Esquina da Literatura

br.geocities.com/esquinadaliteratura

Início > Escolas Literárias > Movimentos europeus de vanguarda >


Futurismo
texto do trabalho Futurismo

AQUI VOCÊ ENCONTRA:

· Futurismo e Marinetti *
· O Manifesto Futurista: a ideologia do movimento *
· O Manifesto Técnico da Literatura Futurista: a linguagem futurista *
· A Pintura Futurista *
· As Diferenças e as Semelhanças do Futurismo com outras Escolas *
· O Futurismo em Portugal *
· O Futurismo no Brasil *
· A Decadência do Futurismo *

 

Futurismo e Marinetti

O movimento tem início quando o italiano Filippo Tomasio Marinetti publica no jornal Le Figaro, em 1909, o Manifesto Futurista. Neste, Marinetti exalta o mundo moderno, com sua velocidade e dinamismo e, repudia o sentimentalismo e o feminismo. Com isso, ele quer, na verdade, é atingir seu país, a Itália, tentando despertá-la, visto que esta estava totalmente estagnada industrialmente. Nota-se com isso uma atitude extremamente nacionalista.

É importante salientar que o futurismo propagou-se basicamente através dos manifestos publicados por Marinetti. Foram publicados vários, dentre esses, além do lançado em 1909, que apresenta o perfil ideológico do futurismo, teve fundamental importância o publicado em 1912, o Manifesto Técnico Literatura Futurista, onde Marinetti delineia a forma da linguagem futurista, promovendo uma revolução na literatura.

Algumas idéias deste movimento, como o menosprezo a mulher e a exaltação à guerra, anteciparam ideologicamente o que seria o fascismo italiano. Isso é tão verdade que Marinetti aliou-se ao ditador Benito Mussoline, e o futurismo passou a ser a expressão artística do fascismo. Isso é um fato que afastou os escritores do futurismo, dado o grande problema que ser chamado de fascista poderia ocasionar.

Faleceu em 1942, após ter percorrido todo o mundo pregando os ideais futuristas.

 

O Manifesto Futurista: a ideologia do movimento
A seguir apresentaremos os principais tópicos do manifesto de 1909.

1.Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito à energia e à temeridade .

2.Os elementos essenciais de nossa poesia serão a coragem, a audácia e a revolta

3.Tendo a literatura até aqui enaltecido a imobilidade pensativa , o êxtase e o sono, nós queremos exaltar o movimento agressivo , a insônia febril, o passo ginástico, o salto mortal , a bofetada o soco.

4.Nós declaramos que o esplendor do mundo se enriqueceu com uma beleza nova: a beleza da velocidade . Um automóvel de corrida com seu cofre adornado de grossos tubos com serpentes de fôlego explosivo... um automóvel rugidor , que parece correr sobre a metralha ,é mais belo que a Vitória de Samotrácia.

5. Nós queremos glorificar a guerra – única higiene do mundo, o militarismo,o patriotismo, o gesto destrutor dos anarquistas , as belas idéias que matam, e o menosprezo à mulher .

6.Nós queremos demolir os museus , as bibliotecas ,combater o formalismo, o feminismo e todas as covardias oportunistas e utilitárias.

7.Nós cantaremos as grandes multidões movimentadas pelo trabalho, pelo prazer ou pela revolta ; as marés multicoloridas e polifônicas das revoluções nas capitais modernas ; a vibração noturna dos arsenais e dos estaleiros sob suas violentas luas ecléticas ; as estações glutonas comedoras de serpentes que fumam; as usinas suspensas nas nuvens pelos barbantes de suas fumaças ; as pontes para pulos de ginastas lançadas sobre a cutelaria diabólica dos rios ensolarados ; os navios aventureiros farejando o horizonte ; as locomotivas de grande peito ,que escoucinham os trilhos , como enormes cavalos de aço freados por longos tubos , e o vôo deslizante dos aeroplanos , cuja hélice tem os estalos da bandeira e os aplausos da multidão entusiasta.

8.Olhem-nos ! Nós não estamos esfalfados ... Nosso coração não tem a menos fadiga. Porque ele está nutrido pelo fogo, pelo ódio e pela velocidade!... Isso o espanta? É que você não se lembra mesmo de ter vivido.

  • Como já foi dito, este manifesto surge e traça o perfil ideológico do futurismo. A seguir, apontaremos com mais clareza algumas desta idéias:

Guerra - Era a única forma de "limpar" o mundo, apenas os mais fortes deveriam sobreviver. Os fracos deveriam ser eliminados.

Passado - Achavam que a sociedade deveria desprender-se totalmente do passado. Eram extremamente radicais ao ponto de sugerir a destruição dos museus e das obras literárias de movimentoas anteriores. Além de terem feito uma revolução literária totalmente contrária as as regras impostas pelos antigos movimentos.

Mulher - Era menosprezada, pois eles achavam-nas puras, castas, inocentes. Por isso, não eram qualificadas para os trabalhos do futuro, já que para eles não possuiam capacidade física nem mental.

Nacionalismo - O nacinalismo torna-se evidente no manifesto futurista, quando Marinetti exalta a industrialização e a rejeição ao passado, ele visa principalmente a Itália, que encontava-se estagnada industrialmente, a fim de acordá-la. Esse nacionalismo sempre esteve ligado à questão bélica, fato que anos mais tarde o fascismo se identificou-se. Veja a seguir um trecho de Democrazia Futurista, 1919, de Marinetti sobre o patriotismo: "O patriotismo é para nós simplesmente a sublimação do apego respeitoso que as boas e fortes empresas inspiram aos seus participantes".

Natureza - Ela é imperfeita e precisa indispensavelmente do homem, da guerra para sua significação e beleza. Veja a seguir um trecho de um manifesto escrito por Marinetti: "A terra, o mar, o céu, e a mulher, exigiam a guerra como complemento natural".

Humanidade - Acreditavam que a humanidade caminhava em direção ao individualismo anárquico, meta e sonho de todo espírito forte, demosntrando sua característica totalmente oposta ao comunismo.

  

O Manifesto Técnico da Literatura Futurista: a linguagem futurista

Ao publicar o Manifesto Técnico da Literatura Futurista, em 1912, Marinetti mais uma vez surpreende e promove uma verdadeira revolução literária. Propõe principalmente o uso dos versos livres, que passarão a ser característica da linguagem modernista, a destruição da sintaxe e a disposição das palavras em liberdade. Além do emprego de verbos no infinitivo ; da abolição dos adjetivos e advérbios ; da abolição das iniciais maiúscula e das conjunções ; do emprego do substantivo duplo , em lugar de substantivo acompanhado por adjetivos (ex.: praça- funil); da abolição da pontuação (exceto ponto final), que seria substituída por sinais da Matemática (=,+,-, >) e pelos sinais musicais ; do uso da onomatopéia ,dos versos livres ; da inovação do emprego dos caracteres tipográficos ; da destruição do eu psicologizante .

Marinetti mostra-se extremamente radical em relação à arte literária anterior ao séc. XX, sugerindo uma revolta contra todos os padrões usuais de sintaxe gramatical: "pela enorme quantidade de frases exclamativas, de invectivas e de insultos, com o intuito de desmistificar, demolir, acabar com os hábitos culturais esclerosados e retrógrados..."

 

A Pintura Futurista

Na pintura , os pintores deveriam preocupar-se não pelo objeto real e representado, mas por todo o ambiente envolvente. O nu desaparecia e as cores- base tradicionais teriam que ceder a todo um conjunto de cores policromáticas, estabelecendo motivos de surpresa e fazendo construir no próprio espectador do quadro a sua idéia individual sobre a obra. Era isso mesmo que Marinetti queria: o espectador passava a ser o centro do quadro e não apenas, um elemento passivo perante ele. O espectador é parte integrante do quadro que observa... Ele próprio constrói a obra já elaborada pelo artista.

Participaram deste grupo Luigi Russolo, Umberto Boccioni, Gino Severine e Giacomo Balla. Eles consideravam que a Itália estava aprisionada por suas glórias passadas e precisava dar um passo para o futuro. Seus objetivos eram trazer a cultura européia para o que eles viam como o glorioso mundo da tecnologia. A palavra chave era o dinamismo, uma força universal que deveria ser mostrada na pintura. Utilizavam o dinamismo também como forma de glorificar a violência.

Além do dinamismo, a simultaneidade foi outra característica trazida com o futurismo. Isso era uma fora de reunir em apenas uma obra toda evolução da sociedade, pois poderia ser exposta ao mesmo tempo como o movimento, a luz e o som.

-Pintura de Giacomo Balla, o autor com esta pintura quer representar a velocidade com que os futuristas viam o mundo.

 

As Diferenças e as Semelhanças do Futurismo com outras Escolas

Pelo seu caráter radical, o futurismo apresenta bastante diferenças e poucas semelhanças com outras escolas, abaixo apresentaremos suas principais:

Diferenças

Barroco
Conflito espiritual
Oposição entre omundo material e espiritual
Vocábulo selecionado
Gosto por construções complexas e raras

Arcadismo
Bucolismo
Pastoralismo
Fugere urbem
Racionalismo
Aurea mediocritas
Presença da cultura greco-latina(passado)
Idealização amorosa

Romantismo
Sentilmentalismo
Idealização da mulher e do amor
Subjetivismo
Saudosismo
Medievalismo
Byronismo

Real-Naturalismo
Racionalismo
Impessoalidade
Clareza, equilíbrio e harmonia na composição
Determinismo

Parnasianismo
Perfeição formal
Racionalismo
Presença da arte clássica(passado)
Rimas rara; chaves de ouro

Simbolismo
Linguagem vaga, que prefere sugerir.
Subjetivismo
Anti-materialismo
Misticismo
Dor de existir
Interesse pelo noturno e pela morte
Desejo de transcendência, de integração cósmica.

 

Semelhanças

Arcadismo
Vocabulário simples

Romantismo
Nacionalismo
Certa liberdade formal e de criação

Real-Naturalismo
Materialismo
Objetivismo

Parnasianismo
Objetivismo

Simbolismo
Irracionalismo
Uso de alguns símbolos

 

O Futurismo em Portugal

Tem-se como marco introdutório do modernismo português a publicação da revista Orpheu, em 1915. Esta também pode ser considerada como o ponto mais alto atingido pelo futurismo em terras lusas.

Orpheu era uma revista trimestral que contou com dois números e um que não chegou a ser publicado. Nasceu do convívio de alguns artistas que se reuniam no cafés de Lisboa e buscavam trocas de experiências e informações. Tinham por objetivo revolucionar e atualizar a cultura portuguesa. É importante destacar que esta revista não tinha influências apenas futurista. O Cubismo e as idéias simbolistas também eram presentes.

Dentre outros, fizeram parte de Orpheu e da geração orfeista Almada Negreiros, Mário de Sá-Carneiro e Fernando Pessoa. Este último, foi considerado o maior escritor do modernismo português e, ao lado de Camões, é considerado o maior poeta português de todos os tempos. Sendo também, o escritor que mais assimilou o pensamento futurista com a heteronímia de Álvaro Campos.

Álvaro Campos escandalizou a sociedade ao publicar, na revista Orpheu, o poema 'Ode Marítima'. Esta obra, juntamente com 'Ode Triunfal', são os trabalhos em que ele mais assimilou o futurismo. Gostava de usar o verso livre e um tom explosivo tipicamente futurista. Veja a seguir um trecho de sua obra:

Eh marinheiros, gajeiros, eh tripulantes, pilotos!
Navegadores, mareantes, marujos, aventureiros!
Eh capitães de navios! homens ao leme e em mastros!
Homens que dormem em beliches rudes!
Homens que dormem co'o Perigo a espreitar p'las vigias!
Homens que dormem co'a Morte por travesseiro!
Homens que têm tombadilhos, que têm pontes donde olhar
A imensidade imensa do mar imenso!
Eh manipuladores dos guindastes de carga!
Eh amainadores de velas, fogueiros, criados de bordo!

('Ode Marítima'. Em Antologia de Fernando Pessoa. p. 80)

Eia comboios, eia pontes, eia hotéis à hora do jantar
Eia aparelhos de todas as espécies, férreos, brutos, mínimos,
Instrumentos de precisão, aparelhos de triturar, de cavar,
Engenhos, brocas, máquinas rotativas!
Eia! eia! eia!
Eia eletricidade, nervos doente da Matéria!
Eia telegrafia-sem-fios, simpatia metálica do Inconsciente!
Eia túneis, eia canais, Panamá, Kiel, Suez!
Eia todo o passado dentro do presente!
Eia todo o futuro já dentro de nós! eia!
Eia! eia! eia!

('Ode triunfal'. Em Obra Poética. p.310-1.)

 

O Futurismo no Brasil

Não houve nenhum escritor brasileiro que se identifica-se plenamente com o futurismo. Houve sim, alguns que foram influenciados, principalmente quanto suas ideais artísticas, porem repudiavam seu posicionamento quanto à guerra. No Brasil, futurismo assou a significar qualquer postura inovadora de arte.

Oswald de Andrade saudou em 1921 Mário de Andrade com o artigo " O meu poeta futurista", Mário de Andrade temendo ser considerado um fascista veio a público negar o título de futurista e principalmente Marinetti: "Não sou futurista (de Marinetti). Disse e repito-o. Tenho pontos de contato com o futurismo. Oswald de Andrade, chamando-me de futurista, errou."

Veja a seguir um trecho do poema "Ode ao burguês" de Mário de Andrade:

Ode ao burguês

Eu insulto o burguês ! O burguês níquel ,
o burguês- burguês!
A digestão bem feita de São Paulo !
O homem- curva ! o homem nádegas !
O homem que sendo francês , brasileiro , italiano,
é sempre um cauteloso pouco –a – pouco!

........................................................................................

Eu insulto o burguês- funesto!
O indigesto feijão com toucinho , dono das traições !
Fora os que algarismam os amanhãs !
Olha a vida dos nossos setembros !

............................................................................................

Ódio e insulto ! Ódio e raiva ! Ódio e mais ódio!
Morte ao burguês de giolhos ,
Cheirando religião e que não crê em Deus !
Ódio vermelho ! Ódio fecundo ! Ódio cíclico !
Ódio fundamento , sem perdão!
Fora ! Fu! Fora o bom burguês! ...

(Mário de Andrade, Poesias completas, São Paulo, Círculo do Livro, s. d., p. 45-7.)

Realmente, Mário de Andrade pode até não ser um futurista mais apresenta muitas características desse movimento tais como: o tom agressivo e exclamativo, que sugeri gritos, revolta; a irreverência contra a estrutura social; uma importante contribuição a linguagem moderna, o verso livre; e a substantivação dupla.

 

A Decadência do Futurismo

Após a 2ª Guerra Mundial, os futuristas(escritores, pintores, poetas) perceberam que a ideologia do movimento, extremamente favorável à guerra, era um equívoco.

A partir deste momento, começou a florescer uma rica poesia religiosa, o que caracterizou o pós-futurismo. Por toda parte pedia-se a volta da ordem, a volta dos clássicos e também aso amanhã do estilo, terminando assim o futurismo.

Mesmo com sua decadência, o futurismo deixou marcas significativas, que influenciaram os modernistas e continua até hoje, tais como o verso livre, nacionalismo e a liberdade formal e de criação.

Topo


Início | Autores | Escolas Literárias
1998-2007 Esquina da Literatura - InfoEsquina

 

Hosted by www.Geocities.ws
1