Página AnteriorClique aqui para imprimir esta página

 

Babilônia e suas filhas

 

“Veio um dos sete anjos que têm as sete taças, e falou comigo dizendo: Vem, mostrar-te-ei o julgamento da grande meretriz que se acha sentada sobre muitas águas, com quem se prostituíram os reis da Terra; e com o vinho de sua devassidão foi que se embebedaram os que habitam na Terra. Na sua fronte achava-se escrito um nome: BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÔES DA TERRA” – Apoc. 17:1,2 e 5.

A grande “meretriz” descrita em Apocalipse 17, que também tem o nome de “Babilônia, a grande, e mãe das meretrizes”, para os evangélicos em geral, é um símbolo da Igreja Católica Romana.

Por que se acha sentada sobre muitas águas? – Águas, segundo a Bíblia, em Apoc. 17.15, é símbolo de “povos, multidões, nações e línguas”.

O que é “vinho de sua devassidão” que embriagou os habitantes da Terra? – O vinho é símbolo das “falsas doutrinas e ensinamentos errôneos mantidos pela Igreja Romana”, que tem embriagado os reis e os habitantes da Terra.

Por que a Igreja Católica Romana é considerada “Babilônia, a grande, a mãe das meretrizes”? – Aqui mostra que há outras organizações religiosas, independentes, que constituem as filhas apóstatas da Babilônia, e pertencem à mesma grande família.

Por que a Igreja Romana tem o nome de “Babilônia, a grande” e é simbolizada por uma “mulher apóstata ou grande meretriz”? – “A interpretação que identifica a Igreja de Roma com a Babilônia apocalíptica não data da reforma Protestante. Tudo iniciou no sétimo século, quando a Igreja Católica começou a apresentar os seus novos dogmas, e a impô-los como necessários para a salvação. A identificação da Babilônia apocalíptica com a antiga Roma pagã, é uma invenção da moderna Roma papal” – Union With Rome, Chr. Wordsworth, pág. 19, 20. London, Green & Cº.,1909.  

Para confirmar o fato de que Roma papal é a Babilônia apocalíptica, assim escreveu o reverendo Alexander Hislop: “Em 1825, na ocasião do Jubileu, o Papa Leão XII cunhou uma medalha, tendo num lado a sua própria imagem, e no outro, a da Igreja Romana simbolizada como uma ‘mulher’ segurando com a mão esquerda uma cruz, e com a direita um cálice, com a legenda em volta dela: ‘Sedet super universum’, ou seja: “Todo mundo é o assento da madre igreja” – The Two Babylons, Ver. Alexander Hislop, pág. 6. London, S. W. Partridge & Cº.,1907.

Como identificar a Grande Babilônia  

“Babilônia”, cujo termo significa “confusão”, não só abrange a Igreja Católica Romana, mas também corpos religiosos que se têm levantado dela, trazendo consigo muitos dos seus erros e tradições. Dentre os erros e tradições criados pela Igreja Católica Romana destacam-se a guarda do domingo, a crença na imortalidade da alma, a crença do purgatório etc. Toda e qualquer denominação religiosa que defende qualquer uma das tradições citadas colocam-se como filhas da grande meretriz apocalíptica.

O Apocalipse mostra duas bestas, ou poderes político-religiosos com autoridade para perseguir, prender, matar e até proferir blasfêmias contra Deus. A primeira besta é Roma papal e a segunda é a América do Norte. “Besta” é símbolo de um poder perseguidor e refere-se à Roma pagã, que exerceu seu poder até 330 depois de Cristo, quando Constantino, o Grande, transferiu a sede de seu império, de Roma para Constantinopla. Em 15 de março de 533, a cidade de Roma foi cedida à Igreja Católica e, pr força do decreto do imperador Justiniano, a Sé de Roma tornou-se a cabeça de todas as igrejas. Assim, a sede de Roma pagã tornou-se a sede de Roma papal. Então cumpriu-se Apocalipse 13:2, que diz: “A besta que vi era semelhante a leopardo... E deu-lhe o dragão (o império romano) e o seu poder (para governar em seu lugar), o seu trono (a cidade de Roma) e grande autoridade”. De posse dessa autoridade, Roma papal se coloca em lugar de Deus para perdoar pecados e condenar e até matar os que lhes opõem contrários aos seus ensinamentos. Para confirmar isso, assim escreveu o Papa Leão XVII: “Nós ocupamos nesta terra o lugar de Deus Todo-Poderoso”.

Em 538 depois de Cristo, Roma papal instituiu a chamada “Santa Inquisição”, que durou 1.260 anos de perseguição e morte aos cristãos tidos como “hereges”. Nesse período, segundo dados do próprio “Santo Ofício”, 31.912 pessoas foram queimadas vivas; 291.450 forma serradas ao meio, arrancados os membros com uso de torniquetes, decapitadas, e outras tiveram os ossos quebrados por não concordarem com as doutrinas da igreja. Maior número de cristãos foram mortos à espada e estraçalhados por animais ferozes, em arenas, para divertimento dos padres, bispos e seguidores do catolicismo. Ao todo, foram sacrificados em nome do “Santo Ofício”, cerca de 100 milhões de seguidores do cristianismo. Isto foi para cumpri-se o que profetizou Daniel 7:25, que diz: “Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos (o dia que começa ao pôr-do-sol, mudou para meia noite) e a lei (o quarto mandamento recomenda santificar o sábado, e a igreja mudou a santificação do dia do Senhor para o domingo); e os santos foram entregues nas suas mãos por 1.260 anos”. Os 1.260 anos proféticos, que tiveram início em 538 da nossa era, quando foi estabelecida a “Santa Inquisição”, indo até 1798, quando, por ordem de Napoleão Bonaparte, o general Berthier invadiu Roma e aprisionou o Papa Pio VI, levando-o a Paris, capital da França, onde foi humilhado desfilando pelas ruas da cidade francesa com uma coleira de cão presa ao pescoço e sendo puxado por um escravo. O poder temporal do papado foi recuperado em 1929, quando Benito Mussoline, estadista italiano, assinou a célebre concordata com o papa da época, concedendo-lhe os 44 hectares que hoje constituem o Estado do Vaticano.

Como identificar as filhas da Babilônia

Babilônia, a grande, referindo-se a Roma papal, é apontada como a mãe das meretrizes (Apoc. 17:5). Quem são as filhas da Igreja Católica? – Todas as igrejas denominacionais que saíram da chamada “Madre Igreja” e trouxeram suas doutrinas e tradições da fé católica, como a observância do domingo e a crença na imortalidade da alma, estão relacionadas como “filhas de Babilônia”.

No Catecismo da Doutrina Católica, pág. 50, publicado em 1913, reza o seguinte: “Por que  nós católicos observamos o domingo em vez do sábado? – Observamos o domingo em vez do sábado porque a Igreja Católica, no Concílio de Laodicéia, realizado em 336 A.D., transferiu a solenidade do sábado para o domingo, em comemoração à ressurreição de Cristo”.

Em seu livro, “O Biblismo”, pág. 106, o padre Dubois de Belém, faz a seguinte revelação: “A Bíblia Sagrada manda santificar o sábado, não o domingo; Jesus e Seus discípulos guardaram o sábado. S. Paulo e seus companheiros também guardaram o sábado. Foi a tradição católica que honrando a ressurreição do Redentor, ocorrida num dia de domingo, aboliu a observância do sábado”. O Catecismo Romano, pág. 440, confirma: “A igreja de Deus, na pessoa do Santo Papa, transferiu para o domingo a solene celebração do sábado. Este ato é um sinal de sua autoridade eclesiástica em assuntos religiosos”.

O monsenhor Segur, em seu livro “Plain Talk Protestantism of today”, pág. 213, formula uma pergunta seguida de resposta: “A quem os protestantes prestam homenagem quando decidem guardar o domingo em vez do sábado? – A observância do domingo pelos protestantes é uma homenagem que eles prestam à autoridade da Igreja Católica”.

O sábado serve de sinal para identificar o povo de Deus na Terra (Ezeq. 20:12 e 20). Assim como Deus tem um dia de guarda, a besta do apocalipse, tem também, o seu dia de guarda, para identificar os seus seguidores. Assim como o sábado é apontado como o “dia do Senhor” (Isa. 58:13), o domingo é reconhecido como o dia do Papa, ou sinal da besta. As únicas agremiações religiosas que se recusam observar o domingo como dia de guarda são os adventistas do sétimo dia. A Congregação Cristã no Brasil, além dos Mórmons e as Testemunhas de Jeová, não reconhecem o domingo como dia de guarda, entretanto, se reúnem nesse dia em vez do sábado. Essas denominações são consideradas “folhas soltas” da árvore de Babilônia.

 

FONTE: O Reformador - Jornal Alternativo

Edição 05 a 11 de Abril de 2004

Clique aqui para imprimir esta páginaPágina Anterior Início da página

Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting
1