (4)              PERFEITO                      (3s)
MAIS-QUE-PERFEITO (5)              MAIS-QUE-PERFEITO (4s)
FUTURO PERFEITO     (6)

De uma outra forma, podemos dizer: os tempos 1, 3, 6 e 1s, 3s são primários; os tempos 2, 4, 5 e 2s, 4s são secundários.

Simplificando um pouco mais, podemos dizer: os tempos que têm os números 1, 3, 6 (tanto no indicativo quanto no subjuntivo) são primários, e os que têm 2, 4, 5 são secundários:

            PRIMÁRIOS              1 3 6

            SECUNDÁRIOS        2 4 5

Essa classificação é fundamental em latim, pois, em períodos subordinados, o tampo da oração subordinada deve ter mesma classificação do tempo da principal. Temos assim uma seqüência primária de tempos, e uma seqüência secundária de tempos.

Duas outras distinções são importantes em latim:         

1) na seqüência primária o presente do subjuntivo (1s) denota uma ação que ocorre ao mesmo tempo que daquela do verbo da principal, e o perfeito do subjuntivo (3s) denota uma ação que ocorreu antes do tempo da ação da principal:

            Intelligo quid dicas                            Entendo o que dizes
                                                               (Entendo agora o que dizes agora)

            Intelligo quid dixeris                         Entendo o que disseste
                                                              (Entendo agora o que você disse antes)

Preste atenção mais uma vez nos tempos em latim: 1 -> 1s, e 1 -> 3s, todos tempos primários, com 1s denotando contemporaneidade com o tempo da oração principal, e o 3s denotando anterioridade ao tempo da oração principal.

2) na seqüência secundária o imperfeito do subjuntivo (2s) denota uma ação que ocorre no mesmo tempo que o daquela do verbo da principal, e o mais-que-perfeito do subjuntivo (4s) denota uma ação que ocorreu antes do tempo da ação da principal:

            Intelligebam quid diceres                  Entendia o que dizias
                                                               (Entendia então o que dizias então)

            Intelligebam quid dixisses                Entendia o que tinhas dito
                                                              (Entendia então o que você tinha dito antes)

Preste atenção mais uma vez nos tempos em latim: 2 -> 2s, e 2 -> 4s, todos tempos secundários, com 2s denotando contemporaneidade com o tempo da oração principal, e o 4s denotando anterioridade ao tempo da oração principal.

Observe também que, na tradução, não usamos a tradução “crua” dos tempos, mas procuramos outra que denotasse ou contemporaneidade ou anterioridade das ações das subordinadas. No caso, traduzimos os tempos do subjuntivo por tempos do indicativo (!). Lembre-se disso em suas traduções futuras. Outras traduções com outros tempos poderão ser possíveis, mas a relação de contemporaneidade ou de anterioridade das ações deve ser mantida. Veremos mais exemplos disso no tópico seguinte.

3.6. Orações finais

Uma oração final denota o fim, o objetivo da ação que o sujeito da principal almeja: “João trabalha para ter dinheiro”. Podemos perguntar: “Por que João trabalha?”, e respondermos com o objetivo, o fim desejado por João ao trabalhar: “para ter dinheiro”.

Em latim, usamos, na maioria dos casos, as conjunções ut, “para, para que”, e ne, “para não, para que não” para expressarmos nosso propósito.

Nas orações abaixo estudaremos orações finais em seqüências primárias e secundárias.

Observe atentamente a aplicação da seqüência dos tempos nas orações abaixo.

3.6.1. Orações finais em seqüência primária

Laboro ut pecuniam habeam              Trabalho para que eu tenha dinheiro.                                                                                   Trabalho para ter dinheiro.

Laborabo ut pecuniam habeam          Trabalharei para que eu tenha dinheiro.
                                                           Trabalharei para ter dinheiro.

Laboravero ut pecuniam habeam       Terei trabalhado para que eu tenha dinheiro.
                                                          Terei trabalhado para ter dinheiro.

3.6.2. Orações finais em seqüência secundária

Laborabam ut pecuniam haberem      Trabalhava para que eu tivesse dinheiro.
                                                           Trabalhava para ter dinheiro.

Laboravi ut pecuniam haberem          Trabalhei para que eu tivesse dinheiro.
                                                           Trabalhei para ter dinheiro.

Laboraveram ut pecuniam haberem    Tinha trabalhado para que eu tivesse dinheiro.
                                                           Tinha trabalhado para ter dinheiro.

Note que em todas as orações é possível traduzir a subordinada por “para ter o dinheiro”. Note também que basicamente traduzimos apenas o tempo da principal.

***

Exercício

Traduza:

1. Incolae pugnant ut nautas superent.
2. Incolae pugnabunt ut nautas superent.
3. Incolae liberi pugnaverint ut nautas superent.
4. Pecuniam femina celavit ne nautae viderent.
5. Pecuniam femina celabat ne nauta videret.
6. Pecuniam femina celaverat ne nautae bellum gererent.
7. Magna tristitia scripsi ne bellum gereres.

bellum gerere - fazer guerra                                            scribo, scripsi, scriptum, scribere - escrever
liber, libera, liberum - livre                                             tristitia, -ae - tristeza

***

>>> CONTINUAÇÃO DA LIÇÃO 3 (EXERCÍCIOS)


| Introdução | Lição 1 | Lição 2 | Lição 3 | Lição 4 | Lição 5 | Lição 6 |
| Lição 7 | Lição 8 | Lição 9 | Lição 10 | Lição 11 | Lição 12 | Lição 13 |



Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting
1