Retângulo de cantos arredondados: Bem-Vindos

Laboratório de Bioquímica

Caixa de texto:   
Home

 

 Trabalhos

Caixa de texto:  Biossegurança
Caixa de texto:  Downloads 
Caixa de texto:  Metodologias
Caixa de texto:  História 
Caixa de texto:  UNIFESO

© 2008 Laboratório de Bioquímica

 

 

Destaques

Centro Universitário Serra dos Órgãos-UNIFESO

Curva Glicêmica

Caixa de texto: Instrutorias

Artigos

Pesquisa

Links Acadêmicos

Livros

Biossegurança

Equipe de Construção

Caixa de texto:

Construtores: Cristiano Martins Quintão

                       Mateus Maciel e Sousa

                       Roberto Rômulo de Medeiros Souza

 Fórmula estrutural da molécula de glicose

Fundamentação teórica:

 

 A dosagem da glicemia pode ser realizada de maneira isolada (glicemia basal ou de jejum) ou associada à avaliação da ação pancreática no metabolismo da glicose (glicemia pós-prandial ou curva glicêmica).

                 Na glicemia basal  o sangue é colhido após o jejum de 8 horas.           

  Para se determinar a glicemia pós-prandial realiza-se uma colheita em jejum  em e seguida o paciente faz uma refeição contendo pelo menos 50 gramas de carboidratos e após duas horas faz-se uma nova coleta. A glicemia deve ser de até 120 mg/100ml no plasma.

                 A seguinte refeição (desjejum) contém cerca de 70g de carboidratos e pode ser usada para esta finalidade:  Um pão francês (50g),  1 copo de leite (200ml); uma colher de sopa cheia de açúcar (15g),  uma banana prata, café e manteiga, à vontade.

A prova de tolerância à glicose, também conhecida como curva glicêmica, consiste em colher sangue em jejum e, em seguida, administrar glicose por via oral (75g de glicose em 250 ml de água). Ë importante colher urina após a primeira coleta de sangue e mais duas urinas aleatórias para testar a glicosúria.

A coleta de sangue e urina é realizada em intervalos de tempo de 30 minutos, uma, duas ou três horas após. No dia da prova, o paciente deve estar em jejum de pelo menos oito horas e não superior a quatorze horas.

 

Valores de Referência:

 

Jejum: de 70 a 110 mg/dl
Pós-prandial: até 120mg/dl

* O jejum é definido como a falta de ingestão calórica de no mínimo 8 horas.

** Glicemia plasmática casual é definida como aquela realizada a qualquer hora do dia, sem observar o intervalo da última refeição.

*** Os sintomas clássicos de DM incluem poliúria, polidipsia e perda de peso.

Nota: O diagnóstico de DM deve sempre ser confirmado pela repetição do teste após seis semanas, a menos que haja hiperglicemia inequívoca com descompensação metabólica aguda ou sintomas óbvios de DM.

Método da glicose-oxidase (GOD)

 

Fundamenta-se na ação da enzima glicose-oxidase catalisando a oxidação da glicose formando ácido glucônico e água oxigenada. Esta sofre ação da enzima peroxidase, que proporciona a reação da 4-aminoantipirina e o fenol, presente no reagente de cor, formando um composto vermelho que, por seguir a Lei de Lambert-Beer, pode ter a Absorbância determinada em 510 nm. é um método de extrema precisão e praticidade (ocorre a 37oC), sendo os reagentes pouco tóxicos, a exceção do fenol.

 

GLICOSE + O2 + H20 GOD                                         Ácido Glucônico + H2O2

 

 

 

 

(Glicose oxidase)

2H2O2 + 4-aminofenazona + Fenol --POD                                   quinonimina  + 4 H2O

 

 

 

(Peroxidase)

DOSAGEM DE GLICOSE (CURVA GLICÊMICA)

- Homogeneizar e incubar os tubos durante 10 minutos em banho- Maria a 37ºC.

- Zerar o espectrofotômetro em 510nm utilizando o tubo branco (7)

- Medir as Absorbância das amostras (1 a 5)  e do padrão (6) e anotar na coluna D.

 - Determinar as concentrações de  Glicose  e anotar na coluna E.

Cálculo: glicose (mg/dl) = Absorbância da Amostra/Absorbância do Padrão X 100

Tipos de Curva Glicêmica

Significados clínicos:

 

1- Hiperglicemia

     1.1. Diabetes melitus

     1.2. Síndrome diabetóide extra-insular: hipofisária, supra-renal  e  tireóide.

     1.3. Encefolopáticas

     1.4. Tóxica

 

2- Hipoglicemia

     2.1. Hiperinsulinismo por insulinoma

     2.2. Insuficiência supra-renal

     2.3. Hipotireoidismo

     2.4. Doenças hepáticas graves e alcoolismo

   

Referências:

1- Consenso Brasileiro sobre diabetes – Sociedade Brasileira de Diabetes, maio de 2000.

2- GAW, A. et al. Bioquímica Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

3- RAVEL, R. Laboratório Clínico. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

Caixa de texto: Instrutorias

Outras Homepages

+Instituições

História da Bioquímica

Valores de glicose plasmática (em mg/dl) para diagnóstico de diabetes melitus

e seus estágios pré-clínicos.

Categorias

Jejum*

2 h após 75g glicose

Casual**

Glicemia de jejum alterada

> 110 e < 126

< 140 (se realizada)

 

Tolerância à glicose diminuída

< 126

³ 140 e < 200

 

Diabetes Mellitus

³ 126 ou

> 200 ou

³ 200 (com sintomas clássicos)***

A

        B

      C

       D

E

TUBO

 Volume da amostra (ml)

Reagente  de cor

Leitura (DO)

Conc. mg/dl

1-   jejum

0,2

2.0

 

 

2 -  30min.

0,2

2.0

 

 

3 -  60min.

0,2

2.0

 

 

4 -  90min.

0,2

2.0

 

 

5 – 120min.

0,2

2.0

 

 

6 -  Padrão(100mg/dl*)

0,2

2.0

 

 

7-   Branco (H2O)

0,2

2.0

 

 

Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting
1