PR. ELISEU ESCLARECE SOBRE A MUSICA ANJOS DE DEUS

PR. ELISEU EXPLICA SOBRE A MUSICA ANJO DE DEUS GRAVADO
PELO PE. MARCELO ROSSI

"Minha resposta" - (Eliseu Gomes) O autor da música "Anjos de Deus", um fenômeno que atingiu 3,7 milhão de cópias, responde à imprensa e ao povo evangélico sobre o fato.

      Eu estava em New York, USA, realizando um seminário sobre louvor e adoração na Free Methodist Church pastoreada pelo meu amigo Rev. Jesse Carvalho, quando fui surpreendido via telefone por uma repórter do jornal  " O Dia " do Rio de Janeiro me fazendo uma séries de perguntas sobre a música "Anjos de Deus" de minha autoria que estava sendo muito executada pelas rádio brasileiras.

      Como já conhecia o fato e pela dimensão em que aos poucos o rumo das coisas foram tomando, decidi reunir todas as dúvidas e perguntas formuladas pelos amigos, família, colegas, rádios, TV e jornais a respeito da seguinte questão: "Como um pastor protestante pode compor para um padre católico gravar?"

      O Fato é que o Padre Marcelo reuniu canções evangélicas e gravou um CD que foi sendo destacado pela imprensa e com isto o Padre se apresentou nas Redes Globo, SBT, Record, rádios e emissoras de TV locais em toda a nação. Numa destas aparições no programa do Ratinho na Record a audiência bateu um pico que alcançou  40 milhões de telespectadores, quando foi cantado "Anjos de Deus". Os telefones da emissora não pararam de chamar e num fato inédito na televisão o padre teve que repetir a música ao vivo. Tudo isto e muito mais rendeu uma capa da Revista VEJA e destaque em toda imprensa do País.

      Da minha parte não se trata de defesa, e sim , de um esclarecimento pessoal sobre o caso e também desmentir boatos montados por pessoas que não possuem o mínimo de caráter moral para falar sobre tal assunto.

       Me posicionei nos meios de comunicação com notas dirigidas à revista VEJA,  jornal O DIA do Rio de Janeiro, NOTÍCIAS POPULARES de São Paulo, Luiz Alberto da Rádio ALIANÇA de Goiania-GO, Alberto Brizola Rádio 93 FM - Rio, etc.

      Que Deus possa me ajudar a dirimir as dúvidas, desmentir boatos e  abençoar você com toda a verdade de Deus, como diz as Escrituras Sagradas: "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará " (S. João 8.32)

      Eu compus esta música em 1992. E foi gravada por alguns cantores evangélicos, sendo assim a cronologia: A 1a.  foi em 1993 com Keila Miranda (Gravadora Melodias do Rei), A 2a. Elizeu Gomes e Linneia 1994 (Gravadora Karppa), A 3a. Marco Aurélio em 1995 (Gravadora MK Publicitá), A 4a. Banda Gerd em 1997 (Gravadora Warner Chappel).

      A questão da gravação pelo Padre Marcelo Como eu realizo conferências sobre música religiosa no Brasil e exterior, fica dificil um contato pessoal comigo. Minha esposa Lineia me ajuda fazendo a agenda  entrando em contato com os comitês de congressos.

      Foi em uma destas viagens que um amigo  meu disse: "sua música está sendo cantada por um padre no programa do Faustão da Rede Globo !". Era mais fácil o Faustão visitar a igreja evangélica que um padre gravar a música de um pastor e usar o horário nobre da televisão.

      Não dei confiança, achei que fosse brincadeira. Entretanto, quando cheguei em casa havia um comunicado na secretária eletrônica com um aviso anônimo que alguém estava gravando a música "Anjos de Deus". Rapidamente liguei pra Marina da Warner Chappel, minha editora, e perguntei sobre a informação ,ela não sabia do assunto, então na mesma hora pedi a Marina que se alguém se interessasse pela regravação desta música não teria a minha autorização. Comuniquei o caso  também ao meu produtor musical na Continental Alceu Damico. Depois de uma semana o Marcos, o Diretor da Warner, me telefonou dizendo que havia sido informado da minha decisão mas que naquela altura o Cd do Padre Marcelo já estava sendo cortado na fábrica.

       Peguei o primeiro vôo pra São Paulo, me encontrei com Alceu Damico, mas ao consultar o contrato de edição havia uma cláusula que dava plenos direitos à editora para  autorizar a obra em gravação. A única coisa que poderia ser feita seria solicitar ao advogado que removesse aquela cláusula. 
   Agora, preciso explicar à 40 milhões de evangélicos no Brasil que não tenho envolvimento algum com a Renovação Carismática, culto aos santos, missas e todo tipo de confissão Católica.

      Por outro lado , como clérico que sou, homem de Deus, não vou entrar em demanda contra um padre. Isto fere os meus princípios morais e éticos. Acho o padre Marcelo bem intencionado e não é momento de faltar com amor com uma pessoa que tem alvos sociais e filantrópicos. Embora, tenha faltado da parte dele a honra de mencionar a origem autoral das obras nas aparições na mídia.        O que foi dando entender é que a mídia; que já vive buscando qualquer coisa para perseguir os evangélicos, combinou em não mostrar os nomes dos autores na tela. No meu entender, pelo menos, por uma questão de bom-senso, o padre devia ter mencionado, mas pelo contrário, chegou a dizer que eram músicas de domínio público, o que não era verdade.

      Na revista VEJA do dia 18/11/98 deixei claro em meu direito de resposta: "Sou o autor da música "Anjos de Deus" e tenho algumas observações `a fazer. Essa canção não é do repertório católico, como mencionou VEJA, e sim do repertório evangélico, há seis anos. A música não é de domínio público como o padre afirma em diversos programas. Eu sou o autor. A autorização para a gravação foi dada pela minha editora, Warner Chappel, e não por mim ".

      Eu sei que a lei me dá todo amparo para que em qualquer hipótese eu pare um material com música minha sem autorização, que eu interrompa um Cd, que vete as vendas, que aplique a justiça, inclusive contra a minha Editora e a gravadora do artista, mas entendam, eu decidi não fazer isso. Este tipo de comportamento foge à minha ética pastoral. Deixei quieta a situação.

      O que eu não entendo é porque a vida inteira compus e cantei, foi dificil reunir uma agenda, contatos, sofri, recebi "nãos "de gravadoras, etc...agora todo mundo se sente no direito de querer comentar o assunto e levantar polêmica sobre um caso que já está explicado e resolvido. Acho que já estou fazendo demais em soltar esta nota. Este é o meu primeiro e último pronunciamento.

      Através desta nota tentei falar em poucas linhas uma grande verdade e por outro lado vários segmentos da Igreja Evangélico estavam esperando um pronunciamento à respeito do assunto. Fiz isso por respeito ao povo de Deus sincero e não por causa de manipuladores de massa, que em muitos casos, sem nenhuma moral de comentar qualquer assunto no que diz respeito a Igreja. Procurei ser comedido e sensato porque o meu intuído não é desrespeitar, ferir, ofender, longe de mim esteja tal coisa. qurero apenas esclarecer.

      Moral da História: Não vendi música pra ninguém, não autorizei gravação alguma, preciso continuar meu trabalho sério de Missões entre os povos de língua portuguesa aqui nos EUA ,não quero mais ser interrompido no meu sincero ministério por lorotas produzidas por inveja coletiva e por uma parte agonizante da imprensa irreponsável que fica atrás de ibope barato pra manter seus faturamentos e interesses ecônomicos usando a opnião pública.   Pastor Eliseu Gomes  E-mail: 1