CONCEITO DE PESQUISA

 

 

A pesquisa é uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de processos científicos.

A pequisa parte, pois, de uma dúvida ou problema e, com o uso do método científico, busca uma resposta ou solução.

Os três elementos são imprescindíveis, uma vez que uma solução poderá ocorrer somente quando algum problema levantado tenha sido trabalhado com instrumentos científicos e procedimentos adequados.

A pesquisa, porém, não é a única forma de obtenção de conhecimentos e descobertas. Outros meios de acesso ao saber que dispensam o uso de processos científicos embora válidos, não podem ser enquadrados como tarefas de pesquisa.

Um desses meios, aliás muito recomendável, é a consulta bibliográfica que se caracteriza por dirimir pequenas dúvidas, recorrendo a documentos.

 

TIPOS DE PESQUISA

 

O interesse e a curiosidade do homem pelo saber levam-no a investigar a realidade sob os mais diversificados aspectos e dimensões.

Por outro lado, cada abordagem ou busca admite níveis diferentes de aprofundamento e enfoques específicos conforme o objeto de estudo, ojetivos visados e a qualificação do pesquisador.

É natural, pois, a existência de inumerávies tipos de pesquisa.

Cada tipo de pesquisa possui, além do núcleo comum de procedimentos, suas peculiaridades próprias.

Não cabe, neste texto, enumerar todos os aspectos que a pesquisa possa abordar ou transcrever todas as classificações já apresentadas.

É oportuno, porém referir a ênfase que alguns autores dão à distinção entre a pesquisa pura e a aplicada.

Na pesquisa pura ou básica, o pesquisador tem como meta o saber, buscando satisfazer uma necessidade intelectual pelo conhecimento.

Já na pesquisa aplicada, o investigador é movido pela necessidade de contribuir para fins práticos mais ou menos imediatos, buscando soluções para problemas concretos.

São pesquisas que não se excluem, nem se opõem. Ambas são indispensáveis para o progresso das ciências e do homem: uma busca a atualização de conhecimentos para uma nova tomada de posição, enquanto a outra pretende, além disto, transformar em ação concreta os resultados de seu trabalho.

A classificação que por seu alcance será adotada neste texto fixa-se no procedimento geral que é utilizado. Segundo este critério, obtém-se, no mínimo, três importantes tipos de pesquisa: a bibliográfica, a descritiva, e a experimental.

Este trabalho terá enfoque apenas no tipo de pesquisa descritiva.

 

 

 

PESQUISA DESCRITIVA

 

Segundo os autores A. L. Cervo e P. A. Bervian, a pesquisa descritiva observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los.

Procura descobrir, com a precisão possível, a frequëncia com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros, sua natureza e características.

Busca conhecer as diversas situaçoes e relações que ocorrem na vida social, política, econômica e demais aspectos do comportamento humano, tanto do indivíduo tomado isoladamente como de grupos e comunidades mais complexas.

A pesquisa descritiva desenvolve-se, principalmente, na Ciências Humanas e Sociais, abordando aqueles dados e problemas que merecem ser estudados e cujo registro não consta de documentos.

Os dados, por ocorrerem em seu habitat natural, precisam ser coletados e registrados ordenadamente para seu estudo propriamente dito.

a)    Estudos exploratórios

O estudo exploratório, designado por alguns autores como pesquisa quase científica ou não científica é, normalmente, o passo inicial no processo de pesquisa pela experiência e auxílio que traz na formulação de hipóteses significativas para posteriores pesquisas.

Os estudos exploratórios não elaboram hipóteses a serem testadas no trabalho, restringindo-se a definir objetivos e buscar maiores informaçoes sobre determinado assunto de estudo.

Tais estudos tem por objetivo familiarizar-se como fenômeno ou obter nova percepção do mesmo e descobrir novas idéias.

A pesquisa exploratória realiza descrições precisas da situação e quer descobrir as relações existentes entre os elementos componentes da mesma.

Essa pesquisa requer um planejamento bastante flexível para possibilitar a consideração dos mais diversos aspectos de um problema ou de uma situação.

É recomendável o estudo exploratório quando há poucos conhecimentos sobre o problema a ser estudado.

b)    Estudos descritivos

Trata-se do estudo e da descrição das caracterísitcas, propriedades ou relações existentes na comunidade, grupo ou realidade pesquisada.

Os estudos descritivos, assim como os exploratórios, favorecem, numa pesquisa mais ampla e completa, as tarefas da formulação clara do problema e da hipótese como tentativa de solução.

c)     Pesquisa de opinião

Procura saber atitudes, pontos-de-vista e preferências que as pessoas têm a respeito de algum assunto, com o objetivo de tomar decisões.

A pesquisa de opinião abrange uma faixa muito grande de investigações que visam identificar falhas ou erros, descrever procedimentos, descobrir tendências, reconhecer interesses e outros comportamentos.

d)    Pesquisa de motivação

Busca saber as razões inconscientes e ocultas que levam, por exemplo, o consumidor a utilizar determinado produto ou que determinam certos comportamentos ou atitudes.

e)    Estudo de caso

É a pesquisa sobre um determinado indivíduo, família, grupo ou comunidade para examinar aspectos variados de sua vida.

f)      Pesquisa documental

São investigados documentos a fim de se poder descrever a comparar usos e costumes, tendências, diferenças e outras características.

Estuda a realidade presente e não o passado, como ocorre com a pesquisa histórica.

 

Em síntese, a pesquisa descritiva, em suas diversas formas, trabalha sobre dados ou fatos colhidos da propria realidade.

A coleta de dados aparece como uma das tarefas características da pesquisa descritiva.

Para viabilizar essa importante operação da coleta de dados, são utilizados, como principais instrumentos, a observação, a entrevista, o questionário e o formulário.

A coleta e o registro de dados, porém, com toda sua significação, não constituem, por si sós, uma pesquisa. São apenas uma etapa. A pesquisa, seja qual for o tipo, resulta da execução de inúmeras tarefas, desde a escolha do assunto até o relatório final.

 

Segundo o autor Silvio Luiz de Oliveira, a pesquisa descritiva tem por principal finalidade, observar, registrar e analisar os fenômenos sem entretanto, entrar no mérito do seu conteúdo. De uma maneira mais clara, o trabalho descritivo procura abranger aspectos gerais e amplos como o de um contexto social, por exemplo: salário e consumo, mão de obra ativa, população economicamente ativa, situação social, entre outras. O pesquisador apenas procura descobrir com cuidado, a frequência com que acontece o fenômeno, sua natureza e relacionamento com outras de sua própria características.

O estudo descritivo possibilita o desenvolvimento de um nível de análise em que se permite identificar as diferentes formas dos fenômenos, sua ordenação e classificação.

Os estudos descritivos dão margem também para a explicação da relação de causa e efeito dos fenômenos, ou seja, analisar o papel das variáveis independentes e dependentes que influenciam ou causam o aparecimento dos fenômenos.

É um tipo de estudo que permite ao pesquisador a obtenção de um melhor entendimento do comportamento de diversos fatores e elementos que influenciam sobre determinado fenômeno.

Este método de estudo é o tipo que permite controlar, de uma forma simultânea, um número grande de variáveis e, através de técnicas estatísticas, especificar o grau pela qual as diferentes variáveis encontram-se relacionadas dando ao pesquisador uma visão abrangente da forma pela qual as variáveis estão ocorrendos. É certamente o melhor tipo de estudo quando o pesquisador necessita obter melhores entendimentos a respeito do comportamento de diversos fatores e elementos que fluem sobre determinados fenômenos.

No planejamento da pesquisa ou estudo descritivo, o primeiro passo a ser dado, consiste no fato de se identificar as variáveis específicas. A variável pode ser entendida como sendo tudo aquilo que apresenta diferenças, alterações, que pareçam ser importantes para justificar ou explicar complexas características de um problema de comportamento.

Neste estudo, para a obtenção de dados, praticamente podem ser os mesmos da pesquisa quantitativas, ou seja, através de questionários, entrevistas, testes, observações e outras técnicas empregadas em outras modalidades.

Tanto na pesquisa descritiva, como na quantitativa e também na qualitativa, o pesquisador deverá saber escolher com muita eficiência os instrumentos que mais se adequam para efetuar a coleta de informações. Torna-se importante deixar claro a necessidade de um bom preparo do pesquisador de que a forma como se elaboram e aplicam os instrumentos é que varia de acordo com o tipo de pesquisa.  

 

Segundo a autora do livro Fundamentos da Metodologia Científica, Eva Maria Lakatos e Marina de Andrade Marconi, definem a pesquisa descritriva como uma investigação de pesquisa empírica, ou seja através da experiência vivida.

O método utilizado na pesquisa descritiva, é o método quantitativo, na qual se procura descobrir e classificar a relação entre as variáveis  assim como na investigação da relação de causa e efeito entre os fenômenos. A sua principal finalidade é de fornecer dados para a verificação de hipóteses, através da coleta de dados sistemáticos. Utilizam-se várias técnicas de coleta de dados, como: entrevistas, questionários, formulários, etc... e empregam procedimentos de amostragem.

Este método de pesquisa subdividem-se das seguintes maneiras, segundo Lakatos:

·        Estudos de verificação de hipóteses – são aqueles estudos quantitativo-descritivos que contêm hipóteses explícitas. Essas hipótese são derivadas da teoria e podem consistir em declarações de associações entre duas ou mais variáveis, sem referência a uma relação causal entre elas;

·        Estudos de avaliação de programa – estes estudos dizem respeito à procura dos efeitos e resultados de todo um programa ou método específico. As hipóteses podem estar explícitas ou não  e com frequência derivam dos objetivos do programa e não da teoria.

·        Estudos de descrição de população – são os estudos quantitativos-descritivos que possuem, como principal função a exata descrição de certas características quantitativas de populações como um todo. Geralmente contem um grande número de variáveis e utilizam técnicas de amostragem para que apresentem carácter representativo.. Quando pesquisam aspectos qualitativos como atitudes e opiniões, empregam escalas que permitem a quantificação.

·        Estudos de relações de variáveis – são uma forma de estudos quantitativos-descritivos que se referem à descoberta de variáveis pertinentes a determinada questão ou situação, da mesma forma que à descoberta de relações relevantes entre variáveis.

 

 

 

 

 

 

 


 

BIBLIOGRAFIA

 

CERVO, A. L. e BERVIAN, P. A.. Medotologia científica. São Paulo: Makron Books, 1986

 

OLIVEIRA, S. L. TEORIA MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA – 4a. Edição: INDEPENDENTE

 

LAKATOS, E.M e MARCONI, M. A. FUNDAMENTOS DA METODOLOGIA CIENTÍFICA

Editora Atlas - 3º edição

 

 

 

 

 

 

 

Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting
1