WALDELOIR REGO

CAPOEIRA ANGOLA
ensaio sócio-etnográfico

Salvador
Editora Itapoan
1968

reprodução da capaEdição original
© Waldeloir Rego – Editora Itapoan, 1968 – In-8º de 417 páginas.
Direitos para a edição de 1968 concedidos a Editora Itapuã, Rua Padre Viera, 9, Salvador, Bahia, Brasil.
Impresso no Brasil nas oficinas da Companhia Gráfica Lux, rua Frei Caneca, 224, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Edição digital
Realizada devido a escassez de exemplares da edição original, para o uso privado do copista, também para poder aproveitar dos modos de pesquisa eletrónica. Escaneamento, digitação, codificação:
Pol Briand [email protected] 1991-2005.
Escolhemos produzir um documento só. Se o computador for lento, algumas operações podem demorar. Em caso de problemas, vejam a secção de problemas técnicos
As diferências de quantidade de texto em cada página devem-se às notas de rodapé, às vezes numerosas no original. Em vez de reprodução exata temos implantado ligações hipertextuais para facilitar a consulta.
Trechos em destaque tem breves comentários do editor numérico. Deixar o cursor em cima do bloco os fazem aparecer Teste aqui.
Anexo: a proposto de Waldeloir Rego.
Artigos de jornais publicados na ocasião da morte do autor

Revisão html 7 dec 2005

I – A Vinda dos Escravos
1
II – O Termo Capoeira
17
Verbetes de dicionários
27
III – A Capoeira
30
IV – A Indumentária
43
V – O Jogo da Capoeira
47
VI – Toques e Golpes
58
VII – Os Instrumentos Musicais
70
VIII – O Canto
89
IX – Comentário às Cantigas
126
Léxico
141
Aspeto folclórico
216
Aspeto etnográfico
256
Aspeto sócio-histórico
257
X – Capoeiras Famosos e seu Comportamento na Comunidade Social
260
XI – As Academias de Capoeira
282
XII – Ascensão Social e Cultural da Capoeira
291
XIII – A Capoeira no Cinema e nos Palcos Teatrais
313
XIV – A Capoeira nas Artes Plásticas
324
XV – A Capoeira na Música Popular Brasileira
329
XVI – A Capoeira na Literatura
353
XVII – Mudanças Sócio-Etnográficas na Capoeira
359
Bibliografia
363
Índice das Matérias
393
Índice Remissivo
395

 

Capa de Emanoel Araújo com fotografia de Fernando Goldgaber

Ilustrações de Carybé

Obra publicada com a colaboração da Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Estado da Bahia – Governador : Luiz Viana Filho – Secretário de Educação : Luís Navarro de Brito – 1968

 

Para os infinitamente amigos
Zélia Amado
Emanoel Araújo

1

I
A Vinda dos Escravos

E por demais sabido que durante a Idade Média os Portugueses, assim como outros povos, traficaram escravos, sobretudo negros. Há mesmo vagas notícias de uma parada aqui, outra acolá, porém a informação mais precisa, principalmente no que diz respeito ao tráfico de escravos africanos para o território português, é a fornecida por Azurara. O autor da Crônica do Descobrimento e Conquista da Guiné relata a maneira de como Antão Gonçalves, em 1441, capturou e trouxe para o Infante D. Henrique os primeiros escravos africanos. Relata também o cambalacho de Antão Gonçalves com Afonso Goterres, para importar esses negros do Rio de Ouro, cuja essência está neste trecho – Oo que fremoso aquecimento serya nós que viemos a esta terra por levar carrego de tam fraca mercadorya, acertamos agora em nossa dita de levar os primeiros cativos ante a presença do nosso principe!1

2

Isso foi a brecha para que o espírito de conquista do português o fiz levantar âncoras, para as terras de Africa, em busca de um novo comércio, fácil e rendoso, porém humilhante e desumano. A coisa tomou um rumo tal, que dentro em pouco, Lisboa e outras cidades já tinham um cheiro de cidade mulata. Em nossos dias o assunto tem preocupado estudiosos de todos os matizes e nacionalidades, como os lingüistas alemães Wilhelm Giese2, Carolina Michaëlis3 e nativos outros como Leite de Vasconcelos4 que, além de se manifestar sobre o tema, fornece uma bibliografia, em seu livro Etnografia Portuguesa , atualizada com notas de Orlando Ribeiro.

Na época, a presença de negros em Portugal mexeu com a imaginação poética dos trovadores do Cancioneiro Geral5 Gil Vicente6, Camões7, e mui especialmente Garcia de Resende que nasceu por volta de 1470 e morreu em 3 de fevereiro de 1536 e escreveu a sua curiosa Miscellanea e trovas do mesmo auctor & huma variedade de historia, custumes, casos & cousas que em tempo accõtescerã, publicada postumamente em 1554, apensa à Crónica d'el-Rei D. 3 João II. No decorrer de sua Miscelânea, satirizando sempre, fornece elementos sobre a façanha dos portugueses, nas bandas de África, os cativos tirados de lá para Portugal, seus costumes e outros fatos.

Na estância 48, mostra a fúria das conquistas: –

Rey & principe se vio
de Castella, & laa andou,
dij a pouco descobrio
ha India, & ha tomou,
como todo ho mundo ouuio,
tomando reynos, & terras
per muy guerreadas guerras
ganhãdo toda ha riqueza
do soldam & de Veneza,
sobjugando mares, serras.8

Nas estâncias 53 e 54, comenta a antropofagia dos negros da Guiné e Manicõgo, que é como grafavam antigamente o Congo, descoberto em 1485 por Diogo Cão: –

E começo em Guinee
& Manicõgo, por teer
costuma de se comer
hums a outros, como he
muy notorio se fazer.
cõprã homems como gaado
escolhidos, bem criados,
& matam hos regateiras,
& cozidos em caldeiras
hos comem tambem assados.

Por muito mais saborosa
carne das carnes ha temem
por melhor e mais gostosa,

4

mais tenra, doce, cheirosa,
que quantas na terra veem
nos que trazem a matar
nam ha chorar nem fallar,
mas como mãsos cordeiros
se deixam espedaçar.9

Nas estancias 56 e 57, fala de um costume fúnebre havido no desenlace do rei de Benin: –

Em Beni; de antigamente
tem por costume, por ley
matarem da nobre gente
& principal, que he presente,
qndo quer q morre ho rey
para la ho acompanharem
no outro mudo, & estarem
com elle sempre presentes
& assi morrem contentes
sem has vida estimarem.

Dixe el rey fecticeiro,
que seu pay guerra fazia
no outro mudo, & queria
gente, que fosse primeiro,
& mais da q elle pedia:
quinze mil homems juntou,
degollar todos mandou
em huo po~o por jutos yre,
& a seu pay accodirem,
& desta arte lhos mandou.10

Na estância 58, mostra como os próprios negros se caçavam e se vendiam mutuamente:–

5

Humos aos outros se vede,
& haa muitos mercadores,
que nisso soomente entedem,
& hos enganãm, & prendem,
& trazem aos tratadores.
muitos se vendem na terra,
se tem humos com outros guerra,
servemse de béstas delles
pollas nõ aver entrelles,
a mais terra he chaõ sem serra.11

Nas estâncias 59 e 60, refere se aos grandes lucros da traficagem e à riqueza das terras: –

Ve grã somma a portugal
cadãno, tabe aas ilhas,
he cousa que sempre val,
& tres dobra ho cabedal
em castella, & nas antilhas:
por ha terra ser muy queente
anda nua toda ha gente,
descalços todos a pee:
muitos delles tem ja fee,
tem marfim, ouro excellente.

Tem elefantes pasmosos,
coobras de grãde grandura,
lagartos muy espantosos,
gatos dal~alia cheirosos,
aruores de grande altura,
arroz inhames, palmeiras,
gatos de muitas maneiras,
& papagayos de fortes,
q andã fora das ribeiras.12

6

Na estância 134, narra as vitorias de el-rei, sobretudo com os mouros de Africa:–

Guerra digna de louuor,
de perpetua memoria,
de honra, fama, de gloria
tem el rey nosso senhor
com muito grande victoria
com mouros africanos,
& gentios Asianos,
Turcos, Rumes, & pagaõs,
& muyta paaz cõ christaõs
inimigo de tirannos.13

Na estância 141, fala da conversão do maior Rei da Etiópia e de Manicongo. Trata-se do rei do Congo, que Mendes dos Remédios,14, citando Cunha Rivara, se refere ao decreto em que o referido rei, além do título de rei do Congo, Senhor dos Ambundos, passou a intitular-se da Etiópia, rei do antiquíssimo reino do Congo, Angola, Matamba, Veanga, Cunchi, Lulha e Sonso, Senhor dos Ambundos e dos Mutambulos e de muitos outros reinos e senhorios: –

Ho mayor rey de ethiopia,
de manicõgo chamado,
vijmos christaõ ser tornado,
& com elle grande copia
de gente de seu reynado:
mandou por religiosos,
& por frades virtuosos
q lhe el rey de caa mãdaua,
& elle mesmo prégaua
nossa fee a hos duuidosos.15

Finalmente, nas estâncias 257, 258 e 259, narra a calamidade que atingiu Portugal e o norte da África em 1521, assim como o fato desses 7 povos se venderem por comida a ponto de Portugal pensar em tomar Fez: –

Vij que en Africa aqceo
ser morte, & fama muy forte:
Cauallos, & gado morreo,
muita gente peresceo,
nunca foy tal fome & morte:
hos paes hos filhos vendiã,
duzentos reaes valiam,
muitos se vinham fazer
christaõs caa, soo por comer,
nos campos, praças morria.

Ho reyno de Feez ficou
cõ dous ou tres mil cauallos:
de Tremecem se formou,
laa, & mais longe mandou
muita gente a comprallos,
que foi tanta perdiçam,
que nam ficou geeraçam,
para poderem geerar:
has eguas mandou buscar
para fazer criaçam.

Se neste tempo teuera
Portugal soo que comer,
leumente se podera
tomar fez, & se ouuera
com pouca força, & poder:
mas caa mesmo entã ãdaua
tanta fame, que custaua
trigo alqueire a cruzado,
carne, vinho & pescado
tudo com penna se achaua.16

8

Com o passar do tempo essa atividade, longe de se extinguir, tomou um impulso espantoso. Por incrível que pareça, esse comércio terrível e desumano teve a mais forte cobertura da Santa Madre Eclésia, alegando para tanto o argumento idiota de que os portugueses tornariam os povos ditos bárbaros, adeptos da fé de Cristo. Imagine que o papa Eugênio IV, pelas bulas Dudum cum de 31 de julho de 1436, a Rex Regnum de 8 de setembro de 1436 e a Preclaris tuis de 25 de maio de 1437, renovou a concessão ao rei D. Duarte de todas as terras que conquistasse na África, desde que o território não pertencesse a príncipe cristão.17 Não ficou somente aí o esdrúxulo privilégio. Remexendo o bulário português, nos arquivos da Torre do Tombo, Calógeras18; encontrou várias outras, inclusive a mesma bula Rex Regnum, concedida pelo papa Eugênio IV a D. Duarte, porém agora com outro destinatário, que foi D. Afonso V, com data de 3 de janeiro de 1443. No pontificado de Nicolau V, D. Afonso V, o Infante D. Henrique e todos os reis de Portugal assim como seus sucessores passariam a donos de todas as conquistas feitas na África com as ilhas nos mares a ela adjacentes, começando pelos cabos Bojador e Não, fazendo pouso na Guiné, com toda a sua costa meridional, incorporando a tudo isso as regalias que o cérebro humano imaginasse tirar dessas terras e desses povos. Essa pequena bagatela de oferendas foi concedida pela bula Romanus Pontifex Regni Celestis Claviger de 8 de janeiro de 1454. Esses favores eram confirmados por cada papa que ascendia ao pontificado. E nessa matéria, o recorde foi batido pelo papa Calixto III com a célebre bula Inter cetera que nobis divina disponente clementia incumbunt peragenda de 13 de março de 1456, a qual, além de confirmar todas as dádivas anteriores, acrescentou a Índia e tudo mais que depois se adquirisse. E o melhor de tudo foi o arremate, de que o descobrimento daquelas partes o não possam fazer senão os reis de Portugal.19 A mesma orientação seguiu Xisto VI, com as bulas Clara devotionis de 21 de agosto de 1471 e Aeterni regis clementia per quam reges 9 regnant de 21 de junho de 1481. Inocêncio VIII valeu-se das bulas Orthodoxae fidei de 18 de fevereiro de 1486 e Dudum cupiens de 17 de agosto de 1491.

Em meio a toda essa baratinação da Santa Sé, deve-se fazer justiça a alguns papas, que protestaram contra semelhante estado de coisas, como Pio II com a bula de 7 de outubro de 1462, Paulo III em 1537, Urbano VIII com a bula de 22 de abril de 1639, Benedito XIV em 1741, Pio VII em 1811 e finalmente Gregório XVI, pela bula de 3 de dezembro de 1839, condena e proíbe a escravidão de negros.20

Esse casamento estranho da coroa portuguesa com a Mitra, permitiu que os portugueses agissem livremente, em nome de Cristo, Nosso Senhor e da sua santa fé, o que para tanto não fizeram cerimónia. Não é assim que, pouco tempo depois dessas concessões, descobrem a grande colónia da América do Sul. Era a princípio Terra de Santa Cruz, para depois passar a ser colonizada com o nome de Brasil.

Argumenta se que a sobrevivência das primeiras engenhocas, o plantio da cana-de-açúcar, do algodão, do café e do fumo foram os elementos decisivos, para que a metrópole enviasse para o Brasil os primeiros escravos africanos. Diante disso, vem a pergunta – quando chegaram esses primeiros escravos ? Vieram de Angola ? Trouxeram de lá a capoeira, ou inventaram-la no Brasil?

Infelizmente, o conselheiro Rui Barbosa, por isso ou por aquilo, prestou um mau serviço, mandando queimar toda documentação referente à escravidão negra no Brasil, quando Ministro da Fazenda, no governo discricionário do generalíssimo Deodoro da Fonseca, por uma resolução que tem o seguinte teor:

Considerando que a nação brasileira, pelo mais sublime lance da sua evolução histórica, eliminou do solo da pátria a escravidão – a instituição funestíssima que por tantos anos paralisou o desenvolvimento da sociedade, inficionou-lhe a atmosfera moral;

10

considerando que a República esta obrigada a destruir esses vestígios por honra da pátria, e em homenagem aos nossos deveres de fraternidade e solidariedade para com a grande massa de cidadãos que pela abolição do elemento servil entraram na comunhão brasileira;

resolve:

1.º– Serão requisitados de todas as tesourarias da Fazenda todos os papeis, livros e documentos existentes nas repartições do Ministério da Fazenda, relativo ao elemento servil, matrícula de escravos, dos ingénuos, filhos livres de mulher escrava e libertos sexagenários, que deverão ser sem demora remetidos a esta capital e reunidos em lugar apropriado na recebedoria.

2.º–Uma comissão composta dos Srs. João Fernandes Clapp, presidente da confederação abolicionista, e do administrador da recebedoria desta capital, dirigirá a arrecadação dos referidos livros e papéis e procederá à queima e destruição imediata deles, o que se fará na casa de máquina da alfândega desta capital, pelo modo que mais conveniente parecer à comissão.

Capital Federal, 15 de dezembro de 1890. – Ruy Barbosa.21

De modo que, por enquanto, se torna impossível precisar quando chegaram ao Brasil os primeiros escravos. O que existe é muita conjectura em torno do problema. O Visconde de Porto Seguro, por exemplo, fala de que os escravos, vieram ao Brasil nos primórdios da colonização, indo mais longe, dizendo que na armada de Cabral vieram escravos, argumentando que cada senhor dispunha do seu. Contudo, não nos fornece nenhuma documentação a respeito22. Fala-se que em 1538 Jorge Lopes Bixorda, arrendatário de pau-brasil, teria traficado para a Bahia os primeiros africanos23. Tem-se notícia 11 de que, em 1539, Duarte Coelho reclamava a D. João III o seu pedido de escravos e como não fosse logo atendido, insistia por carta de 27 de abril de 154224. Com a fundação da cidade de Salvador e instituição do governo-geral em 1549, o padre Manoel da Nóbrega, que veio na comitiva do primeiro governador-geral Tomé de Sousa, depois de escrever ao Prepósito do Colégio de Santo Antão em Lisboa, queixando-se da mistura de negros e negras na nova povoação, ressaltando que assim se inoculava no Brasil o fatal cancro da escravatura, fonte de imoralidade e de ruína,25 esse mesmo reverendo foi um dos primeiros a pedir escravos de Guiné; a D. João III, por carta de 14 de setembro de 1551,

para fazerem mantimentos, porque a terra hé tam fertil, que facilmente se manterão e vestirão muitos meninos, se tiverem alguns escravos que fação roças de mantimentos e algodoais.26

Ainda em carta de 10 de julho de 1552 reclama: – 

Já tenho escrito sobre s escravos que se tomarão, dos quais hum morreo logo, como morrerão outros muitos que vinhão ja doentes do mar… En toda maneira este anno tragão os Padres provisão de El-Rei assi dos escravos… Se El-Rei favorecer este e lhe fizer igreja e casas, e mandar dar os escravos que digo (e me dizem que mandão mais escravos a esta terra, de Guiné; se assi for podia logo vir provisão para mais tres ou quatro alem dos que a casa tem)…27

Por carta de 2 de setembro de 1557 rejeita os Índios como escravos e insiste na remessa de negros de Guiné: –

Escravos da terra não nos parece bem tê-los por alguns inconvenientes. Destes escravos de 12 Guiné manda ele trazer muytos à terra. Podia-se aver provisão pera que dos primeiros que viessem nos desse os que Sua Alteza quisesse, porque huns tres ou quatro, que nos mandou dar à certos annos todo são mortos, salvo huma negra que serve esta Casa de lavar roupa, que ainda não o faz muyto bem, excusa-nos muyto trabalhos.28

Finalmente, por carta de 8 de maio de 1558 lamenta: – 

A melhor cousa que se podia dar a este Colégio seria duas duzias de escravos de Guiné, machos e femeas, para fazerem mantimentos em abastança para casa, outros andariam em um barco pescando, e estes podiam vir de mistura com os que El-Rei mandasse para o Engenho, porque muita vezes manda aqui navios carregados deles.29

Afinal, o documento mais antigo, legalizando a importação de escravos para o Brasil, inclusive indicando o local de procedência é o alvará de D. João III, de 29 de março de 1559, permitindo sejam importados escravos de São Tomé, o qual transcrevo na íntegra: –

Eu El-Rei faço saber a vós Capitão da Ilha de São Tomé, e ao meu Feitor e officiaes da dita Ilha que ora sois e ao diante forem, que eu hei por bem e me praz por fazer mercê as pessoas que tem feitos engenhos de Assucar nas terras do Brasil, e aos que ao diante se fizerem que elles poção mandar resgatar ao Rio e resgates de congó, e trazer de lá para cada hum dos ditos engenhos ate cento e vinte pessoas de escravos que o dito meu Feitor bola enviar para trazere escravos, dos quaes pagarão somente o terço posto que pelo regimento e Provizões que há na dita Ilha haviao de pagar a metade, esta mercê faço as ditas pessoas que nas ditas partes tem ou tiverem feito ou fizerem engenhos para poderem mandar resgatar e trazerem as ditas cento e vinte pessoas por hua vez somente, e por tanto mando ao dito meu capitão e Feitor Officiaes da dita Ilha, que mostrando-lhe as pessoas que os ditos escravos mandarem resgatar ao dito rio de congo certidão do Feitor e officiaes da caja da India de como elle asim tem engenho nas ditas partes lhos deixem mandar resgatar e vir nos ditos navios, e lhe dem

13

para isso licença e lhos despachem qualquer Provizão ou regimento ouvessem de pagar a metade como dito hé, e ao dito Feitor e officiaes da dita Caja da India mando que quando lhe for pedida a dita certidão se emformem o mais certo que poderem de como a dita pessoa que lhe a tal certidão pedir tem engenho feito moente e corrente nas ditas partes, e quantos parceiros são a elle, e se todos sao contentes de enviarem pellos ditos escravos, e achando que os tem e que todos estão contentes fação disso asento ern hum Livro que para isso haverá na dita casa, e lhe mandarão que de fiança dentro de dois annos do dia que lhe for pasada a tal certidão trarão certidão do Governador das partes do Brazil de como levarão os ditos escravos as ditas terras e andão nos ditos engenhos, ou do capitão e feitor da dita Ilha de São Thomé de como os não resgatarão nem lhe vierão ter a dita Ilha e dahy os mandarão as ditas partes. Que não trazendo a dita certidão pozerão o que monta do dito terço ametade, e primeiro que posem a tal certidão verão o Livro e achando que não tem ainda tirado os ditos escravos ou que está por tirar algua parte delles pasarão certidão conforme ao que acharem que está por cumprir e por esta maneira lhe pasarão a dita certidão, e por este e a dita Ilha de São Thomé que lhe deixem mandar resgatar e vir os ditos escravos pela maneira sobre dita, e lhos deixem levar para as ditas partes do Brazil sem mais pagarem outros direitos, e mando do dito Capitão Feitor e Officiaes por virtude dellas darem para se resgatarem os ditos escravos, e quando vierem se porá verba no asento da dita certidão de como vierão os ditos escravos que se por tal licença mandarão resgatar e se pagou delles o terço e forão levados, e alem diço enviarão o treslado da certidão e venha ao Feitor e Officiaes da dita casa da India para verem como já tem resgatados os Escravos contiudos na certidão que lhe pasarão, e elles porão verba no assento que hão de fazer quando pasarem a tal certidão de como já os ditos Escravos são resgatados no dito tempo os executarão pelo mais que havido de pagar alem do dito terço, e sendo cazo que o trato de Guiné e Ilha de São

14

Thomé se arrendem ou se fizer sobre elle contrato todavia cumprirá este Alvará como nelle se contem, qual quero que valha e tenha força e vigor como se foce em meu nome, e pasada pela Chansellaria posto que este por ella não passe sem embargo da ordenação em contrario. Alvaro Fernandes o fez em Lisboa a 29 de Março de 1559. Andre Soares o fez escrever.30

Outro problema ainda sem solução é a origem do local de onde vieram realmente os primeiros negros escravos. O primeiros documentos são lacónicos, falam somente em gentio da Guiné, sem mais outro esclarecimento. Sabe-se apenas que a uma vasta Area de terra da Africa, chamavam os portugueses de Guiné, não se tendo notícia de sua divisão geográfica e étnica. Essa confusão durou muito tempo. E para se ter uma ideia disso, basta lembrar que ainda em 1758, quando era vice-rei do Brasil o Conde dos Arcos, este ficou bastante confuso ao receber uma ordem da metrópole, no sentido de só permitir a saída de navios para as ilhas de Cabo Verde e portos da Guiné, mediante licença especial de Sua Majestade. Então, diante desse aperto, outra coisa não fez senão dirigir a Tomé Joaquim da Costa Côrte Real um ofício emitido da Bahia com data de 2 de setembro de 1758, indagando o que significava a palavra Guiné. Eis o ofício, na sua essência: – 

Em carta de 10 de março deste prezente anno, me aviza V. Ex., que S. M. atendendo a alguns justos motivos que lhe forão prezentes, hé servido que nesta Cidade se não deem despachos aos navios, que os pretendão para irem della em direitura aos Portos da Guiné e Ilhas de Cabo Verde, sem especial licença firmada pela real mão do mesmo Senhor.

A execução desta ordem me tem posto em grande duvida, não pelo que pertence às Ilhas de Cabo Verde mas porque me não acerto a rezolver quaes sao os porto da Guiné, que ficão sendo exclusivos do commercio do moradores desta Cidade, que não aprezentarem licença firmada pela Real mão para o poderem frequentar, porque a palavra 15 Guiné, no sentido em que tomão alguns authores, comprehende não só as Ilhas de S. Thomé, mas tambem muito dos portos da Costa da Mina: exclue porem todos os portos do Reyno da Guíné, e como me persuado que esta nova determinação se não dirige a embaraçar a franqueza, com que S. M. tem determinado se continue o commercio da Costa da Mina para que eu não haja de contravir a nenhuma das suas reaes ordens especialmente a de 30 de março de 1756, que determina que a respectiva negociação a possão cultivar todas as pessoas que quizerem não só mesmos portos da Costa de Mina, em que d'antes se fazia, mas em todos os de Africa, que ficão de dentro como de fóra do Cabo da Boa Esperança, parece faz preciso, que com mais alguma distinção se me declare quaes são os portos da Guiné, para que não hei de conceder as licenças…31

A respeito dessa confusão em torno do que seja Guiné, Luís Viana Filho32 faz uma tentativa de esclarecimento, aceita com elogios por Maurício Goulart.33

Um ponto de vista é quase uniforme entre os historiadores, no que concerne à hipótese de terem vindo de Angola os primeiros escravos, assim como ser de lá a maior safra de negros importados. Angola era o centro mais importante da época e atrás dela, querendo tirar-lhe a hegemonia, estava Benguela. Angola foi para o Brasil o que o oxigénio é para os seres vivos e segundo Taunay,34 em uma consulta de 23 de janeiro de 1657, os conselheiros da rainha regente, viúva de D. João IV e também membros do Conselho da Fazenda diziam que Angola era o nervo das fábricas do Brasil.

16

O abastecimento em Angola era coisa natural. Além das causas que enumeramos havia ainda outra: era um mercado novo, abundante, fácil. Para ele convergiu o comércio baiano, que, em troca de aguardente, fazendas, miçangas, facas, pólvora, ia buscar negros, afirma Luís Viana Filho, em O Negro na Bahia.35 Toda essa carreira para os portos de Angola era devido a boa qualidade dos escravos, principalmente no que tange a submissão, o que não possuíam os nagôs, que eram chegados à rebeldia e arruaças. Talvez por essa facilidade que existia no mercado de Angola, associada à boa mercadoria, é que os historiadores concluem pelo pioneirismo de Angola na remessa de escravos para o Brasil. Na excelente introdução que dá à edição da Segunda Visítação do Santo Ofício às Partes do Brasil pelo inquisidor e visitador o licenciado Marcos Texeira/Livro das Confissões e Retificações da Bahia: 1618–1620, de Eduardo D'Oliveira França e Sônia A. Siqueira, refutando Luís Viana Filho que, estudando o que chama de Ciclo de Angola, admite, do mesmo modo que José Honório Rodrigues,36 que a superioridade dos negros bantos na Bahia foi no século XVI, argumentando que já entre 1575 e 1591 teriam saído nada menos de 50.053 peças para o Brasil e Índias de Castela. A fonte de informação é o cronista da época Abreu e Brito, em Um inquérito à vida administrativa e económica de Angola e do Brasil.37 Também de opinião de que foi de Angola que nos veio a maior parte dos escravos é Maurício Goulart, porém com a ressalva de que isso só se verificou depois do alvará de D. João III, de 29 de março de 1559.38

17

II
O Termo Capoeira

O vocábulo capoeira foi registrado pela primeira vez em 1712, por Rafael Bluteau39, seguido por Moraes em 1813, na segunda e última edição que deu em vida de sua obra40. Após, entrou no terreno da polémica e da investigação etimológica. A primeira proposição que se tem notícia é a de José de Alencar em 1865, na primeira edição de Iracema, repetida em 1870, em O Gaucho41 e sacramentada em 1878, na terceira edição de Iracema. Propôs Alencar para o vocábulo capoeira o tupi caa-apuam-era , traduzido por ilha de mato já cortado42. Não demorou nada, para que em 1880, dois anos depois, Macedo Soares a refutasse com violência, dizendo que o nosso exímio romancista sabia muito do idioma português, pouco do dialeto brasileiro e menos da língua dos brasis.43 O conselheiro Henrique de Beaurepaire Rohan, também Visconde de Beaurepaire Rohan, entre outras 18 centenas de títulos, que em 1879 havia proposto o tupi co-puera, significando roça velha, na Revista Brasileira,44 viu-se também criticado pela pena de Macedo Soares. Exteriorizando, assim, sua indignação, brada o velho mestre:

Vimos ultimamente uma nova etimologia de capoeira, dada pelo Sr. conselheiro Henrique Beaurepaire Rohan, nesta Revista, II, 426, a qual nos não parece aceitável. Traz S.Ex.a copuera, roça velha; mas não explica como de copuera se fez capoêra. Nem se podia, senão por exceção fazer. Todas as palavras guaranis que começam por , mato, folha, planta, erva, pau, ao passarem para o português, guardavam a sílaba , sem corrupção. E não podia deixar de guardar, por ser parte substancial dos compostos que assim ficaram constituídos como palavras inteiras. E vice-versa, nas palavras portuguesas começadas por derivadas do guarani, significando coisa de mato, folha, pau, planta ou erva, o e o guarani caá. Não há exceção, e os exemplos formigam. 45

Com isso ficou aberta a polémica entre Beaurepaire Rohan e Macedo Soares. Desse modo, sem perda de tempo, no mesmo ano, porém no volume terceiro da Revista Brasileira, Beaurepaire Rohan, com um artigo intitulado; Sobre a etimologia do vocábulo brasileiro capoeira, dá a seguinte lição: –

Na Revista Brasileira de 15 de fevereiro último sob o título Estudos lexicográficos do dialeto brasileiro, discute o Sr. Dr Macedo Soares a etimologia e a significação dos vocábulos capão, capoeira, restinga.

Neste meu ligeiro escrito não me ocupei senão do vocábulo capoeira, atendendo a que a etimologia que dele apresentei não parece aceitável ao ilustre filólogo. Entremos na matéria.

Diz o Sr. Dr. Macedo Soares que – Capuêra, Capoêra é pura e simplesmente o guarani caá-puêra, mato que foi, atualmente mato miúdo que nasceu no lugar do mato virgem que se derrubou.

19

E mais adiante: Capoeira ou caá-puêra significa mato virgem que já não é, que foi botado abaixo, e em seu lugar nasceu mato fino e raso.

Tão defeituosa definição que prova que o Sr. Dr. Macedo Soares ainda não compreendeu bem o sentido genuíno do adjetivo puêra.

Puêra não pode significar ao mesmo tempo o que foi e o que é, o passado e o presente. Puêra é sempre a expressão do pretérito.

E se caá-puera significa mato que deixou de existir seria um verdadeiro contra-senso estender semelhante significação a um acidente florestal que vive em plena atualidade, bem patente aos olhos e ao alcance de todos. Caá-puera não pode portanto ser a etimologia de capoeira. Outra devemos procurar, e a encontraremos, sem a menor dúvida, no vocábulo có-puera.

Se no sentido de roça que deixou de existir tem esse vocábulo uma significação diversa daquela que ligamos a capoeira, é todavia fácil reconhecer o motivo da confusão. Atenda-me o Sr. Dr. Macedo Soares.

Logo que uma roça é abandonada, aparece nela uma vegetação expontânea que se desenvolve a ponto de formar um mato. E esse o mato de coó-puera, que mais tarde se chamou mato de capuera como ainda hoje o dizem muitos íncolas, e finalmente por abreviação, capoeira que e a expressão mais usual. Essa transformação de copuêra em capoeira, que tão estranha parece ao distinto literato, é devida, pura e simplesmente, à semelhança dos dois vocábulos, semelhança que facilitou a mudança do o e em a. São muitos os casos em que tais substituições se tem operado sem quebra da primitiva significação de um vocábulo. E assim que tobatinga se transformou em tabatinga; tabajara em tobajara; caryboca em coriboca ou curiboca; e finalmente na própria língua portuguesa devação em devoção. Já vê o ilustre Sr. Macedo Soares que, por este lado, não pode haver a menor dificuldade em admitir que a antiga copêra seja a capoeira de agora. E isto mais simples do que a metamorfose de âruâ em aluá.

20

Nas relações vulgares estão de há muito perdidas as tradições etimológicas de capoeira. Por mato de capoeira ou simplesmente capoeira, entendemos, atualmente todo e qualquer mato de medíocre estatura, quer se desenvolva em roças abandonadas, quer substitua a mata virgem que se derrubou, quer enfim cubra terrenos onde não haja vestígios quaisquer nem de roças nem de matas primitivas. São sempre matos mais ou menos enfezados, que aliás vão com o tempo adquirindo certas proporções, passam ao estado de capoeirões, e, dentro de algumas dezenas de anos, acabam por constituir florestas que se confundem perfeitamente com as matas antigas. E o que, por exemplo, se observa nas extintas missões jesuíticas de Guayra. Não sei se me exprimi de modo a convencer o Sr. Dr. Macedo Soares. Em todo caso felicito-me por ter tido a oportunidade de discutir com um literato tão estimável qual sempre o considerei. E para lhe dar mais uma prova do meu interesse pelo trabalho lexicográfico que tem entre mãos, acrescentarei que tiguéra não tem a significação de roça velha. Aquele vocábulo refere-se especialmente ao restolho de um milharal. No Rio de Janeiro lhe chamam palhada, e em certos lugares de Minas Gerais palha. Soltar os animais na palha, na palhada, no restolho ou na tiguéra é uma e a mesma coisa.

É quanto me cumpria dizer.46

Ao lado dessa polémica, as investigações prosseguiram e proposições novas surgiram. Ainda no século passado se lê na Poranduba Amazonense47 a forma caápoêra, assim como se vê o Visconde de Pôrto Seguro,48 depois de discorrer em torno das acepções dos vocábulos capão e capoeira, aconselhar se escreva capoêra.

21

Atualmente são quase unânimes os tupinólogos em aceitarem o étimo caá, mato, floresta virgem, mais puêra, pretérito nominal que quer dizer o que foi, o que não existe mais, étimo este proposto em 1880 por Macedo Soares.49 Portanto, pensando assim, estão Rodolfo Garcia50, Stradelli51, Teodoro Sampaio52, Tastevin53 e Friederici que, além de reconhecer um mesmo étimo para tupi e para língua geral, define como Stellen und Streken ehemaligen Urwaldes, die Wieder mit Jungholz-Neuwuchs besidelt sind.54 Afora Montoya que em 1640 propôs, cocûera, chacara vieja dexada ya55, Beaurepaire Rohan56 propôs, em 1879 a forma co-puera, roça velha. Em nossos dias, pensa assim Frederico Edelweiss que, em nota ao livro de Teodoro Sampaio, O Tupi na Geografia Nacional, refutou o étimo corrente, para dizer que

essa opinião errónea é muito espalhada. Capueira vem de kopuera – roça abandonada da qual o mato já tomou conta. A troca do o para a 22 deve-se a influência da palavra mais corrente káá, mato. Entretanto, o índio nunca chamaria ao mato novo de antigo roçado kaá-pûera – mato extinto, quando a capoeira é, na verdade, um mato renascido.57

Existe no Brasil uma ave chamada capoeira (Odontophorus capueira, Spix), que além de ser encontrada no Paraguai se acha espalhada no sul da Bahia, Rio de Janeiro, Minas Gerais, sul de Goiás, sudoeste de Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.58 E também chamada uru, Uma espécie de perdiz pequena, anda sempre em bandos, e no chão59. E mencionada freqüentemente nas obras dos viajantes, mui especial na do Príncipe de Wied-Neuwied60. Depois de dizer que o canto da capoeira só é ouvido ao amanhecer e ao anoitecer, Macedo Soares, transcrevendo Wappoeus informa que a referida ave é uma pequena perdiz de voo rasteiro, de pés curtos, de corpo cheio, listrado de amarelo escuro, cauda curta e que habita em todas as matas. Tem um canto singular, que é antes um assobio trémulo e contínuo do que canto modulado. E também caça muito procurada e que se domestica com facilidade.61. No mesmo local, Macedo Soares informa que o canto da capoeira era utilizado através do assobio pelos caçadores no mato 23 como chama, e os moleques pastores ou vigiadores de gado para chamarem uns aos outros e também ao gado. Dessa forma o moleque ou o escravo que assim procedia era chamado capoeira.

Ainda com ligações à ave é Nascentes que em 1955, na Revista Brasileíra de Filologia, apresenta uma proposição diferente da que deu à luz em 1932, em seu Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa e em 1943, quando concluiu a redação da última ficha do dicionário que a Academia Brasileira de Letras lhe encomendara. Nascentes ao explicar como o jogo de capoeira se liga à ave, informa que o macho da capoeira e muito ciumento e por isso trava lutas tremendas com o rival, que ousa entrar em seus domínios. Partindo dessa premissa, explica que Naturalmente, os passos de destreza desta luta, as negaças, foram comparadas com os destes homens que na luta simulada para divertimento lançavam mão apenas da agilidade62.

Ao lado do vocábulo genuinamente brasileiro de origem tupi, há o português, significando entre outras coisas cesto para guardar capões, já com abonações clássicos, como a que se segue de Fernão Mendes Pinto, onde o vocábulo aparece bem caracterizado: –

E pondo recado & boa vigia no que conviha, nos deixamos estar esperando pela manham; & As duas horas depois da meya noite enxergamos ao Orizonte do mar tres cousas pretas rentes com a agoa, & chamamos logo o Capitão q a este tempo estava no conves deitado encima de huma capoeyra, & lhe mostramos o q viamos, o qual tanto q vio tambem, se determinou muyto depressa, & bradou por tres ou quatro vezes, armas, armas, o que logo se satisfez em muyto breve espaço63.

Daí Adolfo Coelho64 derivar o vocábulo de capão mais o sufixo eira, seguido por 24 Cortesão65. Nascentes, no Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa 66segue as pegadas de Adolfo Coelho, limitando-se a fazer a derivação do vocábulo sem mais nenhuma explicação. Entretanto já no Dicionário da Língua Portuguesa elaborado pela Academia Brasileira de Letras 67 inclui sob a mesma origem, capoeira (jogo) e capoeira o homem que pratica o jogo da capoeira, sem contudo ainda explicar o que determinou o étimo.

Tendo como base capão, do qual Adolfo Coelho tirou o étimo de capoeira para o português, Beaurepaire Rohan faz o mesmo para o vocábulo capoeira na acepção brasileira, apresentando em defesa de sua opinião a seguinte explicação: –

Como o exercício da capoeira, entre dois indivíduos que se batem por mero divertimento, se parece um tanto com a briga de galos, não duvido que este vocábulo tenha sua origem em Capão, do mesmo modo que damos em português o nome de capoeira a qualquer espécie de cesto em que se metem galinhas.68

Brasil Gerson, o historiador das ruas do Rio de Janeiro69, fazendo a história da rua da Praia de D. Manoel, mais tarde simplesmente rua de D. Manoel, informa que lá ficava o nosso grande mercado de aves e que nele nasceu o jogo de capoeira, em virtude das brincadeiras dos escravos que povoavam toda a rua, transportando nas cabeças as suas capoeiras cheias de galinhas. Partindo dessa informação é que o pioneiro de nossos estudos etimológicos, o ilustre mestre Antenor Nascentes 25 se escudou para propor novo étimo para o vocábulo capoeira designando o jogo atlético, assim como o praticante do mesmo. Por carta de 22 de fevereiro de 1966, que tive a honra de receber, Nascentes deixa bem claro o seu pensamento:–

A etimologia que eu hoje aceito para Capoeira é a que vem no livro de Brasil Gerson sobre as ruas do Rio de Janeiro.

Os escravos que traziam capoeiras de galinhas par vender no mercado, enquanto de ele se abria, divertiam-se jogando capoeira. Por uma metonímia res pro persona, o nome da coisa passou para a pessoa com ela relacionada. 70

Como se vê, as proposições divergem umas das outras, fazendo com que não se tenha uma doutrina firmada sobre este ou aquele étimo. Creio que só se pode pensar em nova proposição com o desenvolvimento dos estudos sobre o negro no Brasil, o que, praticamente, está por se fazer. Caso contrário, estaremos sempre construindo algo sem ter alicerces para plantar, que no caso seria o conhecimento de novos documentos, relativos ao negro.

O vocábulo capoeira, em suas diversas acepções está espalhado em todo o território nacional como no Amazonas71, Para72, Maranhão73, Ceará74, Paraíba75, Pernambuco76, Rio de Janeiro77, Goiás78, Rio Grande 26 do Sul79. De um modo geral, está registrado em glossários regionais e especializados, como no de Clado Ribeiro Lesa80, Teschauer81, Viotti82, Agenor Lopes de Oliveira83, Nascentes84, Bernardino José de Souza85, Cascudo86, Plínio Ayrosa87, Rodolfo Garcia88, e outros. E bom lembrar, aqui, que, dentre os brasileirismos que Alberto Bessa incluiu na sua A Gíria Portuguesa, está o vocábulo capoeira que ele define como jogo de mãos, pés e cabeça, praticado por vadios de baixa esfera (gatunos)89.

27

Semanticamente falando, o vocábulo existe nas mais variadas acepções, as quais vão adiante:–

Capoeira
s.f.– espécie de cesto feito de varas, onde se guardam capões galinhas e outras aves.
Capoeira
s.f.– Local onde fica a criação.
Capoeira
s.f.– Carruagem velha.90
Capoeira
s.f.– Tipóia.91
Capoeira
– Termo de fortificação, designando a escavação no fundo de um poço seco, guarnecida de um parapeito com seteiras e de um teto de franchões, sobre que se deita uma grossa camada de terra.92
Capoeira
s.f.– Espécie de cesto com que os defensores duma fortaleza resguardam a cabeça.93
Capoeira
s.f.– Designa uma peça de moinho.94
Capoeira
s.f.– Mato que foi cortado.
Capoeira
s.f.– Lenha que se retira da capoeira, lenha miúda.95
Capoeira
s.f.– Designa uma ave (Odontophorus capueira, Spix), também conhecida pelo nome de Uru.
Capoeira
s.f.–Espécie de jogo atlético.
Capoeira açu
s.f.– Chamam-se, no Maranhão, a capoeira que tem mais de 12 anos.
28
Capoeira mirim
s.f.– Chamam-se, no Maranhão, a capoeira que tem menos de 12 anos.
Capoeira grossa
s.f.– Capoeira onde já existem Arvores grandes e grossas.
Capoeira rala
s.f.– Capoeira que se corte constantemente.
Capoeira de machado
s.f.– Capoeira de grandes arbustos que só pode ser cortada com machado. Em Pernambuco é chamado capoeirão de machado.96
Capoeira de foice
s.f.– Capoeira que pode ser cortada com a foice.97
Capoeira
s.m..– O que pertence ao jogo da capoeira.
Capoeira
s.m.- Indivíduo desordeiro.
Capoeira
s.m.– Ladrão de galinha.
Capoeira
s.m.– Espécie de veado existente no Nordeste.98
Capoeira
s.m.– Matuto, indivíduo na capoeira.99
Capoeirão
s.m.– Capoeira bastante grossa.
Capoeirão
s.m.– Termo usado no Recôncavo da Bahia para designar o habitante em terras de capoeira.100
Capoeirada
s.f.– Conjunto de capoeira.
Capoeiragem
adj.– Ato de capoeira.
Capoeiroso
adj.– Relativo à capoeira.101
Capoeirar
v.– Burlar intentos, ladinar, enganar.102
29
Capoeirar
v.– Prender aves em grandes cestos ou capoeiras.
Encapoeirar
v.– O mesmo que capoeirar.
Encapoeirado
adj.– Metido na capoeira, escondido na região das capoeiras.
Encapoeirado
adj.– Terreno já coberto de capoeira.

30

III
A Capoeira

Antes de entrar no estudo da capoeira propriamente dita, é necessário responder a pergunta anteriormente formulada, indagando se os africanos trouxeram a capoeira da África, especificamente de Angola, ou a inventaram no Brasil.

Quando examinei o problema do tráfico de escravos africanos para o Brasil, falei da dificuldade em se afirmar, com precisão, a data da chegada dos primeiros escravos e a sua procedência, em virtude de escassez, no momento, de documentos. Entretanto, falei da tendência dos historiadores e africanistas, tomando come base poucos e raros documentos conhecidos, em se fixarem como sendo de Angola os primeiros negros aqui chegados, assim como ser o grosso de nossos escravos escoados dos portos de São Paulo de Luanda e Benguela. Ao lado disso a gente do povo e sobretudo os capoeiras falam todo o tempo em capoeira Angola, mui especialmente quando querem distingui-la da capoeira regional, de que falarei no lugar oportuno. Ora, tudo isso seria um pressuposto para se dizer que a capoeira veio de Angola, trazida pelos negros de Angola. Mas, mesmo que se tivesse notícia concreta de tal folguedo por aquelas bandas, ainda não era argumento suficiente. Está documentado, e sabido por todos, que os africanos uma vez livres e os que retornaram as suas 31 pátrias levaram muita coisa do Brasil, coisas não só inventadas por eles aqui, como assimiladas do índio e do português. Portanto, não se pode ser dogmático na génese das coisas em que é constatada a presença africana; pelo contrário, deve-se andar com bastante cautela.

No caso da capoeira, tudo leva a crer seja uma invenção dos africanos do Brasil, desenvolvida por seus descendentes afro-brasileiros, tendo em vista uma série de fatores colhidos em documentos escritos e sobretudo no convívio e diálogo constante com os capoeiras atuais e antigos que ainda vivem na Bahia, embora em sua maioria, não pratiquem mais a capoeira, devido a idade avançada. Em livro recente, Luís da Câmara Cascudo defende a estranha tese que Existe em Angola a nossa Capoeira nas raízes formadoras e é, como supunha, uma decorrência de cerimonial de iniciação, aspeto que perdeu no Brasil.102a Lamentavelmente, o raciocínio e documentação que passa a desenvolver, para explicar sua proposição, não convencem, devendo-se, portanto, tomar conhecimento da referida tese, com bastante reserva, até que seu autor a elucide com mais desenvoltura e rigorosa documentação, dando o caráter científico que o problema está a exigir. Não tenho documentação precisa para afirmar, com segurança, terem sido os negros de Angola os que inventaram a capoeira ou mais especificamente capoeira Angola, não obstante terem sido eles os primeiros negros a aqui chegarem e em maior número dentre os escravos importados, e também as cantigas, golpes e toques falarem sempre em Angola, Luanda, Benguela, quando não intercalados com termos em língua bunda. Por outro lado, há também a maneira de ser desses negros, muito propensa aos folguedos, sobretudo dessa espécie. Braz do Amaral103, dentre outros, afirma que os negros de Angola eram insolentes, loquazes, imaginosos, sem persistência para o trabalho, porém férteis em recursos e manhas. Tinham mania por festa, pelo reluzente e o ornamental. Seu pendor para festa, fertilidade de imaginação e agilidade eram o suficiente para 32 usarem e abusarem dos folguedos conhecidos e inventarem muitos outros. Além da sua capacidade de imaginação, buscaram os negros elementos de outros folguedos e de coisas outras do quotidiano para inventarem novos folguedos, como teria sido o caso da capoeira. Para princípio de argumentação, quero citar a capoeira de Mestre Bimba chamada capoeira regional e tida por todos como uma outra capoeira, distinta da que geralmente se chama capoeira Angola.

A capoeira é uma só, com ginga e determinado número de toques e golpes, que servem de padrão a todos os capoeiras, enriquecidos com criações novas e variações súteis sobre os elementos matrizes, mas que não os descaracterizam e interferem na sua integridade. Apenas o que houve na capoeira dita regional, foi que o Mestre Bimba a desenvolveu, utilizando elementos já conhecidos dos seus antepassados e enriquecendo com outros a que não lhes foi possível o acesso. Mesmo assim, os elementos novos introduzidos, são facilmente reconhecidos e distintos dos tradicionais como é o caso dos golpes ligados ou cinturados, provenientes dos elementos de lutas estrangeiras. O que não se verifica nos golpes tradicionais, onde os capoeiras não se ligam e mal se tocam. Portanto não tem o menor fundamento a afirmativa de Edison Carneiro, em Negros Bantos,104 repetida, vinte anos mais tarde, em A Sabedoria Popular,105 de que há nove modalidades de capoeira, passando em seguida a enumerá-las. O que houve foi uma bruta confusão feita por Edison Carneiro, misturando golpes de capoeira com toques de berimbau, chamando a isso modalidades de capoeira. Lastimável é que esse erro vem sendo repetido por quantos o copiam e o mais recente foi Dias Gomes, no texto que escreveu para a gravação de capoeira da Editora Xauã, muito embora não diga que copiou dos livro de Edison Carneiro.

Num dos diálogos que mantive com o Mestre Bimba, perguntei-lhe por que inventou a capoeira regional, no que me respondeu que achava a capoeira Angola muito fraca, como divertimento, educação física e ataque e 33 defesa pessoal. Então indaguei o que utilizou para fazer a que chamou de regional, que considerou forte e capaz de preencher os requisitos que a capoeira angola não preenche. Respondeu-me que se valeu de golpes de batuque, como banda armada, banda fechada, encruzilhada, rapa, cruz de carreira e baú, assim como detalhes da coreografia de maculêlê, de folguedos outros e muita coisa que não se lembrava, além dos golpes de luta greco-romana, jiu-jitsu, judô e a savata, perfazendo um total de 52 golpes. Logo não está fora de propósito a etimologia de capoeira apresentada por Nascentes,106 tomando como base nome de uma ave chamada capoeira, justificando a sua proposição no fato do macho, ao menor indício da presença do seu rival, ir de encontro ao mesmo e travar lutas tremendas, lutas essas que foram comparadas com as que simulavam o capoeiras para se divertirem. Eu vou mais adiante, dizendo mesmo que os negros poderiam muito bem ter extraído golpes ou detalhes de golpes, para a invenção do folguedo e que poderia perfeitamente chamar de capoeira a um jogo, em função de uma ave com esse nome, da qual lhe extraíra alguns elementos para a sua invenção.

Outro fato importante é o resultado da enquête que fiz com vários capoeiras antigos e modernos, e verifiquei que quase todos eles possuem um ou mais golpes ou toques diferentes dos demais, inventados por eles próprios, ou então herdados de seus mestres ou de outros capoeiras da suas ligações, isso sem falar na interpretação pessoal, embora sútil, que dão aos golpes e toques, de um modo geral, e o golpe pessoal que todo capoeira guarda consigo, para ser usado no momento necessário. O texto descritivo de capoeira mais antigo que se tem notícia é o que está nas Festas e Tradições Populares do Brasil de Melo Morais Filho. Pois bem, os golpes aí referidos são, na sua quase totalidade, desconhecidos dos capoeiras da Bahia, como é o caso do tronco, raiz, fedegoso, pé de panzina, caçador, passo a dois e outros,107 golpes esses e muitos que Melo Morais Filho não teve 34 conhecimento, ou simplesmente não mencionou, mas que foram criações de capoeiras ou maltas de capoeiras do Rio de Janeiro de seu tempo, extraídos da imaginação e de elementos que lhes vinham à frente. Segundo fui informado, existiu no Rio de Janeiro um velho mestre de capoeira baiano, conhecido por Sinhozinho (Agenor Sampaio), do qual ainda existem alunos, com academia de capoeira, utilizando-se de alguns dos golpes referidos por Melo Morais Filho. Em nossos dias, Lamartine Pereira da Costa, oficial da Marinha e também professor de Educação Física da referida corporação, e Inezil Penna Marinho, publicando o primeiro Capoeiragem / A arte de defesa pessoal brasileira, reeditado em 1962 com o título de Capoeira sem Mestre e o segundo Subsídios para o Estudo da Metodologia do Treinamento da Capoeiragem e mais adiante, Subsídios para a História ca Capoeiragem no Brasil,108 por sinal, os primeiros trabalhos que se publicam no género. Para a confecção do trabalho que é de caráter puramente técnico, isto é, preocupando-se exclusivamente com o aprendizado dos golpes, Lamartine Pereira da Costa encontrou dificuldade no que se refere à bibliografia sobre o assunto. Então, segundo declara no prefácio, resolveu basear-se na tradição oral e no que pôde arrancar de velhos capoeiras do Rio de Janeiro e da Bahia e o resultado é que catalogou golpes, à exceção dos tradicionais, totalmente desconhecidos dos mestres capoeiras da Bahia. Há ainda outra coisa importante no desenvolvimento da capoeira – é que dentro das limitações das regras de jogo, o capoeira tem liberdade de criar, na hora, golpes de ataque e de defesa conforme seja o caso, que nunca foram previstos e sem nome específico e que após o jogo ele próprio não se lembra mais do tipo de expediente que improvisou. No jogo da capoeira vai muito de pessoal.

35

Portanto, a minha tese é a de que a capoeira foi inventada no Brasil, com uma série de golpes e toques comuns todos os que a praticam e que os seus próprios inventores e descendentes, preocupados com o seu aperfeiçoamento, modificaram-na com a introdução de novos toques e golpes, transformando uns, extinguindo outros, associando a isso o fator tempo que se incumbiu de arquivar no esquecimento muito deles e também o desenvolvimento social e econômico da comunidade onde se pratica a capoeira. Assim, dos toques e golpes primeiros, de uso de todos os capoeiras, uma boa parte foi esquecida, permanecendo uma pequeníssima e uma outra desapareceu em função, como já disse, do desenvolvimento econômico e social. Como exemplo disso posso citar o toque de berimbau chamado aviso, ainda do conhecimento do capoeira Canjiquinha (Washington Bruno da Silva). Segundo corre na transmissão oral dos antigos capoeiras, era comum ficar um tocador de berimbau, num oiteiro, onde se divisava toda uma área enorme, com a finalidade de vigiar a presença do senhor de engenho, capataz ou capitão do mato, no encalço deles. Uma vez notada a aproximação desses inimigos, era dado um aviso, no berimbau, através de um toque especial. Como se vê, esse toque ainda do conhecimento de alguns capoeiras, desapareceu, em função da organização social que se tem hoje. Outro exemplo é o toque cavalaria, conhecido de todos os capoeiras da Bahia. Esse toque era usado para denunciar a presença do famigerado Esquadrão de Cavalaria, que teve o auge de sua atuação contra os candomblés e os capoeiras, na administração do temível delegado de polícia Pedrito (Pedro de Azevedo Gordilho), no período de 1920 a 1927. Alcancei-o na minha fase de garoto em total decadência e hoje desaparecido por completo, restando apenas o toque cavalaria e sua funesta memória, e o delegado Pedrito que entrou para o folclore, nas cantigas de aviso da sua aproximação, em algumas cantigas de capoeira e candomblé de caboclo.

A capoeira foi inventada com a finalidade de divertimento, mas na realidade funcionava como faca de dois gumes. Ao lado do normal e do quotidiano, que era divertir, era luta também no momento oportuno. Não havia Academias de Capoeira, nem ambiente fechado, premeditadamente preparado para se jogar capoeira. Antigamente havia capoeira, onde havia uma quitanda ou uma venda de cachaça, com um largo bem em frente, propício ao 36 jogo. Aí, aos domingos, feriados e dias santos, ou após o trabalho se reuniam os capoeiras mais famosos, a tagarelarem, beberem e jogarem capoeira. Contou-me Mestre Bimba, que a cachaça era a animação e os capoeiras, em pleno jogo, pediam-na aos donos das vendas, através de toque especial de berimbau, que eles já conheciam. Afora isso, as maiores concentrações eram na Estrada da Liberdade, Pau Miúdo, Cidade de Palha, rua dos Capitães, rua do Passo Taboão, Cais Dourado e no Cais do Porto. O Cais Dourado, no fim do século passado, se tornou famosíssimo pelo excesso de desordens e crimes, que ali se praticavam, sobretudo por ser zona de meretrício e para lá convergirem, além dos capoeiras, marinheiros, soldados de polícia e delinquentes. Os jornais da época dão conta de como a cidade vivia em sobressalto, pelos acontecimentos ali ocorridos. Assim que se lê em 1880 que Por desordeiro foi preso ontem no Cais Dourado o africano liberto Antônio Manoel de Souza.109 Ainda no Cais Dourado mas desta vez um conflito de maiores proporções, com a participação de marinheiros, foi assim descrito pelo Jornal de Notícias de 1880:–

Ontem às 9 horas da noite esteve a rua do Cais Dourado em alarme, originado de um grande conflito em que tomaram parte mais de quarenta indivíduos de ambos os sexos, armados de facas e garrafas.

De certo tempo para cá tem aquela rua se transformado em um campo de luta incessante, onde, à noite e em dias santificados, rola o pau, voa a garrafa como projétil e maneja-se a faca como argumento, ante o qual cedem a razão e o direito.

Por mais de uma vez temos registrado fatos dignos da mais séria punição, de que são protagonistas marinheiros de má conduta e mulheres para quem a honra é um mito, a virtude palavra sem significação; homens e mulheres que só procuram os prazeres sensuais, que tripudiam em torno da garrafa, com as mais desenfreadas bacantes. 37 Se de cada vez que fossem presos, quer os marinheiros, quer suas ninfas, assinassem termo de bem viver, estamos certos, se corrigirão; mas sofrem apenas uma prisão correcional de poucas horas e voltam para o teatro de suas façanhas, convencidos de que a polícia é impotente para refreá-los.

Foi tão sério o conflito de ontem que para ali correu quase todo o destacamento do Comércio, que prendeu trinta e duas pessoas, saindo feridas com facadas duas praças.

A muito custo conseguiu a força acalmar os ânimos sendo necessário que o comandante dela ameaçasse mandar fazer fogo contra aquela desenfreada gente.

As duas praças feridas foram medicadas em uma farmácia próxima, procedendo-se ao corpo de delito, e o presos remetidos para a casa de correção.

Esperamos que o sr. chefe de polícia, em vista da gravidade do caso, obrigue esses desordeiros a assinar termo de bem viver para serem punidos quando o infringirem, para ver se assim consegue-se desassombrar a pessoas morigeradas que ali residem.110

Em tudo era notada a presença do capoeira, mui especialmente nas festas populares, onde até hoje comparecem, embora totalmente diferentes de outrora. Em toda festa de largo profana, religiosa ou profano-religiosa, o capoeira estava sempre dando ar de sua graça. Suas festas mais preferidas eram a de Santa Bárbara no mercado do mesmo nome, na Baixa dos Sapateiros, festa da Conceição, cujo local de preferência era a Rampa do Mercado e adjacências; festa da Boa Viagem, festa do Bonfim, festa da Ribeira, festa da Barra, tão famosa e hoje totalmente extinta; do Rio Vermelho, Carnaval e muitas outras. Não havia academias turisticamente organizadas. Os capoeiras, com alguns outros companheiros e discípulos rumavam para o local de festa, com seus instrumentos musicais, inclusive armas para o momento oportuno e lá, com amigos outros que encontravam, faziam a roda e brincavam o tempo que queriam.

38

Um outro aspeto importante é o que se refere a capoeira em si e suas ligações com o candomblé. De início, tenho a afirmar que entre a capoeira em si e o candomblé existe uma independência. O jogo da capoeira para ser executado não depende em nada do candomblé, como ocorre com o folguedo carnavalesco chamado Afoxé, que para ir ais ruas há uma série de implicações de ordem místico-litúrgicas. Apesar de nas cantigas de capoeira se falar em mandinga, mandingueiro, usar-se palavras e composições em línguas bunda e nagô e também a capoeira se iniciar com o que os capoeiristas chamam de mandinga, nada existe de religioso. O que existe vem por vias indiretas. E o capoeira que é omorixá (filho de santo), como é o caso do capoeira Arnol (Arnol Conceição) que é filho de santo do famoso babalorixá (pai de santo) de Cachoeira, conhecido por Enock (Enock Cardoso dos Santos) o qual fez Oxossi (Odé) em sua cabeça, dando o orukó (nome) de Odé Ajayi koleji (O caçador de Ajayi não pode acordar). Roseno (Manoel Roseno de Santana) “raspado e pintado de Omolu” pela finada iyalorixá (mãe de santo) Cecília do Bunukô (Cecília Moreira de Brito); Caiçara (Antônio da Conceição Morais) “feito” de Logun Edé por sua mãe de sangue, Adélia Maria da Conceição. Quando não é isso, é oloye (dono de título honorífico) de uma casa de candomblé, é parente de mãe ou pai de santo, ou foi desde criança criado em ambiente de casa de candomblé.

Diante disso, o capoeirista procede com referência à capoeira, como procederia normalmente com outra coisa, procurando sempre se proteger, por esse caminho, que é o que foi introduzido na sua formação. Então se verifica, constantemente, um comportamento que tinha antigamente, conservando ainda até nossos dias. Assim, a todo instante um capoeira “está queimando” outro, isto é, fazendo ebó (feitiço) para o seu companheiro, tendo em vista sempre a concorrência e desavenças resultantes disso. Sem querer exagerar, a população da Bahia, na sua quase totalidade, quando não tem participação ativa nos ambientes de candomblé, de vez em quando “espia” o que está acontecendo ou esta por vir. Portanto, não e de se admitir que os capoeiras sejam os únicos a estarem de fora. Conheço uma série de casos de ebó, entre capoeiras, verificados nos dias presentes. O salão de exibições patrocinadas pelo órgão 39 oficial de turismo do município do Salvador de há muito, vem sendo disputadíssimo pelos capoeiras, em virtude de um único fato que é o sócio-economico. O capoeira ou as academias de capoeira se sentem promovidos em exibirem diante de um presidente de república, embaixadores ministros de Estado, nobreza, clero e burguesia, que pela Bahia passam, juntando a isso as vantagens económicas que tiram não só do contrato que fazem com o referido órgão, para a exibição e também do dinheiro que se coloca no chão, por ser apanhado com a boca, durante o jogo, em golpes espetaculares. Também a aludida entidade é uma espécie de oráculo, onde os que aqui chegam e desejam um grupo de capoeiras para filmagens ou exibições e lhe solicita a indicação. Como se vê, daí a disputa. Já desde administrações anteriores, quem primeiro montou exibição no referido local foi o capoeira Canjiquinha (Washington Bruno da Silva), que é de Iansã, sem contudo “ser feito”, mas descende de avós africanos, com tia e irmã mães de santo e em plena atividade litúrgica. Pois bem, uma vez montada a sua capoeira, com exibições com dias e horas marcados e também sendo o escolhido para as exibições oficiais, começou então a “queima do ponto”, o envio de ebós e a presença de Exu em todas as exibições, de modo que a hora do jogo havia sempre um aborrecimento. Pressentindo o que estava acontecendo, Canjiquinha corre à sua irmã Lili (Carlinda da Silva Sá) que é mãe de santo e pede para “olhar”, o que foi feito através do “jogo”, que descortinou tudo, indicando o caminho a seguir, por meio de um ebó. Com isso se inicia a troca de ebó, pois o capoeira que deu começo à coisa, que eu me reservo declinar seu nome, queria derrubá-lo a todo custo. Nesse ínterim, estava no páreo um outro capoeira, esse “feito de santo” e com um irmão pai de santo, que no interior era famoso em “transportar” em 24 horas. Houve “troca de folha” e Canjiquinha se viu balançado, ate que, quando menos esperava, foi-lhe mandado um Exu e fez com que tivesse um atrito sério com o então diretor do órgão, quase que ambos fazendo usando da força física. Veio a inimizade e a conseqüente extinção das exibições no local. O capoeira que iniciou a mandinga passou a ser o eleito, não ocupando o salão com as suas exibições porque tinha academia no centro da cidade, mas 40 os turistas lhe eram encaminhados e nas exibições oficiais a sua academia era a escolhida. Nesse espaço, aquele que derrubou Canjiquinha veio pedir a preferência do salão, o que foi negado. Com a mudança de administração e os constantes ebós, Canjiquinha consegue derrubar o que lhe atravessou e volta a assumir o comando daquilo que plantara. Desta vez, contra seu gosto, mas por imposição do órgão, o qual seu inimigo usara para derrubá-lo anteriormente. Agora toda cautela é pouca, o menor descuido seria engolido. Assim, nas catacumbas da antiga igreja da Sé, onde funciona o turismo municipal, com o seu respectivo salão para exibições, e em cujo chão jazem os restos mortais dos que andaram pela Bahia nos idos de 1500 a nossos dias, práticas místico-litúrgicas de candomblé foram e ainda são executadas por um e outro capoeira para a derrubada um do outro e o vencedor ocupar o trono sozinho. Cansei de observar, várias vezes, as paredes do salão estarem, a título de decoração, infestadas de ewê peregun (folhas de peregun) cruzadas, espada de Ogun num canto, corredeira no outro, pemba, mui discretamente pulverizada, em lugar estratégico, isso sem se falar de pequenos alguidares contendo acaçá, charuto, farofa de azeite de dendê, pipoca e cachaça, habilmente escondidos no canteiros do jardim, na parte de cima, logo na porta de entrada. Com isso começou a perturbação. Exu era o senhor de tudo, estava bem alimentado para cumprir uma tarefa portanto tinha que executá-la. A coisa foi tomando corpo até que chegou ao auge, dessa vez vencendo Canjiquinha, derrubando seu companheiro. Sua irmã, mãe de santo, descobriu tudo e disse o que deveria fazer para “desmanchar” o ebó que o outro havia feito, porém Canjiquinha recusou, pois vinha há algum tempo “trabalhando” com Manoel Fiscal (Manoel Anastácio da Silva) que é axogun (o que sacrifica animais para os deuses) e também capoeira, iniciado pelo famoso e temível Besouro Cordão de Ouro, concluindo com Mestre Bimba. Relatou-me Manoel Fiscal, em presença de Canjiquinha, o que fez para derrubar o seu adversário, principalmente na sede do órgão de turismo, onde havia as exibições. Independente de lavar a escadaria da entrada, que dá acesso ao salão, com “Agua de ebô”, forneceu outra quantidade a Canjiquinha, para salpicar no salão e 41 arredores antes de começar as exibições. Daí em diante voltou a reinar a santa paz do Senhor. Informou-me também que iria cuidar de Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha), pois haviam “queimado” o velho e ele estava passando uma dos diabos, inclusive o proprietário do local, onde funciona a sede de sua academia, queria despejá-lo. A academia de Mestre Pastinha funciona no Largo do Pelourinho, 19. E uma casa antiga junto a igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Nesse velho casarão funcionou algum tempo uma escola de dança para ensinar a moças e rapazes, que não podiam ir às festinhas familiares, por não saberem dançar. Chamava-se Escola de Danças Yara e se rivalizava com muitas outras que sempre proliferaram, desde os velhos tempos na Bahia, como a Escola de Danças Mululu dirigida pelo Professor Mululu, nome de língua bunda que quer dizer bisneto, como o conheciam. Funcionava num andar à rua Dr. Seabra, 70, próxima à esquina da rua 28 de Setembro, antiga rua do Tijolo. Havia também o Ginásio de Danças Modernas, dirigido pelo Professor Vicente Marques sito A rua do Saldanha, 3. Há quem afirme que essas escolas de danças são reprodução de três outras que existiram na Bahia, que foram a do Professor Bento Ribeiro, que durou 52 anos; a do Professor Travessa, mais de 20 anos, e a do Professor Frederico Brito, 22 anos110a. Após funcionar a referida escola de danças, passou a ser a sede de uma série de entidades ligadas direta e indiretamente ao candomblé, como o Afoxé Filhos de Gandhi, a própria capoeira de Mestre Pastinha, uma porção de entidades ali ensaiavam e algumas ainda ensaiam, para se exibirem no período de festas populares. E a sede da Federação de Culto Afro-Brasileiro. Por mim, para ter uma idéia do afluxo místico-litúrgico do local, basta dizer que a ex-proprietária, Didi (Adalina Purificação Silva), no início de 1961 foi “raspada e pintada” nesse local, por Oké (Maria de Olinda), atual mãe de santo do Ilê Iyá Nassô, ou como é mais conhecido, Candomblé do Engenho Velho e Casa Branca. Ali, com a presença de ebomins e de oloyês do Axé Opô Afonja, Axé Iyá Massé, Ilê Oxumarê e muitas outras casas de candomblé, numa festa muito bela, Didi, ao som dos atabaques pertencentes ao Afoxé Filhos de Gandhi e no salão onde inclusive Pastinha exibe capoeira, gritou, 42 solenemente, ao pipocar de foguetes, palmas, chuvas de flores e grãos de arroz, o orukó de sua Oxun – Oxun Demi! (Oxun me deu!). O otá (pedra em que se assenta misticamente o deus dono da pessoa) de seu santo veio para o Candomblé do Engenho Velho, mas o Exu ficou “assentado” no quintal do prédio, sob o teto de uma casinhola de madeira. Pouco tempo depois de “feita” veio a falecer e há quem diga a boca pequena, que seu egun (alma) ronda a casa. Portanto, Manoel Fiscal muito tem que trabalhar para proteger a carcaça do velho Pastinha.

De acontecimentos assim, conheço inúmeros, mas que esses são o bastante para se mostrar de que modo são as relações da capoeira com o candomblé.

43

IV
A Indumentária

Falar em indumentária de capoeira em termos de core e trajes padronizados, identificando um determinado grupo, e coisa recentíssima, nascida do advento de um turismo culturalmente mal orientado, surgido na Bahia, há pouco, mas já bastante responsável pela descaracterização de muitas de nossas tradições.

Sendo a capoeira, assim como o capoeira considerados coisas marginais, jamais poderia existir algo que facilmente fosse identificado pela polícia, que dormia e acordava no calcanhar dos capoeiras. O que havia era um enquadramento do capoeira no trajar de uma época e num determinado instante de sua atividade, dentro de um agrupamento social. Fala-se que o capoeira usava uniforme branco, sendo calça de pantalona, ou seja uma calça folgada com boca de sino cobrindo todo o calcanhar; camisa comprida, por cima das calças, quase que à semelhança de abadá; chagrin e lenço de esguião de seda envolto no pescoço, cuja finalidade, segundo me falou Mestre Bimba, era evitar navalhada no pescoço, porque a navalha não corta seda pura, de que eram fabricados esses lenços importados. Essa indumentária não era privativa do capoeira, era um traje comum a todo negro que quisesse usá-lo, fosse ou 44 não capoeira. A título de ilustração posso citar Tio Joaquim (Joaquim Vieira), que foi um babalorixá famoso na Bahia além de Wessa Oburô, título honorífico no Axé Opô Afonjá segundo informação de sua neta Cantulina de Ayrá (Cantulina Pacheco), usava esse mesmo traje, acrescido de chapéu bico de sino e no entanto não me falou e não me consta fosse ele capoeira. O lenço de esguião de seda de que fala Mestre Bimba não era uso privativo do capoeira. Funcionava como enfeite para proteger o colarinho da camisa contra o suor e a poeira, o que ainda em nossos dias se vê em festas de largo quando o negro brinca, coloca um simples lenço de algodão ou uma pequena toalha de rosto entre o pescoço e o colarinho da camisa. Como o capoeira foi um elemento marcante em nossa sociedade, a sua maneira de ser, em seus hábitos e costumes, embora na sua quase totalidade normal como de outro indivíduo qualquer, ficou como característica sua. Ao lado desses detalhes, Manoel Querino fala do uso de um “argolinha de ouro na orelha, como insígnia de força e valentia”.111 Isso também não era privativo do capoeira. Conheço pessoas bem idosas que ainda alcançaram negros não mas usando argolas mas com a orelha esquerda furada e que não eram capoeiras. Além do mais, Braz do Amaral se refere ao uso de uma argola minúscula na orelha esquerda, como hábito dos negros de Angola, sem contudo especificar que eram capoeiras.112

Havia grandes capoeiras entre os ganhadores, entretanto a maneira do traje desses negros era diferente, como se vê em uma fotografia antiga, reproduzida por Manoel Querino,113 trajes esses que ainda vi em alguns que “faziam ponto” no início da Ladeira da Montanha. No Cais do Porto sempre estiveram os mais famosos capoeiras, mas a roupa usual, na sua atividade de trabalho, era calça comum, com bainha arregaçada, pés descalços e camisa tipo abadá, feita de saco de açúcar ou farinha do reino, e nas horas de folga do 45 trabalho assim se divertiam jogando sua capoeira. Mais tarde essas camisas foram, aos poucos, substituídas pelas camisas de meia.

Aos domingos, feriados e dias santos, quando todos tinham folga, a aparência do capoeira era outra. O negro sempre teve preferência pelo traje branco, daí despertar a atenção popular e ser batizado de a mosca no leite, quando assim se vestia. Não sei se houve nisso influencia do clima tropical, ou certas implicações de ordem religiosa, como seja o caso de possuir um título honorífico num candomblé, como ogan, por exemplo, e estar obrigado a comparecer com vestes totalmente brancas, ou participar de certas cerimónias, como axêxê (ritual fúnebre), ciclo de festas de Oxalá e outras que exigem essa indumentária, rigorosamente branca. O fato é que o negro sempre foi amante de um terno branco, assim como sapato e camisa, usando-os preferencialmente nos dias já mencionados, quando se entregava de corpo e alma ao jogo da capoeira. Colocava o lenço no pescoço para resguardar o colarinho e jogava com uma perfeição e habilidade tremendas que não sujava, de modo algum, a domingueira.

Em nossos dias, a coisa tem outra feição. Mestres capoeiras mantêm um grupo de discípulos em torno de si reunidos formando agrupamentos chamados Academia, procurando distinguir uma das outras, por meio de camisas de meia coloridas, como se fossem verdadeiros times de futebol. Com um preocupação eminentemente turística, escolhem camisas com cores variadas e berrantes, de um mau gosto terrível, com a finalidade de atrair atenção para o grupo, que mais parece um bloco carnavalesco do que um conjunto de mestre e discípulos de capoeira. Esse afetamento, para efeito de exibição para turistas vai desde a indumentária, comportamento pessoal e jogo. Para essa descaracterização, tem concorrido ativamente a má orientação do orgão oficial de turismo, que além de prestigiar toda uma espécie de aventura com o nome de Capoeira, auxilia de diversos modos, inclusive financiando essas camisas amacacadas. Lembro-me bem que de certa feita uma determinada Academia de capoeira, dessas improvisadas para se exibir em festas populares mediante subvenção oficial ou fornecimento de camisas e sapatos, com a preocupação de ser facilmente identificada pelos turistas, as suas vedetes queriam, a todo custo, colocar número atrás das camisas que lhes 46 iam ser concedidas. Como a coisa ficasse demasiado chocante, as referidas camisas foram entregues mediante compromisso de não se colocar os referidos números, à semelhança de camisa de jogador de futebol.

No Rio de Janeiro, onde os capoeiras foram mais audazes e quase abalaram o ministério de Deodoro, a indumentária é a mais diversa possível. Apesar de Melo Morais Filho dizer que eles usavam calças largas a semelhança dos da Bahia, paletó desbotado, camisa de cor, gravata de manta e anel corrediço, colete sem gola, botinas de bico estreito e revirado e chapéu de feltro, apresenta fotografia de capoeira alfaiate e capanga eleitoral, com indumentária totalmente diversa da que descreve e diversa um do outro.114 Em nossos dias, não tenho dados precisos de como se vestem realmente os capoeiras nas academias do Rio de Janeiro.

47

V
O Jogo da Capoeira

Antigamente, o jogo da capoeira se fazia nos engenhos, nos locais de trabalho, nas horas vagas e nas ruas e praças públicas, nos dias de festa, sempre em recinto aberto. Em nossos dias, não há mais engenho; no local de trabalho, como os Cais do Porto, não se joga mais e nas ruas e praças públicas do centro só em dias de festa. Joga-se capoeira em recinto fechado em Palácio do Governo, nas academias, nos salões oficiais, nos clubes particulares e nas ruas e praças públicas, onde se realizam festas populares. Espontâneamente, independente de qualquer circunstância, joga-se capoeira em ambiente aberto, na Estrada da Liberdade, Pernambués, Cosme de Farias, Itapuã e outros bairros bem afastados do centro da cidade.

Varia de academia para academia e de capoeirista para capoeirista, não só o início do jogo como o seu decorrer. Depois de vária e demoradas observações, consegui captar uma maneira quase que geral entre os mais antigos e mais famosos capoeiras. Sentados ou de pé, tocadores de berimbau, pandeiro e caxixi, formando um grupo; adiante capoeiras em outro agrupamento, seguido do coro e o público em volta, vêm dois capoeiras, agacham-se em frente dos tocadores e escutam atentamente o hino da capoeira 48 ou a ladainha como chamam outros, que é a louvação dos feitos ou qualidades de capoeiristas famosos ou um herói qualquer, como é o caso da cantiga que se segue, narrando as bravuras do repentista Manoel Riachão:–

1

Riachão tava cantando
Na cidade de Açu
Quando apareceu um nêgo
Como a espece de ôrubú
Tinha casaca de sola
Tinha calça de couro cru
Beiços grossos redrobado
Da grossura de um chinelo
Tinha o ôlho incravado
Outro ôlho era amarelo
Convidô Riachão
Pra cantá o martelo
Riachão arrespondeu
Não canto cum nêgo desconhecido
Ele pode sê um escravo
Ande por aqui fugido
Eu sô livre como um vento
Tenho minha linguagem nobre
Naci dentro da pobreza
Não naci na raça pobre
Que idade tem você
Que conheceu meu avô
Você tá parecendo
Que é mais môço do que eu.

Dando seqüência ao jogo da capoeira, vem o que chamam de cantos de entrada, sendo o mais cantado o que vai adiante:

2

Iê, Agua de bebê
Ie, Agua de bebê
Camarado

Aruandê
E, Aruandê
Camarado

49

Quis me matá
Iê, quis me matá
Camarado

Na falsidade
Iê, na falsidade
Camarado

Faca de ponta
Iê, faca de ponta
Camarado

Sabe furá
Iê, sabe furá
Camarado

Ele é cabecêro
Iê, êle é cabecêro
Camarado

E mandinguêro
Iê, ele é mandinguêro
Camarado

No campo de batalha
Iê, no campo de batalha
Camarado

Viva meu mestre
Iê, viva meu mestre
Camarado

Que me insinô
Iê, que me insinô
Camarado

A madrugada
Iê, a madrugada
Camarado

Da capoêra
Iê, da capoêra
Camarado

50

Vamos imbora
Iê, vamos imbora
Camarado

Pro mundo afora
Iê, pro mundo afora
Camarado

Rio de Janêro
Iê, Rio de Janêro
Camarado

Da vorta do mundo
Iê, da vorta do mundo
Camarado.

Terminado o canto de entrada os capoeiras se benzem e iniciam o jogo propriamente dito ou o começo da luta, para os da capoeira regional, porém com outro toque e outro canto:

3

Minino quem foi teu meste?
Minino quem foi teu meste?
Meu meste foi Salomão
Eu sô dicipo qui aprendo
Sô meste qui dô lição
O meste qui me insinô
Stá no Engenho da Conceição
A êle só devo é dinhêro
Saúde e obrigação
O segrêdo de São Cosme
Quem sabe é São Damiao
Camarado.

51

4

Eu naci no sabo
No domingo caminhei
Na segunda-fêra
A capoêra joguei.

5

A iuna é mandinguêra
Quando cai no bebedô
Foi sabida, foi ligêra
Capoera é que matô.

A certa altura, quebram o ritmo em que vinham e introduzem um outro, chamado corridos, que são cantos com toque acelerado:–

6

Chora minino
Nhem, nhem, nhem

O minino e chorão
Nhem, nhem, nhem

Sua mãe foi pra fonte
Nhem, nhem, nhem

Ela foi pro Cabula
Nhem, nhem, nhem

Foi comprá jaca dura
Nhem, nhem, nhem

Da cabeça madura
Nhem, nhem, nhem

O minino chorão
Nhem, nhem, nhem

Choro qué mamá
Nhem, nhem, nhem

52

Chore minino
Nhem, nhem, nhem

Chore minino
Nhem, nhem, nhem

Chore minino
Nhem, nhem, nhem.

7

Dona Maria de lá do Mutá
Me diga meu bem
Diga como stá

Dona Maria de lá do Mutá
Quando eu fô imbora
Não vô te levá

Dona Maria de lá do Mutá
E sexta de noite
Não quero sambá

Dona Maria de lá do Mutá
Tira êsse vestido
E vamo deitá
Dona Maria de lá do Mutá

8

Esta cobra me morde
Sinhô São Bento

Oi o bote da cobra
Sinhô São Bento

Oi a cobra mordeu
Sinhô São Bento

O veneno da cobra
Sinhô São Bento

53

Oi a casca da cobra
Sinhô Sao Bento

O que cobra danada
Sinhô São Bento

O que cobra malvada
Sinhô São Bento

Buraco velho
Sinhô São Bento

Oi o pulo da cobra
Sinhô São Bento
E cumpade.

Quanto mais o tempo vai passando, o jogo vai se animando e os berimbaus falam mais alto. Nesse instante se trava um diálogo entre os capoeiras do coro e os tocadores, por meio de uma cantiga, onde se pede o berimbau e se nega em seguida:–

9

Panhe esse gunga
Me venda ou me dê

Esse gunga não e meu
Eu não posso vendê

Panhe esse gunga
Me venda ou me dê

Esse gunga não é meu
Eu não posso vendê

Panhe esse gunga
Ou me venda ou me dê

Esse gunga não é meu
Eu não posso vendê.

54

Finalizando a contenda, segue-se uma outra cantiga, onde se nega, peremptoriamente, o referido instrumento:–

10

Esse gunga é meu
Eu não dou a ninguem

Esse gunga é meu
Foi meu pai qui me deu

Esse gunga é meu
Eu não dô a ninguem.

E hábito da assistência atirar ao chão algumas cédulas para os capoeiristas, em saltos estratégicos, apanharem com a boca. Esse dinheiro, após o jogo, o mestre divide com todos os discípulos, ficando, assim, garantido o transporte de cada um, para voltar para casa. Se por acaso ninguém resolve atirar nada, então se canta uma cantiga pedindo dinheiro:–

11

Quem pede, pede chorando
Quem dá merece vontade
O triste de quem pede
Com a sua necessidade
E no céu vai quem merece
Na terra vale quem tem
Dedo de munheca é dedo
Dedo de munheca é mão
O sangue corre na veia
Na palma de minha mão
E verdade meu amigo
Nossa vida é um colosso
Mais vale nossa amizade
Do que dinheiro em nosso bôlso.

Ainda no correr do jogo há as provocações, onde se aproveita para denunciar a inveja de alguém que está presente como se vê na cantiga que se segue, cantada pelo capoeira Canjiquinha (Washington Bruno da Silva), ensinada por seu mestre Aberrê:–

55

12

O meu Deus o qui eu faço
Para vivê neste mundo
Se ando limpo sô malandro
Se ando sujo sô imundo
O qui mundo velho grande
O qui mundo inganadô
Eu digo desta manêra
Foi mamãe qui me insinô
Se nao ligo só covarde
Se mato sô assassino
Se não falo sô calado
Se falo sô faladô
Se não como sô misquinho
Se como sô gulôso.

Também há outra maneira de provocar, que é por meio das cantigas de sotaque, onde se abre os olhos de quem é dirigido o sotaque, dizendo do que não tem medo, do que já fez e do que poderá fazer, conforme as cantigas que vão adiante:–

13

Oi quem é esse nêgo
Dá, dá, dá no nêgo
O no nêgo você não dá
Este nego é valente
Este nêgo é valente
Este nêgo é o cão.

14

Oia lá siri de mangue
Todo tempo não um
Tenho certeza qui você não güenta
Com a presa do gaiamum
Quando eu entro você sai
Quando eu saio voce entra
Nunca vi mulé danada
Qui não fôsse ciumenta.

56

15

Já comprei todos tempêro
Só falta farinha e banha
Eu não caio in arapuca
In laço ninguem me panha.

16

Eu queria conhecê
Eu queria conhecê
A semente da sambambaia
Se não houvesse maré
Não poderia ter praia
Se não houvesse mulé
Home vestia saia
E aquinderréis.

Saindo do sotaque que nada mais é do que uma advertência, passa para a praga, desejando que todas as desgraças desabam sobre a cabeça do infeliz vizado : -

17

Te dô sarna te dô tinha
Te dô doença do á
Te dô piolho de galinha
Pra acabá de matá

Finalizando o jogo, há capoeiristas, como Canjiquinha que têm cantigas próprias para se despedirem e agradecem a presença da assistência : -

18

Adeus, adeus
Boa viagem
Eu vô mimbora
Boa viagem
Eu vô com Deus
Boa viagem
Nossa Senhora
Boa viagem

O jogo da capoeira é algo difícil, complicado e requer uma atenção extraordinária, senão poderá ser fatal para um dos jogadores. O capoeira tem 57 que ser o mais possível leve, ter grande flexibilidade no corpo e gingar o tempo todo durante o jogo. A ginga é elemento fundamental. Da ginga é que saem os golpes de defesa e de ataque, não só golpes comuns a todos os capoeiras, como os pessoais e os improvisados na hora. Durante o jogo uma coisa importante a ser observada é o comportamento do capoeira, onde os mesmos não se ligam uns aos outros e nem se arreiam no chão. Apenas tocam o chão e a si mutuamente. Somente na capoeira regional é que os jogadores se ligam, devido aos golpes ligados ou cinturados, provenientes do aproveitamento de lutas estrangeiras na capoeira.

58

VI
Toques e Golpes

Não conheço documentação fidedigna que afirme taxativamente que no princípio, no jogo da capoeira só havia golpes. Entretanto, uma observação dos fatos me leva a crer que o acompanhamento musical não existia, conseqüentemente os toques teriam vindo depois e se adaptado aos golpes e a eles ficado intimamente ligados, a ponto de haver hoje golpes com nome de toques e vice-versa. Em princípio, até que nossos tenha conhecimento de documento em contrário, o que me levou a pensar num jogo de capoeira sem toques foi, de um lado, o fato de ainda hoje, se bem que mui raro, se jogar capoeira sem acompanhamento musical. Mestre Bimba, por exemplo, não admite o berimbau no começo do aprendizado, isso só acontecendo na terceira fase, a que chama seqüência com berimbau, sem se falar nos discípulos já formados, que jogam durante um tempo enorme, usando todos os golpes necessários, sem que se ouça uma nota musical qualquer, partida de um dos instrumentos musicais da capoeira.

Por outro lado, temos as escassas informações deixadas pelos cronistas e viajantes que por aqui passaram. Todos eles, quando se referem à capoeira, são unânimes em falar isoladamente do jogo sem o toque; ou do berimbau, 59 hoje instrumento principal da capoeira, mas sem a ela se referirem. Rugendas, por exemplo, embora traga uma ilustração do jogo de capoeira, acompanhado por atabaque, no texto se restringe exclusivamente ao jogo, que chama de Kriegsspiel (brinquedo guerreiro), como se vê neste lance:

Viel gewalltsamer ist ein anderes Kriegsspiel der Neger, jogar capoeira, das darin besteht, dass einer den andern durch Stösse mit dem Kopf auf die Brust, denen sie durch gewandte Seitensprunge und Pariren ausweichen, unzuwerfen sucht, indem sie fast wie Böcke gegenaienander anspringen und zuweilen gewaltig mit den Köpfen geneinander rennen.115

A mesma coisa aconteceu com Debret que descreve o berimbau sob o nome de urucungo, mas sem se referir ao jogo da capoeira.116

Há no acompanhamento musical toques que se poderia chamar de gerais, porque são comuns a todos os capoeiras, os quais são executados ao lado de outros que são particulares de determinada academia ou mestre de capoeira. Também acontece, e não raro, um mesmo toque, apenas com denominação diferente entre os capoeiras. Para que se tenha uma ideia, recolhi o nome dos toques de alguns capoeiras, que ainda atuam com frequência na Bahia, como:–

Mestre Bimba ( Manoel dos Reis Machado )
  • São Bento Grande
  • Benguela
  • Cavalaria
  • Santa Maria
  • Iuna
  • Idalina
Canjiquinha (Washington Bruno da Silva)
  • Angola
  • Angolinha
  • São Bento Grande
  • São Bento Pequeno
  • Santa Maria
  • Ave Maria
  • 60
  • Samongo
  • Cavalaria
  • Amazonas
  • Angola em gegê
  • São Bento Grande em gegê
  • Muzenza
  • Jogo de Dentro
  • Aviso
Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha)
  • São Bento Grande
  • São Bento Pequeno
  • Angola
  • Santa Maria
  • Cavalaria
  • Amazonas
  • Iuna
Gato (José Gabriel Goes)
  • Angola
  • São Bento Grande
  • Jogo de Dentro
  • São Bento Pequeno
  • São Bento Grande de Compasso
  • São Bento de Dentro
  • Angolinha
  • Iuna
  • Cavalaria
  • Benguela
  • Santa Maria
  • Santa Maria Dobrada
  • Samba de Angola
  • Ijexá
  • Panhe a laranja no chão tico-tico
  • Samongo
  • Benguela Sustenida
  • Assalva ou Hino
61
Waldemar (Waldemar da Paixão)
  • São Bento Grande
  • São Bento Pequeno
  • Benguela
  • Ave Maria
  • Santa Maria
  • Cavalaria
  • Samongo
  • Angolinha
  • Gegê
  • Estandarte
  • Iuna
Bigodinho (Francisco de Assis)
  • São Bento Grande
  • Cinco Salomão
  • São Bento Pequeno
  • Cavalaria
  • Jogo de Dentro
  • Angola
  • Angolinha
  • Santa Maria
  • Panhe a laranja no chão tico-tico
Arnol (Arnol Conceição)
  • São Bento Grande
  • Angola
  • Jogo de Dentro
  • Angolinha
  • Samba da Capoeira
Traíra (João Ramos do Nascimento)
  • Santa Maria
  • São Bento Pequeno
  • São Bento Grande
  • 62
  • Angolinha
  • Cavalaria
  • Jogo de Dentro
  • Angola Dobrada
  • Angola
  • Angola Pequena
  • Santa Maria Regional
  • Iuna
  • Gêge-Ketu

Como se vê, em todos eles há uma constância nos toques São Bento Grande, São Bento Pequeno, Cavalaria, Iuna e Benguela. Como já tive oportunidade de dizer, os toques divergentes dos comuns raramente constituem um toque totalmente diferente dos demais. Via de regra, é um já existente, apenas com outro rótulo ou então uma ligeira inovação introduzida pelo tocador, fazendo com que se dê um nome novo. A denominação de alguns toques da capoeira está ligada a determinados povos ou regiões africanas pura e simplesmente pelo nome, ou são toques litúrgicos ou profanos de que a capoeira se valeu, como Benguela, Angola, Ijexá e Gêge, isso sem se falar nas combinações Angola em Gêge e Gêge-Ketu. Antigamente, segundo capoeiristas idosos, o toque chamado na capoeira de Gêge era o toque dos povos gêges (Dahomey) chamado bravun, toque litúrgico, específico do deus Oxumarê, o Arco íris e que na capoeira era tocado em atabaque, conforme a ilustração de capoeira existente em Rugendas117 No toque Ijexá, na capoeira de Gato (José Gabriel Goes), o nome é apenas um rótulo, pois o toque em si é uma alteração dos já conhecidos. Entretanto, em Caiçara (Antônio da Conceição Morais), quando em exibição para turistas, é o toque litúrgico característico dos povos ijexás, tocado para alguns deuses, que Caiçara toca no 63 berimbau e aplica na capoeira. Quanto às combinações nada têm a ver senão nas denominações. O toque chamado aviso, usado pelo capoeira Canjiquinha (Washington Bruno da Silva), segundo seu mestre Aberrê era usado por um tocador que ficava num oiteiro vistando a presença do senhor de engenho, capitão do mato ou da polícia. Tão logo era sentida a presença de um deles os capoeiras eram avisados através desse toque. Em nossos dias, o comum a todos os capoeiras é o chamado cavalaria usado para denunciar a presença da polícia montada, do conhecido Esquadrão de Cavalaria, cuja grande atuação na Bahia foi no tempo do chefe de polícia chamado Pedrito (Pedro de Azevedo Gordilho), que perseguia candomblés e capoeiristas passando para o folclore, através da imaginação popular, em cantigas como:–

19

Toca o pandeiro
Sacuda o caxixi
Anda dipressa
Qui Pedrito
Evém aí.

Ou então estoutras, colhidas por Camargo Guarnieri, da boca do povo de Salvador, cuja letra da primeira se refere a uma das perseguições sofridas pelo famoso babalorixá Procópio de Ogun Já (Procópio Xavier de Souza):–

20

Não gosto de candomblé
Que é festa de feticêro
Quando a cabeça me dói
Serei um dos primêros

Procópio tava na sala
Esperando santo chegá
Quando chegou seu Pedrito
Procópio passa pra cá

Galinha tem fôrça n'asa
O galo no esporão
Procópio no candomblé
Pedrito é no facão

64

21

Acabe co’êste Santo
Pedrito vem aí
Lá vem cantando ca o cabieci
Lá vem cantando ca ô cabieci.118

O capoeirista Canjiquinha tem um toque com a denominação de Muzenza, que não é senão o toque jogo de dentro. Na Bahia, Muzenza é o nome que se dá à noviço nos candomblés de “nação” Angola. Quando ela aparece em público para dar o nome de seu orixá (deus), canta-se uma cantiga de saída de Muzenza, onde ela vem dançando uma coreografia ligeiramente curvada. Com base nessa coreografia, a malícia popular resolveu caricaturar a dança, aumentando a curvatura do corpo, dando a impressão que se vai ficar de quatro pés. Com isso se vê, constantemente, a brincadeira entre dois homens, quando um pede qualquer coisa ao outro, então o que não quer dar responde: – “só dançando muzenza…”, isto é só ficando em posição de quatro pés, para ser possuído sexualmente. Indaguei de Canjiquinha por que deu o nome de muzenza ao toque jogo de dentro, respondeu-me que apenas por deboche. Panhe a laranja no chão tico-tico é um toque de berimbau, que tem o nome de uma roda infantil, espalhada em todo o território nacional, cuja música é tocada no berimbau e a letra cantada nos jogos de capoeira. A roda, além de passar a ser cantiga de capoeira, deu nome a um toque. A letra tem o seguinte texto:

Panhe a laranja no chão tico-tico
Meu amo foi simbora eu não fico
Minha toalha é de renda de bico
Panhe a laranja no chão tico-tico.

Bigodinho (Francisco de Assis) inclui, entre os seus toques, um chamado Cinco Salomão, que é executado quando há um crime entre capoeiras, para que o criminoso fuja. Cinco Salomão é uma corrutela de Signo Salomão, que é uma estrela de cinco pontas, também conhecida por 65 Estrela de Salomão, qual se trasladou dos textos bíblicos, para ser usada na maçonaria, espiritismo, capoeira e outras coisas que a imaginação popular pode inventar. Os toques da capoeira, em sua quase totalidade, já foram recolhidos e gravados comercialmente, como é o caso das gravações de Mestre Bimba (Manoel dos Reis Machado), Curso de Capoeira Regional, grava do por J. S. Discos, Salvador, Bahia; Traíra (João Ramos do Nascimento), Capoeira, gravado pela Editora Xauã, São Paulo; Camafeu de Oxossi (Apio Patrocínio da Conceição), Capoeira, gravado pela Continental, Rio de Janeiro/ Guanabara e mais tantos outros.

Quanto aos golpes, esses, mais que os toques, uns desapareceram, outros sofreram transformações substanciais e novos apareceram totalmente desvinculados do processo de formação, que originou os golpes primitivos, como é o caso dos golpes da chamada capoeira regional que, usando de elementos importados, conseguiu perfazer um todo de 52 golpes. A semelhança dos toques, há um certo número de golpes, que são comuns a todos os capoeiras como rabo de arraia, , armada, rasteira, jogo de dentro, cabeçada, meia lua, em suas várias modalidades, de frente, costa, compasso, baixa, média, alta e mais alguns golpes. A exemplo do que fiz com os toques, darei alguns golpes, recolhidos de alguns capoeiras de nossos dias:–

Mestre Bimba (Manoel dos Reis Machado)
  • Duas de frente
  • Armada
  • Queda de cocorinha
  • Negativa
  • Saída de aú
  • Dois Martelos
  • Benção
  • Dois godeme
  • Galopante
  • Arrastão
  • Arpão de cabeça
  • Joelhada
  • Meia lua de compasso
  • Vingativa
  • Saída de rolé
  • Banda de costas
  • Asfixiante
  • Banda traçada
  • Cintura desprezada
  • Tesoura
  • Balão cinturado
  • Balão de lado
  • Cutila
  • Cutila alta
  • Açoite de braço
  • Bochecho
  • Cruz
  • Quebra-mão
66
Cobrinha Verde (Rafael Alves França)
  • Banda traçada
  • Encruzilhada
  • Tesoura torcida
  • Balão de bainha de calça
  • Cabeçada
  • Rabo de arraia
  • Quixim (queixinho)
Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha)
  • Cabeçada
  • Rasteira
  • Rabo de arraia
  • Chapa de frente
  • Chapa de costas
  • Meia lua
  • Cutilada de mão
Arnol (Arnol Conceição)
  • Rabo de arraia
  • Meia lua
  • Meia lua de compasso
  • Arrasteira
  • Cabeçada
  • Meia lua baixa
  • Boca de siri
  • Meia lua alta
  • Chibata
  • Martelo
  • Aú com armada
67
Bigodinho (Francisco de Assis)
  • Queixinho (quixim)
  • Meia lua de costa
  • Meia lua de compasso
  • Aú com rolê
  • Abença
  • Armada
  • Tesoura
  • Salto mortal
  • Escorão
  • Martelo
  • Rasteira
  • Plantar bananeira
  • Boca de calça
  • Sapinho
  • Arqueada
  • Banda de lado
  • Banda de costas
  • Dedos nos olhos
  • Cutilada
  • Galopante
  • Murro direto
Gato (José Gabriel Goes)
  • Bananeira
  • Meia lua
  • Chapa-pé
  • Tesoura
  • Chibata armada
  • Cabeçada
  • Rabo de arraia
  • Rasteira
  • Plantar bananeira
  • Leque ou boca de sirí
68
Canjiquinha (Washington Bruno da Silva)
  • Meia lua de frente
  • Baixa lua
  • Média lua
  • Alta lua
  • Meia lua de costas
  • Armada
  • Rabo de arraia
  • Chibata
  • Rasteira
  • Chapéu de couro
  • Meia lua de compasso
  • Martelo
  • Escorão
  • Aú com boca de sirí
  • Aú de cambaleão
  • Aú giratório
  • Boca de calça
  • Chapéu de frente
  • Chapeu de costas
  • Galopante
  • Ponteira

Do mesmo modo que os toques, os golpes, com maior intensidade, sofrem modificações de capoeirista, não só na sua estrutura, como na denominação, de modo que há caso de um mesmo golpe seja ele de defesa ou de ataque, solto ou ligado, ter uma denominação diferente para cada capoeirista. E difícil uma descrição rigorosa dos golpes, de vez que há muito 69 de pessoal nos mesmos, entretanto há duas excelentes tentativas de explicação de uma boa parte deles, por Mestre Bimba, numa plaqueta anexa à gravação já citada119, assim como Lamartine Pereira da Costa, em trabalho eminentemente técnico, no qual se preocupa exclusivamente com o aprendizado dos golpes, daí as explicações minuciosas, com ilustrações.120

70

VII
Os instrumentos musicais

Segundo o que se tem escrito e o que consegui apurar de capoeiristas antigos, o acompanhamento musical da capoeira desde os primórdios até nossos dias, já foi feito pelo berimbau, pandeiro, adufe, atabaque, ganzá ou reco-reco, caxixi e agogô. No presente, só vi, até agora, acompanhamento com berimbau, pandeiro, caxixi e agogô, nas academias de Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha) e Canjiquinha (Washington Bruno da Silva).

Esses instrumentos têm procedências as mais diversas. Infelizmente, ainda não se fez uma classificação correta do instrumentos musicais que por aqui passaram e dos que ainda existem. Em 1934, Luciano Gallet121 reuniu 25 instrumentos musicais , e, sem nenhuma pesquisa, batizou-os como de procedência africana, quando em realidade são de diversas procedências. O mais grave de tudo isso é que estudiosos outros têm-se limitado a transcrever, na íntegra, a sua classificação sem a menor correção ou então fazerem um levantamento perfeito e correto desses instrumentos, como seria o 71 aconselhável. Lamentavelmente, estão acomodados nessa classificação Renato Almeida,122 Acquarone123, Flausino Rodrigues Vale124, dentre outros.

Berimbau

Atualmente o principal instrumento musical da capoeira o berimbau, o qual, numa roda de jogo de capoeira, pode funcionar sozinho sem os demais instrumentos. O berimbau não existiu somente em função da capoeira, era usado pelos afro-brasileiros em suas festas e sobretudo no samba de roda, como até hoje ainda se vê, se bem que muito raro. Tem-se notícia disso dada por Henry Koster, quando em viagem pelo nordeste do Brasil, observou essas festas e fez uma síntese descritiva, incluindo alguns instrumentos musicais, dentre eles o berimbau, conforme se vê nesta passagem: –

Os negros livres também dançavam, mas se limitavam a pedir licença e sua festa decorria diante de uma das suas choupanas. As danças lembravam dos negros africanos. O círculo se fechava e o tocador de viola sentava-se num dos cantos, e começava uma simples toada, acompanhada por algumas canções favoritas, repetindo o refrão, e freqüentemente um dos versos era improvisado e continha alusões obscenas. Um homem ia para o centro da roda e dançava minutos, tomando atitudes lascivas, até que escolhia uma mulher, que avançava, repetindo os meneios não menos indecentes, e esse divertimento durava, As vezes, até o amanhecer. Os escravos igualmente pediam permissão para suas danças. Os instrumentos musicais eram extremamente rudes. Um deles era um espécie de tambor, formado de uma pele de carneiro, estendida sobre um tronco oco de árvore. O outro é um grande arco, com uma corda tendo uma meia quenga de coco no meio ou uma pequena cabaça amarada. Colocam-na contra o abdómen e tocam a corda com o dedo ou com um pedacinho de pau. 72 Quando dois dias santos se sucediam ininterruptamente, os escravos continuavam a algazarra até a madrugada.125

Ainda sobre a atuação do berimbau, Debret126 também faz registro semelhante.

O berimbau que hoje é divulgado e tocado em todo o território brasileiro é um arco feito de madeira específica, pois qualquer madeira não serve, ligado pelas duas pontas por um fio de aço, de vez que arame, além de partir rapidamente, não dá o som desejado. Numa das pontas há uma cabaça (Cucurbita lagenaria, Linneu) que não deve ser usada de modo algum verde, quanto mais seca melhor. Faz-se uma abertura na parte que se liga com o caule e parte inferior, dois furos, por onde deve passar um cordão para liga-lo ao arco de madeira e ao fio de aço. Toma-se de um dobrão (moeda antiga), um pedacinho de pau, um caxixi e o instrumento está pronto para se tocar. Esse é o berimbau que atualmente se conhece no Brasil e em outros cantos do mundo. Nos primórdios da colonização, o Brasil conheceu o outro tipo de berimbau, tocado com a boca, conhecido na América Latina por trompa de Paris. Na festa de Natal de 1584, havida no Colégio dos Jesuítas do Rio de Janeiro, Cardim conta como o irmão Barnabé Telo deu vida à festa com esse tipo de berimbau:– Tivemos pelo natal um devoto presépio na povoação, onde algumas vezes nos ajuntávamos com boa e devida música, e o irmão Barnabé nos alegrava com o seu berimbau.127

A origem do nome berimbau ainda é obscura. O termo aparece nos primeiros lexicógrafos da língua portuguesa, com Bluteau128 e Moraes129, sem a menor insinuação etimológica. A Real Academia Española na 12ª edição de seu dicionário em 1884, registrou o verbete, que até hoje ainda permanece com proposição onomatopaica para a sua origem– voz imitada 73 del sonido de este instrumento.130 Cândido de Figueiredo recorre ao francês brimbale 131. Nascentes define-o, porém silência quanto ao étimo132. Proposições para origem africana há de Leite de Vasconcelos, em artigo publicado na Revue Hispanique, onde apresenta o mandinga bilimbano133. Renato Mendonça propõe o quimbundo mbibimbau, com a simplificação do grupo consonantico mb.134 Por fim, Carominas depois de achar que a origem é duvidosa, admite que talvez seja africana135. Como se vê, há verdadeiro desencontro entre os etimólogos.

Quanto ao instrumento em si também não se pode precisar a sua verdadeira origem e por que vias entrou no Brasil. Há registro desse instrumento em vários cantos do universo inclusive na África, conforme observação e documentação de Hermenegildo Carlos de Brito Capello e Roberto Ivens, quando da viagem empreendida pelos territórios de Iaca e Benguela durante os anos de 1877-1880135a. Tem as mais variadas 74 denominações e vem sendo motivo de estudo136. No Brasil ele é conhecido por berimbau, urucungo, orucungo, oricungo, rucungo, berimbau de barriga, gobo, marimbau, bucumbumba, gunga, macungo, matungo, rucumbo137. Em Cuba que é o país da América Latina onde ele é tão familiar quanto no Brasil, além de ser chamado sambi,138 pandigurao e gorokikamo é também conhecido por burumbumba, que deve ser uma variante de bucumbumba no Brasil. Ortiz, que tem trabalhos extraordinários sobre a etnografia afro-cubana, examina o berimbau sob a denominação já referida e fornece uma informação valiosa, que é a do seu uso nas práticas religiosas afro-cubanas, coisa que não se tem notícia de outrora se fazer no Brasil e nem tampouco em nossos dias, a não ser nas práticas religiosas de após o recente Concílio Ecumênico, com o surgimento de missas regionais, como a conhecida pelo nome de Missa do Morro e outras que correm por aí, onde o berimbau, juntamente com instrumentos africanos, tem papel importante. Como se trata de uma observação útil aos nossos estudos, transcrevo aqui o trecho de Ortiz referente à burumbumba:

En Cuba hemos hallado ese instrumento con los nombres populares de Buru-mbúmba ó bruro-mumba. La voz buro significa ‘hablar’ o ‘conversar’ y la palabra mbumba, que no es sino la nganga, ‘prenda’ o habitáculo del muerto o spiritu ‘familiar’ que tiene apresado al cango tata nganga para que ‘trabaje’ a su conjuro. Burumbumba es pues, un instrumento que 'habla con muertos'.

Uno de los cantos que oímos al son de la burumbumba, dirigido a la mbumba decia así:

75

Buru mbumba, mamá
Buru mbumba
Buru mbumba, mamá
Buru mbumba, é.

Y así se canturreaba monotona y indefinidamente. La voz Buru se decia en tono bajo, la voz mbumba en otro mas alto, y mamá en más agudo. Sin duda, un conjuro de necromancia.

La burumbumba se hace con un palo vergado, como a veces se dice en Cuba, lo cual quiere significar “arqueado”, con vocabulo anacrónico, recordando que verga se decía antano al arco de acero de la ballesta. Este arco musical, es geralmente encerado de tripa de pato. Se usa forrar al arco en su parte media con cordel para que éste no se parta; y en ese mismo sitio se apoya la jicara o medio guiro que forma la oquedad resonante, sujeta en ese punto por una lazada, también de tripa de pato, desde su parte superior a la cuerda vibrátil. Para su tañido esta jicara se coloca por su parte cóncava contra la caja torácica del mismo, quien saca dos o tres tonos de las cuerdas del instrumento. Se tañia y tañe solo, sin acompanamiento de otro instrumento, para sostener melodias a baja voz.

Una vez terminado al toque, el instrumento se desarma facilmente y no se conservan tendidos ni el arco ni la cuerda, que así pueden durar mucho tiempo.

La burumbumba era muy usada por los congos en Vueltabajo y el sur de la provincia de Habana “para sacar cantos”.

Tambien en Cuba y con referencia a ese instrumento nos oído atribuirle los nombres de pandi-gurao u goro-kikamo; pero sin más datos. Ambas denominaciones recuerdan la palabra gora, que ciertos pueblos bantus aplican a instrumentos similares.

Este sencino instrumento tambien se usa en la America Meridional con diversos nombres. Los indios lencas usan el arco musical al que llaman búmba-úm, según Izikowitz, quien señala que esa voz alude a su origen africano, lo mismo que las palabras gualambo y carimba, que para el mismo instrumento emplean los 76 indios de Caingua y los Mosquitos. La voz búnba-úm se aproxima mucho a la burumbúmba de Cuba.139

Das várias denominações para o berimbau no Brasil eu só ouvi ate o presente a de gunga, que aparece nas seguintes cantigas:–

910

Panhe esse gunga
Me venda ou me dê
Esse gunga não é meu
Eu não posso vendê

Panhe esse gunga
Me venda ou me dê

Esse gunga não é meu
eu não posso vendê

Panhe esse gunga
Ou me venda ou me dê

Esse gunga não é meu
Eu não posso vendê

Esse gunga é meu
Eu não dô a ninguem

Esse gunga é meu
Foi meu pai qui me deu

Esse gunga é meu
Eu não dô a ninguem.

77

No Brasil além de Albano Marinho de Oliveira escrever um longo artigo sobre o berimbau140, preocuparam-se com ele Nina Rodrigues141, Donald Pierson142, Cascudo143, Flausino Rodrigues Vale144, Alfredo Brandão145, Artur Ramos146, Renato Almeida147 Luciano Gallet148 e Edison Carneiro149.

Mais…

Pandeiro

Ainda é um pouco controvertida a origem do termo pandeiro. Já no século passado, Adolfo Coelho150 ligava o vocábulo, com dúvida, ao latim pandura. Entretanto, em nossos dias, Carominas151 deriva de pandorius, dando como variante pandura, tomado do grego pandoura, que Alexandre152 e 78 Bailly153 definem como instrument de musique à trois cordes. Infelizmente Boisacq154 e Hoffman155 se omitem com referência a êsse vocábulo. Quanto ao latino há também omissão de Walde-Hoffman156 e Ernout-Meillet.157 Antes de Adolfo Coelho, Diez158 havia proposto pandura e com ele Meyer-Lübke159. Porém, o mais sensato no caso da língua portuguesa é, como já o fez Nascentes160 e Pedro Machado161 faz com certa parcimónia, admitir-se o espanhol pandero, como gerador de nosso pandeiro. Há quem pense numa remota origem Arabe, como é o caso de Bluteau,162 que propõe pandair, que não é senão uma forma românica mesclada pelos moçárabes, quando da ocupação da península ibérica163

79

O pandeiro em si, Luciano Gallet inclui entre os instrumentos africanos vindos para o Brasil; Subirá164, estudando a presença da música entre os povos hindus, inclui o pandeiro como um dos antiquíssimos instrumentos musicais da velha Índia. Os hebreus dele faziam bastante uso, sobretudo em cerimónias religiosas. Penetrou na Idade Média165, impôs sua presença e na península ibérica se instalou em definitivo com a invasão Arabe, sendo usado com freqüência, em bodas, casamentos e cerimônias religiosas. A exemplo dos povos hebreus os ibéricos usaram o pandeiro em cerimônias religiosas, mui especialmente na Procissão de Corpus Christi em Portugal e no século XVI, na Espanha, em Toledo e Madrid. Paralelamente a esses acontecimentos, o pandeiro teve grande destaque entre os jograis, levando-o de corte em corte. Carolina Michaëlis chama atenção para sua presença, sobretudo na literatura medieval, dizendo que O pandeiro e o adufe, o qual vimos figurar na mão de moças, tanto em miniaturas do Cancioneiro da Ajuda como em poesias medievais, e no meio da rua em casamentos e procissões, serve ainda hoje em todas danças femininas do povo.166 Em outro lugar, examina as diversas vinhetas, onde aparece o pandeiro.167 Tudo isso sem se falar que os Reis Católicos de Espanha, Isabel e Fernando de Aragão, que eram verdadeiros apaixonados da música, dispunham de músicos assalariados e na sua corte o pandeiro foi algo familiar. Essa familiaridade existiu também em Portugal, sobretudo entre a gente do povo e uma das testemunhas fidedignas é Gil Vicente, quando em o “Triunfo d Inverno” diz que:–

Em Portugal vi eu ja
en cada asa pandeiro,
e gaita em cada palheiro,
e de vinte anos a ca
não ha hi gaita nem gaiteiro.

80

A cada porta hum terreiro,
cada aldea dez folias,
cada casa atabaqueiro;
e agora Jeremias
he nosso tamborileiro168

Em soma, o pandeiro deixou sua marca na literatura antiga da península ibérica desde Santo Isidoro de Sevilha ate o arcebispo de Hita.169

No Brasil, o pandeiro entrou por via portuguesa e já na primeira procissão que se realisou no Brasil, que foi a de Corpus Christi, na Bahia, a 13 de junho de 1549, ele se fez presente, pois era habito em Portugal e mais tarde no Brasil o uso desse instrumento ao lado de muitíssimos outros. E para se ter mais convicção disso é o próprio Nóbrega quem informa que a referida procissão foi mui solemne, em que jogou toda a artilharia que estava na cerca, as ruas enramadas, ouve danças e invenções à maneira de Portugal.170 Atente-se aí para a frase final houve danças e invenções à maneira de Portugal. Daí para cá o pandeiro foi aculturado e aproveitado pelo negro em seus folguedos. Essa aculturação e aproveitamento do pandeiro se verificou também entre os negros da América Latina, mui especialmente o cubano, onde o pandeiro é um dos instrumentos da liturgia nagô de Cuba, havendo até pandeiros específicos para orixás, como é o caso de Exu171.

Adufe

O adufe é um pequeno pandeiro de formato quadrado e de proveniência mourisca. O termo é de origem Arabe e os arabistas e etimólogos são unânimes em ligar a duff, tímpano, como Dozy-Engelmann172, Eguilaz173, 81 Steiger174, Lokotsch175, Neuvonen176, João de Souza177, Pedro Machado178Diego179 e Nascentes180. O Dicionário da Academia das Ciênças de Lisboa181 registra addafo, o que motivou correção de Gonçalves Viana182, porém em nossos dias Pedro Machado183 demostrou estar a forma correta, devido à variação vocálica da palavra, argumentando com Steiger que escreve em caracteres Arabes daff e transcreve duff184, por fim diz existir a forma daff em Arabe magrebino.

O adufe foi um instrumento familiar dos hebreus e segundo reafirma Subirá185 o tympanum, que aparece no Gênesis 31.27 é o adufe. Na Arábia ele ganhou muito prestígio, sobre tudo entre os monarcas, a ponto de Gualid II compor canções para serem acompanhadas, dentre outros instrumentos, pelo adufe.186 Quando invadiram a península ibérica levaram-no consigo. Lá, embora Carolina Michaëlis187 fale de sua importância paralela ao pandeiro, o adufe teve muito mais prestígio. Basta ler a própria Carolina Michaelis188 e o importante estudo sobre a poesia jogralesca e os jograis de Menendez Pidal189. Dos cancioneiros portugueses da Idade Média, aparece no da Vaticana:–

A do muy bon parecer
mandou lo aduffe tanger;
louçana, d’amores moyr’eu.
A do muy bon semelhar
mandou lo aduffe sonar;
louçana, d’amores moyr’eu.
Mandou-lo aduffe tanger
e non lhi davan lezer;
louçana, d’amores moyr’eu.
Mandou-l’o aduffe sonar,
e non lhy davan vagar;
louçana, d'amores moyr’eu.190

Na Crónica do Infante Santo D. Fernando, quando se narra o percurso do infante a caminho de Arzila, o adufe está entre os instrumentos tocados em 83 festa:– E ante humua legoa que chegassem Arzila, acharon moços que os vinham receber ao caminho, e como se mais chegaram sayam os homems, por ende muy poucos; e açerqua da uila estauam as molheres, que eram muitas, e cristãos da terra, e mercadores jenoeses, e ajghumus castelãoos, e judeus, todos da terra; e faziam grande alegria e tangiam anafijs/trombetas e adufes e atabaques e diziam muitos cantares.191 Do mesmo modo que o pandeiro, o adufe entrou no Brasil por Via portuguesa, embora, lamentavelmente, Luciano Gallet o inclua entre os instrumentos musicais africanos vindos para cá. O adufe foi também aculturado e aproveitado pelos negros no Brasil. Teve grande propagação, porém hoje não se tem mais notícia de sua existência. Embora na história dos instrumentos musicais não se faça referência à África como um ponto antigo onde se tenha também encontrado as várias espécies de pandeiro, sobretudo o pandeiro propriamente para nós e o adufe, vem de Cuba a insinuação de Ortiz de que también que la pandereta fué el atributo del dios Bes, que en el panteon egipcio representaba la alegría, la infancia, la sátira, el baile y la sexualidad. Pero Bes fue un dios negro sudanés, de facciones etiópicas, cuyo culto se extendió por las riberas de Mediterráneo y duro hasta la dinastía ptolomaica y el imperi romano; y, según algunos, a través de los fenicios, dió su nombre a la isla Ibiza, una de las Baleares.192

Atabaque

O termo atabaque é de origem árabe, sendo aceita por unanimidade pelos arabistas etimólogos a forma tabl, que Diez193 traduz por maurische Panke (tímpano mouro). Afinam com êste étimo Dozy-Engelmann194, Steiger195, 84 Lokotisch196, Neuvonen197, Eguilaz198, Pedro Machado199, Diego200, Meyer-Lübke201 e Nascentes202. O vocábulo se espalhou na Area romanica, e além do português antigo atabal e tabal, deu no espanhol atabal, asturiano tabal, santanderino tabal, catalão tabal, italiano ataballo, taballo 203 provençal tabalh e moderno francês attabal.204 Juntamente com o pandeiro e o adufe, o atabaque se acha presente na poética medieval, sobretudo por causa dos Reis Católicos de Espanha, Isabel e Fernando de Aragão, que o prestigiavam bastante, atraveis dos jograis, bodas e festas outras e, além do mais, tendo entre o conjunto de músicos assalariados de sua corte cinco a seis tocadores de atabaques205. Está em documentos antigos da prosa portuguesa, como no fragmento do III Livro da Linhagens, anexos ao Cancioneiro da Ajuda,206 Crônica da Ordem dos Frades Menores207, Crônica de Cinco Reis de Portugal 208 e Crônica do infante Santo D. Fernando.209

85

O atabaque e um instrumento oriental muito antigo entre os persas e os Arabes, porém divulgado na África. Embora os africanos já conhecessem o atabaque e até tenham vindo da África algumas espécies, creio que ao chegarem ao Brasil já o encontrassem traido por mãos portuguesas, para ser usado em festas e procissões religiosas em circunstâncias idênticas ao pandeiro e o adufe. Pensamento idêntico tem Ortiz com referência a Cuba.210 Entre nós, atualmente, não é mais usado na capoeira. Usa-se somente nas festas religiosas e profanas afro-brasileiras e nos folguedos populares em que é requerida a sua presença. Com base nas resoluções atuais do Concílio Ecumenico, o atabaque voltou a transpor as portas dos templos católicos, através as missas elaboradas em nossos dias com acompanhamento de instrumentos musicais locais.

Ganzá

O ganzá ou reco-reco conhecido na Bahia é feito de gomo de bambu com sulcos transversais sobre o qual se passeia uma haste de metal. Também já vi um outro tipo feito de uma pequena mola de arame enroscado, colocado numa caixa de madeira e sobre a qual se passa sucessivamente de uma ponta à outra uma haste metálica. O ganzá que Renato Almeida211 descreve e o que na Bahia se chama chocalho e que no tempo em que as batucadas saíam às ruas pelo Carnaval vi muito deles. Desconhece-se a origem do nome, assim como a sua procedência.

O ganzá ou reco-reco é bastante difundido no nordeste a ponto de ser freqüentemente cantado e recantado pelos trovadores, como se observa nos versos abaixo:–

Saco, saco
Biasco, saco de chumbo,
Minha mão não sai do prumo
Na pancada do ganzá.

86

Sou bicho duro
Sou um alagoano,
Já tou com dezoito ano
Na pancada do ganzá

Ai, meu ganzá
Que custou mil e seiscentos,
Ele tem merecimento,
Cada ponto um maracá...

Senhora dona,
Vontade também consola:
Macaco toca viola
Porem não bate ganzá.

Eu sou disciplo
De Romano Serradô,
Da terra sobe o calor
Quando eu balanço o ganzá...

Pego o ganzá,
Desenrolo o carrité
Pego o pinto pelo pé
Não deixo pinto voá...

Ai, meu ganzá,
Ai meu ganzá, meu ganzarino,
Camisa de pano fino,
Meu ganzarino ganzá.

Eu vim de longe
Do centro das Alagoas,
Já ando quase a toa,
Sem dinheiro pra passá,
Passei fome,
Pasei sede nos camim
E, já vendo a casa ruim,
Me vali deste ganzá212.

Nunca vi o ganzá tocado na capoeira. Somente em alguns cordões carnavalescos é que tive oportunidade de ver ser utilisado esse instrumento.

Caxixi

O Caxixi é um pequeno chocalho feito de palha traçada com a base de cabaça (Cucurbita lagenaria, Linneu), cortada em forma circular e a parte superior reta, terminando com uma alça da mesma palha, para se apoiar os dedos durante o toque. No interior do caxixi há sementes secas que ao se sacudir dá o som característico. Nada de concreto se sabe a respeito da origem do nome, nem do instrumento. Na Bahia esse instrumento só vi ser usado exclusivamente na capoeira quanto à sua presença nos candomblés, como quer Cascudo,213 nunca vi e não tenho a menor notícia de tal fato, nem mesmo nos candomblés de caboclo.

Agogô

O agogô é um instrumento musical de percussão de ferro entrado no Brasil por via africana. O termo agogô pertence a língua nagô e vem do vocábulo agogô , que quer dizer sino214, entretanto precisar qual dos povos 88 africanos foi o responsável pela sua vinda para o Brasil é algo difícil. O uso da agogô na capoeira, só tenho lembrança de ter visto nas academias de capoeira de Canjiquinha (Washington Bruno da Silva ) e de Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha). O instrumento e demasiado familiar no Brasil a ponto de seu nome ser incorporado ao nosso léxico, sem nenhuma alteração fonético-morfológica. E bastante usado nos folguedos populares. Mas a sua maior atuação é nas cerimônias religiosas afro-brasileiras, sobretudo para se saudar os orixás, com cantigas de composição em língua nagô, em que dizem que o agogô esta saudando, como por exemplo, uma das sete cantigas do xirê, de Exu, em que o agogô o saúda sob o nome de Laróyè:–

Agogo nro go – O sino está tocando muito alto
Laróyè – O Laróyè!
Agogo nro go – O sino está tocando muito alto Laróyè –O Laróyè

89

VIII
O Canto

Não se pode estabelecer um marco divisório entre cantigas de capoeira antigas e atuais, embora alguns capoeiristas tentem fazê-lo. Mas se se examinar essa distinção, verifica-se que não procede, uma vez que muitas das cantigas consideradas atuais são quadras antiquíssimas, que remontam aos primórdios da colonização, as quais relatam passagens da Donzela Teodora, Decamerão, cenas da vida patriarcal brasileira e motivos outros. Também as cantigas que eles classificam de antigas, em sua maior parte, não o são. Em realidade são quadras de desafios cujos autores viveram até bem pouco; cantigas de roda infantil e samba de roda. Portanto é por demais perigoso se tentar distinguir cantiga de capoeira antiga da atual e, de um modo geral, cantiga de capoeira propriamente dita e cantiga de procedência outra, cantada no jogo de capoeira.

De um ponto de vista amplo, a cantiga de capoeira tanto pode ser o enaltecimento de um capoeirista que se torno herói pelas bravuras que fiz quando em vida, como pode narrar fatos da vida quotidiana, usos, costumes, episódios históricos, a vida e a sociedade na época da colonização, o negro livre e o escravo na senzala, na praça e na comunidade social, sua atuação na 90 religião, no folclore e na tradição. Louvam-se os mestres de capoeira e evocam-se as terras de África da onde procederam. Fenómeno importante a se observar em boa parte das cantigas de capoeira é o diálogo. Não é o diálogo normal entre duas pessoas presentes, mas o entre uma pessoa humana presente e outra pessoa ou coisa ausente, onde a indicações são feitas e respondidas por uma só pessoa. Esse tipo de diálogo existente no canto dos negros foi estudado por Ortiz, que o examinou sob os seus múltiplos aspetos não só em Cuba como em outros países afro-americanos215 Documentando tudo o que acabo de expor, transcrevo as cantigas de capoeira, colhidas de diversos mestres e discípulos de capoeira:–

22

No tempo que eu tinha dinhêro
Cumi na mesa cum yoyô
Cumi na mesa cum sinhá

Agora dinhêro acabó
Capoêra qué me matá.

23

E tiririca é faca de cortá
E tiririca é faca de matá
E faca qui mata meu sinhô
E faca qui mata minha sinhá
é faca de matá.

24

Oi yayá mandô dá
Uma vorta só
qui vorta danada
Uma vorta só
Ô qui leva ou me vorta
Uma vorta só
Oi qui vorta danada
Uma vorta só
Oi yayá mandô dá.

91

25

Eu vô dizer a meu sinhô
Qui a mantêga derramô
A mantêga não e minha
A mantêga é do sinhô
Eu vô dizê a meu sinhô
Qui a mantêga derramô
A mantêga não é minha
A mantêga é de yayá.

26

Chique-chique mocambira
Mandacaru parmatória
A mulé quando não presta
O home manda imbora
O qui foi qui a nêga disse
Quando viu a sinhá
Uma mão me dê me dê
Outra mão de cá dê cá.

27

Dá, dá, dá no nêgo
Mas no nêgo você não dá
Esse nêgo é valente
Ele qué me matá

Dá, dá , dá no nego
O no nêgo você não dá
Esse nêgo é valente
Esse nêgo danado
Esse nêgo e o cão.

92

28


Chuva, chuva miudinha
Na copa do meu chapéu
Nossa Senhora permita
Qui nêgo não vá no céu
Todos branco qué sê rico
Todos mulato rimpimpão
Todos nego feticêro
Todos ciganos ladrão.

29

Esse home é valente
Sei sim sinhô

Ele sta com a navalha
Sei sim sinhô

Ele vai lhe cortá
Sei sim sinhô
O muleque é ligero
Sei sim sinhô

Ele vai lhe pegá
Sei sim sinhô

Cuidado com ele
Sei sim sinhô

Ele qué lhe matá
Sei sim sinhô

93

30

O calado é vencedô
Mas pra quem juízo tem
Quem espera sê fisgado
Não roga pegá a ninguém
Tum, tum, tum quem bate aí
Tum, tum, tum na minha porta
Sô eu mestre pintô
Mestre pintô da bôca torta
E aluandê
E aluandê
Joga-te pra lá
Joga-te pra cá
Faca de cortá
Faca de furá.

31

Tim, tim, tim Aluandê
Aluande cabôco é mungunjê
Tim, tim, tim Aluandê
Aluanda, Aluanda, Aluandê
Tim, tim, tim Aluandê
Aluanda hoje é ferro de batê
Tim, tim, tim Aluandê
Eu cheguei lá in casa
Não vi vosmicê.

94

32

Eu sô angolêro
Angolêro sim sinhô
Eu sô angolêro
Angolêro sim sinhô
Eu sô angolêro
Angolêro de valô
Eu sô angolêro
Angolêro sim sinhô

33

E vô dizê a dendê
Dendê do aro amarelo
Vô dizê a dendê
Sô home não sô mulé
E vô dizê a dendê
Sô home não sô mulé.

34

Doralice
Não me pegue
0 não, não pegue
Não me pegue
No meu coração
O Doralice
Não , não me pegue
Não me pegue não.

95

35

Esta cobra te morde
Sinhô São Bento

Oi o bote da cobra
Sinhô São Bento

Oi a cobra mordeu
Sinhô São Bento

O veneno da cobra
Sinhô São Bento

Oi a casca da cobra
Sinhô São Bento

O que cobra danada
Sinhô São Bento

O que cobra marvada
Sinhô São Bento

Buraco velho
Sinhô São Bento

Tem cobra dentro
Sinhô São Bento

Oi o pulo da cobra
Sinhô São Bento
E cumpade.

36

Ai ai, Aidê
Joga bonito qu'eu quero aprendê
Ai, ai, Aidê

Como vai, como passô
Como vai vosmicê

96

37

Sô eu Maitá
Sô eu Maitá
Sô eu

Sô eu Maitá
Sô eu Maitá
Sô eu

Puxa puxa
Leva leva
Joga pra cima de mim

Sô eu Maitá
Sô eu Maitá
Sô eu

Quem tivé mulé bonita
E a chave da prisão

Sô eu Maitá
Sô eu Maitá
Sô eu

Vô dizê pra meu amigo
Qui hoje a parada é dura

Sô eu Maitá
Sô eu Maitá
Sô eu

Quem ama mulé dusôtro
Não tem a vida segura

97

38

Até você
Minha comade

Falô de mim
Minha comade

Eu não falei
Minha comade

Falô qui eu vi
Minha comade

Falo de mim
Minha comade.

39


Já comprei todos tempêro
Só faltô farinha e banha
Eu não caio in arapuca
No laço ninguém me panha

40

Santa Maria
Mãe de Deus
Fui na igreja
Não me confessei
Santa Maria
Mãe de Deus
Oi Mãe de Deus.

41

Camarado toma cuidado
Camaradinho ê
Camaradinho, camará
Camaradinho ê
Camaradinho, camará
Capoera qué te matá
Eu não posso apanhá
Camaradinho ê
Joga pra traz.

98

42

Me trate com mais respeito
Que é a sua obrigação
Todo mundo é obrigado
A possuí inducação
Me trate com mais respeito
Veja qui eu lhe tratei bem
Como vai, como passô
Como vai, como não vem.

43

Stô dormindo
Stô sonhando
Stão falando mal de mim
Stô dormindo
Stô sonhando
Tão falando mal de mim
Stô dormindo
Stô sonhando
Stô sonhando.

44

Sô eu, sô eu
Quem vem lá
Sô eu Brevenuto
Quem vem lá
Montado a cavalo
Quem vem lá
Fumando charuto.

99

45

Siri jogô
Gameleira no chão
Jogô, jogô
Gameleira no chão
Jogô, jogô
Gameleira no chão
Siri, jogô
Gameleira no chão

46

O zum, zum, zum
Capoeira matô um
O zum, zum, zum
Capoeira matô um

47

Dona Maria
Qui vem de Mutá
Oi qui vem de Mutá
Oi qui vem de Mutá.

48

Quem vem lá
Vestido de luto
Quem vem lá
Sô eu Brevenuto
Quem vem lá
Brevenuto sô eu
Quem vem lá

100

49

Diguidum pereré
Tereré pereré
Diguidum pereré
Pereré decá o pé
Diguidum pereré
Pereré pereré

50

Quem nunca viu
Venha vê
Oi venha vê
Oi venha vê
Quem nunca viu
Venha ver
O licuri bota dendê

51

Meste, meste
Eu sô meste
O ninguém me conhece como meste

Meste, meste
Eu sô meste
Você me respeite como meste
Meste, meste
Eu sô meste
Você me atende como meste.

101

52


Minha mãe vô sê bombêro
Meu filho bombêro não
O bombêro apaga fogo
Anda com a morte na mão
E aquinderreis
E viva meu Deus
E viva meu meste
E viva todos meste
Ele é meste meu
Ele é meste seu
Faca de matá
Faca de cortá
Faca de furá
E vorta do mundo
E qui mundo dá
E qui mundo tem

53

Minino quem foi seu meste
Meu meste foi Salomão
Andava de pé pra cima
Cum a cabeça no chão
Fui dicipo qui aprende
Qui in meste eu dei lição
O segredo de São Cosme
Quem sabe é São Damião

54

Nêga fia teve aí
Deu dinhêro pra mamãe
Deu dinhêro pra papai
Deu carne, deu farinha
Deu café, deu feijão
Eu porque era minino
Me dero um tostão
Eu comprei meu berimbau
Pra tocá no Rio de Janêro.

102

55


São três coisas nesse mundo
Qui meu coração palpita
E um berimbau banzêro
Uma morena donzela
E seu vistido de chita.

56

Cabôco do mato vem cá
O meu berimbau
Mando lhe chamá.

57

Dona Maria do Camboatá
Chega na venda
Ela manda botá.

58

Oi i oi i
Você tem cachaça aí

Oi i oi i
Você tem cachaça aí

Oi i oi i
Você tem mais não qué dá

Oi i oi i
Ferro grande é meu facão

Oi i oi i
Dente de onça é môrão

Oi i ôi i
Aranha Caranguejêra

Oi i oi i
E o cavalo do cão

Oi i ôi i
Você tem cachaça aí

Oi i oi i
Você tem mas não qué dá.

103

59


Mataro Dona Maria
Lá na ladêra da Misericórdia
na vinha cum saco nas costas
Mataro julgando que era saco de dinhêro
Julgando que era saco de moeda
Agora dui vi era saco de miséria.

60


Stava in casa
Sem pensá, sem maginá
Salomão mandô chamá
Pra ajudá a vencê
Esta batalha liberá
Eu que nunca viajei
Nem pretendo viaja
Dê meu nome eu vô
Pro sorteio militá
Quem não pode não intima
Deixe quem pode intimá
Quem não pode com mandinga
Não carrega patuá.

104

61

Adão, Adão
Oi cadê Salomé, Adão
Oi cadê Salomé, Adão
Mas Salomé foi passeá

Adão, Adão
Oi cadê Salomé, Adão
Oi cadê Salomé, Adão
Oi foi pra ilha de Maré.

62

O lemba ê lembá
Lemba do barro Vermelho

63

A soberba combatida
Foi quem matô Pedro Sem
No céu vive meu Deu
Na terra vale quem tem
Lá se foi minha fortuna
Escramava Pedro Sem
Saía de porta em porta
Uma esmola a Pedro Sem
Hoje pele a quem negô
Qui onte teve e hoje não tem
A quem eu neguei esmola
Hoje me negue também
Na hora da sua morte
A justiça ensaminô
Correndo o bôlso dele
Uma muxila encontrô
Dentro dela um vintém
O letrêro qui dizia
Eu já tive hoje não tem
A soperba combatida
Foi quem matô Pedro Sem
Viva Pedro Sem
Quem não tem não é ninguém.

105

64

Qui vai caiman
Caiman caiman
Qui vai caiman
Para ilha de Maré
Caiman, caiman, caiman.

65

São quanta coisa no mundo
Que o home lhe consome
Uma casa pingando
Um cavalo chotão
Uma mulé ciumenta
E um minino chorão
Tudo isso o home dá jeito
A casa ele retelha
O cavalo negoceia
O minino a mãe calenta
Mulé ciumenta
Cai na peia.

66

Cachorro qui ingole osso
Ni alguma coisa ele se fia
Ou na güela ou na garganta
Ou ni alguma trivissia

A coisa milhó do mundo
E se tocá berimbau
Lá no Rio de Janêro
Na Rádio Nacional.

106

67

E vem a cavalaria
Da Princesa Teodora
Cada cavalo uma sela
Cada sela uma senhora
Minha mãe nunca me deu
Pra hoje eu apanhá
Quem não pode com mandinga
Não carrega mangangá.

68

Viola velha o qui é qui tem
Qui tá gemendo
Tô com uma dô de cabeça
Não posso panhá sereno
Minha mãe sempre me dizia
Qui muié matava home
Agora acabei de crê
Quando não mata consome.

69

E sim, sim
Oi não, não
Oia a pisada de Lampião
E sim, sim
Oi não, não
Oia a pisada de Lampião
Oia a pisada de Lampião.

107

70

Riachão stava cantando
De Coité a Pimentêra
Quando apareceu um nêgo
Dizendo desta manêra
Você disse que ama a Deus
O teu Deus te enganô
Salomão ele fez rês
São Pedro sempre soldado
Fez um rico outro pobre
Outro cego outro alejado
Salomão ele fez rês
porque ele merecia
São Pedro um simples soldado
Porque a ele lhe cabia
Fez um rico outro pobre
Visso tudo Deus sabia.

71


No sertão já teve um nêgo
Chamado Prêto Limão
No lugá onde ele cantava
Chamava o povo atenção
Repentista de talento
Poeta de profissão.

72

Oi marimbondo, marimbondo
Pelo sinal

Marimbondo me mordeu
Pelo sinal

Marimbondo, marimbondo
Pelo sinal

Ele mordeu foi no pézinho
Pelo sinal

Ele mordeu foi no nariz
Pelo sinal.

108

73

O qui zoa marimbondo
Marimbondo, marimbondo
O qui zoa marimbondo
Marimbondo, marimbondo
Marimbondo me mordeu
Qui zoa marimbondo
Marimbondo, marimbondo.

74

Manda lá lecô
Caju ê
Manda loiá
Caju ê
E cum caju ê
E cum caju ê.

75

Oi o nome do pau
Pindombê

Oi a casca do pau
Pindombê

Oi a fôlha do pau
Pindombê

Oi o tronco do pau
Pindombê
Oi a cinza do pau
Pindombê

Oi o filho do pau
Pindombê

Como é o nome do pau
Pindombê.

109

76

Piauí de tupedêra
Ti no pôrto da Bahia
Marinhêro suburdinado
Tu prantando arrelia
Se eu fosse governadô
Do estado da Bahia
Quando desse as quatro hora
O Itapa não saía
Não vá se mete a pique
La nas águas do Japão.

77

Baraúna caiu
Baraúna caiu
Quanto mais gente
Oi baraúna caiu
Quanto mais gente.

78

O Brasil disse que sim
O Japão disse que não
Uma esquadra poderosa
Pra brigá com alemão
O Brasil tem dois mil home
Pra pegá no pau furado
Eu não sô palha de cana

Pra morrê asfixiado
O qui foi qui a nêga disse
Quando viu o sabiá
Uma mão me dê, me dê
Outra mão dê cá, dê cá
E aquinderreis
E viva meu Deus.

110

79

Volta lá volta cá
Venha vê o qui é
Volta lá volta cá
Venha vê o qui é.

80

Paraná ê
Paraná ê
Paraná

Vô mimbora pra Bahia
Paraná
Tão cedo não venho cá
Paraná

Paraná ê
Paraná ê
Paraná

Se não fôr essa semana
Paraná
E a semana qui passô
Paraná

Paraná ê
Paraná ê
Paraná

Do nó escondo a ponta
Paraná
Ninguém sabe desatá
Paraná

Paraná ê
Paraná ê
Paraná

Chique-chique mocambira
Paraná
Joga pra cima de mim
Paraná

Eu sô braço de maré
Paraná
Mas eu sô maré sem fim
Paraná

Paraná ê
Paraná ê
Paraná

O digêro, digêro
Paraná

O digêro, digêro
Paraná

O digêro, digêro
Paraná

Eu também sô digêro
Paraná.

111

81

Oi tombo do má
Marinhêro
Oi tombo do má
Estrangêro.

82


Vô mimbora pra Bahia
Pra vê se o dinhêro corre
Se o dinhêro não corrê
De fome ninguém não morre
Vô mimbora pra São Paulo
Tão cedo não venho cá
Se voci quizé me vê
Bote o seu navio no má
O Brasil stá na guerra
Meu devê e í lutá.

112

83

Não se mêta meu irmão
Qui esse home é valente
Na usina Caco Velho
Já matô Chico Simão

Vamo imbora camarado
Vamo saí dessa jogada
A festa é muito boa
Mas vai tê muita pancada.

84

La la i, la i la
O lelê
La la i, la i la
O lelê
Ai, ai, ai
O lelê
Ai, ai, ai
e, lelê
Ah! ah! ah!
O lelê
Ai, ai, ai
O lelê

La la i, La i la
O lelê.

85

E aquinderreis
E aquinderreis
Camarado

E galo cantô
E galo cantô
Camarado

E cocorocô
E cocorocô
Camarado

E vamo imbora
E vamo imbora
Camarado

E mundo afora
E mundo afora
Camarado

E vorta do mundo
E vorta do mundo
Camarado

E qui mundo dá
E qui mundo dá
Camarado

E qui mundo tem
E qui mundo tem
Camarado.

113

86

Oi tira daqui bota ali
Oi ponha no mesmo lugá.

87

Saia do má
Saia do má
Marinhêro

Saia do má
Saia do má
Estrangêro.

88


Minino onde tu vai
Eu vô intá meu pai
Ele stá doente
Tá doente pra morrê
Si tu quiria í
Como não me disse
Agora te pego
E te surro tôda.

114

89

Panhe a laranja no chão tico-tico
Pois tua saia é de renda de bico
Panhe a laranja no chão tico-tico
Se meu amô fô imbora eu não fico
Panhe a laranja no chão tico-tico
Na uma, nas duas, nas três eu não fico.

90


Você vem se lastimando
Me pedindo pra voltá
Hoje quem no qué sô eu

Ai! Ai!
Não adianta você chorá
E camaradinho
E camaradinho meu.

91

O ê ó a
O ê ó a
O ê ó a
Lambaio, lambaio

Lambaio, lambaio
E lamba ê e
E lamba ê ê
E lamba ê ê.

92

Como vai, como stá
Tandirerê.

O como vai vosmicê
Tandirerê.

Tu vai bem de saúde
Tandirerê.

Pra mim é um prazê
Tandirerê.
Oi como vai, como stá.

115

93

Era eu era meu mano
Era meu mano mais eu
Eu vi a terra molhada
Mas não vi quando choveu
Era eu era meu mano
Era meu mano mais eu
Ele alugô uma casa
No fim do mês
Nem ele pagô nem eu.

94

Quebra, quebra gereba
Quebra
Oi você quebra hoje
Amanhã quem te quebra?

Quebra
Oi quebra, quebra
Queima, queima Amará
Queima.

95

Dona Maria
Como vai vosmicê
Como vai vosmicê
Como vai vosmicê.

96

Sai, sai Catarina
Saia do má
Venha vê Idalina.

97

Quebra lami kumujê
Macaco

Tira e bota no saco
Macaco

Quebra lami kumujê
Macaco.

116

98

Ao pé de mim tem um vizinho
Que enricô sem trabaiá
Meu pai trabaiô tanto
Nunca pôde enricá
Não deitava uma noite
Que deixasse de rezá.

99

Carcunda onte teve aqui
Deu dois minréis a papai
Três minréis a mamãe
Café e açuca a vovó
Dois vintém para mim só

Sim sinho meu camarada
Quando eu entrá você entra
Quando eu saí você sai
Passá bem ou passá má
Tudo no tempo é passá.

117

100

Eu comprei uma galinha
Por quatro mil e quinhento
Na ladêra de São Bento
Não bem peguei na galinha
Já os pinto piava dento.

101

Na ladêra do Tengó
Passa o boi o carro chia
Desata torna amarrá
Mais sorte os cabelo Maria.

102

Oração de braço forte
Oração de São Mateus
Na hora do meio-dia
Quem pode comigo é Deus.

103

Eu tava na minha casa
Sem pensá, sem maginá
Mandaro me chamá
Pra ajudá a vencê
A guerra no Paraguai.

104

Meu pai bem me dizia
Que não comesse melado

Chegando de manhazinha
Agua de côco velado.

105

Minina vamo pro mato
Vamo catá carrapato
Minina vamo pra sala
Levá pulga da senzala

Minina vamo pra cama
Vamo catá percevejo
Minina vamo pro mangue
Vamo catá caranguejo.

106

Na justa lei da região
Cabra conhece o perigo
Do cotuvelo pra mão

O diabo tem cinqüenta dente
Vinte e cinco são de prata
Vinte e cinco so de latão.

118

107

No dia que amanheço
Perto de Itabaianinha
Home não monta a cavalo

Muié não deita galinha
As frêra que estão rezando
Se esquece a ladainha.

108

Meu braço tem meia libra
Ferro grande é meu facão

Não respeito calumbi
Tando cá foice na mão.

109

Na minha casa veio um home
Da espece dos urubus
Tinha camisa de sola
Paletó de couro cru
Faca de ponta no cinto

Rabo cumprido no cu
Os beiço grosso e virado
Como sola de chinelo
Um zóio bem encarnado
Outro bastante amarelo.

110

Oi é tu qui é muleque
Muleque é tu

Muleque te pego
Muleque é tu

Te jogo no chão
Muleque é tu

Castiga esse nêgo
Muleque é tu

Conforme a razão
Muleque é tu.

119

111

Oi a cobra me morde
Sinhô São Bento
Me jogue no chão

A cobra é má
Sinhô São Bento.

112

Calangolô, tá como passo
Calangolô, ta como passô.

113

Oi Dona Maria como vai você
Como vai você, como vai você

Dona Maria como vai você
Ora jogue bonito qui eu quero aprendê

Dona Maria como vai você
Ora jogue bonito qui eu quero aprendê

Dona Maria como vai você
Faça jôgo de baixo pro povo aprendê

Dona Maria como vai você
Jogue de cima qui eu quero vê
Dona Maria como vai você.

114

Ai, ai, ai
São Bento me chama

Ai, ai, ai
São Bento me leva

Ai, ai, ai
São Bento me prende

Ai, ai, ai
São Bento me solta

Ai, ai, ai
Sinhô São Bento.

120

115-116

Panhe mio como gente
Macaco
Macaco qui quebra dendê
Macaco.

E sim, sim, sim
E não, não, não.

117

Como vai como stá
Camunjerê

Como vai de saúde
Camunjerê

Como vai como stá
Camunjerê

Eu vim aqui lhe vê
Camunjerê

Como vai de saúde
Camunjerê
Para mim é prazê.

118

Anu não canta in gaiola
Nem bem dentro nem bem fora
Só canta no formiguêro
Quando vê formiga fora

Camarado
Camaradinho ê
Camarado.

121

119

Camaradinho é hora, é hora
E é hora, é hora camarado
Aquinderréis ê aquinderréis
Camarado

Querem me pegá
E querem me pegá.
Camarado.

120

Pega minha corda pra laçá meu boi
Meu boi fugiu pra onde foi
Pega minha corda pra laçá meu boi

Meu boi fugiu pra onde foi
Pra onde foi
Pra onde foi.

121

Sai, sai catari, saia do má
Venha vê Idalina

Mais Catarina
Minha nêga sai.

122

Cobra mordeu São Bento, Caetano
Cobra mordeu São Bento, Caetano

123

Minino quem foi seu mestre
Meu mestre foi Barroquinha
Barba ele não tinha

Metia o facão na poliça
E paisano tratava ele bem.

122

124

Tava no pé da Cruz
Fazendo a minha oração
Quando Dois de Oro
Feito a pintura do cão

Camaradinho ê e
Camaradinho, camarado
Oi a treição e e
Oia a treição camarado.

125

Eu sô Dois de Oro
Dois de Oro sim sinhô
sô Dois de Oro
Dois de Oro de valô.

126

Topedêra Piauí
Coraçado in Bahia
Marinhêro absoluto
Chegô pintando arrelia
Quando va cobra assanhada
Não mete o pé na rodia
Se a cobra assanhada morde

Que fôsse a cobra eu mordia
Mataro Pedro Minêro
Dentro da Secretaria
Camaradinho
E e camaradinho
E ê ê hora, é hora.

127

Contaro minha mulé
Qui a policia me intimô
Dentro da Delegacia
Par dá depoimento
De um caso qui não se passô

Mato Pedro Minêro
Dentro da Delegacia
Delegado me intimô
Para dá depoimento
De um caso qui não sabia.

123

128

Contaro minha mulé
Qui capoêra me venceu
Ele jurô e bateu pé firme
Isso não assucedeu
Casa de palha e palhoça

Se eu fosse fogo queimava
Tôda mulé ciumenta
Se eu fôsse a morte matava
Eu me chamo Pedro Minêro
Conhecido gamgambá.

129

Besôro ante de morrê
Abriu bôca e falô
Meu filho não apanhe
Qui seu pai nunca apanhô
Na roda da capoêra
Foi um grande professô.

130

Besôro stava dormindo
Acordô com dô de dente
Deu um tiro in Besôro
Pensando qui era tenente.

124

131

Besôro preto, Besôro preto
Bará
Besôro preto, Besôro
Besôro prêto, Besôro.

132

Agora sim qui mataro meu Besôro
6 Depois de morto
Besôrinho Cordão de Oro.

133

Besôro zum, zum, um
Pelo sinal
Besôro zum,.um, um
Pelo sinal.

Besôro stava dormindo
Acordo todo assustado
Deu um tiro in baraúna
Pensando qui era sordado.

135

Lá atiraram na Cruz
Eu de mim não sei quem foi
Se acaso fui eu mesmo
Ela mesmo me perdoe

Besôro caiu no chão
Fêz que estava deitado
A polícia entrou
Ele atirou num soldado

Vão brigar com caranguêjo
Que e bicho que no tem sangue
Polícia se briga
Vamos para dentro do mangue.

136

Besôro quando morreu
Abriu a boca e falô
Adeus Maracangalha
Qui é terra de matado.

137

Não mandei voce pegá
No tabulêro de yayá.

138

E valha-me Deus sinho São Bento
Eu vô jogá meu barravento.

139

E abalô, abalô
Abala quero vê abalá.

3

126

IX
Comentário às Cantigas

As cantigas de capoeira fornecem valiosos elementos, para o estudo da vida brasileira, em suas várias manifestações, os quais podem ser examinados sob o ponto de vista linguístico, folclórico, etnográfico e sócio-histórico.

Linguìsticamente falando, as cantigas fornecem detalhes da linguagem corrente do Brasil, principalmente no campo fonético, sintático e semântico. No âmbito fonético, há um pequena mostra da pronúncia geral brasileira e mui especial a local. Serafim da Silva Neto, que muito se preocupou com o problema dos falares brasileiros, embora não tivesse a mão o instrumento básico fornecido pela Geografia Linguística, que seria um Atlas Linguístico do Brasil, como já dispõem os falares franceses,216 romanos,217 da Córsega218 e o, ítalo-suíços,219 analisando as conotações fonéticas do Brasil, chama a atenção de que a pronúncia brasileira em geral, repousa sobre um sistema fonético muito antigo e de aspecto urbano (o que vale dizer, sem regionalismos) pois, como se viu, ela não apresenta, por exemplo, nem as antigas africadas, nem as apicais que muito provavelmente já não existiam ou estavam em franca desagregação nas principais cidades portuguesas nos séculos XVI e XVII. Faremos distinção de um lado entre a pronúncia culta do Rio de Janeiro (carioca) considerada padrão, e de outro, entre várias pronúncias regionais.220 Daí, não raro, se encontrar transformações fonéticas, no linguajar popular do nordeste do Brasil, já existentes na evolução histórica da palavra, como vai se ver no decorrer dos comentários. Contudo para se ter um estudo realmente preciso e de caráter científico, só com a publicação, como já disse, de um Atlas Linguístico do Brasil, o que é uma coisa muito complexa, para ser feita de imediato, principalmente no que tange à confecção e aplicação dos questionários linguísticos. Para se ter um, de como isso é fundamental, o exemplo está n confecção do atlas ítalo-suíço, bastando para tanto se ler o capítulo Wie entsteht ein Sprachatlas? da obra Der Sprachatlas als Forshungsintrument 221 escrita pelos autores do referido atlas. Com referência à Bahia, há um pesquisa elaborada pela equipe do Laboratório de Fonética da Universidade Federal da Bahia, sob a direção do Professor Nélson Rossi, que resultou na publicação de um atlas dos falares baianos, que se diz ser prévio, acompanhado de um volume elucidativo.222

FONÉTICA

CONSOANTES

lh -i

Dando seqüência ao exame de que foneticamente de interesse fornecem essas cantigas, passo a estudar as implicações do grupo lh, no referido texto. De início, convém salientar que, nos primórdios da língua escrita, o som lh era representado por li, l e ll do antigo espanhol,223 sendo, porém, a notícia mais antiga que se tem dele e num documento datado de 1269 no Alentejo.224 Linguìsticamente falando, a primeira observação foi feita em 1606 por Duarte Nunes de Leão, quando publicou a sua Origem da Língua Portuguesa.225 Não obstante a sua origem não estar de tudo esclarecida, Pedro Azevedo estudando a ortografia antiga portuguesa, acha mais provável que a combinação tivesse sido inventada em Portugal, 226 isso em contraposição à grande maioria, que vê no grupo lh procedência provençal, tendo como patrono Diez227, em 1863, ao publicar, em Bona, o seu excelente Über die Erste Portuguieisische Kunst und Hofpoesie, reafirmando, mais tarde, em 1882 esse seu ponto de vista, quando deu a última edição de sua Grammatik der Romanischen Spachen.228 Seguindo o seus passos, estiveram Cornu, 229 Gonçalves Viana230 e Williams.231 Nos falares do Brasil o lh é substituído por i 232 e mui especialmente no nordeste.233 Esse fenómeno que já preocupou Leite de Vasconcelos, 234 não é só do Brasil, está espalhado nos dialetos crioulos, podendo ser encontrado em Cabo Verde, Guiné, São Tomé, Ceilão, Diu, Goa, Ilha do Príncipe235 e na ilha Santo Antão.236 No campo românico, o fenómeno que começa a surgir no latim do Império,237 tem seus reflexos no francês238, provençal antigo239, provençal moderno240, catalão241, italiano242, romeno243, português244 e espanhol.245 Com referência ao espanhol da América Latina, Bourciez foi taxativo – c'est également y qui s'est généralisé246 e documentando tudo isso é o importante e substancioso trabalho de Amado Alonso, La ll y su oteraciones en España y America, assim como as observações de Espinosa.247 A sua absorção pelo guarani foi estudada por Marcos, A. Morínigo e Llorach.248 Para esse fenómeno tem havido inúmeras explicações, sendo a mais recente dada por Llorach, enquadrado dentro do pensamento da Escola de Praga, cujo corifeu foi o príncipe Nikolaj Sergejevitch Trubetzkoy, cuja doutrina foi reunida, pela primeira vez, em volume, em 1939 sob o título Grundzüge der Phonologie, constituindo o volume sete dos Travaux du Cercle Linguistique de Prague,249 traduzido depois para o francês por J. Cantineau.250 Llorach, ao explicar a sua tese, assim se expressou: – A veces, un fonema en oposición bilateral aislada con otro fonema se identifica con este, es decir, pierde sus rasgos caracteristicos y se reduce a une simple variante conbinatoria o estilistica. Tal es el caso de la desfonoligización del fonema l en algumas hablas españoles, que se ha identificado con el fonema y.251

l = r

O fenómeno da troca do l pelo r está espalhado nas línguas românicas,252 mui especialmente no português e no espanhol. No caso do espanhol da Espanha e da América, Tomas Navarro que o estudou com objetividade ficou surpreso com a confusão que se faz entre um e outro, daí concluir que La r fricativa y la l relajada presentan bastantes carateres comunes para confundirse entre si; esta confusión ocurre en efecto, en el habla popular de varias regiones de España y America… Mais tarde o assunto foi retomado, com grande maestria por Amado Alonso.253 Em Portugal254 e em todo Cabo Verde255 se encontra-se o fenómeno bastante espalhado. No caso do Brasil, cito a cantiga número 2 representada na palavra vorta onde deveria estar volta. Ainda a respeito do l, Maroquim256 chama atenção da sua mudança para o d, cujo exemplo se observa na cantiga número 80, na palavra digêro, que está por ligeiro. Fenómeno contrário já foi documentado, em românico, na Appendix Probi, na passagem Adipes non Alipes e no espanhol.257

r final

O r final desaparece, não só nos falares do Brasil como no dialetos crioulos de Cabo Verde, São Tomé, Ilha do Príncipe e Ilha de Ano Bom.258 Igualmente ocorre em Andaluzia e outras regiões.259 Nas cantigas, o fenómeno se processa nas palavra cantá (cantar), (ser), bebê (beber), sinhô (senhor), milhó (melhor), (mar), i (ir), mulé (mulher), trabaiá (trabalhar) pertencentes às cantigas números1, 2, 6, 8, 14, 23, 25, 66, 98.

queda do m

Não constitui novidade a perda da nasalidade final, nos falares do Brasil. Nas cantigas de números 18 e 26, ocorre nas palavras viage (viagem) e home (homem).

Perda do r

Mário Maroquim260 estudando os grupos gr, pr, e tr chama atenção para o fato deles perderem a pospositiva. Isso, nas cantigas de números 1 e 15, se verifica nas palavras nêgo (negro) e meste (mestre).

Perda do s

O s seguido de ce e ci deixa de soar, como no norte de Portugal e no espanhol261 simplificando como na palavra naci (nasci) encontrada na cantiga número 4.

VOGAIS
o = u

Há uma tendência, por sinal muito antiga, de se reduzir o o atono a u. Já em 1536, Fernão de Oliveira, ao escrever a primeira gramática da língua portuguesa, chamou atenção para o fenómeno, com o seguinte lance: – …das vogaes antre u e o pequeno ha tanta vezinhança q. quasi nos confundimos dizendo huns somir e outros sumir: e dormir ou durmir / e bolir ou bulir e outras muitas partes semelhantes262 Em nossos dias, o assunto foi retomado por Cornu, que chama atenção para a antigüidade do problema, documentando com exemplos desusados na língua literária, porém corrente na linguagem popular: – Die altesten Spuren des u ansttatt o und zwar in grosser Anzahl finden sich bei MC.(1767), S.568-722, welcher Beispiele wie curruto, cutovêlo, fucinho, murar, puragem, tucar, xuver = chover, anfürht und tadelt. Vereinzelte Beispiele des u kommen hin und wieder viel frührer vor und zwar nicht nur solche wie fremusura, furtuna, custume, sondern auch pudia, fugueira, lugar, Purtugal.263 As cantigas de números 1, 8, 22, 35, 54, 63, 76 documentam essa mudança, através das palavras cum (com), cumpade (compadre), cumi (comi), tustão (tostão), muchila (mochila), tupedêra (torpedeira ), suburdinado (subordinado).

e=i

O e pretônico em Portugal ou se conserva ou passa a i nasalando-se ou não,264 como nas palavras insinô (ensinou), imbora (embora), sinhô (senhor), inducação (educação), milhó (melhor), das cantigas de números 2, 8, 23, 25, 42, 66

DITONGOS

ou = o

O ditongo latino au deu o românico ou, que na língua moderna alterna em oi e na linguagem popular em ô. Dessa evolução se preocuparam Sommer,265 Niedermann,266 Meyer-Lübke,267 Nunes,268 Grandgent,269 Battisti,270 Vossler271 e outros.

Em Portugal e dialetos crioulos, ou foi reduzido a ô.272 Entre nós, temos exemplos em convidô (convidou), (sou), insinô (ensinou), escramô (exclamou), ensaminô (examinou), enricô (enricou), (vou), morão (mourão), ôro (ouro), besôro (besouro), ôtro (outro), concernente as cantigas de números 1, 2, 18, 37, 58, 63, 98, 124, 125, 129, 130, 131, 132, 133, 134, 135.

ei =ê

O ditongo ei foi reduzido, nos falares, a ê, não só em algumas regiões de Portugal, como no Brasil. Nas cantigas, aparece nas palavras cabecêro (cabeceiro), mandinguêro (mandingueiro), capoêra (capoeira), angolêro (angoleiro) gamelêra (gameleira), bombêro (bombeiro), ladêra (ladeira), Pimentêra (Pimenteira), tupedêra (torpedeira), digêro (ligeiro), janêro (janeiro), Minêro (Mineiro), pertencentes às cantigas de números 2, 32, 52, 54, 55, 58, 59, 66, 70, 76, 80, 100, 101, 105, 126, 127, 128.

aférese

Há transformações motivadas por aférese, que Williams273 considera como fenómeno muito comum, na língua portuguesa. Nas cantigas, os casos de aférese são tava (estava), (esta), panhe (apanhe), güenta (agüenta), (estou), correspondente as cantigas de números 1, 9, 14, 68.

síncope

A síncope das postônicas, que se processou na transição do latim para o português, verifica-se a todo instante na língua corrente do povo, como em cumpade (compadre), discipo (discípulo), cabôco (caboclo), comade (comadre), poliça (polícia), pertencentes as cantigas de números 3, 8, 31, 35, 38, 128.

apócope

Fenômeno fonético de apócope se encontra nas palavras sabo (sábado), camará (camarado), pertencentes as cantigas de números 4, 41.

prótese

A prótese do a é um fenómeno comum em todo Portugal e no Brasil. Há uma preocupação, entre os lingüistas, em localizar a procedência do referido a. Meyer-Lübke, por exemplo, quer ver influência Arabe, através o artigo Arabe al, que, por um processo de assimilação, se soldou às palavras de origem latina.274 Já Huber prefere se fixar no latim vulgar, afirmando que Schon vorromanish ist die Vorsilbe a -der Demonstrativprononima und -adverbia wie aquel, aqueste, aqui, acá, aquem, alá, ali, nach denen dann asi, atal, atanto, atol, gebildet wurden.275 Nas cantigas, aparece na de número 1, na palavra arrespondeu (respondeu).

epêntese

Não obstante ser considerada na linguagem popular, mais comum a epêntese do r,276 aparece, contudo, na cantiga número 63 a epêntese do n na palavra ensaminô (examinou).

paragoge

A paragoge do s, a princípio, era comum aos advérbio terminados em vogal277 e ainda hoje, por exemplo, os advérbios de modo, que se formaram com o ablativo mente278 levam s na linguagem popular.279

Na cantiga número 70, aparece a paragoge do s, não em advérbio, mas no substantivo rês (reis), fenómeno esse que é comum nessa mesma palavra, no falar do Brasil, já registrado por Nascentes e Marroquim.280

metátese

A metátese é um fenómeno linguístico comuníssimo na língua do povo. Grammont, ao estudá-la, chamou-a de interversão e a definiu como un phénomène qui consiste à placer deux phonèmes contigus dans un ordre plus commode. Par là on obtient une meilleure constitution des syllabes, on sauvegarde l'unité et l'harmonie du système phonique d'un parler en remplaçant les groupes insolites par des groupes usuels, on écarte les types imprononçables ou devenus imprononçables en leur substituant des types faciles, on évite des efforts articulatoires inutiles. C'est un phénomène intelligent, bien qu'il s'accomplisse d'une manière inconsciente.281 Grammont admite dois tipos de interversão – por transposição e penetração.282 Na cantiga número 66, aparece um caso de interversão por transposição representado na palavra ni (in = em).

MORFOLOGIA

substantivo

No falar do povo, a flexão numérica através do s desaparece.283 Conhece-se o plural dos substantivos por meio dos elementos que os antecedem. No caso das cantigas número 28, 39, 52 o determinativo todos é quem indica o plural das palavras branco, mulato, nêgo, cigano, tempêro, meste. Nas cantigas de números 107 e 109 é o artigo as quem denuncia o plural das palavras frêra e urubu. Nas cantigas números 76 e 78 são os numerais quatro e mil reponsáveis pelo plural de hora e home.

pronome

O pronome relativo que sempre se pronuncia qui, tanto na língua popular como na literária, fenómeno esse que ocorre também em Portugal e não passou desapercebido de Leite de Vasconcelos, que assim se manifestou: – Le pronom que prend quelquefois en emphase la forme qui, même quand une voyelle ne le suit pas (devant une voyelle, que se prononce toujours qui, soit dans la langue littéraire, soit dans la langue populaire, selon la règle générale des noms terminés en e atone.284 Sua presença se faz nas cantigas de números 83 e 136.

verbo

Com referência aos verbos, o povo fez profundas simplificações. O fenómeno existe quase que em todo o território nacional onde só se usam a primeira e a terceira pessoas e a primeira do plural perde o s. Há modificações radicais no quadro das conjugações, porém, aqui me limitarei a tratar as alterações existentes nos tempos e modos dos verbos, existentes nas cantigas, que, por sinal, só aparecem no pretérito perfeito do modo indicativo, nos verbos dero (deram) e contaro (contaram) das cantigas de números 54 e 128.

preposição

As preposições existentes nas cantigas já foram examinadas no que diz respeito ao aspecto fonético. São elas – cum (com), in (em) e ni (metátese de ín=em), pertencente às cantigas de números 1, 15, 66, 118, 126.

advérbio

No que tange aos advérbios encontrados nas cantigas, há o de tempo onte (ontem) e o de despedida imbora (embora) concernentes a cantiga de número 1.

SINTAXE

Com referência à sintaxe, alguns fatos já foram abordados anteriormente, restando aqui, agora, tratar do problema da colocação dos pronomes existentes nas cantigas.

O assunto tem sido ventilado com freqüência, porém na sua quase totalidade de maneira apaixonada. Creio que o primeiro tratamento linguístico foi dado por Leite de Vasconcelos na Esquisse,285 para depois começarem as polémicas apaixonadas e não raro ridículas. Dos bate-bôcas mais ruidosos foi o travado entre Cândido de Figueiredo em Portugal e Paulino de Brito no Brasil. Ambos no início deste século trocaram artigos, muitas vezes chistosos e ridículos, publicados nos jornais Província do Pará e Jornal do Comércio, para depois reunirem em volume286 a matéria publicada, infelizmente carecendo de base científica. Na mesma época, veio a famigerada polémica entre Rui Barbosa e Carneiro Ribeiro, onde o assunto foi tratado com o mesmo critério dos polemistas já citados.287 Daí em diante o tema tem sido objeto de estudo e polémicas constantes. O motivo das brigas tem sido a divergência da colocação dos pronomes entre Portugal e Brasil.

Há inúmeras conjecturas em torno do porque dessa divergência, sendo uma delas responsabilizar o africano pela colocação brasileira, tendo como patrocinadores, dentre outro Gonçalves Viana e Renato Mendonça,288 talvez pelo fato de Leite de Vasconcelos, ao estudar o português das costas da África, afirmar que Dans les articles de journaux locaux, on observe une certaine hésitation pour la place des pronoms, comme dans le Brésilien et dans le Portugais de Goa.289 Mas, o ponto de vista mais atual e mais aceito é o que tem por base certas incompatibilidades de pronúncia existentes entre os dois países, gerando assim a diferencia de colocação dos pronomes. No Brasil, em nossos dias, esse ponto de vista é patrocinado por Nascentes. 290

Um dos vários pontos de divergência de colocação é se iniciar frase com pronome do caso oblico, comuníssimo no Brasil e que Portugal repele. E justamente essa divergência que aparece nas cantigas de números 17 e 42, nos versos – Te dô sarna, te dô tinha e Me trata com mais respeito.

141

LÉXICO DAS CANTIGAS

Abalá

v. Corrutela de abalar do verbo abalar. De origem controvertida. Meyer-Lübke291 prende ao latim ballare, dançar, refutado por Magne292. Cornu293 vê o latim evallare. Diego294 propõe o latim hipotético evallare, peneirar. Por fim, há o de Leite de Vasconcelos,295 aceito por José Pedro Machado,296 que dá o latim hipotético “advallare” (ad vallem), na ideia de “ir para baixo”, e depois, por generalização do significado, “pôr se em movimento, etc.” Cfr. aventar cujo sentido primitivo é “deitar ao vento” e hoje tem, quer na literatura, quer na linguagem popular, significação mais alta.

142

Foneticamente, nada há que objetar: dv deu v como avêsse (= advessus), arc. avocado (avocatus).

Mais adiante, aponta na Chanson de Roland297 o verbo avalez com sentido de ‘descer’ hoje limitado naquela língua ao de descer o alimento para o estômago, engolir. Aparece na cantiga de número 139.

Absoluto

s.m. Aparece na cantiga de número 126, com a acepção de independente, arbitrário e mais que isso, insubordinado. Do latim absolutu, adjetivo verbal de absolvere.298

Açuca

s.m. Corrutela de açúcar, do Arabe as-sukkar.299 Aparece na cantiga número 99.

Amará

s.m. Corrutela de Amaral, que Nascentes deriva do substantivo comum amaral, uma uva cultivada na Beira, no Minho e no Douro.300 Já Leite de Vasconcelos prende a amar-al.301 O vocábulo se encontra na cantiga de número 94.

Angola

s.f. Nome de um país africano. Anotando a História Geral das Guerras Angolanas de Antônio de Oliveira de Cadornega, publicada em 1680, José Matias Delgado diz que o nome primitivo era Ndoango, que os portugueses fizeram Dongo302 ou Ndongo como registra Quintão, traduzindo por canoa grande.303 A respeito da designação Dongo e sua significação, para designar o reino de Angola, já no século passado, Cannecattin, estudando a língua bunda, explica que “o nome próprio do reino de Angola é Dongo, que é um termo bem adequado, em razão da sua figura desproporcionamente comprida. Porquanto na língua bunda esta palavra dongo nada significa do que uma casta de embarcação, a que chamam canoa, que é toda construída de um só pau; quando esta é pequena dão-lhe o nome de longo, e quando grande, dongo; porém por maior grandeza e largura que tenha a canoa chamada dongo, sempre é uma embarcação desapropriada que ao mais tem sete palmas de longo, e de comprido oitenta e noventa; e sendo mui semelhante à figura do reino de Angola, lhe deram os antigos o nome de Dongo que parece bem apropriado”.304 O nome atual de Angola, ainda, segundo o comentador da obra de Cadornega foi dado pelos portugueses, pelo fato dos reis ou sobas da região serem chamados Ngolas, daí a origem do topônimo Angola.305

143

Angolêro

adj.m. Corrutela de angoleiro, derivado de Angola. Designa o jogador da capoeira chamada Angola. Aparece na cantiga número 32.

Anum

s.m.Pássaro preto do género Crotophag, Linneu. É um pássaro popularíssimo no nordeste do Brasil,306 que a imaginação popular associa ao negro, de maneira jocosa. Assim, quando um negro tem os lábios muito grossos se diz que tem bico de anum. O termo vem do tupi anu, vulto preto, indivíduo negro.307 Aparece na cantiga número 118.

144

Aquinderreis

interj. Corrutela de aqui d'el-Rei. É uma oração elíptica, onde falta o verbo acudam, que formaria acudam aqui d'el-Rei. Era a maneira de pedir socorro antigamente, por se entender el-Rei o único capaz de socorrer e dar proteção armada a alguém. Diz Moraes308 que também se chamavam aqui do Duque, aqui do Conde se os mesmos eram vassalos d'el-Rei, mas que isso foi proibido pelas Ordenações por ser privilégio exclusivo do rei. Na Bahia, nunca ouvi se fazer uso da palavra, em entoação interjectiva, para se pedir socorro. Sua aparição é somente em cantigas de capoeira ou então na conversa de pessoas idosas, quando se referem à expressão gritar aquiderreis em lugar de socorro. No Brasil, João Ribeiro cuidou ligeramente do seu comportamento fonético.309 Também estudaram a interjeição Meyer-Lübke310 e Cortesão.311

145

Arrespondeu

v. O mesmo que responder, do latim respondere, responder.312 A notícia mais antiga que se tem do seu aparecimento é no ano 1152, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Leges et Consuedines.313 Com referência às cantigas, acha-se registrado na de número 1.

Aruandê

s.m. Trata-se do vocábulo Luanda, acompanhado de um a protético, seguido da troca do l pelo r na referida palavra e um ê exclamativo. Dai a composição a+Luanda+ê. Sua aparição se dá nas cantigas de números 2,30, 31.

Asucedeu

v. O mesmo que suceder, do latim succedere.314 Está documentado na cantiga número 128.

Bahia

s.f. Nome com que se designa um acidente geográfico e um Estado da Federação do Brasil. O acidente geográfico é a Bahia de Todos os Santos, que recebeu esse nome devido a seu descobridor, o Capitão-mor Cristovãoc07s01 Jacques encontrar-se diante de uma larga e espaciosa enseada e a denominar de baía. Como a descoberta foi no dia 1º de novembro de 1526, dia em que a Igreja festeja todos os santos, então o acidente passou a chamar-se Bahia de Todos os Santos,315 estendendo-se ao Estado da federação. O vocábulo baía tem origem incerta. À exceção de Diez,316 de um modo geral, é apontada uma origem ibérica.317 Não existe nenhuma justificativa etimológica para o h medial, mesmo se referindo ao acidente geográfico e ao topônimo. Entretanto, algumas pessoas fazem uso do mesmo por uma questão de tradição, que tem apoio no Formulário Ortogáfico da Língua Portuguêsa, aprovado, por unanimidade, na sessão de 12 de agosto de 1943, presidida por José Carlos de Macedo Soares, então presidente da Academia Brasileira das Letras, apoio esse que está assim redigido: – Os topônimos de tradição histórica secular não sofrem alteração nenhuma na sua grafia, quando já esteja consagrada pelo consento diuturno dos brasileiros. Sirva de exemplo o topônimo ‘Bahia’, que conservará esta forma quando se aplicar em referência ao Estado e à cidade que tem esse nome”.318 O vocábulo se acha registrado nas cantigas de números 76, 80, 82.

146

Barro Vermelho

s.m. Topônimo designativo de um lugarejo existente na ilha de Itaparica, na Bahia. Aparece na cantiga de número 62.

Bará

s.m. do nagô Bará.319 É uma qualidade de Exu, deus nagô, mensageiro entre os demais deuses e o homem. Etnográficamente falando, Bará é chamado todo Exu de caráter pessoal ou privado. Assim cada deus tem o seu Exu ou escravo, como também se diz, de caráter privado, que se chama Bará, daí ouvir-se falar em Bará de Oxossi, Bará de Oxalá, Bará de Ogun e assim por diante. O mesmo acontece com o eledá (Deus guardião da pessoa) de cada indivíduo, que também tem o seu Bará. Todo Bará leva um nome que o distingue dos demais e se identifica com o seu dono. Conheço, por exemplo, um babalorixá (pai de santo) cujo nome do Bará de seu orixá (deus), que é Oxalá, é Bará Ajá.

Do ponto de vista semântico, Bará, na Bahia, também se chama, por extensão ao idilogun (merindilogun, que quer dizer dizeseis e designa o conjunto de dizeseis búzios), com que se faz a prática divinatória, o qual é chamado também, por extensão, de Ifá (deus da adivinhação). Aliás, o dicionário iorubá publicado pela Church Missionary Society Bookshop, de Lagos320 registra Bará, como sinónimo de Ifá, o que na Bahia, quando se refere ao idilogun, Bará e Ifa são sinónimos, pois ambos, como já disse, denominando, por extensão, o idilogun. Essa ligeira confusão entre os dois deuses, creio que talvez seja pela íntima relação, existente entre ambos, como já observaram os africanistas.321 O termo Bará existe também em Cuba, designando uma qualidade de Exu.322 Aparece na cantiga de número 131.

147

Baraúna

s.f. Designa uma árvore de grande porte, Melanoxylon barauna, Schot. É termo tupi de ybirá-una, a madeira preta.323 Aparece nas cantigas de números 77, 134.

Barravento

s.m. O mesmo que barlavento. De origem ainda incerta. A Academia espanhola deriva do francês par le vent,324 aceito por Diego325. Entretanto, tal étimo é refutado por Rodrigo de Sá Nogueira326 e omitido por Magne327, Carominas328 e José Pedro Machado329.

148

O vocábulo barravento é termo náutico já registrado pelo Barão de Angra,330 com o significado de lado donde sopra o vento. Designa também o ato de uma pessoa perder o equilíbrio do corpo, como se sentisse uma ligeira tontura. Nome que se dá a um toque litúrgico, nos candomblés de “nação” Angola, assim como os cambaleios que dá qualquer pessoa, antes de ser totalmente possuída pelo orixá dono de sua cabeça. Na capoeira é o designativo de um golpe. Aparece na cantiga de número 138.

Bebê

v. Corrutela de beber do latim bibere, beber,331 para cuja forma antiga bever Carolina Michaelis chama atenção.332 Na literatura antiga, vê-se o uso em João de Barros.333 Aparece na cantiga número 2.

Berimbau

s.m. Ver o capítulo Instrumentos Musicais.

Besôro

Corrutela de besouro. Não obstante Adolfo Coelho propor com dúvida o latim avis-aurea,334 a maioria dos lingüistas é unissona em considerar desconhecida a origem.335 O seu aparecimento mais antigo na língua, de que se tem notícia, é no ano 1258, como topônimo, sob a forma Abesouro, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Inquisitiones.336 Designando o inseto, encontra-se documentado no Cancioneiro da Vaticana.337 Aparece na cantiga de número 136, como nome próprio personativo.

149

Brasil

s.m. Segundo Nascentes “do adjetivo substantivo brasil, adaptação do francês bresil moderno brésil, corrutela do italiano verzino, nome do pau vermelho empregado em tinturaria proveniente da Caesalpinia sappan, Linneu. (no Brasil Caesalpinia echinata, Lam.), do Extremo Oriente, conhecido muito antes do descobrimento do país”.338 Aparece na cantiga de número 78.

Brevenuto

s.m. Corrutela de Bevenuto. Nome próprio personativo, do italiano benvenuto, bem-vindo, derivado de venire.339 Aparece na cantiga número 44.

Cabecêro

s.m. Corrutela de cabeceiro, derivado de cabeça do latim capitiu.340 Cabeça já aparece em documento de 1139341, assim como seus derivados são também antigos. Cabeceiro designa o capoeira que usa, com frequência, golpes com a cabeça. Está documentado na cantiga número 2.

150

Cabôco

s.m. Corrutela de caboclo, de origem ainda controversa. Admite Teodoro Sampaio o tupi caá-boc, tirado, o aproveitado do mato, 342 aceitado por Pedro Machado e Friederici, 343 porém, posto por terra, pelo comentador de Teodoro Sampaio, Frederico Edelweiss.344 O vocábulo significa o nascido de pai indígena e mãe africana, já registrado por Marcgrave345 e, de um modo geral, designa o indígena do Brasil e da América: – Die unbezwubgenen Indianer der Wildnisse Brasiliens, und überhaut freie Indianer allgemein, no dizer de Frederici.346 Stradelli deriva de cauóca,347 que Plínio Ayrosa refuta para aceitar o de Teodoro Sampaio.348 Aparece na cantiga de número 31.

Cabra

s.f. Do latim capra, que se espalhou no românico, dando em português cabra; espanhol, cabra; logudorês, kabra; provençal, cabra; enadinês, kevra; friaulano, Kavra, italiano, capra,349 francês, chèvre; emiliano, crava;350 catalão, cabra,351 romeno, câpra.352

151

O vocábulo já se acha documentado na língua desde o ano 990, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata e Chartæ.353 No Brasil o vocábulo, além de ser designativo de um animal, é também o do mulato escuro e do indivíduo agressivo e de mau caráter. Esse tipo de gente sempre inquietou a segurança pública. No Ceará, no primeiro Império, transformaram a região em verdadeiro campo de guerra, conforme o que se lê num ofício de José Félix de Azevedo e Sá, ao ministro do Império, expondo as providências dadas par o restabelecimento da ordem em Fortaleza, datado de 23 de abril de 1825: –Resta agora Ex.mo Snr. conter o furor dos Cabras, e vadios, que tanto ocuparão o cuidado dos Antigos Governadores, os quaes ainda não ha força que os tenão podido refrear, o que se vê dos contínuos roubos, e assassínios, e o que bem modernamente sucedeo em Sancta Quitteria, Povoação do Termo da Villa do Sobral em perigo da Vida do Probo e honrado Capitão Mor da mesma Villa, e de hum virtuoso Clerigo, commetido por um salteador Benedito Miz. Chaves da celebra familia dos Feitozas, e hum bando de seu sequito, contra quem expedi a ordem Nº12º354 No Rio Grande do Sul, na Vila do Rio Prado, por volta de 1835, irromperam vários tumultos gravíssimos contra as autoridades constituídas dali, de modo que os exaltados trocaram insultos entre si, resultando disso a quadra que a imaginação popular fabricou, envolvendo as cabras : –

Cabra gente brasileira,
Descendente de Guiné!
Trocaram as cinco chagas
Pelo fumo e o café.355

152

Não sei se a acepção corrente no Brasil está ligada ao designativo do animal. Entretanto, Macedo Soares, estudando-a, conclui que Cabras, Cabaras, são os habitantes, quase negros, da margem direita do Niger, vizinhos dos Bambaras, por 17° lat. N e 4° lg Oc. Paris. Compare caboverde, canarim, congo, fulo, ganguela, rebolo, etc.356 Aparece na cantiga de número 106.

Cabula

s.m. Nome de um bairro de Salvador. De origem ainda desconhecida. Esse bairro foi refúgio de negros africanos e até hoje está lá a marca de suas presenças, com os inúmerosos candomblés, sobretudo os de “nação Angola”, que possuem um toque chamado cabula, daí a provável origem do nome do bairro. Aparece na cantiga de número 6.

Cachaça

s.f. Designa aguardente. De origem desconhecida, não obstante Renato Mendonça357 admitir origem africana, sem contudo dizer a língua matriz. A respeito das designações de embriaguez e aguardente há um trabalho excelente de Heinz Kröll, intitulado Designações Portuguêsas para “Embriaguez”, que é a primeira parte de sua tese à Universidade de Heidelberg, Onomasiologische Beitrage zur Portugieschen Volk – und Ungangspache,358 a quem agradece a oferta de um exemplar. A palavra aparece na cantiga de número 58.

Caco Velho

s.m. Nome próprio personativo. Apelido com acepção jocosa. Aparece na cantiga de número 83.

Caetano

s.m. Nome próprio personativo. Leite de Vasconcelos diz que Caetano está por Caietano, este do latim Caietanus, habitante de Caieta, na Itália.359 Aparece na cantiga de número 122.

153

Caiman
 
Calentar

v. Corrutela de acalentar. De origem ainda controvertida. Adolfo Coelho prende ao latim calente.360 Diez a calere,361 Nascentes a a mais o latim calente, quente e a desinência ar,362 Meyer-Lübke, calentar, aquecer-se363 et Leite de Vasconcelos que deriva de calar,364 aceita por Magne365 e José Pedro Machado,366 com dúvida. Este étimo, que já foi proposto por Leoni367, Leite de Vasconcelos ao apradrinhá-lo, dá a seguinte explicação: – o sentido é -nos dado pelo espanhol acallar “hacer calar (ordinariamente se dice de los niños)”, e pelos textos reunidos de nossos léxicos.368 Mais recente, também o aceitou José Inês Louro, em exaustivo estudo sobre o mesmo.369 Aparece na cantiga de número 65, na acepção de fazer calar uma criança e na língua antiga em O Livro de Vita Christi.369a

Calumbi

s.m. Segundo Teodoro Sampaio, corrutela de caá-r-umby, a folha apinhada, arroxeada, o anel.370 Designa uma planta leguminosa (Mimosa asperata, Linneu). Aparece na cantiga de número 108.

154

Camará

s.m. Corrutela de camarada. Do espanhol camarada “grupo de soldados que duermen y comen juntos”371 e este do latim vulgar cammara, já documentado no Appendix Probi camera non cammara.372 Wartburg estudando as formas do francês moderno camarade, camerade, camarado, camerado este último designando celui qui a contracté une certaine familiarité avec une autre personne, ayant fait partie de la même troupe (de soldats, d'acteurs, etc.) ayant habité le même endroit ou ayant vécu dans le même milieu,373 admite, em vista da acepção, o italiano camerata,374 já proposto por Diez.375

No linguajar da capoeira e na cantiga de número 41 aparece com a acepção pura e simples de companheiro, o mesmo ocorrendo no espanhol, que em tal caso Carominas, admite a procedência do francês camarade.376 Além dos lingüistas citados também se preocuparam com o vocábulo Battisti/Alesio,377 Gamillscheg,378 Meyer-Lübke379 e Nascentes.380

Camboatá

s.m. Designa uma qualidade de peixe pequeno que vive em Agua doce (Silurus callichthys, Linneu). Teodoro Sampaio deriva de caabo-oatá, camboatá o que anda pelo mato.381 Não obstante ser popular a forma camboatá há as alterações cambotá, camuatá e tamoatá, sendo esta última a registrada por Piso,382 Marcgrave,383 Tastevin,384 Stradelli385 e Batista Caetano que prende a tama por taba, pêlo, antâ, duro com dúvida).386

155

Camunjerê

Termo desconhecido na sua origem e na sua acepção. Aparece na cantiga de número 157.

Candomblé

s.m. Termo de origem ainda desconhecida. Designa a religião que os africanos trouxeram para o Brasil. Sua maior área de expansão é na Bahia e é designação mais específica da religião dos povos nagôs.

Existiu no Brasil uma dança chamada candombe, comuníssima nos países da região do Plata. Essa dança, como quase todos os folguedos dos negros, estava sempre na mira policial. Macedo Soares, por exemplo, cita trecho de uma lei provincial de 1836, onde se determina que tôda pessoa que, na casa de sua moradia ou alguma outra a ela anexa, consentir ajuntamentos para danças ou candombes em que entrem escravos alheios, será punida com as penas…387 Como se depreende do texto da lei, os candombes eram feitos em casa, em recinto fechado, não obstante saírem às ruas nos dias propícios.388 Na região platina, onde eles realmente tiveram vida e se desenvolveram, realizavam-se em ranchos, construídos pelos negros, por impossibilidade de disporem de outro recinto. Esses ranchos, informa Vicente Rossi, eram construídos por los mismos negros, en terrenos libres o cedidos por sus proprietarios a sus esclavos, por no tener ningun valor en ese tiempo. Sin embargo, valían cuando los negros disponían comprarlo para que no los echaron de ellos. E se era el objeto de las 'sociedades', reunir fondos con donativos y fiestas para rescatar sus hermanos y comprar su pechajo de suelo. Delante del rancho se desarrolaba el candombe, y allí se veía al rey y su capa mesclado con los súbditos.389

156

Partindo do pressuposto de que o candombe era realizado dentro de casa e que era um folguedo profano, com interligações religiosas com o candomblé, como é o afoxé, pode-se muito bem estudar a possibilidade da origem híbrida do termo candomblé, derivado de candombe, mais o termo nagô ilê, casa, logo candombe+ilê = candomblé, significando prática religiosa dos negros africanos. Embora Artur Ramos390 rejeita a hipótese de Vicente Rossi391 de que o termo candomblé seja de origem rio-platense, através de candombe, tem procedência no que diz respeito à presença da palavra candombe, na formação do termo candomblé, porém fonética e semanticamente pouco convincente de como candombe passou a candomblé. Aparece na cantiga número 20.

Cantá

v. Corrutela de cantar. Do latim cantare, freqüentemente de canere, se espalhou pelas línguas românicas, dando o italiano, cantare; engadinês, kanter; logudorês, cantare; friaulano, kantá; provençal, cantar; francês, chanter; espanhol cantar; catalão, cantar; português, cantar392 e romeno clînta.393 Há documentação antiga no Cancioneiro de Colocci-Brancuti ou Cancioneiro da Biblioteca Nacional, como é hoje chamado.394 Nas cantigas de capoeira, aparece na de número 1.

157

Cão

s.m. Do latim canis veio o romeno câne; italiano, cane; engadines, kanu; logudorês, cane; provençal, ca; francês, chien português, cão.395 Aparece documentado na língua portuguesa, no ano de 1152, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Leges et Consuetúdines, designando o animal.396

Nas cantigas de números 13, 27, 58 e 124, aparece com a acepção de demónio. Cascudo397 dedicou-lhe um verbete, onde lamenta não ter encontrado, como esperaria, tal acepção, tão comum no Brasil.

Ca ô cabiesi

Corrutela de Ka wo ká biyè sí,398 expressão com que os povos nagôs saúdam Xangô, deus do fogo e do trovão e que segundo Johnson foi o quarto rei lendário de Oyó, capital dos povos iorubás.399 A saudação aparece na cantiga número 21.

Capoêra

s.f. Corrutela de capoeira. Aparece na cantiga de número 2. Sôbre este vocábulo ver o capítulo O termo Capoeira.

Carcunda

s.f. De origem duvidosa. Cortesão diz que O étimo deste vocábulo seria primitivamente um adjetivo formado do latim cor com o sufixo -cundu (c-un-do)?.400 Adolfo Coelho fez uma comparação com corcovado e partiu para um tema karko, korko, com a acepção de ser curvo, com raiz kar, a mesma do latim circus, curvus, sendo carcundus uma forma do latim vulgar, com sufixo idêntico ao que esta em secundus, rotundus.401 Entretanto, a maioria pende para uma origem africana. O próprio Adolfo Coelho, mais adiante, no Suplemento, já propõe uma origem africana, que é o angolês karicunda, korkunda, corcunda, de rikunda, costas.402 Nessa mesma época, Macedo Soares também via o quimbundo macunda plural de ricunda, a costela.403 Nascentes deriva do quimbundo caricunda, costinhas, o das costas. Admitindo também origem africana estão Gonçalves Viana,404 Granada405 e Ortiz.406 Em oposição à tese africana, vem Carominas que a refuta argumentando ser uma tese supérflua.407 Na Bahia, a forma mais corrente é corcunda, não obstante na cantiga de número 99 aparecer a forma carcunda e existir a variante cacunda muito embora para designar o nome de uma rua no bairro do Retiro chamada Cacunda de Yayá.

158

Carrapato

s.m. De origem incerta. Cortesão deriva do espanhol garrapata,408 que a Academia Espanhola tira de garra e pata.409 Proposta mais recente é de Carominas, que, estudando garrapata, admite ser metatesis de garrapata, derivado con el sufijo -ata, que designa animales pequenos, de caparra, que es el nombre de la garrapata en vasco, mozárabe, aragonés, catalan ocidental, y debe ser vieja voz prerromanica, identica al vasco gapar(ra) o kapar(ra) zarza, cambron, porque la garrapata y la zorza se agarran fuertemente a la piel.410 Prosseguindo na sua argumentação, procura pôr por terra o étimo apresentado pela Academia Espanhola. Num Beihefte zur Zeitschrift für romanischen Philologie, Rohlfs publicou interessante trabalho sobre o gascão, onde propõe o vasco kaparra.411 O vocábulo se encontra documentado em Cardim412 e na cantiga de número 105.

159

Chamá

v. Corrutela de chamar. Do latim clamare, gritar, chamar em voz alta, veio o português, chamar; provençal, clamar; logudorês, ganlare; catalão, clamar; engadinês, clamar; friaulano, klamá, antigo francês, clamer; espanhol, llamar;413 romeno, chemá, chiemá chiama.414 Em português há a variante clamar, vinda por via culta já documentada nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Scriptores.415 Aparece na cantiga de número 56.

Chico Simão

s.m. Nome próprio. Aparece na cantiga de número 83.

Chique-Chique

s.m. Espécie de planta da família das leguminosas (Crotalaria braclysacha, Benth). De origem desconhecida. Teodoro Sampaio registra dizendo não parecer voz tupi.416 Aparece na cantiga de número 26.

Chita

s.f. Designa uma espécie de tecido. Dalgado deriva do neo-Arico chhit 417 aceito por Nascentes e José Pedro Machado.418 Aparece na cantiga número 55.

160

Chotão

s.m. Diz-se do burro que tem o passo incerto, saltiante. Derivado de choutar que Adolfo Coelho tira do latim hipotético tolutare, pelo hipotético tlutare, do tema de tolutarius, tolutum419 aceito por Nunes e Gonçalves Viana.420 João de Souza deriva do Arabe xauta.421 Cornu deriva do latim hipotético clauditare por claudicare.422 Aparece na cantiga de número 65.

Caiman

s.m. De origem incerta. Lokotisch e Diego derivam do taino kaiman.423 Ureña e Carominas424 vêem probabilidade de origem caribe, ao lado da Academia Espanhola que também admite a mesma procedência, porém propondo o termo acagoumán.425 Entretanto Friederici, que estudou com mais desenvoltura, diz não acreditar na procedência direta do caribe: Ich glaube nicht, dass das Wort der Sprache der Insel-Karaiben als ursprünglich und alteinheimisch angehort.426 Depois de estudar, com vasta documentação, o seu transito na antiga literatura hispânica da conquista das Américas, propõe uma origem africana, sem contudo dar maiores explicações e do documentação, limitando-se apenas a dizer: – Dagegen weist manches darauf hin, dass das Wort cayman – änlich wie almodía, banana, bacaba, macaco, papagayo – ursprünlich aus Afrika stammt und durch die Portugiesen und Spanier und Wester bald durch die afrikanichen Negersklaven in die Neu Welt gebracht worden ist.427

161

O vocábulo está espalhado pelas Américas e já se incorporou ao léxico romeno. O dicionário da Academia Romena registra caiman e remete para o verbete aligator que define como – Specie de crocodil care trãieste in fluviile Americii (Aligator mississippiensis ).428 Está documentado na língua escrita desde 1530. Montoya e Restivo o registram traduzindo por yacaré.429 Também se encontra em Piso,430 Marcgrave431 e Nieuhof.432 Aparece na cantiga de número 64.

Cocorocô

Voz onomatopeica emitida pelos galos, já registrada por Júlio de Lemos.433 Aparece na cantiga número 85.

162

Coité

s.m. Nome próprio designativo de uma localidade no Estado da Paraíba. Martius registra juntamente com a variante Cuité, erva.434 Aparece na cantiga número 70.

Colongolô

Termo desconhecido na sua origem e na sua acepcão. Aparece na cantiga número 111.

Comade

s.m. Corrutela de comadre. Do latim comater veio italiano, comare; logudorês, comare; espanhol, comadre; engadinês, komer; português, comadre; provençal, comaire; friaulano, komari; catalão, comare e francês, comaire. O romeno435 não dispõe dêste vocábulo, do mesmo modo que o maculino compadre, entretanto tem as formas populares cumatra, cumetre para o feminino e cumatru, cumetri, cumetre para o masculino, com a acepção de padrinho e madrinha extensiva às pessoas idosas, que desfrutam de certa intimidade na família, como ocorre no Brasil com as expressões compadre comadre, funcionando como tratamento respeitoso. Mesmo assim a procedência dessas palavras não é latina: – stamm aus dem Slav, como diz Meyer-Lübke.436 Aparece na cantiga número 8.

Convidô

v. Corrutela de convidou, do verbo convidar. Propõe Meyer-Lübke o latim hipotético convitare, derivado de invitare com troca do prefixo por influência de convívium, banquete,437 aceito por Nunes,438 Nascentes,439 José Pedro Machado440 e Carominas.441 Wartburg também o aceita, porém dando alguns esclarecimentos sobre a sua história, dizendo que Wohl aus dem mlt. der klöster übernomen hess. convitieren, convitare ist wohl schon in spatern lt. gebildet worden. Mais adiante, comentando a explicação de Gröber e Meyer-Lübke, esclarece que halten es für eine umbildung von invitare nach convivium. Es könnte sich auch sehr wohl einfach um einem wechsel des präfixes handeln, begründet in depeziellen bed. von conitare. Dieses wird nur gebraucht wenn mehrere personen eingeladen, “zusammen” geladen werden, invitare auch wenn es sich um eine einzige person handelt.442 Aparece na cantiga número 1.

163

Cortá

v. Corrutela de cortar. Do latim cutare, encurtar.443 A seu respeito se expressou Wartburg: – Zum adj. curtus bildete das spatere lt., neben dem schon klt. belegten curtare verbum curtiare444 Aparece na cantiga número 29 e se acha documentada em Afonso X.444a

Cu

s.m. Com este vocábulo, o povo ora designa o orifício do intestino, comummente conhecido por ânus, ora as partes traseiras em que o homem ou animal se apóiam para sentarem, também chamadas nádegas ou bunda, termo africano tão popular quanto a palavra cu. Parece que a primeira acepção é a mais antiga e já no tempo de Catulo, segundo Walde / Hofmann chamavam de culus, ie Mündung des Mastdarms, de Hintere.445 O latim culus vive em todos os idiomas românicos, dando o português, cu; espanhol, culo; italiano, culo; francês, cul; logudorês, kulu; engadinês, kul; friaulano, kul; provençal, cul; catalão, cul; romeno, cur;446 reto-romeno 447 e istro-romeno, cur.448

164

Em português o vocábulo já se acha documentado na Crônica de D. João I de Fernão Lopes449 e no Livro de Falcoaria de Pero Menino.450 Designa também o fundo de qualquer coisa, como panela, frasco, chaleira e outros objetos, não só em português, como em italiano,451 francês452 e espanhol.453 Aparece na cantiga número 109.

Cum

prep. Corrutela de com. Do latim cum.454 Na língua antiga aparece sob as formas com e co, documentadas no Portugaliæ Monumenta Historica, sendo a primeira no ano 1051, no volume dos Diplomata et Chartæ455 e a segunda n volume dos Scriptores.456 Aparece na cantiga número 1.

165

Cumi

v. Corrutela de comi do verbo comer. Do latim comedere.457 A seu respeito se expressou Wartburg: – Lt comedere tritt schon früh neben edere auf und wind dann dessen ersatz in gebildeten kreisen, wahred manducare als vulgär empfunden wird. Comedere ist in sp. pg. comer geblieben.458 Esta observação foi alhures mais desenvolvida.459 O vocábulo é antigo na língua e está registrado nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Leges et Consuetudines.460 Aparece na cantiga número 22.

Cumpade

s.m.Corrutela de compadre. O latim compater espalhou pelas línguas românicas, à exceção do romeno, dando em italiano, compare; espanhol, compadre; engadinês, kumper; português, compadre; friaulano, kopari; catalão, compar; provençal, compare. Com referência à sua história, Wartburg que melhor o estudou, assim se expressou: – Lt. compater ist als ausdruck der kirche entstanden; es drückt die mitve antwortung aus, die der pate übernimmt. Der erste beleg stammt von ca. 680, also ein jh. später als commater. Doch ist bei der spärlichkeit der belege gleichwohl möglich, dass beide wörter gleichzeitung, geschaffen worden sind.461 Estudou-o também Meyer-Lübke,462 Nascentes,463 Carominas464 e José Pedro Machado.465 Aparece nas cantigas de números 8 e 35.

Delegacia

s.f. Designa uma unidade da Secretaria de Segurança Pública. Também se emprega como sinónimo de Secretaria de Segurança, como é o caso da cantiga número 127.

166

O vocábulo deriva do latim delegatus, aquele a quem se delega uma missão ou autoridade,466 mais o sufixo ia.

Dendê

s.m. Planta da família das palmáceas (Elaesis guineensis, Linneu). Também conhecido por dendêzeiro, foi o dendê trazido para o Brasil pelos negros africanos, sem contudo se poder precisar a data exata. A origem da palavra ainda é desconhecida, apenas se podendo afirmar que a denominação é bem antiga e não recente como pensa Edison Carneiro.467 Em 1808 Vilhena já escrevia que: Dendezeiro he huma outra palmeira que se eleva bastante e engrossa e de que as palmas são em extremo compridas, no ôlho desta, junto a elle brotão grandes cachos, com bagos fechados como as uvas e do tamanho das nossas castanhas, muito agradáveis à vista: destes se pode extrair duas qualidades de azeite chamado de Palma e aqui de Dendê, de que vem muitos barris da costa da Mina, por ser o tempero das viandas dos pretos e de muitos brancos alem do que he tão bem muito medicinal 468

Curioso é que no mesmo local onde Edison Carneiro presume ser recente a denominação dendê, faz uma citação de Vilhena, sem indicação de página, onde o autor das Cartas Soteropolitanas se refere à palavra no início do século passado. Anterior a Vilhena, no decorrer de 1700, Elias Alexandre da Silva Corrêa, menciona o termo dendê, quando diz que Os Côcos da palmeira a q. no Brasil chamão de Dendê, são pizados, e depois fervidos da mesma forma, q. o Amendoim. O azeite extraido hé amarello, de consistência de graxa, q. no tempo do Cassimbo quálha, e só ao fogo se desliga. Elle serve de tempero commum aos guizados do pais. Os Nascionaes comem os Côcos crúz, e os Negros certanejos se sustentão de bagaço, novamente pizado, e torrado ao fogo; comida mas ordinaria no certão de Benguella a Velha, e no Novo Redondo, de donde exportão maior quantidade de azeite. Os negros uzão delle para untar o corpo, q. lhes faz a pelle macia, e Lustoza. Nos combates escapão melhor as maons dos seus contrarios, adoptando por systema expôr se nuz, e ungidos, em todas as acçoens de guerra. Os Armadores de escravos o fazem embarcar com elles; assim para temperar-lhes a escabrozidade das sarnas, q. os presseguem em viagem. Hé medicinal, e faz prodigioso effeito aplicado a fleimoens malignos; misturando com fuba, ou farinha de milho. Hum barril de Azeite de palma de 4 em pipa custa sete ou oito mil reis. As Quitandeiras o distribuem a pequenas medidas, correspondentes athé o mais minimo dinheiro.469 Aparece na cantiga número 33.

167

Dero

v. Corrutela de deram do verbo dar. O latim dare, dar, outorgar deu o romeno, da; friaulano, da; italiano, dare; logudorês, dare; engadinês, der; provençal, dar; catalão, dar; espanhol, dar; português, dar.470 Aparece em documento do ano 986, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartæ.471 Cortesão apresenta farta documentação.472 Com referência às cantigas, encontra-se na de número 54.

Digêro

adj. Corrutela de ligeiro. Nunes deriva diretamente de leviariu.472a Entretanto, Meyer-Lübke, Carominas e Magne,473 encampando a tese do latim hipotético leviarus, proposta por Diez,474 admitem que este tenha dado o francês léger e daí se espalhado pelas línguas românicas. Sobre a sua existência no românico, assim se manifestou Wartburg: – Vorliegende Wortfamilie lebt in einheinischer gestalt nur in galloram. (oben I 1) und in kat. lleuger. Diese formen verlangen eine grundlage levarius, die offenbar von levius abgeleitet ist und dieses verdrangt hat. Von Frankreich aus ist das adj. in die andern rom. Sprachen eingedrungen, vielleicht, wegen seines psychologischen sinnes, mit der hofischen literatur.475

168

Na língua portuguesa aparece documentado em A Demanda do Santo Graal.476 Com referência às cantigas está na de número 80.

Diguidum

Termo de origem e acepção desconhecidas. Aparece na cantiga de número 49.

Discipo

s.m. Corrutela de discípulo, do latim discipulus.477 Aparece na cantiga número 3.

Dois de Ôro

s.m. Nome próprio personativo (apelido). Corrutela de Dois de Ouro. Aparece nas cantigas números 124 e 125.

Dois minréis

Corrutela de dois mil réis. A fusão dos numerais ao nome da moeda é fenómeno comuníssimo, não só no Brasil como em Portugal e nas áreas do creoulo português. Leite de Vasconcelos, que estudou os dialetos algárvios, assim se manifesta:– O m nasala em vogais que se lhe seguem– em menza (–mesa) e min-reis (mi–réis = mil réis, onde o l se absorveu no r).478 Muito corrente na linguagem popular é também derréis (dez réis), sobretudo na expressão derréis de mé cuada (dez réis de mel coado). Diz-se geralmente quando alguém vai propor venda de algo e só quer pagar preço multo aquém do valor, então se diz que se quer comprar por derréis de mé cuada. Derréis em Portugal é comuníssimo. Ainda é o próprio Leite de Vasconcelos quem assim afirma: – Esta expressão constitui já hoje uma palavra só. Em todo o país se pronuncia assim; só por afetação se diz dez-réis (como é vulgar ouvir dos empregados do correio em Lisboa, quando estão a vender estampilhas).479

169

Dusôtro

Corrutela de dos outros. Aparece na cantiga número 37.

Enricô

v. Corrutela de enricou do verbo enricar. Enricar vem de rico que por sua vez vem do gótico reiks, rico.480 Gamillscheg que estudou o seu desenvolvimento nas línguas românicas deu o seguinte depoimento: –Zu den altesten Romanisierung dürfte auch die von gotisch reiks ‘machtig’ gehoren; s. prov. ric, rico, kat. rich, rico ‘mächtig, reich, ausgezeichnet’, span., port. rico ‘reich’ u.ä.; ital. ricco, in dem wohl das altere ricus mit dem jüngeren langobardischen rihhi zusammentrifft.481 Na língua portuguesa aparece registrado em Moraes.482 0 verbo enricar está na cantiga número 98.

Ensaminô

v. Corrutela de examinou do verbo examinar, do latim examinare.483 Encontra-se documentado na Crônica dos Frades Menores.484 Aparece na cantiga de número 63.

170

Escramô

v. Corrutela de exclamo, do verbo exclamar, do latim exclamare.485 Aparece na cantiga número 63.

Espece

s.f. Corrutela de espécie do latim species, vista, imagem, e dentre outras dão Walde/Hofmann a acepção de aspeto (Aussehen),486 a mesma da cantiga número 1.

Falô

v. Corrutela de falou do verbo falar do latim fabulare, falar, conversar. Admitem Serafim da Silva Neto, Huber, Cornu e Carominas que tenha havido um cambio, ainda que pouco freqüente, devido ao influxo do antônimo falar.487 Sobre a sua história em latim e íbero-romanico, vale a pena transcrever a seguinte observação de Carominas: - La variante leonesa falar (hoy gall.-port. y ast. falar, v) se halla ya en Alex., 1.537, 2.310 (pero favlar, ibid. 761). Fabulari ‘hablar’ en latin aparece en las cronicas del S.II a.C. (‘aqui Osce et Volsce fabulantur; nam Latine nesciunt’, Titimio, 104); lo evitan los clasicos, pero seguió viviendo en una parte del Latin vulgar. En romance es palabra tipica del castellano y el gallegoportugués (una variante fabellare ha dejado descendientes sobre todo en Italia); los romances de Francia e Italia y el catalan han preferido parabolare (vid parlar). Para construcciones y acs. especiales, vid. Aut. y demais diccionarios. Notese especialmente la construción de hablar empleada absolutamente con acusativo de persona, en el sentido de ‘dirigir la palabra (a alguno)’, que existia en la lengua medieval y hoy se ha hecho general en gran parte de America, mientras en Espana solo se emplea hablarle (a él o a ella): ‘fuyme para la dueña, fablóme e fabléla’ (J. Ruiz, 1.502c, rimando con candela; 1.495b), ‘aquellas mismas labradoras que venian con ella, que hablamos a la salida del Toboso’, ‘en qué conoció a la senora nuestra ama, y si la habló, qué dixo’ (Quijote II, XXIII, 89v, 90r), y muy comun en Lope (Cuervo, Rom. XXIV, 112n.) hoy parece ser normal en toda la America de Sur y del Centro.488 Na língua portuguesa aparece entre os anos de 1188 e 1230 nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Leges et Consuetudines.489 Dentre as cantigas de capoeira, encontra-se na de número 136.

171

Fia

s.f. Corrutela de filha. Do latim filius,490 o que se espalhou por todas as línguas românicas ou como diz Carominas: –General en todas las épocas y comun a todos los romances.491 Está documentado nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Leges et Consuetudines.492 Aparece na cantiga número 54.

v. Corrutela de for do verbo ser. Ser resulta da fusão de dois verbos latinos esse, ser e sedere, sentar.493 Para a sua história na época medieval há o excelente estudo de Magne, no glossário de A Demanda do Santo Graal, quando trata do verbete ser.494 Aparece na cantiga de número 7.

Frêra

s.f. Corrutela de freira, derivado de freire. Leite de Vasconcelos, quem melhor explicou a história do termo, afirmou: – Esta palavra, como várias outras, está ligada com a história das ordens religiosas entre nós. Não pode ter vindo diretamente do latim fratre, pois que fratre deu frade. A origem direta ou indireta está no provençal fraire; digo direta ou indireta, porque pode ter servido de intermédio o espanhol antigo fraire (mod. fraile). Os nossos documentos dos séculos XII e XIII apresentam freire (freyre), e com dissimilação do grupo fr, também fleire; o ditongo ei é evolução normal de ai; ainda porém no século XIV há fraire. Daqui vem o feminino faira e freira.– Da França, relacionado com o monaquismo, passou para cá também o vocábulo monje, e (com creio) granja, ambos eles existentes em provençal; com granja cfr. também o fr. grange.– De freire fêz-se frei em próclise; de fato, frei só se usa antes do nome a que se refere. Síncope análoga se observa em Castel-Branco, Fonseca < Fonte seca, Monsanto < Monte santo.– No onomástico da Beira há Casfreires < Casa dos freires.495 Aparece na cantiga número 107.

172

Gaiamun

s.m. Espécie de crustáceo da mesma família dos caranguejos (Cardisona guanhumi, Lattreille). Teodoro Sampaio tira do tupi guaia-m-un, o caranguejo preto ou azulado.495a Gabriel Soares se refere a ele, dizendo que os índios o denominavam de goiarara.496 Marcgrave chama de guanhumi 497 e Piso do mesmo modo.498 Frei Vicente do Salvador, além de chamar gaiamu, fornece detalhes sôbre os seus hábitos dizendo que: – ;Ha muitas castas de carangueijos, não só na agoa do mar, e nas praias entre os mangues; mas tambem em terra entre os mattos ha huns de cor azul chamados guaiamús os quaes em as primeiras agoas do inverno, que são em Fevereiro, quando estão mais gordos e as femeas cheias de ovas, se sahem das covas, e se andam vagando pelo campo, e estradas, e metendo-se pelas casas para que os comão.499 Dentre os viajantes que por aqui passaram, no século passado o príncipe Wied-Neuwied500 observou essa casta de crustáceos. Aparece na cantiga de número 14.

173

Gamelêra

s.f. Corrutela de gameleira, árvore da família da moráceas, pertencente ao gênero fícus (Ficus doliaria, Mart.) Árvore de grande porte e utilizada para fabricação de canoas, vasos e gamelas. Gameleira deriva de gamela, que por sua vez, é o latim camella, vaso para beber.501 Meyer-Lübke admite o latim camella sòmente para o italiano que deu gamella e este gerou as demais línguas românicas.502 Tese essa a que Carominas reage violentamente, argumentando que Basta la documentación para probar el error de M-L (Rew 1543), a soponer que sea italianismo en los demás romances; M-L se desorientó por la no diptongación de la e tonica, mas puede asegurarse que el lat. camella tenia e como querella > querella. Camella aparece en latin desde Liberio (princ. S.I. a.C.) y es frecuente en el lexico popular del Satiricon; hay variante gamella em Terencio Scauro (princ. S. II d. C. ), ALLG XI 331.503 Aparece na cantiga número 45.

Gamgambá

s.m. Corrutela de mangangá. Designa um inseto da classe dos dípteros chamado besouro. Teodoro Sampaio registra mangangá e deriva do tupi mang-ã-caba, contracto em mang-ã-cá a vêspa de giro alto.504 Montoya apenas registra o termo mangangá.505 Restivo vertendo o espanhol abejon para o tupi, fá-lo por mamangá.506 Da mesma maneira que Restivo, registram a variante mamangá, Stradelli,507 Tastevin508 e Batista Caetano.509 Macedo Soares, em 1880, depois de citar o étimo de Montoya, tenta propor uma origem bunda infelizmente não passando de fantasia a explicação que dá.510 Entretanto, em 1889, ao publicar o seu dicionário, registra o vocábulo, insistindo na tese anterior, porém dando, paralela à mesma, uma origem tupi, vinda de mamangaba.511 A palavra, além de designar o inseto, designa também pessoa importante e poderosa, acepção já registrada por Laudelino Freire512 e Viotti.513 E nessa acepção que está na cantiga número67.

174

Gereba

Nome próprio. Teodoro Sampaio registra como corrutela de yereba, o gigante, o que volteia, bem como o nome dado ao urubu-rei, grande voador.514 Designa nome de aguardente na Bahia. Laudelino Freire515 e Figueiredo516 dão com a acepção de indivíduo desajeitado e gingão. Entretanto, na cantiga número 94 está como apelido de tipos populares. Quando garoto, conheci um dêsses tipos com o apelido de Gereba, que a meninada sempre importunava, gritando: Gereba!… Quebra Gereba!…

Güenta

v. Corrutela de agüenta do verbo agüentar. O italiano agguantare, agarrar, apanhar foi o responsavel pelo português agüentar e os demais romances.517 Adolfo Coelho518 foi o primeiro a propor este étimo dizendo que o mesmo deriva do genovês guanto, como o faz hoje Battisti/ Alessio.519 No caso do português diz Carominas que se deve à preferencia do idioma pelo sufixo entar.520 Ao lado deste étimo há outro proposto por Cortesão, que é o espanhol aguantar que prende, com duvida, ao latim ad e cunctari, deter-se, parar.521

175

Gunga

s.m. Berimbau. De origem bunda. Já Cannecattin derivava do quimbundo ngunga, sino.522 Macedo Soares,523 que vê a mesma origem, conta que quando estudante no Seminário de São José, juntamente com seus colegas, chamavam o porteiro do colégio de Mateus Gunga, devido à sua função de sineiro da portaria e que o apelido era tradicional. Atualmente o termo gunga designa o berimbau, instrumento musical usado na capoeira. Aparece nas cantigas números 9 e 10.

Home

s.m. Corrutela de homem. O latim homine, homem, pessoa deu o romeno om; italiano, uomo; logudorês, ómine; engadinês, um; friaulano, om; francês, homme; provençal ome; espanhol, hombre; português, homem; antigo italiano uomo; antigo francês, on antigo provençal, om; antigo catalão, om; antigo espanhol, homne; antigo português, ome, omee, omem,524 aparecendo nos mais antigos documentos da língua. Nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume da Leges et Consuetudines é visto em documento datado do an 1152.525 Nas cantigas, aparece nas de números 26, 29, 83.

I

v. Corrutela de ir do verbo ir, do latim ire, andar, avançar, ir, espalhado pelas línguas românicas.526 Sua conjugação, fortemente irregular, já desde o português antigo apresentava formas derivadas de ire, uadere e esse.527 Aparece na língua portuguesa, em documento do ano 944, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartae.528 Está nas cantigas números 83, 88 e 138.

176

Idalina

s.f. Nome próprio personativo. De Idalia, “nome de uma cidade da ilha de Chipre, onde havia um templo de Venus, pelo que os nossos poetas dizem freqüentemente Venus Idalia. Nas Lusíadas, IX, 25: Idalios amantes.529 Aparece nas cantigas números 96 e 121.

Iê!

Interj. Corrutela de ê! Só tenho conhecimento de seu uso exclusivamente, nas cantigas de capoeira, como na de número 2.

Ilha de Maré

Nome de uma ilha pertencente ao Estado da Bahia. Aparece nas cantigas números 61 e 64.

Imbora

adv. Corrutela de embora, que por sua vez deriva da locução em boa hora,530 que Leite de Vasconcelos531 acha que não é outra coisa senão resquício da superstição antiqüíssima das horas boas e más, a qual ainda hoje existe no Brasil. Embora, além de funcionar como advérbio, a exemplo da cantiga n.º 2, funciona também como conjunção, interjeição e substantivo como sinónimo de parabens, felicitações.532 O oposto a embora (em boa hora), dentro do ponto de vista das superstições, é em ora má, usadíssimo na língua antiga, especialmente em Gil Vicente, sob as variantes eramá, eremá, aramá, ieramá, earamá e muitieramá.533

177

In

prep. Corrutela de em, do latim in. Aparece nas cantiga números 15, 118, 126.

Inducação

s.m. Corrutela de educação, derivado do latim educatione, educação, instrução.534 Aparece na cantiga número 42.

Inganadó

adj. Corrutela de enganador, derivado de enganar que por sua vez vem do latim tardio ingannare.535 Aparece na cantiga de número 12.

Insinô

v. Corrutela de ensinou do verbo ensinar, que provém do latim hipotético insignare, que se espalhou por diversa línguas românicas.536 Aparece na cantiga número 2.

Intá

Contração de onde está. É usadíssima na linguagem do povo, principalmente com os verbos ir e estar. Diz-se muito: – Fui intá fulano. Vou intá beltrano. Estive intá sicrano. A seu lado, há dintá, que é a contração de de onde está, usada com o verbo vir, como em Vim dintá fulano. Aparece na cantiga número 88.

Itabaianinha

Nome de uma cidade do Estado de Sergipe. Diminutivo de Itabaiana, que Martius propôs dois étimos– ita, pedra, rochedo, aba, homem, e oane, já, agora. O outro é il taba oane, sua (deserto homem) casa.537 cantiga 107

178

Itapa

s.m. Na cantiga número 76 aparece como nome próprio, designativo de um navio. Diz Viotti que Ita é o designativo dos navios do Lloyd Brasileiro e que os nomes desses ditos começavam em geral por ita.538

Iuna

s.f. Nome dado a um toque de berimbau, usado no jogo da capoeira. Aparece na cantiga número 5. De origem ainda desconhecida.

Jaca dura

s.f. Fruta (Artocarpus integrifolia, Linneu). Na Bahia, de acordo com a consistência da porção carnosa, ela se distingue em jaca dura e jaca mole. O termo jaca, segundo Dalgado, vem do malaiala chakka,539 aceito por Nascentes540 e José Pedro Machado.541 cantiga 6

Jogá

v. Corrutela de jogar, verbo jogar. Meyer-Lübke,542 Diez,543 Carominas,544 Pidal545 e Wartburg546 derivam de jocari, brincar, divertir-se. Pidal, estudando o Cantar de Mio Cid, encontrou uma vacilação entre o e u no verbo jogar, daí admitir uma base hipotética jucare junto a jocare.547 Já Wartburg, depois de dizer que jocari aparece no latim tardio, lembra estar o mesmo em lugar de ludere. Lt. jocari ‘scherzen’ zu jocus, beginnt schon im spätern latein an die stelle von ludere ‘spielen’ zu treten.548 Jogar se acha espalhado pela línguas românicas. No português antigo, aparece na variante jogatar, em Fernão Lopes Castanheda.549 Aparece na cantiga número 138.

179

Japão

s.m. Nome próprio de um país da Ásia. O vocábulo Japão, segundo Xavier Fernandes, é a transcrição fonética da pronúncia corrompida de Nippon,550 que João Ribeiro deriva de Nitus, sol e Hon, nascer.551 Aparece nas cantigas números 76, 78.

Ladeira de São Bento

s.f. Nome próprio designativo de uma rua da cidade do Salvador. Chama-se assim por ser uma pequena ladeira, que dá acesso ao Mosteiro de São Bento. Aparece na cantiga número 100.

Ladeira da Misericórdia

s.f. Nome próprio designativo de uma rua da cidade do Salvador. Chama-se assim por ser uma ladeira situada no fundo da Santa Casa da Misericórdia. Aparece na cantiga número 58.

Ladeira do Tengo

s.f. Nome próprio designativo de uma rua da cidade do Salvador. Não consegui localizá-la, nem muito menos a origem do seu nome. Aparece na cantiga número 101.

Lambaio

s.m. Bajulador, adulador. Creio que o vocábulo se prende ao verbo lamber, derivado de lambere, lamber, lavar,552 com representação nas línguas românicas. Carominas chama atenção para a grande popularidade do vocábulo, na América, passando a enumerar os vários derivados de lame (lamber), dentre eles lambrucio, significando adulador.553 Aparece na cantiga número 91.

Lampião

s.m. Nome próprio do famoso cangaceiro do Nordeste do Brasil, Virgolino Ferreira da Silva, nascido na paróquia de Floresta de Navo, em Pernambuco, a 4 de junho de 1898 e morto a tiro de fuzil na cabeça, numa gruta da Fazenda Angicos, Porto da Folha em Sergipe, na madrugada de 28 de julho de 1938.554 A origem do nome é o italiano lampione, aumentativo de lampa, que se espalhou pelas línguas românicas.555 Cascudo transcreve uma explicação da origem do nome do cangaceiro, pelo próprio, ao major Optato Gueiros, da Polícia Militar de Pernambuco, que combateu contra ele. Perguntei por que lhe deram esse apelido de Lampião. –Isso foi no Ceará, disse, houve lá uns tiros, tempo de inverno, as noites eram muito escuras, um companheiro deixo cair um cigarro e, como não o achou, eu disse-lhe quando eu disparar, no clarão do tiro, procure o cigarro; e assim foi, quando eu detonava o rifle, dizia: acende, lampião!556 Aparece na cantiga número 69.

180

cantiga 6 Lemba

s.m. Corrutela de Elégba, o mesmo que Elégbará,557 um dos designativos do deus nagô Exu. Aparece na cantiga número 62.

Licuri

s.m. Palmeira silvestre que possui uns pequenos cocos (Cocos coronata, Mart.) Teodoro Sampaio diz ser a planta comuníssima, nas regiões secas do norte do Brasil, mas com a denominação mais freqüente de ouricury, que ele deriva de airi-curii, o cacho amiudado, ou repetido e mais adiante dá as variantes uricuri, aricuri, licuri, nicuri, iriricury e mucury.558 Em 1587, quando escreveu o Tratado Descritivo do Brasil, Gabriel Soares de Souza já fazia o apanágio dos ouricuris: – As principais palmeiras bravas da Bahia são as que chamam ururucuri, que não são muito altas, e dão uns cachos de cocos muito miúdos do tamanho e cor dos abricoques por ser brando e de sofrível sabor; e quebrando-lhe o caroço, d'onde se lhe tira um miolo como das avelãs, que é alvo tenro e muito saboroso, os quais coquinhos são mui estimados de todos.559 Também se referem à planta, Piso560 e Marcgrave.561 Aparece na cantiga número 50.

181

Loiá

Contração de lá oiá, corrutela de lá olhar. Aparece na cantiga número 74.

Luanda

s.f. Nome de uma cidade africana e capital de Angola. Anteriormente o nome da capital era somente São Paulo da Assunção, dado pelos portugueses. Chamaram de São Paulo em virtude de se terem apossado da cidade, no dia da conversão de São Paulo, e de Assunção por terem restaurado a mesma, no dia da Assunção da Virgem Maria.561a Mais tarde substituíram da Assunção por de Luanda, ficando São Paulo de Luanda, ou simplesmente Luanda, como é mais conhecida em nossos dias. Luanda, segundo Cannecattin, quer dizer tributo.561b A razão semântica para o nome da capital de Angola pode ser esclarecida através algumas informações de Frei Luís de Souza a respeito. Conta o referido clérigo que por volta de 1607, quando reinava em Portugal el-Rei Dom Felipe II em Portugal e III na Espanha, chegaram a Lisboa dois embaixadores de Dom Alvaro, Rei do Congo, fazendo entre outras propostas a de que Sua Majestade mandasse religiosa do hábito de São Domingos, para pregar a fé cristã, no reino do Congo. Era Provincial o Padre Frei João da Cruz, eleito pela segunda vez em 1608, então el-Rei mandou levar-lhe proposta a fim de saber de sua decisão, antes porém aconselhando atendê-la. Aquiescendo, a 25 de março de 1610 mandou três sacerdotes pregadores e um irmão converso. Chegaram à cidade de São Paulo de Luanda a 3 de julho, seguindo por terra para o Congo. Como as primeiras terras que se passam, saindo de Angola para entrar no Congo, são as de Bamba, governada pelo Duque de Bamba e Capitão-Geral do Reino, Dom Antônio da Silva, o Provincial fecantiga 6z lhe saber de sua vinda, para cair-lhe nas graças e ser bem recebido, ao que o dito respondeu:

182

– “Polla de Vossa Reverencia, que me fez charidade escrever, soube de sua boa chegada a essa Luanda de saude, com os mais Padres seus companheiros, de que me alegrei summamente na alma. Permita Deos Nosso Senhor conservalla sempre por mui largos annos, pera seu sancto serviço e pera consolação espiritual d'estes Reinos de Congo. Amen. Sua Alteza el-Rei meu senhor me fêz mercê avisar por carta sua, que mandasse a Vossa Reverencia alguns copos de zimbo que o dito Senhor lhe manda dar pera sua despeza, e erramba do caminho: os quais lhe mando agora a Vossa Reverencia por entender lhe não servem n'essa Loanda. Pollo que os tenho aqui guardados até saber o que Vossa Reverencia mandal sobre elles: o que peço me faça charidade mandarme logo aviso: porque com elle farei tudo o que Vossa Reverencia me ordenar. Novas minhas são ficar no presente de saude, Deos louvado pera sempre, com grandes desejos de querer ver a Vossa Reverencia com os mais reverendos Padres seus companheiros, a quem Deos Nosso Senhor traga todos com muita vida, e saude, como este seu filho d'alma deseja, etc. De Bamba a 20 de Agosto de 610 annos. De Vossa Reverencia filho d'alma o Duque de Bamba, Capitão-Geral, Dom Antoni da Silva”.561c

Em seguida dá a seguinte explicação do que seja o zimbo, sua aquisição e aplicação:

– “O zimbo que esta Carta nomeia he hum genero de buzio muito meudo, e cres pinho e de boa vista, que se pesca no porto de Loanda em Angola; o qual passa por moeda corrente por estes Reinos de Angola e Congo: val cada cento hum tostão. O copo he como medida, que leva dez milheiros, e val dez mil reis. D'esta pescaria he senhor el-Rei de Congo, e pera fazer, que eu de grande proveiro, tem hum Capitão na ilha, que fica defront ede Loanda, onde he a força da pesca, e da-lhe reputação não haver por toda esta costa semelhante buzio”.561d

Ainda a propósito do zimbo há uma informação valiosíssima dada por Elias Alexandre da Silva Correia, no século seguinte à vinda a lume, por Frei Luís de Souza e que passo a transcrever:

183

– “Zimbo–Dinheiro do Certão. A pesca deste marisco hé tão necessaria quanto importante ao commercio da Conquista. O animalzinho, q. nelle se encerra hé mais disgraçado do q. os outros da mesma especie, pelo pouco tempo q. vive, sendo continuamente procurado. Este miudissimo marisco de figura piramidal, matizado de delicadas pintas pretas em ordem espiral, sobre huma superficie liza, brilhante, de côr de perola, hé pescado por meio de cestinhos sobre a Costa do mar graço. Em quanto os Negros vão A pesca do peixe em alto mar; as Negras se empenhão na pescaria do Zimbo arrastando os compridos cestinhos por cima da area, –altura d'agoa, q. ou alcancem os braços; ou rastejem o fundo a pequenos mergulhos. Escolhidos depois de entre outros mais grosseiro se expõem ao Ar para q. o Marisquinho morra, e se consuma no seu galante tumulo”.

Para se conhecer a importancia deste Artigo; ou ganancia desta pescaria; exporei na Taboada seguinte a qualidades de moedas ou divizoens concernentes ao valor do Zimbo, reduzido ao nosso dinheiro.

Os Negros do Certão, principalmente os do Congo amão estes marisquinhos, q. recebem bem contado com incrível paciencia; dividindo cada Funda em quantidade miudas, q. equivallão às moedas de vintem, vinte e cinco reis, dez reis, doze reis e meio, cinco reis; dinheiro provincial do paiz, q. somente gira em Angola e Benguella Sem a moeda do Zimbo não se faz negocio com os negros, mas ella não se limita somente a esta classe de marisco.

Por não deixar o Leitor na ignorancia de todo o comercio praticado com os Negros pela moeda do Marisco passo a inserir neste Artigo a diversidade dele, não obstante ser pescado fora da Conquista, e por consequencia alheio do objecto a que me proponho: com tudo: augmentado de valor entretem os Comerciantes Angolense com o avanço do seu lucro.

Alem do puro Zimbo mencionado, q. os comerciantes comprão a 3.000 reis cada Boudo: ha mais 3 qualidade q. correm por moeda: a saber: O Zimbo Cascalho: O cascalho escolhido; e os Buzios, dinheiro de menor valor pescado na Bahia de todos os Santos. Cada alqueire do 1.° custa alli 18 tostoens, q. reduzido A medida deste pai vem a ter 2 1/2 cazongueis, que se podem tomar por hum alqueire, e hua quarta; pois que 2/4as. do paiz fasem hum Cazonguel. Quando a estação hé fecunda em negocio se extrae este Zimbo para o Certão a 5.000 reis o Cazonguel vindo o comerciante a avançar 10.700 reis de lucro em cada alqueire da Bahia

184

O Zimbo cascalho, escolhido em outro Zimbo igual, e mais miudo forma a 2.a qualidade, e sendo superior a da mistura, custa alqueire na Bahia a 2:200 reis; e As vezes mais; porem oscantiga 6 Negros, ainda q. o preferem ao 1°. o recebem em igual preço. A ganancia do commerciante consiste na preferencia do negocio a favor delle. O Zimbo de mistura quando baixa de preço se vende entre os negociantes angolenses a 2:200 reis o Cazonguel, e do cascalho a 3, e a 4.500 reis.

Cada arroba de Buzios vale na Bahia 4:000 reis; nesta Conquista 12$. Para os Negros, q. não se agradão de o receber a peso contão 10.000 buzios por hum Bouda e o dividem em Lifucos, e Fundas, dando-lhe o valor correspondente a cada divizão. Com estes Buzios, custumão no Brazil, enfeitar os arreios dos Cavallos, e Bêstas, q transitão pelas estradas das Minas Geraes.561e

Como se vê, com o zimbo pescado nas praias de Luanda era com que se pagava o tributo ao rei do Congo,561f daí a razão semântica do nome da cidade e capital de Angola. Esse búzios, segundo depoimento de Vilhena, ainda em 1802 quando escreveu suas cartas, eram exportados daqui, para servir de moeda entre os negros das diferentes partes africanas.561g A palavra Luanda aparece nas cantigas números 2, 30, 31.

s.m. Corrutela de mar, do latim mare,562 que se espalho por todas as línguas românicas, divergindo apenas quanto ao género, que apesar do latim ser neutro, em alguns romances é masculino, em outros é feminino e os dois géneros para outros tantos. Aparece na cantiga número 81.

185

Maitá

Creio que seja corrutela de Humaitá devido à síncope da silaba inicial. Em face dos episódios da guerra do Brasil com o Paraguai, justamente na época em que os capoeiras começaram a chager ao auge em suas atividades, as cantigas se referem sempre a Humaitá, daí poder admitir-se a hipótese acima. Aparece na cantiga número 37.

MandacaruMandiguêroMandoMangangá
 
Maracangalha

s.f. Nome próprio designativo de um lugarejo no Estado da Bahia. Famoso no mundo da capoeira, devido às inúmeras façanhas do temivel capoeira Besouro. Depois imortalisado pelo cancioneiro Dorival Caymmi, com o samba que foi o maior sucesso na época:–

Eu vou pra Maracangalha
Eu vou
Eu vou de liforme branco
Eu vou
Eu vou de capeu de palha
Eu vou
Eu vou convidar Anália
Eu vou

Se Anália não quiser ir
Eu vou só
Eu vou só
Eu vou só
Se Anália não quiser ir
Eu vou só
Eu vou só
Eu vou só
Eu vou só sem Anália
Mais eu vou562a

186

Quanto à origem do nome ainda é desconhecida. Em interessante reportagem, Inácio de Alencar dá a seguinte explicação, dos habitantes do local : – Em época remota, que ninguém sabe precisar, mas que deve ter aí seus 200 anos, nos primórdios dos antigos engenhos, bandos de ciganos acampavam ali, constantemente, em suas andanças pelo sertão. Ao prepararem os animais para as viagens, gritavam uns para os outros ‘Amara a cangalha’. Os pretos escravos pegaram a coisa e passaram a repetir a palavra deturpada, para zombar dos ciganos. Com passar dos tempos, o uso se arraigou e Maracangalha entrou para a geografia do Brasil562b cantiga 136

Marimbondo

s.m. Tipo de inseto que faz casa nas árvores e ataca pessoas ou rebanhos de animais. Cannecatim563 dá o quibundo Marimbundo, formigão e em suas pegadas, Macedo Soares,564 Jacques Raimundo565 e Renato Mendonça, que apresenta a composição da palavra como sendo de ma, prefixo plural da quarta classe e ribondo, vespa.566 Piso já se refere ao nome desses insetos, porém pela variante marimbundas, dizendo que assim pronunciam os espanhois.567 Aparece na cantiga número 72.

Martelo

s.m. Nome dado pelo sertanejo a um verso de dez sílabas, com seis, sete, oito, nove ou dez linhas. Estudando os modelos do verso sertanejo, Cascudo explica o porquê da denominação de martelo para certo tipo de verso, dizendo que Pedro Jaime (1665-1727), professor de literatura na Universidade de Bolonha, diplomata e político, inventou os versos “martelianos” ou simplesmente “martelos”. Eram de doze sílabas, com rimas emparelhadas. Esse tipo de “alexandrino” nunca foi conhecido na poesia tradicional do Brasil. Ficou a denominação cuja origem erudita é viável em sua ligação clássica com os poetas portugueses do século XVII568 Aparece na cantiga número 1

187

Marvado

adj. Corrutela de malvado. Este vocábulo já preocupou por demais os filólogos, desde o século passado. Começou com Diez propondo male levatus para o espanhol malvar, malvado e o provençal malvat,569 provocando reação imediata de Meyer-Lübke : Prov. malvat ist nicht male levatus.570 O provençal malvat tem sido apontado como responsável por algumas representações românicas, dentre as quais a portuguesa malvado proposta por Nascentes571 e aceita por José Pedro Machado.572 Entretanto, as investigações recentes de Carominas573 fazem com que o mesmo admita a base latina malfatius, malvado, proposto em 1891 por Schuchardt,574 para todo o romance, inclusive o provençal malvat, com suas variantes malvatz, malvas, malvays, correntíssimas entre os trovadores provençais e recolhidas por Raynouard.575 Finalmente, e depois de apresentar farta documentação em torno de sua tese, afirma não ver como não aceitar tal étimo, vez que o transito fonético e semântico é regular.

Não obstante o esforço de Carominas, Diego, em 1943,576 depois de passar em revista toda uma série de proposições, feitas no século passado e hoje totalmente refutadas, passa a admitir o hipotético malefacens proposto por Nicholson, 577 étimo esse que é confirmado em 1954, 578 na mesma época em que Carominas publica a sua tese. Sem ter possibilidade de refutar a confirmação, pelo fator tempo, Carominas se opõe ao proposto anteriormente, denunciando e atacando a fonte de inspiração de Diego : – El causante parece ser el libro, desencaminado de Nicholson, Rech. de Philologie Romane; el Sr. Garcia de Diego parece ser el unico que lo tomo en serio. En mi libro no analiso jamás los trabajos de aquel profesor, que además de estar plagados de errores, no aportan nunca información filológico e demuenstran un desconocimiento total de las normas de la linguistica.579 aparece na cantiga número 35.

188

Mandacaru

s.m. Planta da família das cactáceas (Cereus jamarecu, De Candolle). Theodoro Sampaio deriva de mandacaru, o feixe ou molho pungente. 580 Igualmente Montoya581, Batista Caetano582 e Stradelli583. Encontra-se estudado por Marcgrave584 e Piso585. Aparece na cantiga número 29.

Mandinguêro

adj. Corrutela de mandingueiro. Deriva de mandinga, feitiço, bruxaria e nos paises latino-americanos designa o diabo. Atribuem Renato Mendonça586 e Jacques Raimundo587 a origem du substantivo mandinga ao nome geográfico Mandinga, região da África Ocidental, habitada pelos povos banhados pelos rios Niger, Senegal e Gâmbia,588 onde havia excellentes feiticeiros. Moraes589 registra o substantivo e o adjetivo. Na América do Sul já foi registrado com as acepções acima por Carominas,590 Lenz591 e Granada.592 Aparece na cantiga número 2.

189

Mando

v. Corrutela de mandou do verbo mandar, do latim mandare,593 com representação românica. A documentação na língua antiga data do ano 1064, registrada nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume do Diplomata e Chartæ.594 Aparece na cantiga número 56.

Mangangá

s.m. o mesmo que gamgambá.

Matô

v. Corrutela de matou do verbo matar. de origem controversa. Há uma maioria que deriva de mactare, imolar as vitimas sagradas, como Diez595, Cornu,596 Adolfo Coelho597 e Diego598. Por outro lado, existe a tese da origem perso-Arabe derivado de mat, morto, proposto por Meyer-Lübke,599 que Carolina Michaëlis ao aceitar explica dizendo que a meu ver provém do Arabe mate, morto, empregado no jogo de xadrez, na fórmula xeque-mate (cheque-mate ou xamate) o rei esta morto.600 Mais tarde, Lokotish também perfilhou a tese e ao fazê-lo refuta a possibilidade de se admitir mactare, pelo impasse fonético criado pelo grupo ct.601 Voltando a tese latim, Bourciez, estudando o problema na península ibérica assim se manifestou: – En Ibérie on a préféré mactare, devenu de bonne heure mattare (esp. ptg. matar sans doute sous l'influence d'un terme vulgaire matteare ‘assommer le bétail’.602 Finalmente, a tese mais recente é de Carominas, que propõe o hipotético mattare derivado de mattus,603 que, infelizmente, não corre com livre transito nas línguas românicas, daí José Pedro Machado lamentar continuar sem solução o problema do étimo matar, não só em português, como nas línguas irmãs.604 A documentação mais antiga é do ano 1055-1665, registrada nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Leges et Consuetudines.605 Também no Cancioneiro da Ajuda é visto com bastante frequência.606 Aparece nas cantigas de números 83 e 136.

190

Melado

s.m. Em lugar de melaço, espécie de guloseima feita com rapadura, especialmente rapadura puxa. É servido com colher, puro ou então com um pouco de farinha copioba, espécie de farinha de guerra, também chamada de farinha de mandioca, bem fina e torrada. Ambos são derivados de mel, que por sua vez é o latim mel.607 Aparece na cantiga número 104.

Meste

s.m. Corrutela de mestre , do latim magister.608 Já vem documentado no Cancioneiro da Biblioteca Nacional.609 Aparece na cantiga número 51.

191

Milhó

adv. Corrutela de melhor, do latim meliore, melhor.610 Está documentado no Cancioneiro da Biblioteca Nacional.611 Aparece na cantiga número 66.

Minino

s.m. Corrutela de menino. É um dos vocábulos da língua portuguesa de origem mais controvertida. Com ele se preocuparam Diez,612 Meyer-Lübke,613 Cornu,614 Nascentes,615 Carominas,616 José Pedro Machado.617 Aparece na cantiga número 3.

Misquinho

adj. Corrutela de mesquinho. Deriva do Arabe miskinu, pobre, desgraçado, infeliz.618 Aparece na cantiga de número 12.

Mocambira

s.m. Planta da família das cactáceas (Agallostachys laciniosa, Koch). Teodoro Sampaio deriva de mã-cambira, o monojo ou molho pungente, cheio de espinho.619 E planta da zona da seca do Nordeste do Brasil, conhecida também em suas modalidades chamadas macambira de branco, macambira de cachorro e macambira de flexa. Aparece nas cantigas de números 26 e 80.

Môrão

s.m. Corrutela de mourão. De origem ainda controvertida. Dentre as acepções que lhe dão os lexicógrafos, estão as de coisas duras, resistentes, justamente a que está na cantiga número 58, quando se diz que Dente de onça é morão.

192

Muchile

s.f. Corrutela de mochila, espécie de pequeno saco, onde geralmente se guarda dinheiro, como é o caso da acepção da cantiga número 63. Adolfo Coelho620320 deriva do espanhol mochila que Carominas621 prende a mochil, môço de recado, do latim mutilus, mutilado.622

Mulato

s.m. Designa o ser humano resultante do cruzamento de um homem branco com uma mulher negra e vice-versa. Paralela a esta acepção também havia outrora, registrada por Viterbo, uma outra com seguinte teor: – Macho asneiro, filho de cavalo, e burra. Por uma lei de 1538 se determinava, que nenhuma pessoa d'Entre Douro, e Minho podesse criar mais que hum mulato para seu serviço; sob pena de um anno de degredo para um dos cantos fora da dita comarca, e de perdimento dos mulatos, que criasse, metade para quem o acusasse, e a outra para a Camara de Sua Magestade623 A maioria dos lingüistas derivam a palavra de mulo+ato.624 Vem documentado em Gil Vicente, no Auto da Cananéia.625Aparece na cantiga número 28.

193

Mulé

s.f. Corrutela de mulher do latim muliere, mulher.626 O comportamento fonético do vocábulo, tanto no processo de transição do latim para o português, como no português pròpriamente dito, foi estudado por Duarte Nunes de Leão,627 Gonçalves Viana,628 Leite de Vasconcelos,629 Cornu,630Meyer- Lübke,631 Nunes,632 e Pidal.633 Na língua antiga, aparece no ano 927 nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartæ.634Encontra-se na cantiga número 14.

Muleque

s.m. Canecattim deriva do quimbundo muleque, menino.635 Entrou no Brasil com esa acepção, para depois sofrer alteração semântica. Deixou de ter aquele sentido puro e simples de menino, para designar o menino de rua, o capadócio, roubando as coisas e atirando pedra nas vidraças dos respeitáveis sobrados. O termo ficou para designar o adulto, com as atitudes de menino, asssim como o homem pataco, bastando para isso que fosse negro e escravo. Basta que se folheie os jornais da época do cativeiro para lá se ver: – Quem tiver um moleque maior de 18 anos que queira alugar para carregar coisa de comida, fale com o Barateiro, que só quer escravo e paga bem se agradar.636 Hoje em dia, a palavra tem maior elasticidade – não importa a idade, casta, classe ou cor a que pertencia o homem, basta que proceda mal, para se lhe chamar de moleque. Aparece nas cantigas números 29 e 110.

194

Mungunjê

termo de origem e acepção desconhecidas. Aparece na cantiga número 31.

Munheca

s.f. Designa a articulação da mão com o braço. De origem ainda controvertida. Adolfo Coelho tira do espanhol muñeca,637 punho, aceita por Jose Pedro Machado.638 Meyer-Lübke639 deriva do latim hipotético mundiare, limpar. Diez vê a atuação de um sufixo eca.640 Aparece na cantiga número 11.

Muta.

s.f. Nome proprio designativo de um lugarejo, situado proximo a ilha de Itaparica, no Estado da Bahia. Teodoro Sampaio641 deriva do tupi myta, corrutela de mby-ta, o pé suspende, sobrado, a ponta. Batista Caetano,642 Restivo,643 Montoya644 e Tastevin644a traduzem mbyta por andaime e Stradelli por jirau, com a seguinte explicação: – Estrado feito a certa altura da terra e dissimulado com folhagem, onde o caçador se posta a espera da caça que deve vir beber agua nalguma fonte ou poça proxima, comer frutas caidas ou lamber a terra, nos lugares onde ha afloramento de sais.645 Aparece na cantiga de número 47.

Naci

v. Corrutela de nasci, do verbo nascer, do latim nascere,646 de uso antigo e divulgado em todas as línguas românicas. Na língua portuguesa antiga aparece no Cancioneiro da Biblioteca Nacional.647 Acha-se documentado na cantiga de número 4.

195

Nêgo

s.m. Corrutela de negro. Designa a cor preta e o homem portador deste pigmento. A depender da entoação que se dê a esta palavra ela passa a ser um tratamento ofensivo. Na variante popular nêgo, ela assume acepção carinhosa e é empregada tanto para o homem de pele negra, como de outra coloração. O tratamento motivado pela cor da pele no Brasil foi motivo de estudo recentissimo do lusófilo tcheco Zdenek Hampl, no monumental Omagiu lui Alexandru Rosetti la 70 de ani. 647a Na cantiga número 1 está designando o homem de pele negra. Negro deriva do latim nigru, preto, negro.648 Na língua antiga aparece no Cancioneiro da Biblioteca Nacional.649

Negocea

v. Corrutela de negocia, do verbo negociar, do latim negotiare, por negotiari, fazer negócio.650 Aparece na cantiga número 65.

Nhem, nhem, nhem

voz onomatopaica, representativa do chôro de criança. Aparece na cantiga número 6.

Ni

Metátese de in, corrutela de em. Ver o verbete in. Aparece na cantiga número 66

196

Oi

v. Corrutela de olhe, do verbo olhar. Meyer-Lubke derivou do latim hipotetico adoculare,651 aceito por Wartburg,652 Nascentes653 e Jose Pedro Machado.654 Ao lado dessa proposição, ha outras como oculare, apresentada por Cortesão e Diego.655 Na linguagem antiga, dentre outros documentos aparece no Livro de Falcoaria, de Pero Menino.656 Aparece na cantiga número 81 e nas de números 14 e 69, no imperativo oia, corrutela de olha.

Oi

Interj. Aparece nas cantigas números 8 e 35.

Orubu

s.m. Corrutela de urubu, designativo de certa ave, Cathartes pepa, Linneu. Explicando a composição da palavra, Martius diz que Urubu compositum est ex Uru, avis, et uú,vú comedere, i.e. avis vorax.657 Teodoro Sampaio dá como corrutela de uru-bu, a galinha preta, a ave negra.658 Batista Caetano alega que também se diz iribu, daí derivar de y re bur ou y nê bur, o que exala fétido.659 Também se preocuparam com o vocabulo Tastevin,660 Montoya661 e Restivo.662

Barbosa Rodrigues recolheu, no Rio Negro, uma lenda em que o urubu e a personagem principal, denominada Urubu taira etá mena irumo (o urubu e as filhas casadas), bem como outra, em que a ave aparece de relance– Cyiucé Yperungaua (A origem das Pleiades), recolhida em Vila Bela.663 Tambem Couto de Magalhães colheu duas com o referido animal – Cunha Mucu urubu (A moça e o urubu) e Cunnã Mucu inaie (A moça e o gavião).664

197

Em 1587, Gabriel Soares fala-nos deles:– São uns pássaros pretos, tamanhos como corvos, mas tem o bico mais grosso, e a cabeça como galinha cucurutada, e as pernas pretas, mas tão sujas que fazem seu feitio pelas pernas abaixo, e tornam-no logo a comer. Estas aves tem grande faro de cousas mortas que é o que andam sempre buscando para sua mantença, as quais criam em árvores altas: algumas ha manças em poder dos indios que tomaram nos ninhos.665 Mais tarde, o Dialogo das Grandezas do Brasil,666 Marcgrave,667 Aires de Casal,668 Wied-Neuwied.669. Aparece na cantiga número 1.

Panhe

v. Corrutela de apanhe, do verbo apanhar, recolher algo do chão, que é a acepçao da cantiga número 9. Apanhar vem do espanhol apanar e este do latim pannus, pano.670 Na língua antiga esta documentado no Livro de Falcoaria de Pero Menino.671

Paraguai

Nome próprio designativo de um pais da America do Sul. A palavra e de origem tupi e quer dizer Rio dos Papagaios, registrada por Montoya,672 Batista Caetano,673 Xavier Fernandes,674 Tastevin,675 Teodoro Sampaio,676 Restivo677, Friederici,678 Martius,679 Stradelli680 e Lokotisch que assim explica a sua composição: – Dieser wird als Wasser des Papageis’ oder einfach als ‘vielfarbiger Kranz’ gedeutet in der Guaraní (tupischen) Sprache heisst pará ‘vielfarbig, bunt’, kua oder gua ‘Kranz, Schweif’; paragoá ‘Papagei’> hi ‘Wasser’, woraus paragoá-hy und schliesslich Paraguay wurde.681 Aparece na cantiga número> 103.

198

Paraná

Nome próprio designativo de um estado da federação brasileira. Vem do tupi paraná de pará, mar e na, semelhante, logo semelhante ao mar.682 Aparece nas cantigas números 80 e 83.

Parmatoria

s.f. Corrutela de palmatória, espécie de objeto de madeira, com que se aplicam castigos às crianças nas escolas. Na cantiga número 26 está designado planta, Opuntia bahiense, Mill, com formato idêntico ao objeto, a qual é conhecida come Palmatória do Diabo. Palmatória vem do latim palmatoria, férula,683 com documentação bem antiga, não só em português, como em espanhol.

Patuá

s.m. Batista Caetano deriva de patigua, contraído em patuá de patauá, designando o cêsto que as mulheres traziam as costas, amarrado à cabeça, com os pertences da rêde.684 Há documentação bem antiga. Simão de Vasconcelos, falando do estado de miséria em que viviam os índios, ao comentar o seu enxoval diz que vem a ser uma rêde, um potiguá (que é como caixa de palhas) para guardar pouco mais que a rêde, cabaço, e cuya: o pote, que chamam igacaba, para os seus vinhos: o cabaço para suas farinhas, mantimentos, seu ordinario: a cuya para beber por ella: e o cão para descobridor das feras quando vão caçar. Estes somente vem a ser seus bens moveis, e estes levam consigo aonde quer que vão: e todos a mulher leva ás costas, que o marido só leva o arco.685 Por analogia, patuá hoje em dia passou a designar um pequeno saquinho contendo axé (coisas de alto poder mágico) e que dentro do preceito, quem o carrega, tem que usá-lo em contacto com o corpo. E nesta acepção que aparece na cantiga número 60. Também se preocuparam com a palavra, Martius,686 Couto de Magalhães,687 Tastevin,688 Friederici689 e Marcgrave.690

Pau

s.m. Do latim palus, poste.691 Acha-se representado em tôdas as línguas românicas, com aparição bem antiga. No Brasil, mui especial no sertão nordestino, o vocábulo tem acepção de árvore. Ouve-se com bastante freqüência pé de pau, em lugar de pé de árvore. Quando se quer chamar alguém de bastardo, mas substituindo a expressão filho da puta, diz-se que esse alguém é filho do oco do pau, isto é filho do oco da árvore. Carominas692 afirma que esse sentido é comum em toda a América latina. Nesta acepção é que a palavra pau está na cantiga número 75.

200

Pau furado

s.m. Fuzil. Devido à sua composição à base de madeira e o seu aspeto, de um longo pedaço de pau, cavado interiormente e com abertura, por analogia o povo designou assim o fuzil, instrumento de guerra dos exércitos, hoje no domínio dos museus. Aparece na cantiga número 78.

Paulo Barroquinha

s.m. Nome próprio designativo de um capoeirista famoso da Bahia. O apelido Barroquinha provém do nome da rua, que assim se chama devido à série de pequenas barrocas (buracos, sulcos produzidos na terra, devido às enxurradas), do terreno acidentado, daí barroquinha, pequena barroca. Aparece na cantiga número 123.

Pedrito

s.m. Diminutivo de Pedro, nome próprio designativo de um chefe de polícia da Bahia (Pedro de Azevedo Gordilho), famoso pela perseguição aos capoeiristas e aos candomblés. Aparece nas cantigas números 19 e 20.

Pedro Minero

s.m. Corrutela de Pedro Mineiro. Nome próprio designativo de um antigo capoeira famoso da Bahia. Aparece nas cantigas números 126-128.

Pegá

v. Corrutela de pegar, do latim pegare, untar de pez.693 Aparece nas cantigas números 29 e 137 na acepção de agarrar.

Percevejo

s.m. Inseto parasita. De origem obscura. Documenta-se em Fernão Mendes Pinto nesta passagem: – Mais pobre q todos os pobres, piolhoso, & q comia perçobejos, & carne humana da gente morta q. desenterrava de noite.694 Aparece na cantiga número 105.

201

Peréré

Termo de origem e acepção desconhecidas. Aparece na cantiga número 49.

Pernambuco

s.m. Nome próprio designativo de um Estado da federação brasileira. Teodoro Sampaio deriva de paranã-mbuca, o furo ou entrada da laguna, em alusão à sua situação geográfica.695 Entretanto, ao lado da explicação de Teodoro Sampaio, há uma outra de Lokotisch, que vale a pena ser transcrita: – Der brasilienische Hafenort Pernambuco am Atlantischen Ozean wird durch zwei Küstenflüsse, die hier in einer havernartigen Mündung zusammenfliessen, in drei Stadtteile geteilt. Nach dem naturalichen Hafen hat die Stadt ihren Namen, der Wortlich ‘Meer, das die Felsen benagt’, d, h. ‘Meeresarm, Hafen’ bedeutet. Die zugrundeliegenden Wörter sind tupisch paraná ‘Meer’ und mbokoa ‘aushöhlen’. Nach einem dem Hafen vorgelagerten Felsenriff heisst die auf, einer Halbinsel liegende Hafenvorstadt Bairro do Recife ‘Stadteil am Riff’; sie hat diesen Namen der ganzen Stadt gegeben, die jetzt vollständig Recife de Pernambuco genannt wird. Das nach dieser Stadt als Ausfuhrhafen benannte Pernambuk oder Fernanbukholz war, seitdem die Portugiesen es in den südamerikanischen Waldern in grossen Mengen fanden, auch unter der Bezeichnung Brasilholz unser gebräuchlichstes Rotfarbeholz.696 Aparece na cantiga número 83.

Pímentera

s.f. Corrutela de Pimenteira. Nome próprio locativo, derivado de pimenta e este do latim pigmenta, plural de pigmentu, cor para pintar.697 Vem documentado como nome comum em 1058, nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartæ698. Aparece na cantiga de número 70.

202

Pindombê

s.f. Corrutela de pindomba mais a interjeição ê!. Pindomba é corrutela de pindoba, espécie de palmeira (Palma Altalea compta, Mart.). Teodoro Sampaio deriva de pindoba, a folha de anzol.699 Batista Caetano apresenta uma série de propostas, sem contudo se fixar em nenhuma, como se vê em sua explicação: – Nome também da mesma palmeira, e então veja-se os diversos signif. de pi; como também se diz mindob, parece que a derivação deve ser de mi, esconder, porque as folhas de palmeira se serviam para cobrir as casas (mi-tob, folha de cobrir); porém pode ser também min-tob, folhas de lança ou pua, e pin-tob, folha de raspar ou alisar, porque para isso serviam; note-se também que min-dob pode ser part. pass. de tob, tapar, assim como mindog o é de cog.700 Também registram Montoya,701 Restivo702 e Friederici.703 Léry se refere à palmeira, porém na variante pindo: – Sur quoy faut noter (ce qui est aussi estrange en ce peuple) que les Brésiliens ne demeurans ordinairement que cinq ou six mois eu un lieu emportans puis après les grosses pieces de bois & grandes herbes de Pindo, de quoy leurs maisons sont faites & couuertes.704 Depois, em 1587, Gabriel Soares cuidou dela: – Como há tanta diversidade de palmeiras que dão fruto na terra da Bahia, convem que as arrumemos todas neste capitulo começando logo em umas a que os indios chamam pindoba, que são muito altas e grossas, que dão flor como as tamareiras, e o fruto em cachos grandes como os coqueiros, cada um dos quaes é tamanho que não pode um negro mais fazer que leva-lo ás costas; em os quaes cachos teem os cocos tamanhos como peras pardas grandes, e tem a casca de fora como coco e outra dentro de um dedo de grosso, muito dura, e dentro della um miolo massiço com esta casca, donde se tira com trabalho, o qual é tamanho como uma bolota, e mui alvo e duro para quem tem ruins dentes; e se não é de vez, é muito tenro e saboroso; e de uma maneira e outra é bom mantimento para o gentio quando não tem mandioca, o qual faz destes cocos azeite para as suas mesinhas.705 Daí em diante seguem-se normalmente os diversos registros como no Diálogo das Grandezas do Brasil,706 Piso,707 Marcgrave,708 Wied-Neuwied,709 dentre outros. Aparece na cantiga número 75.

203

Poliça

s.f. Corrutela de polícia, do grego políteia, pelo latim polititia, administração de uma cidade,710 documentada nas Ordenações Afonsinas, que datam de 1443,711 e no Cancíoneiro Geral.712 Entretanto, o sentido atual de conservação da ordem pública, segundo José Pedro Machado, vem do francês police.713 Aparece na cantiga número 123.

Prantando

v. Corrutela de plantando, do verbo plantar. Do latim plantare, com representação em todas as línguas românicas.714 Aparece na cantiga número 76, na acepção de praticar, fazer.

Preto Limão

s.m. Nome próprio personativo de um famoso violeiro. Aparece na cantiga número 71.

Procópio

s.m. nome próprio personativo de um famoso babalorixá da Bahia, Procópio Xavier de Souza. Leite de Vasconcelos deriva do grego Prokópios de Prokoté progresso, portanto aquêle que ganha ou progride.715

Professô

s.m. Corrutela de professor, do latim professore, o que faz profissão de.716 Aparece na cantiga número 129.

204

Qué

v. Corrutela de quer, do verbo querer, do latim quærere, procurar.717 A terceira pessoa do indicativo presente sofre alteração, não só na linguagem popular que passa de quer para qué, como na língua culta, que possui a variante quere que os filólogos dizem que ist eine Analogiebildung wie faze.718 Encontra-se em documento do ano 999, publicado nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartæ.719 Aparece na cantiga número 6.

Como conjunção causal, Meyer-Lübke deriva do latim quia.720

Qui

pron.rel. Corrutela de que, do latim que,721 já documentado no ano 870 nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartæ.722

Aparece na cantiga número 136. Como conjunção causal, Meyer-Lübke deriva do latim quia, porque.723 Nascentes,724 José Pedro Machado,725 Huber726 do latim quia, através do arcaico ca, com redução vocálica. Como tal aparece na cantiga número 83.

205

Rês

s.m. Corrutela de reis, plural de rei. Do latim reges, rei, soberano.727 Aparece na cantiga número 70.

Riachão

s.m. Nome próprio designativo do cantador Manoel Riachão de Lima. Aparece na cantiga número 70.

Rio de Janêro

s.m. Corrutela de Rio de Janeiro, nome próprio designativo de um Estado da federação brasileira. A origem do nome foi devido aos navegadores portuguêses, quando descobriram a baía da Guanabara, a 1.º de janeiro de 1502 pensarem tratar-se do estuário de um grande rio. Essa explicação já foi dada, pouco depois de descoberto do Brasil, pelo viajante francês Jean de Léry, neste lance: – Comme ainsi fort que ce bras de mer & riuiere de Ganabara, ainsi appelee par les sauuages & par les Portugallois Geneure (parce que comme on dit, ils la descouurirent le premier iour de Ianuier, qu'ils nomment ainsi.728 Aparece nas cantigas números 54 e 66.

Rimpimpão

adj. Corrutela de repimpão, valentão, que alardeia fôrça, prepotência, pessoa poderosa. Daí se ouvir dizer que é preciso baixar o pimpão de fulano, ou então eu vou cortar o pimpão de beltrano. O vocábulo resulta da composição do prefixo re mais o adjetivo pimpão, que por sua vez Meyer-Lübke deriva do francês pimpant729 aceito, com dúvida, por José Pedro Machado.730 Aparece na cantiga número 28.

Rodía

s.f. Corrutela de rodilha. Nascentes derivou do substantivo roda mais o sufixo ilha.731 Aparece na cantiga número 126.

206

Sabiá

s.m. Espécie de pássaro canoro (Turdus rufiventris, Lichtst.) Teodoro Sampaio deriva de coó-biã, o animal aprazível.732 Batista Caetano de haã-pîi-har, aquêle que reza muito.733 Registram o vocábulo Tastevin,734 Martius735 e Friederici.736 Do sabiá com a beleza de seu canto e sua plumagem, disse Gabriel Soares em 1587:– Criam-se em árvores baixas em ninhos outros passaros, a que o gentio chama sabiá poca, que são todos aleonados muito formosos, os quaes cantam muito bem.737 A êle referem-se também o príncipe Wied-Neuwied,738 Aires de Casal739 dentre outros. Aparece na cantiga número 78.

Sabo

s.m. Corrutela de sábado, nome de um dia da semana. Vem do latim sabbatu.740 Aparece na cantiga número 4.

Salomão

s.m. Nome próprio personativo. Leite de Vasconcelos tirou do hebraico xelomóh, derivado de xalóm, paz.741 Aparece na cantiga número 70, como designativo de Salomão, rei de Israel.

Sambambaia

s.f. Corrutela de samambaia, espécie de planta (Pterium aquidinum, Linneu). Teodoro Sampaio derivou de çama-mbai, o trançado de cordas.742 Registraram-no Stradelli743 e Tastevin.744 Aparece na cantiga número 16.

207

Santo

s.m. Do latim sanctu, sagrado.745 Com esta acepção é que está na cantiga número 21, porém como tradução do vocábulo nagô orixá, que também significa sagrado, deus, santo.

São Bento

s.m. Nome próprio designativo de um santo da Igreja Católica, patriarca fundador da Ordem dos Beneditinos criador do mosteiro em Monte Cássio. Aparece na cantiga número 138.

São Paulo

s.m. Nome próprio designativo de um Estado da federação brasileira, fundado pelos jesuítas a 25 de janeiro de 1554, dia da conversão de São Paulo, daí o nome da cidade. Aparece na cantiga número 82.

São Pedro

s.m. Nome próprio designativo de um dos doze apóstolos. Aparece na cantiga número 70.

Sarna

s.f. Espécie de moléstia de pele, que consiste em erupções cutaneas, causada por aracnídeos microscópicos. Spitzer incluiu entre os substantivos epicenos, designando pessoa importante.746 Opinam pela origem ibérica Nascentes,747 Diez,748 Serafim da Silva Neto,749 Diego,750 Meyer-Lübke,751 Carominas,752 Harri Meier753 e Gerland.754 Dos viajantes que estiveram no Brasil, Piso755 se refere à doença. Aparece na cantiga número 17.

208

v. Corrutela de ser. Esse verbo vem do latim sedere, assentar se, misturado com esse.756 Encontra se documentado no ano 938 nos Portugaliæ Monumenta Historica no volume dos Diplomata et Chartæ757 Aparece na cantiga número 1.

Secretaria

s.f. Designa o local onde funciona o expediente de uma associação ou serviço público. Vem de secreto, mais o sufixo aria. Secreto é o latim secretus, separado, isolado.758 Na linguagem da malandragem secretaria é sinônimo de Secretaria de Segurança Pública, de Polícia. Nesta acepção é que está na cantiga número 126.

209

Senzala

s.f. Na Bahia, designava o local onde morava a escravaria, sob o comando de um senhor. Também significava e ainda hoje significa algazarra, muita gente falando alto, por analogia à maneira de gritar da escravaria dentro da senzala. Atualmente, quando se faz muita algazarra, pergunta se que senzala é essa aí? – senzala com o sentido de algazarra, barulho. Senzala vem do quimbundo sanzala, que em 1680 Cadornega em nota marginal ao seu livro explicou como sendo Cazas, em que cada hum tem sua gente separada.759 No correr do referido livro há esta passagem em que aparece o vocábulo:– …Estes taes levarão os Mensageiros á Cidade e entrarão com elles na Samzala do Van Dum, o que não foi tão em segredo que logo não fosse publico; e avizado o Director de como tinhão entrado Negros dos Portuguezes na Cidade e Samzala de que ficou alterado, e deo logo ordem ao major que governava as armas…760 Em nossos dias, Quintão traduz senzala por povoação761 e José Matias Delgado, anotando Cadornegas, dá como sendo o conjunto de casas de um morador rico com toda a sua escravaria.762 Também registram o vocábulo Renato Mendonça763 e Jacques Raimundo.764 Aparece na cantiga número 105.

Sinhá

s.f. Corrutela de senhora. Ver o verbete senhô.

Sinhô

s.m. Corrutela de senhor. Vem do latim seniore, mais velho.765 Na linguagem popular, senhor como pronome de tratamento foi adulterado em sinhô assim como senhora em sinhá, ao lado de outra forma simplificada, seu, derivado de sinhô, e , derivado de sinhá. Essas nuances têm preocupado os lingüistas. Carolina Michaëlis, estudando a significação das palavras hispanicas, assim se manifestou:– Nach den Geset zen der Satzphonetik wurden auch senhor, senhora in den hispanischen Sprachen behandelt, da wo sie in der Anrede als Vocative, in Begleitung eines anderen Wortes auftreten, welches den Ton trägt. In der familiaren port. Sprach hört man oft: oh seu marroto! (oh sua marota!) und ähnliches. Séu, seo für séó seió aus senyó senhor. Der Andalusier sagt , der Bogotaner sió (das and. Fem. kenne ich nicht, bog. lautet es siá und señá ñá).766 Matéria substanciosa a respeito, publicou Leo Spitzer, nos Aufsätzes zur romanischen Syntax und Stilistik.767 Também Meyer-Lübke768 registrou o fid="c08s04"enômeno.

210

Os vocábulos sinhô e sinhá possuem os diminutivos yoyô para o primeiro e yayá para o segundo, já registrados por Macedo Soares.769 Spitzer, ao estudar êsses diminutivos no Brasil e na América Latina, batizou-os de familiäre Ansprache von Kindern.770 Aparecem nas cantigas números 8, 22, 23, 25, 29, 137, 138.

Siri

s.m. Corrutela de crustáceo (Callinectes danai, Smith). Deriva do tupi ciri, o que corre, ou desliza, Montoya,771 Batista Caetano772 Teodoro Sampaio773 e Tastevin.774 Vem registrado em Marcgrave,775 Piso,776 Wied-Neuwied,777 Diálogo das Grandezas do Brasil.778 Aparece na cantiga número 14.

211

Suburdinado

adj. Corrutela de insubordinado. Aparece na cantiga número 76 na acepção de desordem.

v. Corrutela de está, do verbo estar. Deriva do latim stare, estar de pé.779 Aparece nas cantigas números 1, 29, 68 em suas nuances dialetais. Nos dialetos crioulos portuguêses se encontra fenômeno idêntico ao nosso falar, estudado por Joaquim Vieira da Costa e Custódio José Duarte.780 Na língua arcaica, a documentação mais antiga de que se tem notícia data de 1044, publicada nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume dos Diplomata et Chartæ.781

Tabulêro

s.m. Corrutela de tabuleiro, aparecendo na cantiga 137, no sentido de recipiente de madeira onde se põem comestíveis para serem vendidos. Deriva de tabua e êste de tabula, ripa, mesa de jôgo, prancha.782

Tandirerê

Palavra de origem e acepção desconhecidas. Aparece na cantiga número 92.

212

v. Corrutela de ter, verbo ter. Deriva do latim tenere.783 Aparece na cantiga número 83. Na cantiga número 16 o verbo ter está empregado em lugar de haver, fenômeno lingüístico comuníssimo nos falares do Brasil. Esse emprêgo existe de há muito em íbero-românico, já notado por Meyer-Lübke784 e estudado por outros lingüistas, dentre os quais Carominas, que assim discorre: – El hecho capital en la historia de esta palabra es su invasión del terreno semantico del lat. habere, con el sentido de posesión pura y simples. Se trata de una innovación propria de los tres romances ibericos, que en los tres aparece ya en la Edad Media, pero que además se encuentra en Cerdena, y en el it. dialectal del Lacio, Abruzo, Pulla y alguna otra zona del Sur de Italia (Seifert, A Rom. XVIII, 411-3; Rohlfs, Romanica Helv. IV. 74). En cast. aver conserva este valor más o menos en toda la Edad Media, pero tener ya aparece algunas veces con el nuevo desde los origenes (Cid 113, etc., Berceo, Mil., 320a; Apol., 154b y aun quizá ya una vez en las Glosas Emilianenses, n.° 89). Para el progreso de esta sustatución, vid. E. Seifert, RFE XVII, 233-76, 34~89. Por lo demás las ultimas raices de esta tendencia parecen encontrarse muy atrás pues ya hay ej. de tenere con valor casi identico a hahere en los españoles Orencio (S.V.), y Aetheria (S.VI), aunque es cierto que estos usos en latin no parece estuvieran enteramente confinados a autores hispanicos (ALLG XV, 233-52; KJR PL. VII, 59; XI, 86).785

Tico-tico

s.m. Pássaro da família dos fringilídeos (Zonotrichia capensis matutína Linneu). Aparece na cantiga número 89. Fizeram-lhe referências Aires de Casal,786 Wied-Neuwied,787 dentre outros.

Tinha

s.f. Define Fernando São Paulo como sendo uma designação que abrange, indistintamente, o grupo das dermatomicoses nomeadas tinhas na medicina culta, e outras afeções da pele.788 Deriva do latim tinea, traça.789 Na língua antiga está registrado nos Livros de Falcoaria como doença de aves: – Muytas veces acode ás aves huma doença a que os caçadores chamão tinha; e he huma comichão e ysto he quando estão na muda, por caso de mudarem mal;…790 Aparece na cantiga número 17.

213

Tiririca

s.f. Espécie de planta rasteira de bordas cortantes (Cyperus radiatus, Vohl). Batista Caetano e Teodoro Sampaio derivam do gerúndio-supino de tiriri, vibrante, cortante.791 Registram o vocábulo Tastevin,792 Stradelli793 e Montoya.794. Aparece na cantiga número 23.

Trabaiá

v. Corrutela de trabalhar, verbo trabalhar. A proposição mais aceita é a do latim hipotético tripaliare, torturar, derivado de tripaium, espécie de instrumento de tortura. Este étimo que vem desde 1888 com Paul Meyer, é aceito por Carominas,795 Diego,796 Carolina Michaëlis,797 Nascentes,798 José Pedro Machado,799 Elise Richter,800 Cornu,801 Leite de Vasconcelos,802 Meyer-Lübke,803 Cortesão,804 Nunes.805 Ao lado desse há outro étimo, o primeiro em ordem cronológica, que é o substantivo trabs, proposto por Diez.806 A palavra aparece na cantiga número 98.

214

Treição

s.f. Corrutela de traição, do latim traditione, entrega. 807 Encontra-se documentado já em 1152 nos Portugaliæ Monumenta Historica, no volume das Leges et Consuetudines 808 A forma hoje popular treição, existiu na língua antiga809 e foi usada por Camões.810 Aparece na cantiga número 124.

Trivissia

s.f. Corrutela de travessia, que é têrmo náutico, designativo do vento de través, isto é contrário à rota que segue um navio.811 Conseqüentemente, vocábulo derivado de través, do latim transverse.812 Entretanto, na cantiga número 66 está no lugar do vocábulo travessura.

Tupedêra

s.f. Corrutela de torpedeira, vaso de guerra. Deriva do substantivo torpedo, arma de guerra, mais o sufixo eira. Aparece na cantiga número 76.

215

Tustão

s.m. Corrutela de tostão. Não obstante circular no Brasil o tostão português, esta moeda só passou a ser cunhada entre nós em 1833, por uma determinação da Regencia, sendo retirada da circulação com a reforma monetária de 5 de outubro de 1942, que instituiu o Cruzeiro,813 hoje reformado com a denominação de Cruzeiro Novo. Com referência à origem da moeda e sua denominação, há a seguinte explicação de Viterbo: – Moeda de ouro e prata, e que propriamente se devia chamar testão, da palavra francesa antiga teste, ou teston, nome de certas moedas daquela nação nas quais se viam as cabeças dos Reis, que as mandavam cunhar, e que tinha o mesmo valor dos nossos tostoens. Assim de ouro, como de prata os mandou lavrar pela primeira vez El-Rei D. Manuel: os de ouro com valor de 1.200 reis, os de prata com valor de 100 reis; e da mesma sorte os meios tostoens; posto que a cabeça do Principe em nenhum delles se veja cunhada.814 Aparece na cantiga de número 54.

v. Corrutela de ver, verbo ver. Deriva do latim videre, responsavel pelo romeno vadeá; português, ver; italiano, videre, logudorês, bidere; engadinês, vair; friaulano, vyodi; francês, voir; provençal, vezer; catalão, venire; espanhol, ver.815 Na língua antiga, encontra-se no Cancioneiro da Biblioteca Nacional.816 Aparece na cantiga número 139.

Vorta

s.f. Corrutela de volta. Origem oscilante entre voltar,817 o hipotético volvita818 ou então como estabelece Grandgent, a evolução do latim hipotético vultus ou volvitus, ao lado de volutus.819 Aparece na cantiga número 2.

216

Yayá

s.f. Diminutivo de sinhá, corrutela de senhora. Ver o verbête sinhô. Aparece nas cantigas números 24, 25, 137.

Yoyo

s.m. Diminutivo de sinhô, corrutela de senhor. Ver o verbete sinhô. Aparece na cantiga número 22.

Zoa

v. Zoar. Adolfo Coelho deriva, com dúvida, de soar.820 Cornu821 e Nunes822 admitem que zoar existe ao lado de soar, acreditando que o z seja onomatopaico. Aparece na cantiga número 73.

Zóio

Assimilação do s final do artigo plural os ao substantivo óio, corrutela de olho. Portanto, a expressão os olhos passou, na língua popular, para o zóio. Aparece na cantiga número 109.

Aspeto folclórico

Nas cantigas de capoeira, o elemento folclórico é algo marcante e em todas elas soa freneticamente, aos ouvidos de quem as escuta. A incidência sobre temas esparsos do nosso folclore, não permitiu um agrupamento geral em blocos, para melhor apreciação, entretanto isso foi possível com a maioria, surgindo daí o agrupamento em Cantigas geográficas, Cantigas agiológicas, Cantigas de louvação, Cantigas de sotaque e desafio, Cantigas de roda e Cantigas de peditório.

Dentre as cantigas de temas esparsos, estão as que se referem ao jogo da capoeira e ao capoeira, cujo tema já foi estudado anteriormente. São as de números 5, 41, 46, 51, 52 e 113. A de número 5 se refere à iuna, toque de capoeira e ao capoeira, em sua ação delinqüente, ação essa relatada nas cantigas de números 41 e 66. As de números 51 e 52 são louvação ao mestre de capoeira. Finalmente a de número 113 se refere aos golpes chamados jogo de baixo e jogo de cima. Ainda dentro do tema capoeira, está o berimbau nas cantigas de números 9, 10, 54, 55, 56 e 66. Nas de números 9 e 10 é invocado sob o nome de gunga. Nas restantes, o instrumento aparece como peça importante, mas agora com o nome mais vulgar que é Berimbau. O berimbau não esta somente nas cantigas de capoeira, pelo contrário sua presença se faz mais freqüente entre os violeiros, nas cantigas de desafios. Do cego Sinfrônio Pedro Martins, Leonardo Mota colheu esta sextilha:–

217

Eu, atrás do cantadô,
Sou como ábêia por pau,
Como linha por agúia,
Como dedo por dedal
Como chapéu por cabeça,
E nêgo por berimbau.823

Ainda Leonardo Mota, em Violeiros do Norte, registra outra sextilha, onde aparece o berimbau:–

Há uns cem anos atrás,
O tempo não era mau:
Lavavam roupa com cinza,
Guardavam louça em jirau,
Gaita era um bom instrumento,
Tinha valor berimbau.824

No áuto do Bumba-meu-boi ou Boi Surubi, recolhido por Gustavo Barroso, há a seguinte quadra:–

Mané Gostoso,
Perna de pau,
Que dança e toca
No berimbau825

Finalmente, Sílvio Romero registra uma quadra popular onde ele aparece:–

218

Escutou e fez sentido,
Atrepou depois num pau,
E toca a sericoria,
Parecendo berimbau!826

bem como no estribilho do Reisado da Borboleta, do Maracujá e do Pica-Pau, recolhido em Sergipe:–

Sinhá Maninha
De Campos de Minas,
Sinhô Mané, Corta-Pau,
Berimbau.827

Do berimbau com o nome de gunga, só encontrei, no Moçambique recolhido por José A. Teixeira, em Goiás, mesmo assim no género feminino:–

Piou na ponte
A ponte teremeu
Dibaixo da ponti
O Canguçu gemeu.
Tempera a língua
Língua de mamãi
Esta gunga
Papai é qui mandô.828

A superstição, mui característica do nosso povo, não podia deixar de estar presente nas cantigas de capoeira. Assim, nas de números 72 e 113 aparece o hábito de se ter de benzer ou fazer o pelo sinal, quando se está diante de qualquer coisa, má ou escabrosa. No caso da de número 72 é o marimbondo, na de número 13 é a presença do famoso e perigoso capoeirista Besouro.

219

Personagem que anda na boca do povo brasileiro, mui especialmente o baiano, é Pedro Cem, cuja vida é cantada em prosa e verso. E visto pela imaginação popular como pessoa prepotente e mais que isso a representação humana da sovinice. Cascudo, além de publicar uma foto da Torre de Pedro Cem, dá uma ligeira notícia do famigerado sovina, informando que nasceu no Porto lá mesmo falecendo a 9 de fevereiro de 1775.

Pedro Sem da Silva, o Pedro Cem, residia na Rabaleira perto da cidade. Era riquíssimo mas empobreceu, relativamente, sem que jamais chegasse à miséria. Viveu e morreu abastado. Seus três filhos herdaram e morreram ricos, especialmente Vicente Pedro Sem, grande proprietário no Douro.829

A cantiga número 63 e um resumo de sua vida. Cascudo recolheu uma enorme e importantíssima estória de Pedro Cem, da qual há inúmeros resumos espalhados por toda parte, mui especialmente nos cantos de capoeira, a qual vai transcrita adiante:–

Vou narrar agora um fato
Que há cinco séculos se deu
De um grande capitalista
Do continente europeu,
Fortuna que como aquela,
Ainda não apareceu.

Pedro Cem era o mais rico,
Que nasceu em Portugal,
Sua fama enchia o mundo
Seu nome anda em geral,
Não casou-se com rainha
Por não ter sangue real.

220

Em cada rua ele tinha
Cem casas para alugar,
Tinha cem botes no porto
E cem navios no mar,
Cem lanchas e cem barcaças,
Tudo isto a navegar.

Tinha cem fábricas de vinho
E cem alfaiatarias,
Cem depósitos de fazendas
Cem moinhos e cem padarias
E tinha dentro do mar,
Cem currais de pescarias.

Em prédios, dinheiro e bens
Era o mais que havia,
Nunca deveu a ninguém
Todo mundo lhe devia,
Balanço em sua fortuna
Querendo dar não podia.

Em cada país do mundo
Possuía cem sobrados,
Em cada banco ele tinha
Cem contos depositados,
Ocupava mensalmente,
Dezesseis mil empregados.

Diz a história aonde eu li
O todo desse passado,
Que Pedro Cem nunca deu
Uma esmola a um desgraçado
Não olhava para um pobre,
Nem falava com criado.

221

Uma noite teve um sonho
Um rapaz o avisava
Que aquele orgulho dele
Era quem o castigava
Aquela grande fortuna
Assim como veio voltava.

Ele acordou agitado
Pelo sonho que tinha tido,
Que rapaz seria aquele?
Que lhe tinha aparecido.
Depois pensou, oral sonho,
E devaneio do sentido.

Um dia, no meio da praça
Ele a uma moça encontrou,
Essa vinha quase nua,
Aos pés se ajoelhou
Dizendo: senhor? olhai!
O estado em que estou.

Ele torceu para um lado
E disse: minha senhora?
Olhe sua posição!
E veja o que faz agora
Reconheça seu lugar,
Levante-se e vá embora.

Oh! senhor por esse sol
Que de tão alto flutua,
Lembrai-vos que tenho fome
Estou aqui quase nua,
Sou obrigada a passar,
Nesse estado em plena rua.

222

Ele repleto de orgulho
Não deu ouvido, saiu,
A pobre ergue-se chorando
Chegou adiante caiu,
Vinha passando uma dama
Que com o manto a cobriu.

Era a marquesa de Evora
Uma alma lapidada,
Tirando o seu rico manto
Cobriu essa desgraçada,
Ali conheceu que a pobre,
Foi pela fome prostada.

Levante-se minha filha
E pegando-lhe pela mão,
Dizendo a criada a ela:
Vá ali comprar um pão
Que a essa pobre infeliz,
Falta alimentação.

Entregando-lhe uma bolsa
Com quarenta e dois mil réis.
Apenas tirou dali
Um diploma e uns papéis
Não consentindo que a moça
Se ajoelhasse aos seus pés:

E com aquela quantia
Ela comprou um tear,
Tinha mais duas irmãs
Foram as três trabalhar
Dali em diante mais nunca,
Faltou-lhe com que passar.

223

Vamos agora tratar
Pedro Cem como ficou
E o nervoso que sentiu
Uma noite que sonhou
Que um homem lhe apareceu
E disse Ume bem quem eu sou.

Que tens feito do dinheiro
Que tomaste emprestado?
Meu senhor mandou saber
Em que o tens empregado?
E por qual razão cumpriu
As ordens que ele tem dado?

Ele perguntou no sonho
Mas que dinheiro eu tomei,
Até aos próprios monarcas
Dinheiro muito emprestei,
O vulto zombando dele,
Disse: quem tu és eu sei.

Que capital tinhas tu
Quando chegastes ao mundo?
Chegastes nu e descalço
Como o bicho mais imundo
Hoje queres ser tão nobre,
Sendo um simples vagabundo.

E metendo a mão no bolso
Tirou dele uma mochila,
Dizendo é esta a fortuna
Que tu hás de possuí-la,
Farás dela profissão,
Pedindo de vila em vila.

224

Pedro Cem sonhando disse:
Ave agoureira te some
Tua presença me perturba
Tua frase me consome
De qual mundo tu viestes?
Diz-me por favor teu nome.

Meu nome, disse-lhe o vulto
Es indigno de saber id="c08s05",
Meu grande superior
Proibiu-me de dizer
Apenas faço o serviço
Que ele me manda fazer.

Despertando Pedro Cem
Daquilo contrariado,
Ter dois sonhos quase iguais
Ficou impressionado,
Resolveu contrafazer,
E ficar reconcentrado.

Pensou em tirar por ano
Daquela grande riqueza
Sessenta contos de réis
E dar de esmola à pobreza
Depois refletindo, disse:
Não me dá maior franqueza.

Porque ainda mesmo Deus
Querendo me castigar,
Não afundará num dia
Meus cem navios no mar,
As cem fazendas de gado,
Custarão a se acabar.

225

As cem fábricas de tecidos
Que tenho funcionando,
Os parreirais de uvas
Que estão todos safregando,
Cem botes que tenho no porto
Todo dia trabalhando.

Cem armazéns de fazendas
As cem alfaiatarias,
As cem fundições de ferro
Cem currais de pescarias
Os cem moinhos, cem padarias.

E as centenas de contos
Nos bancos depositados,
E tudo isso em poder
De homens acreditados
Ainda Deus querendo isso
Seus planos eram errados.

Pedro Cem naquela hora
Estava impressionado,
Quando aproximou-se dele
O seu primo criado,
E disse aí tem um homem,
Diz vos trazer um recado.

Manda que entre a pessoa
Ele ao criado ordenou:
Era um marinheiro velho
Chegando ali o saudou,
Que novas traz, meu amigo?
Pedro Cem lhe perguntou.

226

Disse o velho marinheiro:
Venho-vos, participar,
Que dez navios dos vossos
Ontem afundaram no mar
Morreram as tripulações,
Só eu me pude salvar.

Que navios foram esses?
Perguntou-lhe Pedro Cem,
Respondeu o marinheiro:
Foi “Tejo” e “Jerusalém”
E “Douro” e “Penafiel”
Os outros eu não sei bem.

Aquele inda estava ali
Outro portador bateu,
O empregado das vacas
Contou o que sucedeu;
Incendiaram os cercados
E todo o gado morreu.

Pedro Cem nada dizia
Ficando silencioso,
Apenas disse: na terra
Não há homem venturoso,
Quem se julga mais feliz
E pior que cão leproso.

Chegou outro portador
O empregado da vinha,
Disse o depósito estourou
Vazou o vinho que tinha
Pedro Cem disse: meu Deus!…
Que sorte triste esta minha.

227

Saiu aquele entrou outro
Era um coronel norueguês,
Disse nos mares do norte
Andava um pirata inglês,
Noventa navios vossos
Tomou ele de uma vez.

Meu Deus!… Meu Deus!… que fiz eu
Exclamava Pedro Cem
Não há homem nesse mundo
Que possa dizer vou bem,
Quando menos ele espera
A negra desgraça vem.

Dos cem navios que tinha
Alguns foram afundados
E outros pelos piratas
Nos mares foram tomados
Acrescentou a pessoa:
Vinham todos carregados.

Ali mesmo veio o id="c08s05" mestre
Da barca “Flor do Mundo”
Esse fitou Pedro Cem
Com silêncio profundo
Depois disse: senhor marquês?
Dez barcaças foram ao fundo.

Quatro vinham carregadas
Com bacalhau e azeite,
Duas vinham da Suécia
Com queijo, manteiga e leite,
De todas as mercadorias
Não tem uma que se aproveite.

228

Quatro das dez que afundaram
Traziam pérola e metal,
Só da Ilha da Madeira
Vinha um milhão em coral
Topázio, rubi, brilhante,
Ouro, esmeralda e cristal.

Pedro Cem baixou a vista
Nada pôde refletir,
Exclamou que faço eu?
Devo deixar de existir,
Mas matando-me não vejo,
Isso até onde pode ir.

Chegou o moço de campo
Tremendo e muito assustado
E disse: senhor marquês
Venho aqui horrorizado
Deu murrinha nas ovelhas
E mal triste em todo gado.

Naquele momento entrou
Um rapaz auxiliar,
Esse puxando um papel
Disse: venho procurar,
Tudo quanto se perdeu
Na barca “Ares de Mar”.

Pedro Cem perguntou quanto
Tirou o moço uns papéis
Que se lia entre brilhantes
Pulseiras, colares, anéis,
Um milhão e quatrocentos
E vinte contos de réis.

229

Entrou outro auxiliar
Disse eu quero pagamento,
Por tudo que se perdeu
No navio “Chave do Vento”
Que vinha da América do Norte
Com grande carregamento.

Chegou um tabelião
Dá licença sr. Marquês
Venho lhe participar
Que o grande Banco Francês,
Dois Alemães, três Suíços,
Quebraram todos de id="c08s05" vez.

Lá se foi minha fortuna
Exclamava Pedro Cem,
Ontem fui milionário
Hoje não tenho um vintém
Só mesmo na campa fria,
Eu hoje estaria bem.

Dando balanço nos bens
Que até desesperam.
Tudo quanto possuía
Não dava para pagar
Nem pela décima parte
Os prejuízos do mar.

Exclamava: oh! Pedro Cem
Que será de ti agora!
No pouco que me restava
A justiça fez penhora,
Pedro Cem de agora em diante
Vai errar de mundo afora.

230

Carpir esta sorte dura
Que a desventura me deu,
Talvez muitas vezes vendo
Aquilo que já foi meu.
Em lugar que não se saiba
Quem neste mundo fui eu.

Ali no terraço mesmo
Forrando o chão se deitou
As onze e meia da noite
O sono conciliou
No sono sonhando viu,
O rapaz que lhe falou.

Aquele perguntou, Pedro
Como te foste de empresa,
Já estás conhecendo agora
Quanto é grande a natureza?
Conheceste que teu orgulho
Foi quem te fez a surpresa?

Metendo a mão na algibeira
Dali um quadro tirou
Onde havia dois retratos
Que a Pedro Cem os mostrou
Conheces esses retratos?
O rapaz lhe perguntou.

Via-se naquele quadro
Uma dama bem vestida
Pedro Cem disse por sonho:
Essa é minha conhecida
A outra uma moça pobre
Com fome no chão caída.

231

Perguntava-lhe o rapaz:
Quem é esta conhecida?
E a marquesa de Evora
E esta que está caída?
Essa? é uma miseravel,
Dessa classe desvalida.

O rapaz puxa outro quadro
Verde cor de esperança,
Onde via-se uma monarca
Suspendendo uma balança
Estava pesando nela
Caridade e esperança.

Mostrou-lhe mais quatro quadros
Que Pedro Cem conheceu,
Tinha a marquesa de Evora
Quando a bolsa à pobre deu
Que estirou a mão dizendo:
Toma este dinheiro que é teu.

No quadro via-se um anjo
Assim nos diz a história,
Com uma flor onde se lia:
Jardim da eterna glória,
Presenteado por Deus,
Esta palma de vitória.

Quem planta flores tem flores
Quem planta espinho tem espinho
Deus mostra ao espírito fraco
O que nega ao mesquinho,
A virtude é um negócio
A boa ação um pergaminho.

232

Depois que ele acordou
Triste impressionado,
Interrogava a si próprio
Por que sou tão desgraçado?
Achou na cama a mochila,
Com que tinha sonhado.

Será esta a tal mochila
Que o fantasma me mostrou;
E esta que o homem em sonho
Em desespero exclamou:
Na noite em que a cruel sina,
Por sonho me visitou.

De tudo restava apenas
A casa de moradia,
Essa mesmo embargaram
Antes de findar-se o dia
Então disse Pedro Cem,
Cumpriu-se a profecia.

Lançando a mão na mochila
Saiu no mundo a vagar
Implorando a caridade
Sem alguém nada lhe dar,
Por umas cinco ou seis vezes
Tentou se suicidar.

Ele dizia nas portas:
Uma esmola a Pedro Cem,
Que já foi capitalista
Ontem teve, hoje não tem
Á quem já neguei esmola
Hoje a mim nega também.

233

Foi ele cair com fome
Em casa daquela moça,
Quando foi à porta dela
Com fome, frio e sem força,
Que ele não quis olhá-la
A marquesa deu-lhe a bolsa.

A criada o viu cair
Exclamou: minha senhora!
Ande ver um miserável
Que caiu de fome agora,
Onde? perguntou a moça
Ama disse: ali fora.

A moça disse à criada:
Que trouxesse leite e pão
Aproximando-se dele
Disse: o que tens meu irmão
Bateste em todas as portas
Não encontraste cristão.

Senhora se vós soubésseis
Quem é esse desgraçado,
Não abrirás a porta
Nem me davas esse bocado.
Respondeu ela: conheço,
Mas eu esqueço o passado.

Me recordo que a marquesa
Fez minha felicidade,
Viu-me caída com fome
Teve de mim piedade,
Deu-me com que comprar pão
E esta propriedade.

234

Pedro Cem se levantou
Disse obrigado e saiu,
Andando duzentos passos
Tombou por terra, caiu
E umas frases tocantes,
Em alta voz proferiu:

“Vai unir-se à terra fria
O que não soube viver
Soube ganhar a fortuna
Mas não soube perder
Se tenho estudado a vida
Tinha aprendido a morrer.

Foi como a corrente d'água
Que pela serra desceu,
Chegou o verão e secou
Ela desapareceu,
Ficando só os escombros
Por onde a água correu.

Eu tive tanta fortuna
Não socorria a ninguém,
A todos que me pediram
Eu nunca dei vintém,
Hoje preciso pedir,
Não há quem me dê também.

Não desespero, pois sei
Que grandes rimas hoje expio,
Nasci em berços dourados
Dormi em colchão macio
Hoje morro como os brutos
Neste chão sujo e frio.

235

Foram as últimas palavras
Que ele ali pronunciou,
Margarida aquela moça,
Que a marquesa embrulhou
Botou-lhe a vela na mão
Ele ali mesmo expirou.

A justiça examinando
Os bolsos de Pedro Cem,
Encontrou uma mochila
E dentro dela um vintém
E um letreiro que dizia:
Ontem teve e hoje não tem.830

Cantigas de escárnio e de mal dizer

As cantigas de escárnio e de mal dizer, correntes nos cantos de capoeira, povoam os cancioneiros medievais portugueses, infelizmente trancafiadas, em parte, a sete chaves nos arquivos, sob o pretexto de obscenas. No período que vai de 1816 a 1905, a grande Carolina Michaëlis de Vasconcelos escreveu cerca de 15 artigos na Zeitschrift für Romanischen Philologie, sob o título de Randglossen zurn altportugiesischen Liederbuch onde publica e comenta algumas dessas cantigas proíbidas. Mais tarde, em 1904, quando editou o Cancioneiro da Ajuda, incluiu inúmeras delas. Mas, para alegria de todos e maior esclarecimento de nossa lírica medieval, mestre Rodrigues Lapa vem de publicar Cantigas D'escarnho e de mal dizer dos cancioneiros medievais galego-portugueses,831 em edição crítica, onde essas cantigas malditas vêm a lume, sem a preocupação de ferir o pudor, o que não causou senão prejuízo à nossa literatura medieval. Esse tipo de cantiga, na capoeira, está representada pelas de números 13, 17, 26, 27 28, 29, 33, 38, 43, 57, 65, 68, 83, 91, 109, 110 e 131.

236

As de n.°s 13, 27, 28, 110 e 131 se referem a cor negra, como símbolo do desprezível, do malefício, do diabo, partindo dessa premissa para toda espécie de escárnio. Em Portugal o fenómeno é muito comum. Leite de Vasconcelos chama atenção disso ao comentar a cantiga de regaço e de berço:–

Vai-te embora Papão negro,
Deixa o menino dormir:
Venham os Anjinhos do Céu
Ajudá-lo a cobrir.832

fazendo alusão ao hábito existente também na Alemanha, com certos animais, como o cão pastor e as ovelhas. Com referência às ovelhas existe caso idêntico no Brasil, onde se fala da ovelha negra do rebanho, que na Alemanha se usa para aterrar as crianças. Para ilustrar suas observações, Carolina Michaelis, conforme afirma, cantou para ele esta cantiga de berço, onde a ovelha negra vem como elemento aterrador:–

Schlaf, Kindchen, schlaf!
Da draussen stehn zwei Schaf(e),
Ein schwarzes und ein Weisses
Und wenn das Kind nicht artig ist,
So kommt das schwarzes und beisst es.833

No Brasil, de um modo geral, o bicho preto tirado para a superstição foi o bode, que se faz associação a uma deidade periculosa africana chamada Exú e o galo preto que é o animal consagrado a esse deus. Inclusive essa deidade é concebida em cor negra.

A de número 17 é uma cantiga de escárnio, onde se maltrata alguém desejando as piores doenças, como tinha, doença do ar, sarna e praga de galinha. Nos cancioneiros medievais portugueses, há uma cantiga de autoria de Pero Viviaez, onde se escarnece um pobre homem pelas doenças que tinha, semelhante a da cantiga número 17, devido às suas práticas homossexuais:

237

Vós, que por Pero Tinhoso preguntardes
dele saber novas certas per mim, poi-las non sabedes,
achar-lh'-edes tres sinaes per que o conhoscerdes;
mais esto que vos eu digo non vo-lo sabia neng~uu:
aquel é Pero Tinhoso que traz o toutiço n~uu
e traz o cancer no pisso e o alvarez no cuu.

Ja me por Pero Tinhoso perguntastes noutro dia
que vos dissess'eu d'el novas, e enton as sabia,
mais por estes tres sinaes quen-quer o conhesceria;
mais esto que vos en digo non vo-lo sabia nenghu:
aquel é Pero Tinhoso que traz o toutiço nuu
e traz o cancer no pisso e o alvarez no cuu.

Vós, que por Pero Tinhoso mi ora íades perguntando
que vos dissess'end'el novas, ir-vo-las quer'eu escançando
achar-lh'-edes tres sinaes, se lhe ben fordes catando,
mais esto que vos eu digo non vo-lo sabia neng~uu:
aquel é Pero Tinhoso que traz o toutico n~uu
e traz o cancer no pisso e o alvarez no cuu.834

Este problema de praga com moléstia é também comum entre os cantadores. Em Leonardo Mota, no desafio que editou de Rodrigues de Carvalho e Maria Tebana, há uma sextilha dessa espécie:–

Eu cumo ja tou com raiva,
Te rogo uma praga ruim:
Deus primita que te nasça
Bouba, sarampo e lubim,
Procotó, bicho de pé,
Inchaço e molestia ruim.835

238

Ainda nesta cantiga há referência à praga de galinha, que é uma espécie de parasita dos galináceos, de percepção invisível e que incomoda terrivelmente, passeando pelo corpo humano, deixando uma sensação desagradável, fazendo com que as pessoas fiquem irritadas. Quanto à doença do ar, que é uma espécie de congestão cerebral, está bastante espalhada no folclore, com uma infinidade de rezas e benzeduras, sobre a qual há uma síntese feita por Fernando São Paulo.836 Piso a ela se refere.837 O processo folclórico de cura já vem de longe. Dele há notícia nas Denunciações da Bahia de 1591 a 1593, quando da denúncia contra Mecia Roiz a 4 de novembro de 1591.838

As cantigas de números 26, 65 e 68 falam da mulher, quer no seu comportamento moral para com o marido, quer no seu ciúme doentio de mulher. O tema é objeto de canto também dos violeiros. Anísio Melhor recolheu do famoso cantador Zé Gamela esta quadra:–

Quem ama a mulhé casada
Não tem a vida segura:
Ou mata, ou morre, ou se some,
Se engorda perde a gordura.839

Em Portugal, Leite de Vasconcelos recolheu na Granja Nova, concelho de Mondim da Beira, em março de 1877, o romance A Mulher Falsa ao Homem, cujo texto é o seguinte : –

Indo eu para a campanha,
Esqueceu-me a espingarda;
Tornei para atrás por ela,
Achei a porta fechada.
– ó mulher abra lá a porta,
Que me esqueceu a espingarda.
(Ninguém responde)
Arrombei-a co'o ombro esquerdo,
Atirei co'ela ao meio da casa.

–Que é isto, ó mulher?
Que vai cá por nossa casa?
–Cala-te lá, ó marido,
Temos a vida arranjada,
Que um senhor religioso
Prometeu capote e saia.
–Mulher que tal fala dá
Merece ser queimada
Em trinta carros de palha,
E outros tantos de ramalha.
(O homem matou a mulher).840

239

A cantiga número 65 encontra-se entre os cantadores. Leonardo Mota recolheu em Quixadá, da bôca de um negro chamado Severino, as seguintes sextilhas, como sendo as únicas coisas de sua autoria:–

Ha quatro coisa no mundo
Que afragela um cristão:
É uma muié ciumenta,
É um menino chorão,
É uma casa que goteja
E é um burro topão.

O menino se acalenta,
A casa a gente reteia,
O burro se apara os casco,
Tudo isso se arremedeia:
Mas o diabo da muié
Só se indo com ela à peia!841

Falando mal, de um modo geral, das pessoas ou duvidando da masculinidade, atribuindo alcoolismo a alguém, é o que se vê nas cantigas números 33, 38, 43, 57, 83 e 91. Finalmente a cantiga número 109, além de ser terrivelmente escarnosa é, ao mesmo tempo, pornográfica, encontrando paralelo nos cancioneiros medievais portuguêses, nesta cantiga de Afonso Eanes do Coton:–

240

Marinha, en tanto folegares
tenho eu por desaguisado;
e sõo mui maravilhado
de ti, por non (ar) rebentares:
ca che tapo eu (d) aquesta minha
boca a ta boca, Marinha;
e con estes narizes meus
tapo eu, Marinha, os teus;
e co'as mãos as orelha,
tapo-t'ao primeiro sono
da mia pissa o teu cono,
como me non vej'a neng~uu,
e dos colhões esse cuu.
Como non rebentas, Marinha?842

Cantigas de berço

No Brasil, as cantigas de berço, regaço e acalentar são inúmeras não só as trazidas pelos portugueses, como as modificadas pela bôca africana. Lembro-me bem, quando criança, ouvir várias delas como:–

Sussu cambê
Bê ê, bê ê, bê
Vem pegá esse minino
Bê ê, bê ê, bê

Qui não qué durmí
Bê ê, bê ê, bê
E só qué chorá
Bê ê, bê ê, bê.

241

Su, su, sussu
Minino Mandu
Cara de gato
Nariz de piru.

Esse minino
É do ceu não se cria
Tem um buraco
No cu qu'ele assuvia.

Esse minino
Não dorme na cama
Dorme no regaço
De Senhora Santana.

Chuvê, chuvê,
Ventá, ventá
Quem te pariu
Que te dê o qui mamá.

Da penúltima dessas cantigas existe semelhante em Valpaços, em Portugal: –

Minino bonito
Nao dorme na cama
Dorme no regaço
Da Virgem Santana.843

Da última, Sílvio Romero colheu, aqui na Bahia, a seguinte variante:–

Chover, chover,
Ventar, ventar...
é nos braços de Maria
Qu'eu me quero acalentar.844

242

Dentre as cantigas de capoeira assim enquadradas, está a le número 6.

Cantigas de devoção

As cantigas de devoção existentes na capoeira são um gênero comuníssimo em Portugal. Excelente coleta fez J. Osório da Gama e Castro, sobressaindo-se como as mais curiosas as de á Senhora de Couto, A Senhora da Lomba e O Senhor do Calvário.845

Nas de capoeira, as de números 3 e 53 tem como invocação São Cosme e São Damião, santos popularíssimos na Bahia, sincretizados com o deus gêgê-nagô Ibeji, o qual tem ritual no Candomblé fundado pela finada Flaviana Maria da Conceição Bianchi, chamado Corda de Beji. É festejado, sincrèticamente, a 25 de setembro havendo antes a famosa Missa Pedida, que a verve popular aproveita para se divertir, dizendo:–

Missa Pedida,
São Cosme, São Damião:
Um é côrno, outro é ladrão.

Nas residências familiares, há o célebre caruru de São Cosme, que em algumas casas se dá um tom meio ritualístico, dentro do espírito africano. Assim, antes de tirar a comida para colocar no alguidar dos santos, tira-se um pouco de cada coisa, embrulha-se em folhas de bananeira e se joga numa encruzilhada para Exu. Após então é que se tira a do santo e a dos sete meninos, que é colocada numa bacia de alumínio no chão, vindo os referidos meninos, levantando e arriando três vezes com o seguinte canto:–

Vamos levantá
O Cruzêro de Jesus
Aê, aê
Aos pés da Santa Cruz.

243

Findo isso, servem-se do que há na bacia, ao som das seguintes cantigas:–

Dois dois
É minino vadio
Dois dois
Ele qué vadiá.

Quando eu vim
De lá de cima
Encontrei São Damião
Carregadinho de cabaça
Com as cabaças na mão

Underê Damião
Com as cabaças na mão
Underê Damião
Com as cabaças na mão.

Cosme Damião
Doú e Alabá
Ajude a vencê
Essa batalha riá.

Há uma série de fatos inéditos referentes à dupla São Cosme e São Damião, mas que, infelizmente, não cabe aqui desenvolver. Há também uma extensa bibliografia sobre o assunto.

As cantigas de números 8, 11, 35, 114, 122, 138 são invocativas da proteção de São Bento, contra mordedura de cobra, tradição essa espalhada por todo o território nacional. Lembro-me bem, quando garoto, ouvir sempre se dizer, está preso pelos cordões de São Bento, três vezes, quando se via passar um bicho peçonhento, a fim de que ficasse imóvel e se pudesse matá-lo. Oswaldo Cabral traz uma série de orações de São Bento, contra cobras e animais venenosos, as quais são de caráter preventivo e curativo.

244

Nas cantigas de capoeira, as invocações a São Bento são de caráter preventivo. Dentre as de caráter preventivo publicadas por Oswaldo Cabral está a que se segue:–

Meu glorioso São Bento, que subiste ao altar, desce de lá, com tua água benta e benze os lugares por onde eu andar, afugenta as cobras e bichos peçonhentos: que não tenham dentes para me morder nem olhos para me olhar. Valha-me, São Bento, Filho, valha-me meu Anjo da Guarda e valha-me a Virgem Maria. Amém.846

As de números 28 e 40 são invocação a Nossa Senhora e Santa Maria, a mais freqüente e a mais antiga de tôdas as invocações, datando dos primórdios da colonização. Finalmente, a cantiga número 102 fala da oração de Sao Mateus. Nunca ouvi nenhuma oração ou crendice ligada a esse apóstolo, na Bahia. Entretanto, Oswaldo Cabral, na série de orações para cessar hemorragias, dá uma dezena de orações de São Mateus, com tal finalidade, como a que se segue: –

Estavam São Lucas e São Mateus,
Sevando ervas em campos seus;
Cortou-se Lucas, disse Mateus:
–Que tanto sangue!
Sangue, põe te em ti
Como Jesus Cristo se põe em si;
Sangue, põe te nas veias,
Como Jesus Cristo se pôs na sua Santa Ceia com seus doze apóstolos;
Sangue, põe-te no corpo, como Jesus se pôs na hora da sua morte;
Em nome das Três Pessoas da Santíssima Trindade,
Que é Deus Pai, Filho e Espírito Santo.847

Cantigas agiologicas

Agrupei sob a denominação de Cantigas agiológicas todas as cantigas que se referem a santos católicos ou personagens bíblicas, em que detalhes ou toda história de suas vidas são mencionadas direta ou indiretamente, nessas cantigas.

245

A personagem bíblica rei Salomão é mencionada nas cantigas números 3, 53, 60, 70, pela sua lendária sabedoria. São Bento, abade falecido no ano 513, é invocado pela crença que se tem de que advoga contra as cobras e bichos peçonhentos, nas cantigas números 8, 35, 111, 114, 122 e 138. Nossa Senhora e Santa Maria são invocadas, tendo em vista o instinto materno de que pode interferir junto a Deus, seu filho, como se vê nas cantigas números 28 e 40. Adão e Salomé, personagens bíblicas, estão presentes na cantiga número 61, sem qualquer exploração, a não ser da sua grande presença no fabulário do povo baiano. Finalmente, o apóstolo São Pedro, como soldado de Cristo que foi, é assim mencionado na cantiga número 70.

Cantigas geograficas

Cantigas focalizando vilas, cidades, estados e países estão não só nas cantigas de capoeira, como em cantos outros do folclore. Anísio Melhor coletou as seguintes quadras, em que falam de várias localidades da Bahia e do Brasil: –

Caixa-Pregos tem baleia,
S. Amaro tem xangó
Jaguaripe petitinga,
Nazaré tem mocotó.

No Mundo Novo tem bota,
No Camisão tem jabá,
Capote na Fortaleza
Relógio no Pindobá.

Piauí pra criá boi,
Pajeú pra valentão
Mata do Sul pra cacau
S. Estevam pra ladrão.

Nova Lage pra canário,
Amargosa pra café,
Pra sabiá Agua-Branca
S. Felipe pra muié.848

246

As cantigas de capoeira de números 2 e 66 mencionam o Rio de Janeiro, o qual é também muito cantado em Portugal nas seguintes cantigas:–

Já não há papel em Braga,
Nem tinta no tinteiro,
P'ra escrever ao meu amor
Para o Rio de Janeiro.

Aquêle navio novo,
Que se fez no estaleiro,
E que me há de a mim levar
Para o Rio de Janeiro.

Tu dizes que não há rosas
Lá no Rio de Janeiro?
Inda ontem tirei uma
Do peito dum marinheiro.

Vila Nova já foi vila
Agora e um chiqueiro:
Quem quiser moças bonitas
Vá ao Rio de Janeiro.849

247

Luanda, cuja aparição é na cantiga número 2, está fartamente representada em nosso folclore:–

O lelê! ô lelê
O pretinhos de Luanda!

Filho do Rei Catroquês
Afilhado de Maria,
Almirante de Luanda,
Embaixador da Turquia!

General de meu monarca
Não me vendo por dinheiro!
Segue, segue de Luanda,
Vais morrer prisioneiro.850

A ilha de Maré, que vem mencionada nas cantigas números 61 e 64, já vem sendo cantada de há muito, haja vista Botelho de Oliveira, o primeiro poeta brasileiro cronològicamente, nascido na Bahia3 em 1636, na referida ilha. O Japão aparece nas cantigas números 76 e 78, por influência dos comentários da imprensa, no que tange à eterna rusga em que viviam a China e o Japão e também pelo fato de na Segunda Guerra Mundial esse país estar em posição contrária ao Brasil. A Bahia, cidade e estado, das cantigas números 76, 82 e 126, está cantada em todo o folclore nacional e também no português nestas quadras:–

As mulatas da Bahia
Já comem bacalhau:
Comem bôlo de arroz doce
Bela farinha de pau

Quem me dera dar um ai
Que se ouvisse na Bahia;
Que dissesse o meu amor
Aquêle ai… de quem seria?851

248

O Estado do Piauí aparece nas cantigas números 76 e 126 : um estado visado pela imaginação popular, devido à sua importancia na alimentação do Brasil, no que tange ao gado, daí se cantar até hoje:–

O meu boi morreu
Qui será de mim
Vô mandá buscá ôtro
Meu bem, lá no Piauí.

O Paraguai vem na cantiga número 103, devido ao fato histórico da Guerra do Paraguai. Há uma passagem disso no ABC de João Mendes de Oliveira;–

Na Alemanha o rei Guilherme
Há muito se preparou,
Tem muitos vaso de guerra,
Ninguém sabe onde arranjou…
O Lope do Paraguai
Tambem assim se enrascou.852

Gustavo Barroso recolheu a seguinte enbolada:–

Foi o Marquês de Caxias
Que já me mandou chamar,
Para ir ao Paraguai,
Para aprender a brigar.
Vou-me, vou-me embora,
Vou-me embora para o mar!853

O Brasil que aparece nas cantigas números 78 e 82 é também cantado em Portugal nestas quadras:–

Eu quero ir ao Brasil,
Mas não é p'ra ter dinheiro;
E só pra ter fama
De me chamar brasileiro.

Marinheiro d'água doce,
Pra que parte navegais?
–Para as partes do Brasil:
–Boa viagem ficais!

Se eu quisesse árvores
Tinha mais de cem mil
Rapazinhos ricos
Vindos do Brasil.

Adeus, que me vou embora
Adeus, que me quero ir
Numa lancha p'ra Lisboa,
Numa nau para o Brasil.854

249

Finalmente, Itabaianinha que vem na cantiga número 107 está nos versos do cantador alagoano Manuel Moreira, de Atalaia, que cantou em Canindé durante os festejos de São Francisco das Chagas:–

Fui nas áreia
Ver a riqueza da cana,
Depois fui a Itabaianinha
Mode ver gado comprá.
Tive no Ingá,
Pedra de Fogo, Espírito Santo
Que já fica num recanto
Entre o sertão e o mar!855

Cantigas de Louvação

São cantigas louvando as habilidades e bravuras dos famosos capoeiristas Paulo Barroquinha, cantiga 123; Dois de Ouro, cantigas 124 e 125; Pedro Mineiro, cantigas 126, 127 e 128, finalmente Besouro Cordão de Ouro, cantigas 129, 130, 131, 132, 133, 134, 135 e 136.

250

Cantigas de sotaque e de desafio

O sotaque e o desafio é muito do negro, não só entre cantadores, capoeiristas e mesmo entre o pessoal do candomblé, que o faz em pleno ritual, cantando para este ou aquele orixá. Nessa questão de sotaque e desafio o negro é a grande vítima, sendo ridicularizado ao máximo, sobretudo quando o compara ao macaco ou ao anum, pássaro preto com um bico grande e grosso, daí se dizer que o negro tem bico de anum, isto é, tem os labios grossos à semelhança do pássaro:–

O anu é pássaro prêto,
Pássaro de bico rombudo,
Foi praga que Deus deixou
Todo negro ser beiçudo.856

Entre os cantadores, houve uma contenda célebre entre Manuel Macedo Xavier (Manuel Ninò) e Daniel Ribeiro, no povoado de Barcelona, município de São Tomé, no Rio Grande do Norte recolhido por Cascudo, que vale a pena ser transcrita devido à importancia do material nela cantado:–

M–Negro feio do quengo de cupim
Nefasto da perna de tição
Babeco da bôca de furão
Tu viestes enganado para mim
Que mata na terra todo vivo
Me acho bastante pensativo
Em ver-me com ele aliás
Dou-te figa nojento satanaz
Nefário moleque incompassivo.

251

D – Capanga do beiço arrebitado
Fateiro, bode da mão torta
Maldizente, machado que não corta
Preguiçoso, cachorro arrepiado
Negligente, luzório, acanalhado
Lambareiro, frei-sabugo, péla-bucho
Língua preta, bigode de capuxo,
Barulhento, sufocante e abafado
Sem vexame, pateta debochado
Sapo-sunga, faminto, rosto murcho.

M – Pedante, cambado, mentiroso
Gatullo, nojento, feiticeiro
Gabola, ridículo, desordeiro
Bandido, fiota, vaidoso
Sambista, pilhérico, audacioso.

D – Todo cabra amarelo é traiçoeiro
E voce com especialidade
Que vive fazendo falsidade
Com teu pai um amigo verdadeiro
Tenho brio, maroto galhofeiro
Tramela, prestimanio, parolento,
Refratário, rabioso, peçonhento
Solfeiro, nefando, presunçoso
Surumbático, tristonho, caviloso
Poeta interillo, rabugento.

M – Soberbo, pezunho e traidor
Abuzo, bichão, conspirador
Amarelo, sumítico, desvalido
Babaquara, cavalo entrometido,
Infame, infeliz conquistador

D - Malfazejo, sujeito falador
Amarelo da cara de pandeiro
Ovo choco fedorento, estradeiro
Encrédulo, papía, roubador
De mentir esse bicho muda a côr

252

Quando abre o bicão na sala alheia
Estronda igualmente uma baleia
Cantador de gesto aborrecido
O teu nome aqui 'stá conhecido
Por alpercata furada sem correia.

M – Quisília, relaxo, sem futuro
Pisunho, chibante caraolho
Te retira daqui zarolho
Beiço murcho, recanto de monturo
Zumbido, sujeito de pé duro
Ladrão massilento, flagelado
Maluco, cachimbo desbocado
Lambe-ôlho, aleijo cabeçudo
Remelento, cavalo barrigudo
Te descreio, maldito escomungado

M – Carola, falsário, espragueijado
Bandido, safado, paspalhão
Tipo devasso sem ação
Polia de couro maltratado
Corpo sêco, fastio acovardado
Em Deus você nunca teve crença
Com cristão você não tem parença
Quando canta só solta termo imundo
Maluco, visão do outro mundo
Papa môlho, cachorro da doença

O mel por ser bom de mais,
As abelhas dão lhe fim…
Você não pode negar
Que a sua raça é ruim,
Pois é amaldiçoada
Desde o tempo de Caim.

253

Você falou em Caim?
Já me subiu um calor!
Nesta nossa raça preta
Nunca teve um traidor…
Judas, sendo um homem branco,
Foi quem traiu Nosso Senhor!…857

A cantiga número 13 é uma dessas que satirizam o negro. As cantigas números 14, 45, 56, 66, 67, 77, 94, 106, 107, 108 e 118 são sotaques advertindo, sob várias maneiras, às pessoas que não se envolvam onde não podem, sobretudo mostrando que o tamanho e a fôrça não funcionam muito, valendo apenas a inteligência, a habilidade, daí a cantiga 45 referindo-se ao sirí que derrubou uma gameleira; a número 77 chamando atenção para a baraúna que caiu, quanto mais gente. A de número 66 invoca o cachorro que engole osso, argumentando que em alguma coisa ele se fia. Essa cantiga é comuníssima entre os violeiros. Leonardo Mota registra uma oitava falando disso:–

Cachorro que engole osso
Nalguma coisa se fia!
O casamento civi
E lei da maçonaria–
E pecado muié-dama
Ter nome de Maria,
E home até mesmo Padre,
Ter nome de Messia!858

254

Toda a primeira parte da cantiga 66 foi recolhida por Anísio Melhor, sem nenhuma alteração.859 A cantiga número 67 se refere à história da Donzela Teodora, romance popularíssimo no Brasil e com centenas de variantes. Cascudo,860 que estudou e publicou o romance, cita a mais antiga edição da novela, a de 1498, publicada em Toledo por Pedro Hagembach. Das edições portuguesas, Inocencio861 dá como mais antiga uma impressa em Lisboa por Pedro Ferreira, datando de 1735, entretanto Cascudo, pesquisando na Biblioteca Nacional de Lisboa, descobriu uma edição anterior à que se refere Inocencio–Historia da Donzella Teodora, Em que trata da sua grande formosura, e sahedoria / Traduzida do Castelhano em Portuguez, Por Carlos Ferreira; Lisbonense, Lisboa Occidental, Na Officina dos Herdeiros de Antonio Pedrozo Galrão. M.DCC.XII. Com todas as licenças necessarias, e Privilegio Real. A casa de Miguel de Almeida e Vasconcelos, Mercador de Livros na Rua Nova. 5862 Mas o importante da cantiga é que o romance da Donzela Teodora é em prosa, quando a dita é um trecho em verso, surgindo como variante de um único exemplar em verso conhecido e recolhido por Gustavo Barroso: –

Eram doze cavaleiros
Da donzela Teodora,
Cada cavalo uma sela,
Cada sela uma senhora,
Cada senhora dez dedos,
Cada dedo uma memoria…863

Cantigas de roda

Das cantigas de roda infantis do nosso folclore, só chegou ao meu conhecimento uma, a de número 89, que é cantada em todo o Brasil por crianças, capoeiristas e cantores profissionais de rádio e televisão. Gustavo Barroso, na edição que deu do Auto dos Congos, apresenta uma variante da referida roda, cantada por uma personagem do auto:–

255

O Secretário:
Panha laranja no chão
Tico-tico, tico-tico!

Côro:
Voa, pavão,
Deixa voar!

O Secretario:
Quando meu bem fôr embora,
Eu não fico, eu não fico!864

Cantigas de peditório

As cantigas de peditório constituem uma característica dos violeiros cegos, havendo muitas delas já sido recolhidas dentre as quais esta por Anísio Melhor:

Quando Deus andou no mundo
A São Pedro disse assim:
Quem não quer pobre na porta
Também não me quer a mim

Meus irmãos me dê uma esmola
Peço por Nosso Sinhô,
Pelo cálix, pela hóstia
Que hoje se alevantou!

Ai de quem perdeu a vista,
A luz que mais alumeia
Meus irmãos me dê uma esmola
Pela mãe de Deus das Candeias.

Quem me deu a santa esmola,
Me deu de bom coração.
Nossa Senhora Ihe pague
No céu dê a salvação.

256

Quando um cego pede esmola
E recebe incontinente;
A porta do céu se abre
Deixa entrar um penitente.865

Dentre as de capoeira, aparece apenas na de número 11, quando o mestre canta pedindo uma contribuição monetária aos presentes.

Aspeto etnográfico

O capoeirista de hoje narra durante o jogo da capoeira, através do canto, toda uma epopéia do passado de seus ancestrais. Nas cantigas de números 1 e 2 procura mostrar a sua condição de escravo e o conseqüente estado de inferioridade perante os demais. Luanda, cantada e recantada pelo negro, a ponto de Cascudo dizer que Não acredita que nenhuma cidade neste mundo esteja nas cantigas brasileiras como Luanda,866 é lembrada nos cantos de números 30 e 32, fixando, assim, um dos pontos de procedência do negro escravo. A terrível habitação conhecida por senzala, onde ficavam todos, amontoados feito animais, aparece na cantiga número 105. O tratamento que durante o período patriarcal era algo rigoroso, tratando as esposas aos seus maridos por senhor, e os filhos, senhor pai e senhora mãe a seus pais, o negro adoçou o tratamento do senhor todo-poderoso patriarca e sua respectiva esposa em sinhô e sinha, yoyó e yaya.867Esse vestígio ainda existente no falar cotidiano do negro, está nas cantigas números 22, 23, 24, 25, 26, 29 e 137. Da alimentação, canta detalhes nas cantigas números 33, 50 e 115 quando se refere ao dendê, que tanto serve para condimentar a moqueca, invenção africana, como é utilizado nos ebós e outros rituais do culto afro-brasileiro.

257

O melado, ou melaço como é mais geral, é uma deliciosa guloseima referida na cantiga número 104 e já estudado anteriormente. Por fim o problema religioso não poderia escapar a qualquer manifestação em que o negro se faça presente. Nas cantigas números 5, 60 e 67 há referência à mandinga que está como sinónimo de ebó e ebó maléfico. Entre os capoeiras é costume chamar um ao outro de mandingueiro ou dizer que o outro faz mandinga, é pelo fato de andarem sempre com o corpo fechado, isto é, imunizado contra qualquer malefício, ou então alguns mestres de capoeira, antes de começar o jogo limpar o terreiro, isto é, despachar Exu, a fim de não haver perturbação durante a brincadeira, que é como chamam o jogo da capoeira. As cantigas de candomblé, números 19, 20 e 21 estão acidentalmente no texto.

Aspeto sócio-histórico

Dentro do aspeto histórico, o acontecimento de maior relevância na vida funcional do capoeirista foi a guerra do Paraguai que vem mencionada nas cantigas números 60 e 103. A guerra se deu na época em que os capoeiristas estavam em pleno auge de suas atividades, em verdadeiro conflito com a força pública e a sociedade. Com referência à participação dos capoeiristas na referida guerra e as bravatas que lá fizeram, há um sem-número de notícias, mas que dormem o sono da lenda, em virtude de não se conhecer documentação concreta sobre o informe. Manuel Querino,868 por exemplo, conta coisas do arco-da-velha, mas a fonte de informação que é bom, não dá, portanto, como separar a imaginação da realidade, não sabemos. Tentei localizar a fonte através de alguns historiadores amigos, em Salvador, que estudam a guerra do Paraguai e infelizmente todos disseram desconhecê-la.

258

Como Raimundo Magalhães Júnior abordou o assunto capoeira869 e tratou do negro brasileiro na guerra do Paraguai,870 indaguei-lhe se sabia algo sobre as informações de Manuel Querino. Então, por carta de primeiro de julho de 1966, respondeu-me:– Prezado confrade: não posso atinar com a fonte de Manuel Querino. E provável que negros capoeiristas tenham tomado parte na guerra do Paraguai, naturalmente sem servir-se dessa arte mas como atiradores, lanceiros, etc.871

Dentro do aspeto social, notam-se detalhes do comportamento não só nas boas maneiras, como é o caso da sua saudação e cumprimento característicos: como vai? como stá? Como passou Como vai vosmicê?, existentes nas cantigas números 7, 42, 92, 95, 112, 113 e 117. Por outro lado vem o tom desordeiro do seu comportamento, resultante da revolta a sua condição social de extremo abandono e esquecimento, daí praticar uma série de estrepolias, nos botecos de cachaça ou mesmo nas rodas de capoeira, gerando uma série de delitos, como se pode aperceber das cantigas números 3, 23 e 30. A cantiga número 3, por exemplo, se refere ao Engenho da Conceição, local onde até pouco tempo os delinquentes iam cumprir pena.

Outro detalhe importante na vida social patriarcal do Brasil é a indumentária e a moda em geral, em todas as camadas sociais, o que Gilberto Freyre observou com bastante maestria.872 Na última camada social, a de escassíssimo recurso monetário, não poderia haver preocupação com os requintes da moda, o principal era conseguir um tecido à altura do seu poder aquisitivo, que era o zefir, a bulgariana e a chita, tecidos ordinários, sendo que o chitão era mais preferido devido à exuberância de cores alegres da estamparia. Quando essa, sobretudo, era de flores chamava-se3 chitão, como ainda hoje. A chita para o pessoal pobre foi tão usada quanto os famosos crepes da China, as sedas de Tiro e Gaza e os tecidos de Damasco, para a nobreza e a aristocracia rural e urbana. Daí a chita existir nos cantos populares, não só da capoeira como dos violeiros, como os recolhidos por Leonardo Mota:–

259

Com dez covados de chita
Mulher fazia um vestido
E, ao depois de o mesmo feito,
Inda dizia ao marido
Ou mesmo a qualquer pessoa:
–Home, esta chita era boa
Que ficou largo e comprido!873

Não há ninguém como a morte
Pra acabar com a presunção;
Com quatro metro de chita
E sete palmo de chão...874

A chita aparece no canto dos capoeiristas na cantiga número 55.

260

X
Capoeiras Famosos e seu Comportamento na Comunidade social

No Brasil, os grandes focos de capoeiristas sempre estiveram em Pernambuco, no Rio de Janeiro e na Bahia. Em Pernambuco, como nos demais estados da federação, a emprensa da época gastou colunas e mais colunas em tôrno das atividades deliqüentes des que faziam uso do jôgo da capoeira. De todos êsses, o que mais terror causou a tantos que o conheceram foi o famoso Nascimento Grande, de quem infelizmente não disponho de maiores notícias, a não ser as de Odorico Tavares, em livro publicado875 e em conversa pessoal, afirmando ser muito garôto quando o conheceu, sabendo apenas de suas façanhas pelas crônicas e pelo ouvir dizer das pessoas idosas, que viram e lidaram com o capoeira. Entretanto, Gilberto Amado conheceu-o na vida boêmia de rapaz estudante no Recife. No seu livro Minha formação no Recife876 há um capítulo em que narra o diálogo e insulto que fez a Nascimento Grande sem saber e depois o trauma em que ficou quando o mesmo se identificou como o temível capoeira. Infelizmente, não pude avistar me com Gilberto Amado para saber algo de concrêto sôbre o famigerado capoeira de Pernambuco.

No Rio de Janeiro é que a coisa foi mais do que em qualquer outra parte do território nacional. Capoeirista, foi desde a nobreza com o Barão do Rio Branco, dentre outros, até ao negro escravo. A imprensa local da época, livros de contos, romances, crônicas e história estão cheios das façanhas dos capoeiras da secunda capital do Brasil. Melo Morais, que viveu na época dos grandes capoeiras, se refere a Mamede, Chico Cerne-seca, Quebra Côco, Fernandinho, Natividade, Maneta, Bonaparte, Leandro, Aleixo Açougueiro, Bentivi, Pedro Cobra e o terribilíssimo Manduca da Praia, por todos comentado. Sôbre êsse capoeira, a quem conheceu pessoalmente, diz Melo Morais:–

Conhecido por toda a população fluminense, considerado como homem de negócio, temido como capoeira celebre, eleitor crônico da freguesia de São José, apenas respondeu a 27 processos por ferimentos leves ou graves, saindo absolvido em tôdos êles pela sua influência pessoal e dos seus amigos.”

O Manduca da Praia era um pardo claro, alto, reforçado, gibento, e quando o vimos usava barba crescida e em ponta grisalha e côr de cobre.

De chapéu de castor branco ou de palha ao alto da cabeça, de olhos injetados e grandes, de andar compassado e resoluto, a sua figura tinha alguma coisa que infudia temor e confiança.

Trajando com decência, nunca dispensava o casaco grosso e comprido, grandecorrente de ouro de que pendia o relogio, sapatos de bico revirado, gravata de côr com um anel corrediço, trazendo sómente como arma uma bengala fina da India.

O Manduca tinha banca de peixe na praça do Mercado, era liso em seus negócios, ganhava bastante e tratava-se com regalo.

Constante morador da Cidade Nova, não recebia influências da capoeiragem local nem de outras freguesias, fazendo vida a parte, sendo capoeira por sua conta e risco.

Destro como uma sombra, foi no curro da rua do Lavradio, canto da do Senado, onde é hoje uma cocheira de andorinhas, que êle iniciou a sua carreira de rapaz destemido e valentão, agredindo touros bravos sôbre o quais saltava, livrando-se.

Nas eleições de São José dava cartas, pintava o diabo com as cédulas.

Nos esfaqueamentos e nos sarilhos próprios do momento, ninguém lhe disputava a competência.

Um dia, na festa da Penha, o Manduca da Praia bateu-se com tanta vantagem contra um grupo de romeiros armados de pau que alguns ficaram estendidos e os mais inutilizados na luta.

O fato que mais o celebrizou nesta cidade remonta à chegada do deputado português Santana, cavalheiro distintíssimo e invencível jogador de pau, dotado de um fôrça muscular prodigiosa.

Santana, que gostava de brigas, que não recuava diante de quem quer que fôsse, tendo notícia do Manduca, procurou-o.

Encontrando-se os dois, houve desafio, acontecendo àquele soltar nos ares ao primeiro camelo do nosso capoeira, depois do que bebêram champagne ambos, e continuaram amigos.877

Coelho Neto, que também foi capoeira, convivendo com muitos deles, pertencentes às diversas camadas sociais, fala en Augusto Melo, conhecido por cabeça de ferro, Zé Caetano Braga Doutor, Caixeirinho, Ali Baba, Bôca Queimada, Trinca Espinho, Trindade, Duque Estrada Teixeira, capitão Ataliba Nogueira, tenente Lapa e Leite Ribeiro, Antonico Sampaio, aspirante da Marinha, e Plácido de Abreu, que dentre esses últimos citados era o mais valente, conforme diz, além de poeta, comediógrafo, jornalista, amigo de Lopes Trovão e companheiro de Pardal Mallet e Olavo Bilac no jornal O Combate. Teve uma morte trágica, por traído, porém heróica, com resitencia que fêz no túnel de Copacabana.878

Valente também foi um negro capoeirista conhecido por Ciríaco (Francisco da Silva Ciríaco), falecido no Rio de Janeiro a 19 de maio de 1912, que de certa feita no Pavilhão Pascoal Secreto, batendo-se com o campeão japonês de jiu-jitsu, Sada Miako, de um só golpe de capoeira, derrotou-o por completo, ficando como um ídolo na memória do povo a ponto de se lhe comporem uma quadra de louvação:–

O meu amigo Ciríaco
Se acaso fôsse estrangeiro
Naturalmente seria
Conhecido no mundo inteiro.879

Exímio capoeirista foi o famigerado major Vidigal (Miguel Nunes Vidigal), nomeado comandante da polícia em 1821, quando era Intendente-Geral de Polícia, José Inicio da Cunha, Visconde de Alcántara, no primeiro Império. Vidigal, conhecendo a mandinga da capoeira, fêz miséria com os capoeiristas e foi o responsável pela criação da Ceia dos Camarões, de que falarei em lugar oportuno, juntamente com a atuação detalhada do referido major.

Na Bahia, a história dos grandes capoeiras vive na imaginação popular e nas cantigas cantadas por êles, narrando as suas façanhas.

Dentre todos, o que ainda permanece na memória dos capoeiristas, em virtude das suas atitudes periculosas é Besouro (Manuel Henrique), também conhecido por Besouro Cordão de Ouro, Besouro Mangangá. Um dos seus discípulos aqui em Salvador, Cobrinha Verde (Rafael Alves França) informa ter sido êle filho de João Grosso e Maria Haifa, bem como discípulo do capoeirista escravo chamado Tio Alípio.880 Entre as cantigas recolhidas neste ensaio há cerca de oito, narrando suas estripulias e sua personalidade. Para maior detalhe a seu respeito, passo a palavra a seu discípulo, Cobrinha Verde:–

Agora, quero contar algumas aventuras de meu mestre Besouro. O nome lhe veio da crença, de muitos que diziam que quando ele entrava em alguma embrulhada e o número de inimigos era grande demais, sendo impossível vencê-los, então ele se transformava em besouro e saía voando. Certa vez estava sem trabalho e foi procurar um ganha-pão. Foi à usina Colônia, hoje Santa Elisa. Deram-lhe trabalho. Trabalhou uma semana. Quando foi no dia do pagamento ele sabia que o patrão tinha o hábito de chamar o trabalhador uma vez, e na segunda dizia: “quebrou para São Caetano”, que quer dizer: não recebe mais; e se o fulano reclamasse era chicoteado e ficava prêso no tronco de madeira com o pescoço, os braço e as pernas no tronco, por um dia e depois era mandado embora; – na hora do pagamento, Besouro deixou que o patrão o chamasse duas vêzes sem responder. O patrão disse o seu “quebrou para São Caetano”. Todos receberam o dinheiro menos Besouro.

Besouro invadiu então a casa do homem, pegou-lhe no cavanhaque e gritou: – “Pague o dinheiro de Besouro Cordão de Ouro! Paga ou não paga?!” O patrão, com a voz tremula, mandou que pagassem o dinheiro daquele homem e o mandassem embora. Besouro tomou o dinheiro e caminhou.

Besouro também não gostava de polícia. Muitas vêze encontrava companheiros que iam presos e os tomava da mão de qualquer soldado e Besouro batia em todos, tomava-lhes as armas, levava-as até o quartel e dizia: “Tá aqui, seus morcegos” e jogava as armas. Um dia êle estava em frente ao Largo da Cruz, e ia passando um soldado: Besouro o fêz tomar uma cachaça a muque. O soldado saiu dali para o quartel e fez queixa ao tenente que mandou dez soldados, sob o comando do cabo José Costa para prender Besouro vivo ou morto. Chegando lá deram voz de prisão. Besouro saiu do botequim, de costas, foi para a Cruz, encostou-se nela, abriu os braços e disse que não se entregava. Os soldados começaram a atirar. Besouro fingiu estar baleado e caiu. O cabo José Costa achegou-se e disse: o homem está morto. Besouro levantou-se, mandou que os soldados fôssem na frente e saiu cantando: –

Lá atiraram na Cruz,
Eu de mim nao sei quem foi,
Se acaso foi eu mesmo,
Ela mesmo me perdoe!

Besouro caiu no chão
Fez que estava deitado,
A polícia entrou
Ele atirou num soldado.

Vão brigar com caranguejo
Que é bicho que não tem sangue
Polícia se briga,
Vamos para dentro do mangue.

Passados uns tempos, depois de muitas brigas, Besouro foi empregar-se de vaqueiro na fazenda de um senhor de nome Dr. Zeca. Este homem tinha um filho de nome Memeu que era muito genioso. Ele teve uma discussão com Besouro. O fazendeiro tinha um amigo que era administrador da Usina Maracangalha, de nome Baltazar. Mandaram então uma carta, para Baltazar, pelo próprio Besouro, pedindo ao administrador que desse fim do Besouro por lá mesmo. Baltazar recebe a carta, leu, e disse a Besouro que aguardasse a resposta até o dia seguinte. Besouro passou a noite na casa de uma mulher da vida; no outro dia foi buscar a resposta. Quando chego na porta foi cercado por uns 40 homens, que o iam matar. A balas nada lhe fizeram; um homem o feriu à traição, com uma faca. Foi como o conseguiram matar”881

Há uma cantiga que colhi da bôca do mestre de capoeira Augusto de São Pedro, que neste ensaio leva o número 136, referindo-se aos acontecimentos de Maracangalha:

Besouro quando morreu,
Abriu a bôca e falô
Adeus Maracangalha,
Qui e terra de matadô.

Além de Besouro, houve também Paulo Barroquinho, louvado na cantiga número 123. Dois de Ouro foi outro capoeirista famoso, sôbre o qual recolhi as cantigas números 124 e 125. Muito conhecido dos capoeiristas atuais foi Pedro Mineiro, enaltecido nas cantigas números 126,127 e 128. Também deixaram fama, na Bahia, Chico da Barra, Ajé, Chico Cazumbá, Ricardo das Docas, Antônio Maré, Zé Bom Pé, Vitorino Braço Torto, Raimundo Cachoeira, Zacaria Grande, Nôzinho, Bilusca, Piroca Peixoto, Zé do Saco, Samuel da Calçada, Sete Mortes, Aberrê, Patu das pedeiras, Hilário Chapeleiro, Cassiano Balão, Bigode de Sêda, Doze Homens, Tiburcinho de Jaguaripe, Zeca Cidade de Palha, Nô da Empresa de Carruagem, Pacífico do Rio Vermelho, Bichiguinha, Chico Me Dá, Edgar Chicharro, Inimigo Sem Tripa, Goite, Neco Canário Pardo, Bôca de Porco, Dendê, Gazolina, Espinho, Dadá e Siri de Mangue. Pedro Porreta ficou com símbolo da desordem, da valentia. Quando garôto, ouvi muito as pessoas idosas falarem dêsse capoeira e quando a criança era traquina e gostava de bater nas demais, ao repreendê-la, parguntava se era Pedro Porreta. De Chico Três Pedaços contou-me o capoeira Canjiquinha (Washington Bruno da Silva) que era um negrão inimigo de outro capoeirista chamado Matatu. De certa feita, armou uma emboscada para seu inimigo. Escondeu-se na esquina da rua do Engenho Velho, bem na entrada para quem vai para o solar Boa Vista, hoje asilo São João de Deux e quando Matatu se aproximo distraído, deu-lhe uma facada no peito, mas a faca entrou pela clavícula adentro, partindo-se em três pedaços. Escapou a morte, ficando conhecido por Chico Três Pedaços.

Samuel Querido de Deus foi um grande capoeira, cuja lembrança permanece na memória de todos os baianos. Edison Carneiro, que o conheceu e publicou uma foto sua, em pleno jôgo, em Negros Bantos, diz que O maior capoeirista da Bahia, afirmam-me os negros ser Samuel Querido de Deus, um pescador de notável ligeireza de corpo882 Em 1944, quando ainda vivia, Jorge Amado publicou o seu perfil hoje reproduzido em Bahia de Todos os Santos, com o seguite teor:–

Já começam os fios de cabelo branco na carapinha de Samuel Querido de Deus. Sua côr e indefinida. Mulato, com certeza. Mas mulato claro ou muolato escuro, bronzeado pelo sangue indígena ou com traços de italiano no rosto anguloso? Quem sabe? Os ventos do mar nas pescarias deram ao rosto de Querido de Deus essa côr que não é igual a nenhuma côr conhecida, nova para todos sos pintores. Ele parte com o seu barco para os mares do Sul do Estado onde é farto de peixe. Quantos anos terá? E impossivel saber nesse cais da Bahia, pois de há muitos anos que o saveiro de Samuel atravessa o quebra-mar para voltar, dias depois, com peixe para a banca do Mercado Modêlo. Mas os velhos canoeiros poderão informar que mais de sessenta invernos passaram desde que Samuel nasceu. Pois sua cabeça já não tem fios brancos na carapinha que parece eternamente molhada de água do mar?

Mais de sessenta anos. Com certeza. Porem, ainda assim, não há melhor jogador de capoeira, pelas festas de Nossa Senhora da Conceição da Praia, na primeira semana de dezembro, que o Querido de Deus. Que venha Juvenal, jovem de vinte anos, que venha o mais celebre de todos, o mais ágil, o mais técnico, que venha qualquer um, Samuel, o Querido de Deus, mostra que ainda é o rei da capoeira da Bahia de Todos os Santos. Os demais são seus discípulos e ainda olham espantados quando êle se atira no rabo de arraia porque elegância assim nunca se viu... E já sua carapinha tem cabelos brancos…

Existam muitas histórias a respeito de Samuel Querido de Deus. Muitas histórias que são contadas no Mercado e no cais. Americanos do Norte já vieram para vê-lo lutar. E pagaram muito caro por uma exhibição do velho lutador.

Certa vez seu amigo escritor foi procurá-lo. Dois cinematografistas queriam filmar uma luta de capoeira. Samuel chegara da pescaria, dez dias no mar e trazia ainda nos olhos um resto de azul e no rosto um resto de vento sul. Prontificou-se. Fomos em busca de Juvenal. E, com as máquinas de som e de filmagem, dirigimo-nos todos para a Feira de Água dos Meninos. A luta começou e foi soberba. Os cinematografistas rodavam suas máquinas. Quando tudo terminou, Juvenal estendido na areia, Samuel sorrindo, o mais velho dos operadores perguntou quanto era. Samuel disse uma soma absurda na sua lingua atrapalhada. Fôra quento os americanos haviam pago para vê-lo lutar. O escritor explicou então que aquêles eram cinematografistas brasileiros, gente pobre. Samuel Querido de Deus abriu os dentes num sorriso compreensivo. Disse que não era nada e convidou todo mundo para comer sarapatel no botequim em frente.

Podeis vê-lo de quando em quando no cais. De volta de uma pescaria com seu saveiro. Mas com certeza o vereis na festa de conceição da Praia derrotando os capoeiristas, pois êle é o maior de todos. Seu nome é Samuel Querido de Deus.”882a

Najé foi outro capoeirista famoso de Coqueiro de Paraguaçu, mas como gostasse muito de ficar na cidade de Najé, ficou conhecido pelo topônimo. Muito ligado ao pessoal de candomblé, de modo que, ao vê-lo, costumava pilheirar com êle cantando:–

Najé
Najé, Najé
Ojun Já orô

Cantiga chamando atenção para o orô (ritual) de Ogun Já, especie de Ogun cuja caraterística principal é o sacrifício de cachorro que se lhe faz, sacrifício êsse que é feito raramente e o seu processo e cantigas durante o mesmo differem dos demais, não cabendo aqui maiores detalhes sôbre o assunto.

Dos vivos que ainda militam na capoeira, o mais antigo é Mestre Bimba (Manoel dos Reis Machado). Nascido em Salvador a 23 de novembro de 1900, na rua do Engenho Velho, freguesia de Brotas. Era filho de Luís Cândido Machado, batuqueiro famoso no bairro. Começou a aprender capoeira na antique Estrada das Boiadas, hoje Estrada da Liberdade, com um africano chamado Bentinho, capitão da Companhia de Navegação Baiana. A capoeira em que aprendeu e militou durante muito tempo foi a Capoeira Angola, depois então foi que introduziu elementos outros, resultando no que chamou Capoeira Regional, cuja apreciação já fiz anteriormente. O aprendizado dos elementos a serem introduzidos na Capoeira Angola se deu em 1927 e a primeira exibição da sua inovação foi no Campo do Machado em 1936. A sua fama tem ido longe. Edison Carneiro se referindo a êle diz:–  O capoeira Bimba tornou-se famoso por haver criado uma escola, à rua das Larangeiras, em que treina atletas no que apelidou de luta regional baiana, mistura de capoeira com jiu-jitsu, box e catch. A capoiera popular, folclórica, legado do Angola, nada tem a ver com a escola de Bimba.883 E uma afirmação apresada de Edison Carneiro e uma prova de nunca ter assistido ou estudado a capoeira de Mestre Bimba. Mesmo a capoeira estilizada, encenada nos palcos de teatro, televisão e dançada nas Escolas de Samba da Bahia e da Guananbara, ainda tem muito dêsse “legado de Angola”, de que fala Edison Carneiro, quanto mais a capoeira de Mestre Bimba, que conforme já disse anteriormente é a mesmíssima Capoeira Angola, apenas com a adoção de elementos novos europeus e orientais, resultando disso os chamados golpes ligados, não existentes na capoeira Angola.

Constituindo um elemento isolado dos demais capoeiras, pela inovações feitas e conseqüente grande aceitação é claro que teria de receber críticas e reação de seus companheiros. Disso se aproveitou Jorge Amado para imortalizá-lo como uma das personagens em sua obra, nesse lance que segue: – Acontece que mestre Bimba foi ao Rio de Janeiro mostrar aos cariocas da Lapa como é que se joga capoeira. E lá aprendeu golpes de catch-as-catch-can, de jiu-jitsu, de box. Misturou tudo isso à capoeira de Angola, aquela que nasceu de uma dança dos negros, e voltou à sua cidade falando numa nova capoeira, a capoeira regional. Dez capoeiristas dos mais cotados me afirmaram, num amplo e democrático debate que travamos sôbre a nova escola de mestre Bimba, que a “regional” não merece confiança e é uma deturpação da velha capoeira “angola”, a única verdadeira. Um dêles me afirmou mesmo que não teme absolutamente um encontro com o mestre Bimba, apesar da sua fama. Não foi outra a opinião de Edmundo Joaquim, conhecido por Bugalho, mestre de berimbau nas orquestras de capoeira, nome respeitado em se tratando de coisas relacionadas com a “brincadeira”. O mesmo disseram José Domingos e Rafael que mantêm na roça de Juliana uma escola de capoeira, das mais afamadas da cidade.884 Há inúmeros reportagens elogiosas sobre Mestre Bimba na imprensa baiana, sendo que a última e a mais inteligente já realizada foi a do repórter Anísio Félix, intitulada Bimba e Pastinha, duelos de idéas sôbre a capoeira, onde pela primeira vez de público é o único capoeira que conheço a defender a tese de que a capoeira é uma invenção dos africano no Brasil. Vejamos: Os negros sim, eram de Angola, mas a capoeira é de Cachoeira, Santo Amaro e ilha de Maré, camarado!885 Mestre Bimba gravou um long-playing intitulado Curso de Capoeira Regional Mestre Bimba, pela gravadora baiana J.S. Discos, com texto de apresentação Capoeira e Capoeiristas, de Claudio Tavares, Diretor Artístico da Rádio Sociedade da Bahia e Cronista de Disco do Diário de Nóticias da Bahia. Acompanha a gravação um libreto, contendo as lições do curso de Mestre Bimba. Embora não traga data, é a primeira contribuição impressa assinada por capoeirista.

Vicente Ferreira Pastinha ou simplesmente Pastinha, como é chamado nas rodas da capoeira, nasceu a 5 de Abril de 1889 em Salvador. Não é nem nunca foi o melhor capoeirista da Bahia: apenas a sua idade bastante avançada e o seu extremo devotamento à capoeira, fazendo com que até pouco tempo ainda praticasse a dita, mas sem algo de extraordinário. Jogava como um bom outro capoeira qualquer, apenas para sua idade isso significava algo fora do comum. Foi isso que o fêz conhecido, ou melhor, famoso, mesmo assim datando de pouco, ou seja do advento da instituição oficial do serviço de turismo na Bahia, para cá. Publicou em 1964 um libreto intitulado Capoeira Angola.886 Embora o prefaciador, José Benito Colmeno, diga que Pastinha teve como mestre um negro de Angola chamado Benedito, corre entre os capoeiristas que seu mestre fôra Aberrê, o que não impedia ter aprendido também com o referido negro de Angola. O libreto de Pastinha deve ser consultado com cuidado devido a preocupação intelectual do autor em querer dar a origem e explicação de certos fatos que não estão, de maneira alguma, ao seu alcance cultural, daí, com auxílio da fertilidade da sua imaginação, cair em momentos inteiramente novelescos como é o caso do capítulo em que trata da origem da capoeira, o que explica como era a capoeira na época colonial, a indumentária, onde o autor mandou fazer um traje de sua imaginação e se fêz fotografar com o mesmo, para illustrar o referido capítulo. No mais, o trabalho de Pastinha é válido, pois daí em diante é a explicação do seu jôgo pessoal, como aprendeu e a contribuição que deu. O capítulo dedicado às “Melodias e ritmos da Capoeira” é pauperrimo, apresentando apenas duas cantigas. Entretanto, Pastinha conhece muitas e possui inúmeras de sua autoria, que eu as tenho colecionadas e que vou transcrevê-las, pelo seu caráter estritamente pessoal, isto é, falando sôbre êle e expondo seu pensamento sôbre assuntos relacionados à capoeira e à Bahia:–

Capoeira eu aprendi
Veio do meu mundo bem distante
O povo gosta dela e eu não esqueci
E bom exemplo dos brasileiros para outro horizonte

Foi Deus quem deu
Como todos já me vê
A capoeira ao povo reascendeu
O desejo desta beleza aprendi.

A capoeira rasga o veio dos argozes
Na conviquição da fé contra a escravidão
Doce voz teus filhos foi herois
A capoeira ama a abolição.

Nós capoeiristas tem alma grande
Que cresce com alegria
Ha quem tenha alma pequena
Que vive como as águas em agonia

Pode ferir-me com intrigas
Você não é rudes nem terriveis
E inútil seguir os maus amigos
Sossegue nos capoeiristas e sensiveis.

Sou sempre na vida
Um prospero e fecundo
Capoeirista profuzindo alegria
Para tôda parte do mundo.

Nunca dexei a capoeira no deserto
Não sou mal agradecido
Tenho os olhos bem aberto
Para quem sentirá arrependido.

A Capoeira de Angola e boa
Sua história não acabou
Pastinha sustenta grita e ressoa
Os capoeiristas não nega seu valor

No coração do turismo
Tive um nome quem é
Não pode esquecer
Nos degraus da história
Na capoeira êle joga com fé.

Na capoeira minha alma cresceu
Nela guardo segrêdo
Sem receio e nem mêdo
Pastinha na Angola já venceu.

Cachoeira toma sentido
Cachoeira toma sentido
São Félix quer te passar
Iê, da banda de yoyô
Iê, da banda de yoyô

E de lelê, ê, eê
E de lelê, ê, eê
Camarado

No som do berimbau
Sou feliz cantamos assim
Nas festas não somos mau
Todas cantam para mim

Bahia nossa Bahia
Capital do Salvador
Quem não conhece a capoeira
Não lhe dá seu valor
Todos podem aprender
General e també quem é doutor
Quem deseja aprender
Venha em Salvador
Procure Pastinha
Ele é professor

Pastinha é grande amigo de Jorge Amado, o qual estima e o aprecia muito, daí os felizes instantes que se seguem:–

Mestre Pastinha tem mais de setenta anos. É um mulato pequeno, de assombrosa agilidade, de resistência incomum. Quando êle começa a “brincar”, a impressão ds assistantes é que aquêle pobre velho, carapinha branca, cairá em dois minutos, derrubado pelo jovem adversário ou bem pela falta de fôlego. Mas, ah! lêdo e cego engano!, nada disso se passa. Os adversários sucedem-se, um jovem, outro jovem, discípulos ou colegas de Pastinha, e êle os vence a todos e jamais se cansa, jamais perde o fôlego, nem mesmo quando dança o “samba do Angola”.

A Escola de Capoeira de Angola, do Mestre Pastinha, fica na ladeira do Pelourinho, no largo mesmo, num primeiro andar. As quintas e domingos “brinca-se” na Escola. Nas quintas, em geral, a brincadeira é mais fraca, são os alumnos mais novos que se exibem. No domingo vêm os capoeiristas conhecidos e a festa começa pela tarde. Quem fôr à Bahia não deve perder o extraordinário espectáculo que é Mestre Pastinha no meio do salão jogando a capoeira, ao som do berimbau. E quando êle não está lutando, não vai discansar. Toma de um berimbau, puxa as cantigas. Para mim, Pastinha é uma das grandes figuras da vida popular da Bahia. E indispensavel, conhecê-lo, ouvi-lo contar suas histórias, mas, sobretudo vê-lo na “brincadeira” atingindo adversários vigorosos e jovens, derrotando-os um a um.”887

Na bonita e oportuna crônica, Conversa com Buanga Fêlê, tambem conhecido como Mário de Andrade, chefe de luta em Angola, Jorge Amado volta a se manifestar sôbre Pastinha, neste passo :–

Vejo-me encostado a janela de um sobrado do Largo do Pelourinho e um homem de idade, maior de setenta anos, com a vista ameaçada, pequeno e ágil como um gato, está a meu lado e conversa comigo. Somos velhos amigos, nem me lembro mais quando nos conhecemos e desde quando acompanho sua gloriosa trajetória. E um dos mestes da cultura popular baiana, êsse negro de voz macia e rosto alegre que envelhece em sua escola de capoeira de Angola e dança e luta melhor do que qualquer dos jovens de rijos músculos adolescentes. Falo de Mestre Pastinha, um dos maiores capoeiristas que a Bahia já produziu. Acabou de dançar um samba de Angola e se prepara para lutar.

– Aqui – diz meu êle – pratico a verdadeira capoeira de Angola e aqui os homens aprendem e ser leiais e justos. A lei de Angola, que herdei de meus avós, é a lei da lealdade.

Os berimbaus de corda tocam a música ritual, chamando os lutadores. Mestre Pastinha enche a sala com a sua presença, sua agilidade, seu balé alucinante. A capoeira de Angola, a luta brasileira por excelência.888

Pastinha é realmente uma das grandes figuras da vida popular da Bahia. De todos os capoeiristas foi um dos que mais viajaram, em exibições com a sua Escola e um dos poucos a transpor o Atlântico e chegar até o continente africano, como convidado do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, para integrar a delegação brasileira, junto ao Premier Festival International des Arts Négres de Dakar, realizado em abril de 1966.

Canjiquinha (Washington Bruno da Silva) nasceu em Salvador a 25 de setembro de 1925. Foi discípulo do famoso capoeirista Raimundo Aberrê, natural de Santo Amaro da Purificação. A respeito do seu apelido, explica que foi posto por um seu amigo de nome Dálton Barros, em 1938, devido ao samba-batuque de Roberto Martins, Canjiquinha quente, cantado por Carmen Miranda com o Conjunto Regional de Benedito Lacerda, gravado pela Odeon, em 1937, sob a indicação 11-494-A–5.573,889 o qual era a única coisa que sabia cantar e fazia contantemente, por isso o seu amigo tomou a iniciativa do apelido. Canjiquinha é um capoeira jovem e ágil, fazendo com que se destaque é no canto e no toque. Canta como bem poucos e com um repertório vastíssimo, inclusive com uma grande facilidade de improvisar e de todos é quem mais tem contribuído para a adaptação de outros cânticos do folclore à capoeira. Uma boa parte das cantigas dêste ensaio foram recolhidas de Canjiquinha. Foi de todos os capoeiristas baianos o mais convidado para exibições, viagens pelo interior et fora do estado, assim como o que mais atuou no cinema, em longas e curtas metragens, como veremos adiante:–

Exibições Oficiais
  • Na Bahia, no segundo governo do General Juraci Magalhaes, foi convidado por este para uma exibição em Palacio da Aclamação, para uma festa de caridade.
  • Em 1959 foi mandado oficialmente pelo órgão de turismo municipal exibir-se na inauguração da Feira de Ibirapuera, São Paulo e ao Rio Grande do Sul.
  • Em 1964 vai a Natal a convite do Sr. Aluísio Alves, então governador do Rio Grande do Norte, para uma exibiçao, em sua residência de veraneio, como parte das comemorações da passagem do seu aniversário a 31 de janeiro.
  • Em 1966 em São Luís do Maranhão, em Palácio do Governador e na residência do Prefeito da Capital.
Exibições pelo Interior do Estado da Bahia
  • Em Feira de Santana, na Rádio Cultura e no Ginasium Péricles Valadares.
  • Em Alagoinhas, no Cinema Alagoinhas.
  • Em Catu, na sede da Petrobrás.
  • Em Periperi, no Clube Periperi.
  • Em Senhor do Bonfim, no Cinema.
  • Em Juàzeiro, no Cinema Juàzeiro.
Todas essas exibições foram em 1965, à exceção das do município de Senhor do Bonfim e Juàzeiro, que foram no ano de 1966.
Exibições Fora do Estado da Bahia
  • 1959 – Rio Grande do Sul (exibição oficial).
  • 1959 – São Paulo: Feira de Ibirapuera (exibição oficial).
  • 1960 – Guanabara: Revista Manchete; TV Tupi; Universidade do Brasil.
  • 1963 – Pernambuco: TV Ring.
  • 1964 - São Paulo: Feira de Arte Popular; TV Excelsior; TV Tupi; Boîte Chame-Chame; São Sebastião Bar; Boîte Twist; Clube dos Milionários; Residência do cantor e compositor João Gilberto; Clube dos Artistas; Diversas residências particulares.
  • 1965 – Rio Grande do Norte: Palácio do Governador; Lagoa São Manuel Felipe.
  • 1966 – Pernambuco: Petrolina, no Hotel São Francisco; Liciri, no Cinema.
  • 1966 – Maranhão: Bacabau, no Teatro de Arena Municipal; São Luís do Maranhão: Palácio do Governador; Jornal Pequeno; TV Ribamar; Residencia do Prefeito da Capital; Ginásio Rodrigues Costa.
  • 1966 – Piauí: Teresina, na Radio Teresina.
Exibiçoes em Cordões Carnavalescos Durante o Desfile no Carnaval
  • 1962 – Clube Carnavalesco Mercadores de Bagdad.
  • 1963 – Clube Carnavalesco Vai Levando (pela manhã); Clube Carnavalesco Filhos do Morro (a tarde).
  • 1964 – Clube Carnavalesco Filhos do Mar.
No Cinema
Como mestre de capoeira, trabalhou nos longa-metragens Os Bandeirantes, Barravento, O Pagador de Promessas, Senhor dos Navegantes, Samba e inúmeros curta-metragens.
Em Clubes Sociais
Associação Atlética da Bahia, Clube Baiano de Tênis, Iate Clube da Bahia, Clube Português, Clube Carnavalesco Fantoches da Euterpe, Clube Carnavalesco Cruzeiro da Vitória, Centro Recreativo Espanhol, Casa Civile d'Italia, Clube Costa Azul, Clube Vitória. Na Boite Cloc e no cabaré Tabaris.
Em Praça Pública
Praça da Sé, Lagoa do Abaeté, Jardim de Alá, Festa da Pituba e Festa da Conceição da Praia.
Diversos
Deu ainda inúmeras exibições esparsas, tais como na entrada do Hotel da Bahia, Hotel Plaza, Rádio Sociedade da Bahia, Concha Acustica do Teatro Castro Alves e em diversas. residências particulares da Bahia.

Gato (José Gabriel Goes) nasceu em Santo Amaro da Purificação, a 19 de março de 1929. Aprendeu desde criança a jogar capoeira com seu pai Eutíquio Lúcio Chagas, capoeira famoso em Santo Amaro da Purificação. Gato é um excelente capoeira. Joga admiràvelmente bem e com uma agilidade incrível. Mas o que o distingue entre todos é a astúcia felina, como arma e se safa dos golpes, que em todo o desenrolar do jôgo da a impressão de um grande espetáculo de ballet. Ao lado do virtuosismo do jôgo há o do toque que o faz muito bem. Foi um dos mestres de capoeira a integrar a delegação brasileira no Premier Festival International des Arts Nègres de Dakar. Na gravação de capoeira feita pela Editôra Xauã, atua como tocador de berimbau.890

Cobrinha Verde (Rafael Alves França), excelente capoeirista, mas pràticamente fora de forma – já me sinto muito abatido, diz êle.891 Hoje se dedica ao ensino da capoeira en sua Academia. E o autor do terceiro libreto assinado por un capoeirista, o qual vem citado neste ensaio.

Traíra (João Ramos do Nascimento), capoeirista de fama na Bahia e já marcou época. Na gravação citada da Editôra Xauã, atua como mestre de capoeira. Sôbre a beleza do seu jôgo e de sua postura, assim se referiu Jorge Amado:–

Traíra, um caboclo sêco e de pouco falar, feito de músculos grande mestre de capoeira. Vê-lo brincar é um verdadeiro prazer estético. Parece um bailarino e só mesmo Pastinha pode competir com êle na beleza de movimentos, na agilidade, na rigidez dos golpes. Quando Traíra não se encontra na Escola de Waldemar, está, ali por perto, na Escola de Sete Molas, também na Liberdade.892

Waldemar da Paixão, como bom capoeirista antigo, a sua fama corre paralela à de Mestre Bimba. O seu repertório de cantígas é algo notório na cidade. Possuía academia de capoeira na Estrada da Liberdade. Hoje, quando quer, joga ao ar ivre com colegas amigos, ou nas suas academias. Atualmènte se dedica à fabricação de berimbau, por encomenda das barracas do Mercado Modelo.

Ao lado dêsses há um número enorme de capoeiristas na Bahia, uns idosos, não mais praticando a capoeira e outros ainda jovens, porém sem discípulos ou academia de capoeira. Dentre êles, vale salientar Mungunjê, Juvenal, Totonho Maré, Alemão Guarda, Domingo Mão de Onça, Espadarte, Santo Amaro, Dadá, Davi, Antônio Diabo, João Bom Cabelo, Angoleiro, Zé Domingo Foca, José de Mola, Pirrô, Romão Nego Exu, João Grande, dentre muitos outros.

Joao Grande (João Oliveira dos Santos) é dentre todos os grandes capoeiras jovens o que mais truques de ataque e de defesa conhece, contribuindo para isso a flexibilidade fora do comum de seu corpo, tornando-o o mais ágil de todos os capoeiras da Bahia. Quando em pleno jôgo é um grande bailarino. Canjiquinha, por exemplo, depois de fazer várias referencias elogiosas a João Grande, saiu com um tipo de frase muito sua, de que: – “Foi Deus quem mandou João Grande jogar capoeira”. João Grande foi discípulo do capoeirista Cobrinha Verde (Rafael Alves França). Sua Academia é um das mais novas e foi um dos integrantes, como capoeirista, da delegação brasileira no Premier Festival International des Arts Nègres de Dakar.

O capoeirista não era um mau caráter. O seu comportamento na comunidade social era ditado pelas circunstâncias, que se lhe impunham e pelas pressões e desmandos dos que então detinham o poder. Um exemplo disso foi Juca Reis (José Elísio Reis ), irmão do Conde de Matosinhos, famoso capoeirista, com quem foi criado um rumoroso caso, que abalou o ministério do Marechal Manuel Deodoro da Fonseca, levando-o a uma crise, quase motivando sua queda. Fora disso a sua maneira de ser era igual à dos demais, conforme testemunhos dos estudiosos e escritores que conheceram e conviveram com antigos famosos capoeiristas, dando um saldo positivo em favor de sua existência na comunidade social.

Melo Morais Filho foi dos estudiosos o que mais observou e teve convivência com os famosos capoeiristas de sua época, daí alguns depoimentos acertados sobre os mesmo como o de que: –O capoeira gosta de ociosidade, e entretanto trabalha; segunda-feira é para ele prolongamento do domingo. Quando se dedica a alguém é incapaz de uma traição, de uma deslealdade… Ao seu ombro tisnado escorou-se até ha pouco o senado e a câmara, para onde, à luz da navalha, muitos dos que nos governam, subiram.893 Em outro depoimento adverte que: –

Navalhar à traição, deixar-se prender por dois ou três soldados e espancar a um pobre velho ou a uma criança, ser vagabundo e ratoneiro, nunca constituíram os espantosos feitos das maltas do passado, que brigavam freguesia com freguesia, disputavam eleições arriscadas, levavam à distancia cavalaria e soldados de permanentes quando intervinham em conflitos de suscetibilidade comuns.

O capoeira isolado, naqueles tempos, trabalhava, constituía família, a vadiagem lhe era proibida, não era gatuno, afrontava a fôrça pública e só se entregava morto ou quase morto.894

Ainda no século passado é Machado de Assis quem diz: – que estou em desacordo com todos os meus contemporaneos relativamente ao motivo que leva o capoeira a plantar facadas nas nossas barrigas. Diz-se que é o gôsto de fazer mal, de mostrar agilidade e valor, opinião unanime e respeitada como dogma. Ninguém vê que é simplesmente absurda.895 Por fim opina Coelho Neto dizendo que: –O capoeira digno não usava navalha: timbrava em mostrar as mãos limpas quando saía dum turumbamba. Generoso, se trambolhava o adversário, esperava que êle se levantasse para continuar a luta porque: “Não batia em homem deitado”, outros diziam, com mais desprezo “em defunto”. Ainda no mesmo texto se lê: – O capoeira que se prezava tinha ofício ou emprêgo, vestia com apuro e, se defendia uma causa, como aconteceu com a do abolicionismo, não o fazia como mercenário.896

282

XI
As Academias de Capoeira

Como já disse anteriormente, outrora não havia Academia de Capoeira. Havia mestre e discípulo, porém a sede do aprendizado era o terreiro em frente ao boteco de cachaça, quita da ou casa de sopapo, onde moravam. Academia de Capoeira estruturada e assim chamada é coisa recente, datando dos princípios da década de 1930 ao presente momento.

O primeiro mestre de capoeira a abrir Academia foi mestre Bimba (Manuel dos Reis Machado), em 1932, no Engenho Velho de Botas, por sinal também o primeiro a conseguir registro oficial do govêrno, para a sua academia chamada Centro de Cultura Física e Capoeira Regional, num período em que o Brasil caminhava para o pleno regime de fôrça que as leis penais consideravam os capoeiristas como delinqüentes perigosos.897 Qualificando o ensino de sua capoeira como ensino de educação física, a então Secretaria da Educação, Saúde e Assistência Pública expediu o seguinte certificado de registro à academia de capoeira de Mestre Bimba, a 9 de julho de 1937:–

Num. 111. Secretaria da Educação, Saúde e Assistência Público / Departamento de Educação

Inspetoria de Ensino Secundário Profissional

O Inspector Technico do Ensino Secundário Profissional tendo em vista o que lhe requereu o Sr. Manuel dos Reis Machado, Director de Curso de Educação Physica, sito à rua Bananal, 4 (Tororó), districto de Sant'Anna, município da capital, concede-lhe para o seu estabelecimento, o presente título de registro, a fim de produzir os devidos efeitos.

Inspetoria do Ensino Secundário e Profissional Bahia, 9 de Julho de 1937

O Inspector Technico
Ass: Dr. Clemente Guimarães.

A academia de Mestre Bimba que além de ser a primeira a aparecer, a primeira a ser reconhecida oficialmente pelo governo, a primeira academia de capoeira chamada regional uma vez que o seu mestre foi o criador dessa modalidade de capoeira, é a mais importante das academias no gênero, além de ser a matriz que originou as demais, existentes no presente.

Mestre Bimba mantém em sua academia um curso a que chama Curso de Capoeira Regional, cujas lições se acham impressas, num folheto ilustrado, anexo a um disco long-playing onde se acham gravados os toques e as cantigas referentes às lições. Mestre Bimba, não obstante faltar-lhe instrução primária, é um homem bastante inteligente e com um tirocínio de liderança muito aguçado. Usando seus discípulos, que variam desde o homem rude do povo a políticos, ex-chefes de Estado, doutôres, artistas e intelectuais, Mestre Bimba transmitiu-lhes o seu plano de curso, os quais deram uma excelente estrutura e puseram em letra de fôrma. Como tôda academia de capoeira, tem um regulamento para os seus discípulo com a diferença, apenas, que nas demais a coisa vai sen transmitida oralmente, de bôca em bôca. Na academia de Mestre Bimba, há uma série de recomendações datilografadas, emoldurada em vidro e afixada nas paredes e um regulamento básico impresso no folheto mencionado, o qual consta de nove itens:–

  1. Deixe de fumar. E proibido fumar durante os treinos;
  2. Deixe de beber. O uso de álcool prejudica o metabolismo muscular;
  3. Evite demonstrar aos seus amigos de fora da roda da capoeira os seus progressos. Lembre-se que a surprêsa é a melhor arma de uma luta;
  4. Evite conversa durante o treino. Você está pagando pelo tempo que passa na academia e observando os outros lutadores, aprenderá mais;
  5. Procure gingar sempre;
  6. Pratique diàriamente os exercícios fundamentais;
  7. Não tenha mêdo de se aproximar do oponente; quanto mais próximo se mantiver, melhor aprenderá;
  8. Conserve sempre o corpo relaxado;
  9. E melhor apanhar na “roda” que na rua…

O curso em si compreende seis fases, assim distribuídas:

  1. Gingado;
  2. Seqüencia;
  3. Seqüência com berimbau;
  4. Balão cinturado;
  5. Especialização;
  6. Mudança de lenço.

O aprendizado dessas fases é feito através das quatorze lições abaixo discriminadas:

Primeira
Gingada
Segunda
  • Duas de frente
  • Armada
  • Queda de cocorinha
  • Negativa
  • Saída de aú
Terceira
  • Dois martelos
  • Armada e benção
  • Saídade aú
Quarta
Retrospectiva
Quinta
  • Dois godeme (esquerdo e direito)
  • Galopante
  • Arpão de cabeça
  • Joelhada
Sexta
  • Meia-lua de compasso
  • Queda de cocorinha
Sétima
  • Vingativa
  • Saída de rolê
Oitava
  • Banda de costa
  • Asfixiante
  • Banda traçada
Nona
Rasteira
Décima
  • Cintura desprezada
  • Tesoura
  • Saída de aú
Décima primeira
  • Balão cinturado
  • Balão de lado
Décima segunda
Gravata cinturada
Décima terceira
  • Açoite de braço
  • Bochecho
  • Quebra pescoço
  • Cruz
Décima quarta
  • Defesa contra armas brancas
  • Defesa contra armas de fogo.

Concluindo o curso, há uma festa solene de conclusão que chamam de formatura. Assisti a um desses cerimoniais na academia de Mestre Bimba e pude verificar que é algo de suma importância para os que se formam e mui especialmente para Mestre Bimba, cuja satisfação e vibração são fenômenos indiscriveis. O ceremônial se verifica na sede propriamente dita da academia, numa rua denominada Sítio Caruana, 49, no bairro de Amaralina, na localidade chamada Nordeste de Amaralina, um pequeno bairro dentro do grande bairro de Amaralina. A notícia de formatura é qualquer coisa de anormal entre os diversos capoeiristas. O povo da cidade e em especial do local, acorre desde cedo à sede para assistir a festa. Antes de começar e durante os rápidos intervalos servem-se refrigerantes, doces, abará e acarajé com os presentes. A única bebida alcoólica servida é cerveja, mesmo assim o Mestre só permite o seu uso no encerramento. Vestindo camisa branca de algodão, calça de linho branco folgada e calçando chinelos de chagrin, Mestre Bimba, com um apito que jamais se afasta, abre a festa, explicando a sua razão de ser aos convidados e aos que vão se formar, que por sua vez estão trajando camisa branca olímpica de algodão, calça de algodão ou linho, justa ou folgada e basqueteira de borracha branca. Finalizando passa a palavra ao paraninfo da turma. que é sempre um discípulo já formado que faz a sua oração dentro da temática da capoeira. Após isso vem as demonstrações, tendo início com o jogo de formado com formando. Segue-se o jôgo de calouro com calouro. Logo após, os que se formam dão uma demonstração dos golpes aprendidos durante o curso, passando em seguida para exibição de cinturão desprezado. Numa grande pausa para os calouros, vem o jôgo de formado, para depois vir o jôgo de calouro. Chega o momento aureo, com a cerimônia de formatura – Mestre Bimba dá um apito. Reina silêncio e então dá início ao cerimonial. Faz um ligeiro relato do que sabe e do que viu sôbre a capoeira e capoeiristas; e relembra passagens de sua vida para servir de exemplo. Após o que, convida as madrinhas para que coloquem as medalhas no peito e o lenço de esguião de sêda no pescoço de seus afilhados, voltando a falar novamente desta vez para dar explicação sôbre a medalha que é o símbolo da academia e o lenço de esguião de sêda. Sôbre o lenço, que foi de sêda comum azul, explicou que antigamente a grande defesa do capoeirista contra navalhada no pescoço era o uso de um lenço chamado esguião, que era de sêda pura importada, vendido nas lojas do comércio da cidade baixa por quatrocentos réis. Segundo a sua explicação, que e a mesma dos capoeiristas antigos, a navalha não corta a seda pura. Dêste modo, não se morria de navalhada no pescoço. Terminada esta parte e os cumprimentos sociais, vem uma exibição de schath, para, em seguida, dar lugar à prova de fogo. Esta prova de fogo consta do seguinte: durante a demonstração dos golpes o calouro que não se saiu bem ou não satisfez as exigências do Mestre, para ser digno da medalha e do lenço de esguião de sêda, terá que fazer uma prova de fogo, que é jogar capoeira com um antigo discípulo, já formado e exímio jogador de capoeira. Há uma luta violenta, sob os olhos do Mestre. Saindo-se bem o calouro, estouram vivas e palmas sendo abraçado por todos os seus companheiros. Caso contrário, vem um silêncio de gelo total. Após essa prova, vem o jôgo dos que se formaram naquele dia, com os já formados há tempo. Finalizando a parte do jôgo, vem um jôgo exclusivamente dos que se formaram, entre êles próprios. Tem início a parte festiva propriamente dita, com o samba duro, modalidade de samba, executado sòmente por homem e que a certa altura um passa a rasteira no outro, derrubando-o no chão. Vem o samba de roda, que é executado por homens e mulheres presentes, para depois haver o encerramento com distribuição de refrigerantes, cerveja, doces, abará e acarajé com tôdos. Além da sede já referida, com exibições aos domingos, Mestre Bimba possui outra só para cursos, à rua Francisco Muniz Barreto, 1 (antiga rua das Laranjeiras), funcionando diariamente.

O Centro Esportivo de Capoeira Angola é o nome da academia de capoeira, fundada em 1941 por Mestre Pastinha. (Vicente Ferreira Pastinha), hoje localizada ao Largo do Pelourinho, 19, funcionando as terças, quintas, sextas-feiras às 19 horas e aos domingos às 15 horas. A sede da academia de Mestre Pastinha é um salão amplo de um casarão antigo, que também é a sede de muitas outras entidades, funcionando cada qual em horários diferentes. O ensino da capoeira é feito com nas demais academias, isto é, por via oral, à exceção da de Mestre Bimba. Mestre Pastinha, como todo capoeira, vai transmitindo a seus discípulos aquilo que sabe e aquilo que quer transmitir. A sua academia é um reflexo do que eu já disse anteriormente do Mestre. Hoje, devido ao seu estado de saúde que já não lhe permite mais atuar, a academia perdeu o ritmo inicial; acha-se, do ponto de vista etnográfico, em decadência. Lá, a capoeira tem vida quando comparecem dois grande capoeiristas da Bahia: João Grande (João Oliveira dos Santos) e João Pequeno (João Pereira dos Santos), sobretudo João Grande, a quem “Deus mandou jogar capoeira”, ambos atualmente contramestres da academia, conforme afirma Mestre Pastinha em entrevista à revista Realidade,898 sem entretanto terem sido seus discípulos.

A Academia Baiana de Capoeira Angola, sita à rua Christiani Ottoni, antigo Mirante do Calabar, com exibições às terças e quintas, das 20 às 22 horas e aos domingos das 9 às 12 horas, é dirigida por Mestre Gato (José Gabriel Goes). Não obstante se tratar de uma academia relativamente nova, vez que foi fundada em 1962, a Academia Baiana de Capoeira Angola é de grande importância entre as demais. Dispõe de excelentes discípulos e tocadores de berimbau, além de apresentar uma característica diferente das outras, que é o ensino da capoeira ao sexo feminino e ser a preferida pelos alunos da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, para o aprendizado de capoeira, devido ao valor de seu Mestre à capacidade didática que tem para transmitir seus ensinamentos.

A Academia de Capoeira de Angola São Jorge dos Irmãos Unidos de Mestre Caiçara tem sede à rua Coronel Tupi Caldas, 84, Liberdade, e é dirigida pelo Mestre Caiçara (Antônio Conceição Morais). E a única academia que se faz presente às festas populares da Bahia, independente de qualquer auxílio financeiro do orgão oficial do turismo municipal.

Grupo de Capoeira do Bairro Pernambués, com sede rua Tomás Gonzaga, s/n, Pernambués tem como Mestre Arnol Conceição. Não obstante ter sede em recinto fechado, sua exibições são aos domingos, no terreiro em frente, ao ar livre.

O Centro de Representação de Capoeira Regional tem sede à rua Fernão de Magalhães, 71, Chame-Chame (Quinta da Barra), com exibição às têrças e quintas das 19 às 22 hora e aos domingos das 15 às 18 horas, tendo como Mestre Augusto de São Pedro. Não obstante ter sido discípulo de Mestre Bimba, enriqueceu os ensinamentos do mestre com elementos novos, usando-os em sua academia e admitindo o sexo feminino no aprendizado da capoeira regional, sendo assim o pioneiro nesse sentido.

A Capoeira São Gonçalo, com sede à rua Rodrigues Ferreira, 226, Federação, tem por Mestre Bigodinho (Francisco de Assis). Embora seja angoleiro de formação, convive intimamente com Mestre Bimba e em sua academia não usa só os elementos da capoeira angola, como os da chamada regional.

A Escola Nossa Senhora Santana/Curso de Capoeira Regional, tem como enderêço a rua Guiri-Guiri, 86, bairro Cosme de Farias, antigo Quintas das Beatas. Seu Mestre é Manuel Roseno de Santana, discípulo de Mestre Bimba em 1927. Atualmente a academia está sem sede para exibições.

O Centro Esportivo de Capoeira Angola Dois de Julho foi fundado pelo Mestre Cobrinha Verde (Rafael Alves França), discípulo do famoso capoeirista Besouro (Manuel Henrique). A sua sede é no Alto de Santa Cruz (Casa Brito) s/n, no bairro Nordeste de Amaralina, com exibições às têrças quintas e sextas às 20,30 horas e aos domingos as 8,30 horas

Centro de Instrução Senavox/Capoeira é uma academia de capoeira fundada por Carlos Sena, discípulo de Mestre Bimba, que, partindo dos ensinamentos do mestre, acrescentou elementos outros, fazendo com que a sua capoeira tenha um caráter estilizado. Sua sede é à Avenida Sete de Setembro, 2, Edifício Sulacap, sala 207.

As academias de capoeira dispõem de Mestre, que é o dono da capoeira, um Contra-mestre, tirado entre os discípulos ou outros capoeiras convidados, e o Côro, que em algumas academias, como a de Mestre Bimba, é misto, isto é, masculino e feminino.

Do ponto de vista econômico, essas academias, de um modo geral, são a mantença de seus mestres. São cobradas matrícula e mensalidade dos discípulos, ingressos para as exibições, assinam-se contratos para espetáculos, cinema e com entidades carnavalescas para participarem dos seus enredos, quando o mesmo exige a presença da capoeira.

Outro aspecto importantíssimo é o social. Uma academia cujos componentes são a burguesia local, políticos, ex-chefes de Estado, escritores, artistas e intelectuais, ela e seu mestre gozam de um prestígio social fora do comum e de certa tranqüilidade econômica.

De certo modo, um e outro aspecto são negativos para a integridade e o processo normal de evolução e transformação da capoeira. A grande preocupação de prender o turista vez que paga ingresso, tira a sua autenticidade, com o enxêrto de coisas estranhas à essência da capoeira. Na sede do órgão oficial de turismo municipal, por exemplo, as academias que lá se exibem, com a finalidade de não cansar o turista e mostrar coisa variada, saem dos seus cuidados para fazerem samba de roda, ao som dos instrumentos musicais da capoeira tendo como passistas o mestre e seus discípulos. Quando isso não acontece, há sempre um gaiato que se diz “professor” e, em tom informal, faz palestras sobre a origem e história da capoeira, dizendo as maiores heresias e deixando o espectador extremamente confuso. Por outro lado, a infiltração de elementos de um status social diverso do dessas academias tira lhes a autenticidade, no que tange à sua realidade social e de origem. Capoeira, como já disse, sempre foi coisa exibida nos terreiros, nos dias comuns, e nos largos ou praças nos dias de festas. Pois bem, de certa feita o órgão oficial de turismo municipal convocou todos os mestres de academias, para combinar a exibição de suas academias, durante as festas populares que se processariam durante o ano. Não é assim que a quase totalidade exigiu financiamento, no que foi atendida exceção apenas para um mestre, que fêz pior, lamentando ter sido incomodado para aquela reunião, uma vez que sua academia é freqüentada por deputados e pessoas da sociedade portanto não podendo comparecer às festas de largo, para não se misturar com o povo. Como se vê, êsse mestre e sua academia estão totalmente alienados da realidade social a que deveriam estar enquadrados.

291

XII
Ascenção Social e Cultural da Capoeira

O capoeira desde o seu aparecimento foi considerado um marginal, um delinqüente, em que a sociedade deveria vigia-lo e as leis penais enquadra-lo e puni-lo.

A primeira codificação penal brasileira, ou seja, o Código Criminal do Império do Brasil, de 1830, a ele não se refere especificamente. Como socialmente o capoeira era visto com um marginal, um vadio e sem profissão definida, daí está implicitamente enquadrado no capítulo IV, artigo 295, que trata dos vadios e mendigos.899 Esse fato levou o jurista João Vieira de Araújo, ao comentar o Código Penal de 1890, na parte referente ao capoeira, a dizer que o Código Criminal de 1830 não o mencionava destacadamente, porque então não havia surgido o capoeira; que é delinqüente indígena, porém muito mais moderno.900

Entretanto, o Código Penal da República dos Estados Unidos do Brasil, instituído pelo decreto número 847, de 11 de outubro de 1890 e que vige até hoje entre nós, deu-lhe tratamento específico no capítulo XIII, intitulado Dos vadios e capoeiras nos artigos que se seguem:–

Art. 402. Fazer nas ruas e praças públicas exercício de agilidade e destreza corporal conhecida pela denominação Capoeiragem: andar em carreiras, com armas ou instrumentos capazes de produzir lesão corporal, provocando tumulto ou desordens, ameaçando pessoa certa ou incerta, ou incutindo temor de algum mal;

Pena – de prisão celular por dois a seis meses.

A penalidade é a do art. 96.

Parágrafo único. É considerada circunstância agravante pertencer o capoeira a alguma banda ou malta.

Aos chefes ou cabeças, se imporá a pena em dôbro.

Art. 403. No caso de reincidência será aplicada ao capoeira, no grau máximo, a pena do art. 400.

Parágrafo único. Se fôr estrangeiro, será deportado depois de cumprida a pena.

Art. 404. Se nesses exercícios de capoeiragem perpetrar homicídio, praticar alguma lesão corporal, ultrajar o pudor público e particular, perturbar a ordem, a tranqüilidade ou segurança pública ou for encontrado com armas, incorrerá cumulativamente nas penas cominadas para tais crimes.901

A legislação sobre os capoeiras não ficou somente aí. Acordaram os legisladores da necessidade de maior repressão e se idealizarem as colónias correcionais, o que se verificou logo após a publicação do Código de 1893, com o decreto número 145, que autoriza o governo a instituir uma colónia correcional, no próprio nacional denominado Fazenda da Boa Vista, na Paraíba do Sul ou onde melhor lhe parecer. O decreto, na sua essência, assim regula a matéria:

Art. 1°. O governo fundar uma colónia correcional na próprio nacional “Fazenda da Boa Vista”, existente na Paraíba do Sul, ou onde melhor lhe parecer, devendo aproveitar, além da fazenda, a colónias militares atuais que a isso se prestarem, para correção, pelo trabalho, dos vadios, vagabundos e capoeiras que forem encontrados, e como tais processados na Capital Federal.

Art. 9°. Os Estados poderão fundar, a sua custa, colónias correcionais agrícolas, na conformidade das disposições desta lei, correndo somente a despes por conta da União, quando nas leis anuais se votar a verba especial para elas.902 Mais tarde, o decreto de n.° 6.994, de 19 de julho de 1908, aprova o regulamento que reorganiza a Colônia Correcional de Dois Rios, cuja parte referente ao capoeira está assim elaborada:

“Título II, Capítulo I–Dos casos de internação.

Art. 51. A internação na Colônia é estabelecida para os vadios, mendigos, capoeiras e desordeiros.903

Em nossos dias, embora na prática não funcione, a Consolidação das Leis Penais estabelece no seu artigo 46 que: A pena de prisão correcional será cumprida em colônias fundadas pela União ou pelos Estados para a reabilitação, pelo trabalho e instrução, dos mendigos válidos, vagabundos ou vadios, capoeiras e desordeiros.904

Munida de um instrumento jurídico, pôde a polícia dar vazão aos seus instintos, massacrando a torto e a direito os capoeiras que encontrava: estivessem ou não em distúrbios, a ordem era o massacre. O Brasil, que nasceu sem uma polícia organizada, começou a pensar nisso a 24 de outubro de 1626 com a primeira ideia de se organizar, no Rio de Janeiro, uma polícia inspirada nas Ordenações Filipinas, tendo como patrono o ouvidor-geral do crime Luís Nogueira de Brito. O trabalho era gratuito e executado por funcionários chamados quadrilheiros devido à atuação no serviço ser feita por quadras tendo cada uma um responsável. A tarefa era manter a tranqüilidade da cidade e evitar o vício e a delinqüência. Como esta estivesse proliferando com o crescimento da cidade, surge em 1725 o governador Luís Vahia Monteiro, com punho de ferro, para impedir o crime e por isso foi apelidado de O Onça, devido à semelhança de sua ferocidade com a do animal. Dai a polícia só veio sofrer reestruturação e por sinal de base, em 1808.

Com a chegada de D. João VI ao Brasil em 1808, a coisa tomou outro rumo. O medo dos capoeiras e o receio de ser liquidado por espiões estrangeiros ou mesmo intrigas da corte, como medida de segurança cuidou, mui de logo, dar uma nova e mais segura estrutura à polícia. Como houvesse o Marques de Pombal, por alvará de 25 de junho de 1760, instituído uma Intendência Geral de Polícia de Portugal, D. João VI não perdeu tempo em fazer a transposição do mesmo para o Brasil, através de um alvará de 10 de maio de 1808. Coma o dito fosse por demais despótico e desumano, foi violentamente criticado, em Londres, por Hipólito José da Costa, no Correio Brasiliense.905

D. João, como era natural, pensou em colocar no alto posto uma pessoa de sua extrema confiança, que no caso seria Diogo Inácio de Pina Monique, que havia sido intendente de polícia em Portugal, durante 28 anos. Na impossibilidade de se concretizar a escolha, a preferência recaiu no brasileiro, a desembargador Paulo Fernandes Viana, homem famoso pela desempenho de cargos importantes no Brasil e em Portugal e também pela sua inteligência, honestidade e rigidez. Uma vez nomeado o primeiro intendente de polícia do Brasil, tratou de organizar uma Secretaria de Polícia, nos moldes da de Lisboa. Assim, contando já com alguns elementos necessários à expansão do seu programa de realizações, Paulo Fernandes Viana propôs a criação da Guarda Real de Polícia, o que foi conseguido pelo decreto de 13 de maio de 1809. Mantida a princípio com seus próprios recursos e de amigos, confiou a sua direção a uma pessoa de estrita confiança que foi o major Miguel Nunes Vidigal, verdadeiro terror dos capoeiras, daí importante destaque de sua administração na história da capoeira. A sua pessoa era algo atemorizante. Chegava inesperadamente nos quilombos, rodas de samba, candomblés e fazia miséria. Aos capoeiras, que foram a sua mira principal, reservava um tratamento especial, uma espécie de surras e torturas a que chamava Ceia dos Camarões. Em Melo Barreto Filho e Hermeto Lima se lê esta notícia sucinta de sua personalidade: – Era um homem alto, gordo, do calibre de um granadeiro, moleirão, de fala abemolada, mas um capoeira habilidoso, de um sangue-frio e de uma agilidade a toda prova respeitado pelos mais temíveis capangas de sua época. Jogava maravilhosamente o pau, a faca, o murro e a navalha, sendo que no golpes de cabeça e de pés era um todo inexcedível.906 Deu conta do recado, prestando os serviços desejados por D. Pedro I e D. Pedro II, principalmente no combate fulminante aos quilombos, candomblés e capoeiras, merecendo promoções várias, até quando faleceu, a 10 de junho de 1853, como Marechal de Campo e Cavaleiro da Imperial Ordem do Cruzeiro.

Depois da criação da Intendência de Polícia, o capoeira não teve mais sossego, tendo por algozes os seguintes intendentes, em ordem cronológica:

  1. Conselheiro Paulo Fernandes Viana, de 10 de abril de 1808 a 26 de fevereiro de 1821;
  2. Desembargador Antônio Luís Pereira da Cunha, de 2 de fevereiro de 1821 a 16 de janeiro de 1822;
  3. Desembargador João Inácio da Cunha, de 16 de janeiro de 1822 a 28 de outubro de 1822;
  4. Desembargador Francisco da França Miranda, de 29 de outubro de 1822 a 17 de julho de 1823;
  5. Desembargador Estevão Ribeiro de Resende, de 29 de outubro de 1823 a 9 de novembro de 1823;
  6. Desembargador Francisco Alberto Teixeira, de 11 de novembro de 1824 a 15 de agosto de 1827;
  7. Desembargador José Clemente Pereira, de 1827 a 1828;
  8. Dr. Nicolau de Siqueira Queirós (interino ), 1828;
  9. Desembargador Antônio Pereira Barreto Pedroso (interino), 1828;
  10. Desembargador Antônio Augusto Monteiro de Barros, 1829;
  11. Desembargador Antônio José Araújo Bastos, 1829;
  12. Desembargador José Pita Gavião Peixoto, 1831;
  13. Conselheiro Caetano Mário Lopes Gama, 1831.

Com a promulgação do Código de Processo Criminal de Primeira Instância do Império do Brasil, a 29 de novembro de 1832, foi extinto o cargo de Intendente de Polícia e criado o de Chefe de Polícia ocupado somente por juiz de direito no artigo 6 do Capítulo I das Disposições Preliminares.907 Daí em diante o regime monárquico conheceu uma dezena de chefes de polícia sendo o último nomeado quando da constituição do 36º e último gabinete do Império, sob a presidência do Visconde de Ouro Prêto, que foi o turbulento capoeira e inimigo dos mesmos, Conselheiro José Basson de Miranda Osório. A seu respeito Raimundo Magalhães Júnior transcreve este relato de Almeida Nogueira: Baixo, claro, louro, olho azuis e imberbe. Perito na arte da capoeiragem, destro e valente cacetista. Bom estudante, ainda que muito amigo da caçadas noturnas de perus, cabritos e até cavalos, esporte em grande voga nas rodas académicas daquele tempo. Sorteado uma vez para se apoderar de rotundo peru que os caçadores haviam descoberto num quintal, o Basson executou com toda a audácia o mandato. Foi, porém, surpreendido quando já havia deitado a unha na cobiçada presa. Apesar da chuva de pancadaria que lhe caiu sobre o costado, não largou o peru raciocinando, explicou ele depois, que pior seria apanhar a sova e ainda ficar sem o peru. Teve que guardar a cama, no satisfeito dos carinhos contundentes com que fôra mimoseado.908

A criação de uma Intendência de Polícia e o punho forte de Vidigal não extinguiu os capoeiras e muito menos o problema dos constantes conflitos entre eles e a polícia, sobretudo no que tange ao uso de armas por parte dos capoeiras. A arma comum a todos eles era a navalha, a qual manejavam com uma destreza invulgar. Na Bahia, segundo Mestre Bimba (Manuel dos Reis Machado), usavam uma faca feita de braço ou canela de defunto, cuja furada fazia uma ferida difícil de cicatrizar, justamente por isso a polícia vasculhava tudo e todos em busca dessa arma, daí o seu preço altíssimo. Usava também outro tipo de faca chamada faca de ticum. O ticum é uma palmácia também conhecido por tucum (Bactris setosa, Mart.), que dá uma fruta também conhecida pela garotada por Mané Velho e cujas fibras são usadas na fabricação da famosas redes de ticum. Pois bem, segundo me informou capoeira Cobrinha Verde (Rafael Alves França) a madeira tem a resistência do ferro, daí a confecção de facas, e também tem poderes mágicos contra mandinga. Besouro (Manuel Henrique), o temível capoeira, seu primo e seu mestre, segundo corre entre os capoeiras antigos, confirmado pelo próprio Cobrinha Verde, foi morto em 1924, em consequência de um ataque com faca de ticum, em Maracangalha, não morrendo de imediato, sendo transportado para o hospital da Santa Casa da Misericórdia de Santo Amaro da Purificação; somente quinze dias depois é que veio a falecer.

Usavam pouco a navalha. Geralmente entregavam às mulheres de saia, como eram chamadas as negras africanas ou decendentes, para esconderem na cabeça entre o cabelo e torso, tomando-a no momento preciso.

No Rio de Janeiro usavam o petrópolis, uma espécie de bengala grossa, às vezes esculpida e encastoada ou simples porrete, assim chamado por analogia a Petrópolis, cidade do Rio de Janeiro.909 A propósito da origem e história dessas bengalas, há o seguinte depoimento de Taunay:

Na esquina as ruas D. Afonso e Protestantes (hoje 13 de Maio) o prédio do barão do Pilar, o qual pertenceu depois ao capitalista Delfim Pereira e posteriormente à princesa D. Isabel, que ainda possui, depois de o ter aumentado muito.

No morro fronteiro, fazia figura o chalet, em estilo quase clássico grego (que singular enxerto arquitetónico!) do falecido Carlos Spangenberg, cujas bengalas, algumas bem artisticamente esculpidas, concorreram para também dar voga popular ao nome Petrópolis. Ainda nos nossos dias costuma-se dizer um bom petrópolis por um bengalão respeitável e capaz de dar valentes cacetadas sem se lascar.910

Após ter assistido a uma desordem de capoeiras em que o petrópolis teve ação destacada, o viajante alemão Carl Von Koseritz ecreveu em 1883:

No dia 29 à noite fomos convidados apra uma soirée em Botafogo, e quando, à meia-noite, deixávamos na Lapa o bonde de Botafogo, a fim de pegarmos o Plano Inclinado, vimos um grupo de indivíduos patibulares ocupados em pegar fogo, com auxílio de petróleo, nas portas do “Cassino Fluminense”. De repente chegou a polícia, os petroleiros se enganaram e tomaram o Cassino pelo Ministério da Justiça, que fica ao lado e que tem porta da mesma largura e é pintado da mesma côr. A sua amável tentativa se dirigia para o Ministério da Justiça, eles pensavam vingar melhor a morte de Apulcro incendiando o Ministério da Justiça… Esta cena que eu presenciei pessoalmente não foi contudo a única que se verificou naquela noite. Ao cair do crepúsculo grandes quantidades de capoeiras (negros escravo amotinados) e semelhantes “indivíduos catilinários” se reuniram na praça (sic) de São Francisco e começaram, ali e na rua do Ouvidor, a apagar os bicos de gás e, lògicamente, a destruir os lampiões, enquanto gritavam alto e bom som: “Viva a Revolução!” Sòmente pelas 11 horas foi restabelecida a ordem, com a chegada de fortes destacamentos de urbanos (polícia da cidade), armados pouco urbanamente com rifles enquanto a polícia a cavalo desembinhava os sabres e polícia secreta descia os seus porretes “petrópolitanos”. Este chamados “petrópolis” são fabricados pelos alemães de Petrópolis e concorrem com os nosos cacêtes, mostrando ainda aqui incidência de nossa missão cultural, pois ali se encontram instrumento convincente da civilização.910a

Os conflitos se sucediam a cada instante. Pelo que relata Elísio de Araújo a coisa se intensificou no início da administração de Vidigal, a deduzir da devassa de 22 de abril 1812, contra o soldado Felício de Novais, do 2º regimento.911 Distúrbios maiores ainda se verificaram em 1814, daí as grandes devassas contra pessoas portadoras de armas. Esses conflitos foram ganhando proporção, até que em 1821 a Comissão Militar, sentindo-se ja impotente, resolveu dirigir a seguinte representação ao então ministro da Guerra:

Illmo. e Exmo. Sr. – Tendo a Comissão Militar que exerce o governo das armas desta corte e província, reconhecendo a necessidade urgente de serem castigados pública e peremptóriamente os negros capoeiras, presos pelas escoltas militares, em desordens, e reprovando inteiramente o sistema seguido pelo intendente geral da polícia, de os mandar soltar, uma vez que não tenham culpa formada em juízo, do qual resulta dano a seus senhores, que são obrigados a pagar as despesas da cadeia e uma perturbação contínua à tranqüilidade e sossego públicos, e até à segurança da propriedade dos cidadãos; visto que pela falta de castigos de açoite, únicos que os atemoriza e aterra, se estão perpetrando mortes e ferimentos, como tem acontecido há poucos dias, que se tem feito seis mortes pelo referidos capoeiras e muitos ferimentos de facadas e levando a nossa Comissão Militar tomadas todas as medidas, que estão de sua parte, não é possível que preencham os fins a que atende sem que se tome também a que fica apontada, como única que pode concorrer para o bom resultado que convém; como, porém, o referido Intendente, ou por falta de energia ou por não estar bem ao alcance das perigosas conseqüências que se devem esperar, de tratar por meios de brandura aquela quantidade de indivíduos, lembra a Comissão Militar a V. Exa. que, quando seja do agrado de S.A.R. pede cometer-se a disposição daqueles castigos do coronel comandante da Guarda Real da Polícia a fim de os efetuarem logo que o prêtos forem presos em desordens, ou com alguma faca ou com instrumentos suspeitosos, porque com tal medida aparece o exemplo público e aos senhores dos escravos a vantagem de não pagarem as despesas da cadeia, que nada concorre par emenda dos mesmos, que não atendem a êste prejuízo por lhe não ser sensível. S.A., porém, à vista dos expostos, determinará o que julgar mais justo, em benefício do bem público.

Deus guarde a V. Exa. Quartel-General da Guarda Velha, 29 de novembro de 1821. Ilmo. Sr. Carlos Frederico de Caula. – Jorge de Avilez, Veríssimo Antônio Cordeiro, Semeão Estelite Gomes da Fonseca.912

Os tumultos e desordens entre capoeiras e policiais prosseguiram. Tentando uma solução, resolveu o então intendente de polícia, desembargador João Inácio da Cunha, a 10 de fevereiro de 1823, nomear Manuel José da Mota, para se encarregar, juntamente com outros indivíduos sob suas ordens, de permanecer no encalço dos capoeiras e desordeiros, prendendo-os tão logo delinquam. Também deveria fazer cumprir o edital de 26 de novembro de 1821, que determinava o fechamento de açougues, tavernas e estabelecimentos congêneres às 10 horas da noite, sob pena de prisão. A medida não surtiu efeito, tendo Clemente Ferreira França ordenado ao brigadeiro chefe do corpo de polícia o reforçamento das patrulha pela cidade para impedir qualquer aglomeramento de negros capoeiras e pessoas outras, no intuito de evitar desordens através da Portaria de 8 de dezembro de 1823. Nada resolve, nada impediu que os capoeiras estivessem sempre em luta. Agora são vistos numa luta meritória e assinalados nas pagínas da história como heróis nacionais.

Com a guerra do Rio da Prata, a coroa se viu na contigência de contratar estrangeiros, para engrossarem as fileiras do exército brasileiro, importando assim elementos da Irlanda, Alemanha e Inglaterra. Dêsse contingente estrangeiro, uma parte já havia seguido para o Rio Grande do Sul e a outra parte, constante de três batalhões, um irlandês e outro alemão se achava no Rio de Janeiro, aquartelados no Campo de Santana, no Campo de São Cristovão e na Praia Vermelha, reunindo tudo, cerca de duas mil praças, mais ou menos. Acontece, porém, que esses batalhões se achavam tremendamente descontentes com o govêrno e a cada instante davam prova disso, com a prática de atos de indisciplina. Não é assim que o comandante do contingente alemão, que se encontrava ocupado em São Cristóvão, ordenou que castigasse alguns soldados, que haviam praticado atos de indisciplina. Resultado – na manhã de 9 de junho de 1828, eles se rebelaram e prenderam o major destacado para fazer cumprir as determinações do comandante, fazendo grande tumulto e de armas em punho, abandonaram os quartéis e fizeram uma carnificina, matando, devastando e saqueando tudo. E à proporção que a notícia se espalhava, os outros contingentes iam se incorporando aos sublevados. O contingente alemão da Praia Vermelha se incorporou aos seus companheiros, em São Cristóvão. Atitude idêntica tiveram os irlandeses do Campo de Santana e os que se achavam de guarda, em vários edifícios e estabelecimentos públicos, durando essa intranqüilidade de 9 a 10 de junho de 1828. Pois bem, em toda inquietação e balbúrdia tiveram papel de relevante importância os tão combatidos capoeiras. Basta que se tome por testemunho J.M. Pereira da Silva e se saiba que os sublevados, atacados por magotes de pretos denominados capoeiras, travam com eles combates mortíferos. Posto que armados com espingardas, não puderam resistir-lhes com êxito feliz, e a pedra, a pau, à força de braços, caíram os etrangeiros pelas ruas e praças públicas, feridos grande parte, e bastante sem vida.913

Mas o momento áureo da capoeira foi nos últimos dias do Império e nos primeiros da República. A nomeação do bacharel Joaquim Sampaio Ferraz para ser o primeiro Chefe de Polícia da República foi a brasa no barril de pólvora. Sampaio Ferraz foi promotor público na Côrte, de 1883 a 1888, exercendo o cargo com tanta dignidade e austeridade, que fez como que o generalíssimo Marechal Deodoro da Fonseca lhe entregasse o difícil cargo. Infelizmente, não bastava ser digno e austero para tal investidura. Importante mais que tudo era um conhecimento maduro e desapaixonado da então realidade social e política, em que estava mergulhado o país. Ter dignidade e usar punho de ferro não era a solução para o caso. Sua falta de conhecimento e de tato para conduzir os referidos problemas foi que logo de entrada criou a maior crise, que o gabinete de Deodoro experimentou, não sendo derrubado por um milagre do acaso. Os capoeiras entram para a história como os responsáveis diretos pelo abalo ao novo regime que se constituía e pela quase derrubada de seu primeiro gabinete. Foi o famoso e terribilíssimo capoeira Juca Reis (Jos Elísio Reis), filho do primeiro Conde de São Salvador e de Matosinhos e irmão do segundo Conde de São Salvador de Matosinhos, o estopim de tôda a coisa. Sampaio Ferraz disposto a liquidar, de uma vez por tôdas, com os capoeiras, usando da carta branca que lhe dera o generalíssimo, pouco se lhe dera saber se o capoeira tinha ou não sangue azul, se e aristocrata ou um simples cafajeste, a preocupação era exterminá-lo. Por cúmulo do azar, chega de Lisboa o temível Juca Reis, que vivia sempre viajando, a mando da família para ameniar a vergonha e os dissabores que passava. Embora nada fizesse, mas o seu passado foi o suficiente, para que a 8 de abril de 1890, horas após o desembarque e dar umas voltas pela rua do Ouvidor, ser detido, encarcerado e incluído entre os que deveriam ser deportados para a ilha de Fernando de Noronha. Quintino Bocayuva, então ministro das Relações Exteriores, que era amigo íntimo da família, rebelou-se contro excesso de autoridade dada pelo governo a Sampaio Ferraz fazendo com que gerasse a injustiça, levando alguém a ser punido por um passado que não vive mais. O caso foi levado às sessões do Conselho de Ministros, oficializando-se, assim, a crise. A mais importante dessas sessões foi a de 12 de abril 1890 cuja ata vai trancrita na íntegra:–

Aos doze dias do mes de Abril de mil oitocentos e noventa, presentes à uma hora da tarde, em a sala das sessões do Conselho de Ministros, cidadãos generalíssimo Manuel Deodoro da Fonseca, chefe do Governo Provisório; Dr. Rui Barbosa, ministro da Fazenda; general Benjmim Constant, ministro da Guerra; vice-almirante Eduardo Wandenkolk, ministro da Marinha; Dr. Campo Salles, ministro da Justiça; Dr. Cesário Alvim, ministro do Interior; Quintino Bocayuva, ministro das relações Exteriores, e Francisco Glicério, ministro da Agricultura, Comércio e Obra Públicas, o Sr. Generalíssimo abriu a sessão.

O Sr. Francisco Glicério, tomando a palavra, fundamentou e apresentou o decreto reconhecendo à direita indenização pela Companhia Estrada de Ferro D. Pedro I e determinando o pagamento do quantum por arbitramento. Assinado o decreto, solicitou licença para retirar-se por incomodo de saúde.

O Sr. Benjamim Constant apresentou projeto de reforma das escolas militares, sobre o qual foram feitas diversas considerações pelo Exmo. Sr. Chefe do Governo.

O Sr. Quintino Bocayuva, usando da palavra, faz considerações sobre o incidente, que ocupa a atenção pública da prisão do cidadão José Elísio dos Reis pelo Sr. chefe de Polícia. Entende que foi exagerado o arbítrio dado pelo governo àquela autoridade; e, como não há lei no arbítrio, a exigência de fazer seguir para Fernando de Noronha o cidadão que fôra preso tão-sòmente por seus precedentes, mas que tranqüilamente se achava nesta capital para onde viera a chamado de seu irmão, parece excessiva rigor. As relações pessoais, que ligam o orador a família desse moço, a posição excepcional em que a contra-gosto se encontra, determinam a sua retirada do governo, sem que deste retire, entretanto, todo o valimento de seu esfôrço e apoio.

Continuará, pois, fora do governo, a ser homem do governo.

Não está em desacordo com seus colegas, entende que o ato do chefe de Polícia deve ser mantido, mas escrupuliza ou antes discorda em que vá o preso para Fernando de Noronha, onde até sua vida correria risco. Acha que a sua deportação para qualquer parte satisfaria. No se conseguindo esse acordo deixará o gabinete.

O Sr. generalíssimo Deodoro declara não poder consentir na retirada de tão ilustre companheiro, conquanto lhe louve os delicados melindres que manifesta a sua pureza de sentimentos de amizade.

O Sr. Rui Barbosa faz algumas considerações sobre o assunto.

Deseja o acordo, porque não pode ficar de pé o dilema inconveniente de ou sair o chefe de Polícia que, com autorização e apoio do governo, assim procede, ou o membro do governo que representa a chefia e as tradições do partido republicano.

Entende que o arbítrio conferido àquela autoridade é prova exuberante da confiança que em si depositava o governo e, pois, deveria contentar-se com o alvitre da deportação. Nesse sentido se deve apurar; é a sua opinião.

O Sr. Campos Salles diz que a opinião se tem manifestado contra José Elísio dos Reis, e anteveio uma crise logo que se divulgou a notícia da prisão que se debate. Logo que o fato chegou ao seu conhecimento, dirigiu-se ao chefe de Polícia, e tentou evitar, mas era tarde a sua intervenção. Essa autoridade, disposta a manter a ordem, aliás manter o seu ato, declarou-lhe que, se Reis não seguisse o destino dos demais capoeiras presos, exonerar-se do seu cargo. Qualquer decisão que não seja esta, colocará o governo em posição falsa e o exporá aos remoques da população.

Lembra que, quando o chefe de Polícia propôs-se a extirpar da sociedade fluminense o capoeira, propôs ao conselho um processo sumário, em virtude do qual fosse o indivíduo condenado. O Sr. Rui Barbosa opôs-se então ao processo e resolveu-se confiar a ação do chefe de polícia ao seu próprio arbítrio. Daí a posição falsa em que se acha o governo. Considera irreparável a perda do colega das Relações Exteriores, mas não pode convir também na retirada do chefe de Polícia, porque este cairá armado de todo o prestígio, e nos braços da opinião pública que censurará o governo que não soube ser lógico. Portanto, pede ao colega que capitule ante as dificuldades do governo, e invoca o seu patriotismo. Todos tem transigido até com as suas próprias convicções, e tem o direito de exigir de si um sacrifício. O seu melindre de amigo agora está salvo, salvo também o melindre de homem de governo.

O Sr. Quintino Bocayuva declara que realmente foi exagerado o arbítrio que se deixou ao procedimento da autoridade policial; e, em vista dele, não se opõe a que o governo mantenha-lhe o ato, concorda com ele; mas, no dia seguinte ao da partida do preso deixará o Ministério. E questão de constrangimento pessoal; não criou essa posição, mas encontrou-se nela e não pode evitar.

O Sr. generalíssimo declarou não assinar nem o decreto de demissão do chefe de Polícia, nem o de exoneração que o Sr. ministro solicita.

O Sr. Rui Barbosa diz que era mais uma prova de confiança e consideração bastante para demover o seu colega do propósito em que se acha.

O Sr. Cesário Alvim louva o proceder do seu colega das Relações Exteriores. Assevera que, em iguais circunstâncias, outra não seria sua norma de conduta; pede, porém, que se consulte ao chefe de Polícia e que se consiga um acordo.

O Sr. Campos Salles conhece a história desse moço infeliz que tem sido a vergonha da família; lamenta posição dificílima em que se encontra o seu distinto colega das Relações Exteriores, a quem pede se resigne à deliberação cruel do governo. Apoia o ato do chefe de Polícia e não pode ceder aos sentimentos do coração uma vez que o governo foi surdo às suplicas e às lágrimas das famílias dos outros que pelo mesmo motivo tiveram igual destino. Nenhum foi preso em flagrante, mas em consequência dos seus precedentes. Não se trata de uma medida excepcional, mas da mesma que se adotou para todos. Resolver, pois, em sentido contrário, é desmoralizar as instituições e consentir em que se diga que a influência das posições ainda dá leis ao governo da República, como na monarquia. A opinião pública está fita no governo; toda gente inquire o procedimento do Gabinete e quer ver até onde vai a energia e moralidade do governo. Compreende o estado em que estará o Sr. Conde de Matosinhos, primeiro por ter irmão de tal natureza, segundo por ter inconscientemente concorrido para esse fato; mas a solução única é que o distintíssimo colega das Relações Exteriores, tendo dado provas de sua amizade pessoal e de seus louváveis melindres, lembre-se da pátria, que tem o direito de exigir o sacrifício de cada um de seus filhos para sua felicidade. Propõe o alvitre de uma disposição geral que faculte aos que têm posses a retirarem-se de Fernando de Noronha para fora do país; e, assim, apenas chegado o Sr. José Elísio dos Reis, pode-lhe o governo facultar a retirada para a Europa. Desta forma, ter-se-ia atendido a um tempo à moralidade do governo e ao melindre do Conde de Matosinhos.

O Sr. Cesário Alvim lembra o alvitre de ser o preso remetido para outro presídio, mediante petição da família, despachada pelo próprio chefe de Polícia, como meio de conciliar os interesses em jôgo.

Foi resolvido que os Srs. Francisco Glicério e Campos Salles se entendessem com o Sr. chefe de Polícia para chegar a um acordo.

O Sr. Cesário Alvim refere-se aos negócios de Pernambuco, expõe as queixas apresentadas contra a política do atual administrador, homem aliás severo de costumes e honesto.

O Sr. generalíssimo Deodoro discute a matéria e resolve chamar a esta capital o general Simeão, que passará a administração ao primitivo vice-governador, até que se resolva sobre quem deva substituí-lo.

São sujeitos à assinatura alguns decretos, após o que, deu-se por finda a sessão as cinco horas da tarde, do que para constar, lavrei a presente ata que, sendo lida e posta em discussão, foi aprovada.– João Severiano da Fonseca Hermes. (Assinados): Marechal Deodoro da Fonseca. – José Cesário de Faria Alvim. – Francisco Glicério. – Eduardo Wandenkolk.–Campos Salles.– Quintino Bocayuva.914

O assunto voltou a ser ventilado na sessão da 19 de abril de 1890, pelo Marechal Deodoro, falando em torno da renúncia de Quintino Bocayuva e explicando o motivo de sua decisão, conforme resumo da ata que se segue:–

O Sr. Generalíssimo diz que hoje o Sr. Quintino Bocayuva pediu exoneração do cargo de ministro das Relações Exteriores. A falta, que resultará de sua retirada, será muito sensível.

Está no domínio público o seu grande valor em ajudar-nos a levar ao seu termo o governo. No seu caso faria o mesmo; mas a pena lhe pesaria na mão a assinar o decreto. O público está convencido da dignidade do Sr. ministro; portanto, pede que sujeite os seus desejos de retirada à decisão dos camaradas. O público reconhecerá também que, se acedermos ao pedido do Sr. Quintino, não teremos cumprido o nosso dever, e condenará o procedimento do Ministério em consentir em tal. A família ofendida, que deve orgulhar-se de sua amizade, terá maior satisfação possível. Mandará o secretário do governo, por parte de todo o Ministério, dar todas as explicações que o caso exige.

Os Srs. Rui Barbosa, Cesário Alvim e todos – apoiado.

O Sr. Quintino Bocayuva declara que a deliberação de S. Exa. o Sr. Generalíssimo, por mais patriótica que seja e honrosa para sua pessoa, no pode ser aceita por si. É uma questão pessoal. Sairá airosamente. Concorda com tudo, como governo; mas é questão de honra a sua retirada no dia da partida de José Elísio dos Reis. Servira melhor à causa do governo e da República fora do gabinete.

O Sr. Generalíssimo combateu ainda as opiniões do Sr. Quintino e resolveu-se adiar a matéria.915

A crise foi superada com saldo desfavorável a Quintino Bocayuva. Prevaleceu o ponto de vista do chefe de Polícia Sampaio Ferraz, contra todas as suas atitudes e posições assumidas, Juca Reis foi cumprir pena em Fernando de Noronha, e o mais curioso de tudo é que sua ideia de renúncia foi modificada em virtude das ponderações do Marechal Deodoro.

Sobre toda essa crise, sobretudo no que diz respeito a cumprimento de pena dos capoeiras em Fernando de Noronha e a posição do ministro das Relações Exteriores, Quintino Bocayuva, há um importantíssimo depoimento de Dunshee de Abranches, intitulado A deportação dos capoeiras e o general Quintino Bocayuva, o qual vai transcrito na íntegra: –

Um dos mais assinalados serviços, que deveu esta capital ao Governo Provisório, foi sem dúvida alguma o extermínio dos capoeiras.

Dando um tipo especial ao Rio de Janeiro no Brasil e mesmo em todo o mundo civilizado, a capoeiragem era aqui mais do que uma arte, era uma verdadeira instituição.

Radicado nos costumes fluminenses, como um carcinoma e, como tal, julgado inextirpável, resistindo a todas as medidas policiais, as mais enérgicas e mais bem combinadas, esse flagelo dava eternamente uma nota sombra de terror às próprias festas mais solenes e ruidosas de caráter popular.

Já não falando nas datas de solenidades patrióticas ou religiosas quando a multidão se apinhava pelas ruas pelas praças, nem mesmo nos dias calmos habituais de trabalho e tranqüilidade reinava nos espíritos. À noite, durante os espetáculos ou mais vulgarmente depois deste raro era o carioca ou o estrangeiro, que por aqui passasse ou entre nós vivesse, que se pudesse gabar de não haver assistido a uma dessas cenas sangrentas e aviltantes em que a rasteira, a cabeçada e a navalha levantavam a poeira das calçadas, lançando em pânico a população.

Houve tempo mesmo em que bastava uma banda de música fazer-se ouvir ao longe, para que todas as portas se fechassem com o temor de assaltos infalíveis, que eram praticados a torto e a direito, sem provocação nem motivos, simplesmente como um meio prático de dar expansão aos instintos selváticos desses tão crueis quão originais sicários.

O certo, porém, é que a arte da capoeiragem, tornando-se um dos nossos usos mais característicos, não contava os seus cultores apenas nas classes baixas. Personagens ilustres e, entre eles, até homens políticos que ocuparam posição notável no parlamento ou nos conselhos da coroa, eram apontados como exímios no governo. E os guaimus e nagoas, como se denominavam os heróis de profissão nos agrupamentos arregimentados por chefes temíveis e temidos, não raras vezes representavam o principal papel nas pugnas eleitorais.

Formando assim os capoeiras uma das páginas episódicas mais curiosas da história do segundo reinado, capítulo que infelizmente ainda não foi registrado em um estudo especial, como merece, não menos verdade é que foi sempre a preocupação dos governos imperiais, mais bem inspirados e decentes, acabar com semelhante praga, tão deprimente para os foros de uma cidade civilizada, como deverá ser a capital do Brasil.

Felizmente, porém, o que nunca pode conseguir a monarquia, dentro da lei e das conveniências sociais, porquanto os mais perigosos dos chefes das maltas eram filhos de famílias ilustres, e até de titulares, de almirantes e de altos funcionários do Paço, teve a fortuna de levar ao cabo o Governo Provisório, no regímen ditatorial com que inaugurou a República.

Para isso, menos de dois meses depois de 15 de novembro, Deodoro mandou chamar o Dr. Sampaio Ferraz, que então ocupava a chefia de Polícia, e, de acordo com o Dr. Campos Salles, ministro então da Justiça, incumbiu-o da delicada missão de exterminar os capoeiras.

O chefe de Polícia ponderou ao Generalíssimo as dificuldades com que teria de lutar para cumprir essas ordens, tanto mais quanto, para que sua ação fosse nesse sentido coroada de êxito, teria de abrir luta com certas personalidades que, quer nas classes armadas, quer nas civis, quer mesmo no seio do governo, tinham parentes e amigos poderosos, que de certo se desgostariam com o fato de serem pessoas de suas famílias atingidas pelas medidas de repressão, as quais, para ser eficazes, deveriam ser iguais para todos, sem abrir-se uma só exceção.

Génio resoluto e inquebrantável, Deodoro sossegou logo o Dr. Sampaio Ferraz, declarando-lhe que lhe dava carta branca para agir; e, o que fizesse, estava feito. A vista disto, ficou combinado que todos os capoeiras, sem distinção de classe e de posição, seriam encarcerados no xadrez comum da Detenção, tratados aí severamente e pouco e pouco deportados para o presídio de Fernando de Noronha, onde ficariam certo tempo empregados em serviços forçados.

Assim aconteceu. E, logo no dia seguinte, organizada uma lista pela polícia que conhecia um por um desses facínoras que infestavam a cidade, começou uma rasura geral, não se atendendo a empenhos, condescendências e considerações de espécie alguma.

Ora, como previra o chefe de Polícia, não tardou que se dessem os mais desagradáveis incidentes, até nas altas regiões políticas.

O primeiro desgosto, nesse sentido, segundo dizem, foi o Sr. Dr. Lopes Trovão quem o sofreu. S.Exa., sem dúvida, um dos mais ousados paladinos da propaganda, teve mais de uma vez de afrontar nos meetings republicanos o punhal assassino dos adeptos do trono. E, em uma dessas ocasiões, foi um dos mais terríveis dos capoeiras, então conhecidos, o braço forte que o livrou generosamente de um golpe mortífero.

Nestas condições, sabendo da prisão e iminente desterro do homem que lhe salvara a vida, o ardoroso tribuno tentou em vão libertá-lo, não só junto ao Dr. Sampaio Ferraz, como mais tarde perante o próprio Generalíssimo. E o certo é que este fato causou tal impressão no espírito público que, dias depois, saía oculto desta cidade um filho de um dos nossos mais distintos almirantes para não cair também nas malhas da polícia.

Se, porém, a muitos servira esse exemplo, de salutar aviso, a outros, mais confiantes talvez no seu prestígio ao lado dos chefes proeminentes da revolução, o caso não se figurou talvez sem exceções.

É possível, pois, que fosse este o motivo lamentável de um tristíssimo incidente, que bem poderia ser evitado e que trouxe o afastamento por longos anos do nosso país de um dos estrangeiros que mais tinham honrado a sua pátria neste lado do Atlântico.

Foi o caso que constara ao Sr. Conde de Matosinhos, então proprietário d'O País, órgão dirigido pelo Sr. Quintino Bocayuva, ministro também nesse tempo do Governo Provisório, que um dos seus irmãos, o Sr. José Elísio dos Reis, mais conhecido por Juca Reis, figurava na lista dos que deviam ser degredados para Fernando de Noronha. Ora, procedendo-se nessa época ao inventário do saudoso primeiro Conde de Matosinhos, parecera àquele ilustre de necessidade urgente mandar vir de Lisboa o seu aludido irmão tanto mais quanto a permanência deste em Portugal buscar o viajante, pois que lhe garantia a liberdade.

Por seu lado, o Dr. Sampaio Ferraz, informado de tudo, consta que se apressou em fazer chegar ao conhecimento do Sr. Conde de Matosinhos um pedido para que desistisse desse intento, porquanto estava disposto a não deixar que o seu irmão pisasse impunemente as ruas desta capital. Verdadeira ou não esta última versão, o fato é que a 8 de abril de 1890, horas depois de desembarcar neste porto e de passear algumas horas pela rua do Ouvidor, era detido e encarcerado o Sr. José Elísio dos Reis.

O Dr. Sampaio Ferraz, que o vira à porta da casa Pascoal fôra mesmo quem lhe decretara imediatamente a prisão, efetuada instantes depois na esquina da rua Uruguaiana por um dos seus mais dedicados auxiliares.

Nessa mesma noite, debalde o Sr. Conde de Matosinhos procurou obter licença para falar ao preso, o que não conseguiu também a sua veneranda mãe, que, debulhada em lágrimas, chegou até a solicitar essa graça ao próprio chefe do Estado.

Tudo negaram então ao retido, como aos outros capoeiras; e até mesmo o leito, que lhe fora remetido pela família, não consentiram que figurasse na enxovia, em que achava recluso.

Não podia, pois, deixar de irritar esse procedimento do Dr. Sampaio Ferraz ao Sr. General Quintino Bocayuva, que assim via falhar a promessa solene que talvez impensadamente fizera ao seu amigo e protetor. E essa sua exacerbação não demorou em se traduzir no boato de demissão do chefe de Polícia.

E com efeito, o ministro do Exterior de Deodoro pusera questão em um dilema de que não parecia poder mais fugir ou o irmão do Sr. Matosinhos seria posto em liberdade, o que importaria na demissão inevitável do Sr. Sampaio Ferraz, ou então se retiraria S. Exa. do Gabinete.

Diante, porém, da insistência formal do Generalíssimo em manter o ato do chefe de Polícia, declarou-se a crise ministerial; e, em uma conferência reservada, a que compareceram todos os ministros, e realizada na secretaria da Agricultura, a 10 de abril, o Sr. Quintino Bocayuva declarou terminantemente aos seus colegas que, no dia seguinte, no despacho coletivo com o chefe do Estado, pediria a sua exoneração da pasta do Exterior.

O que se passou nessa importante conferência é que os leitores, já esclarecidos por estas linhas, apreciarão no texto da ata, a que se refere esta nota.

Entretanto, para concluir essa rememoração que acabamos de fazer, precisamos acrescentar que, apesar de tudo isso, Deodoro não recuou do seu propósito, mantendo a palavra dada ao chefe de Polícia. E, quinze dias depois, vinham a público na primeira coluna d'O País as explicações com que justificava o Sr. Conde de Matosinhos a passagem da propriedade dessa folha aos Srs. Antônio Leitão & Comp. e os motivos de sua retirada para o exterior.

Quanto ao seu irmão, móvel de toda essa agitada pendência, continuou na Detenção até 1° de maio seguinte, quando foi remetido com outros capoeiras, a bordo do vapor Arlindo, para Pernambuco, e daí para Fernando de Noronha, onde se demorou alguns meses até obter permissão para seguir viagem de novo rumo para a Europa. E a paz e a concórdia não tardaram também a voltar o seio do Governo Provisório, resignando-se patriótica e abnegadamente o Sr. Quintino Bocayuva a continuar no Ministério e sendo substituído na propriedade d'O País, o Sr. Conde de Matosinhos pelo Sr. Conselheiro Mayrink.916

Todo esse depoimento de Dunshee de Abranches foi transcrito por Rocha Pombo, ao registrar, pela primeira vez, a entrada dos capoeiras e suas façanhas na História do Brasil.917

Mais temível que Juca Reis era a terrorista Guarda Negra. Essa guarda, segundo se propalava, nasceu sob a inspiração de José do Patrocínio e com a proteção das verbas secretas da polícia do governo de João Alfredo, tendo suas primeiras reuniões no jornal A Cidade do Rio, do qual era o diretor.

Criada para salvar a monarquia e lutar contra os republicanos, os dirigentes da Guarda Negra exploraram os sentimentos de gratidão dos negros libertos, a 13 de maio de 1888 para defenderem a princesa Isabel e como era de se esperar incorporaram-se todos os capoeiras e mais toda uma avalanche de desordeiros e delinquentes. Tinham como preocupação dar um caráter maçónico à organização, não obstante os republicanos saberem todas as deliberações que tomavam, por antecipação. Reuniam-se na rua da Carioca, 77 (antigo), transferindo-se depois para a rua Senhor dos Passos, 16, onde deliberaram fundar a Sociedade Beneficente Isabel, a Redentora instalando depois no Largo de São Joaquim, hoje Marechal Floriano Peixoto. Era uma associação de fanáticos. Ajoelhados, mão direita sobre o evangelho e olhos fixos na imagem de Cristo, os iniciados prestavam o seguinte juramento: – Pelo sangue de minhas veias, pela felicidade de meus filhos, pela honra de minha mãe e pela pureza de minhas irmãs e sobretudo por este Cristo que tem séculos, juro defender o trono de Isabel, a Redentora – porque esta minha própria vida, por considerar acima de tudo este meu juramento. Em qualquer parte que meus irmãos me encontrem, digam apenas – Isabel, a Redentora–porque estas palavras obrigar-me-ão a esquecer a família e tudo o que me é caro.918 Os capoeiras da Guarda Negra fizeram miséria, não houve uma reunião fechada ou um comício público dos republicanos, que não fossem dissolvidos. O grande acontecimento promovido por eles foi a 30 de dezembro de 1888, quando do comício republicano, na Sociedade Francesa de Ginástica, à Travessa da Barreira, hoje rua Silva Jardim, em que Antônio Silva Jardim deveria proferir um discurso doutrinário. Embora o comício estivesse marcado para as 12 horas, já às 11 a Guarda Negra com os seus capoeiras se concentraram no Largo do Rossio armados de unhas e dentes. Mal Lopes Trovão foi saudado e Silva Jardim começou a falar, o local se transformou numa praça de guerra, com grande número de mortos e feridos. Esse acontecimento deixou Joaquim Nabuco aterrorizado, a ponto de, ao escrever para José Mariano Carneiro da Cunha, desejando felicidades no ano de 1889, que acabava de romper, comentava tristemente: – Organizou-se nesta cidade um chamada Guarda Negra e no domingo houve um combate entre ela e os Republicanos, na Sociedade de Ginástica. Os Republicanos falam abertamente em matar negros como matam cães. Eu nunca pensei que tivéssemos no Brasil a guerra civil depois, em vez de antes da abolição. Mas havem de tê-la. O que se quer hoje é o extermínio de uma raça como ela é a que tem mais coragem, o resultado será um luta encarniçada. De tudo isto eu lavo as mãos. Os liberais se subirem hão de ter um papel difícil a desempenhar.919 Sobre esse acontecimento e todas as demais atuações da Guarda Negra, Raimundo Magalhães Júnior estudou os detalhadamente.920

A intranqüilidade do país no que tange ao comportamento dos capoeiras não se extinguiu aí. Da instalação do governo republicano com a ditadura de Deodoro, até quase nossos dias, os conflitos se repetiram sem parar. Na Bahia, sua fase áurea foi durante a década de 1920, quando assumiu a chefia de polícia o famoso Pedrito (Pedro de Azevedo Gordilho) declinando um pouco, no início da década de 1930, para reiniciar com a última ditadura oficial, que se instalou no país em 1937. Nessa época, o capoeira já tinha perdido muito de sua essência primitiva. Não era mais o instrumento principal da política e dos políticos, sobretudo no período de eleição. Também decaiu o número de capoeira-capanga assalariado por potentados. Agora, a capoeira passa a tomar outro rumo, marcha para o seu aproveitamento cultural e em conseqüência disso começa a decrescer a pressão sobre ela. Mestre Bimba (Manuel dos Reis Machado) é o grande pioneiro, é com ele que a capoeira é oficializada pelo governo, como instrumento de educação física, conseguindo em 1937 certificado da então Secretaria da Educação, para a sua academia. Mestre Bimba foi o primeiro capoeirista, na história turbulenta da capoeira, em todo o Brasil a entrar em palácio governamental e se exibir, com seus alunos, para um governador, que queria mostrar a nossa herança cultural a seus amigos e autoridade convidados e como tal escolheu a outrora perseguida capoeira, justamente numa época em que estávamos sob um regime de ditadura violenta. A respeito de sua exibição em palácio do governador, em tão grave momento político, contaram-me pessoas ligadas a Mestre Bimba que de certa feita se achava ele tranqüilo, em sua academia, quando lhe apareceu um guarda de palácio, fazendo-lhe a entrega de um envelope contendo um convite para comparecer a palácio. Sabendo-se capoeira conhecido da polícia, assustou-se e não teve a menor dúvida de que se tratava de sua prisão. Preparou-se, comunicou o fato a seus discípulos e avisou que caso não voltasse é porque estaria prêso. Ao chegar em palácio teve uma grande surpresa e contentamento. O então Interventor Federal da Bahia, Sr. Juracy Montenegro Magalhães, hoje no posto de General do Exército Brasileiro, pediu-lhe que se exibisse em palácio, com seus alunos, para um grupo de autoridades e amigos seus. Precisando dar um cunho de veracidade à informação, dirigi-me ao General Juracy Montenegro Magalhães, no momento ocupando o cargo de Ministro das Relações Exteriores, que por ironia dos acontecimentos ocupava o mesmo ministério que Quintino Bocayuva ocupava no momento em que se dava um destino à capoeira, totalmente adverso ao que deu o então Interventor na Bahia e hoje ministro das Relações Exteriores. Em resposta, confirmou a informação, através desta carta: –

Rio de Janeiro, 10 de maio de 1966

Prezado amigo Waldeloir Rego,

Acuso recebida sua estimada carta datada de 2 do corrente. Em verdade, quando Governador da Bahia, convidei o capoeirista Manuel dos Reis Machado, vulgo Mestre Bimba, para uma exibição em palácio, quando tiveram ocasião de assistir àquele espetáculo inúmeros visitantes ilustres e meus hospedes.

Não sei se fui o primeiro a ensejar uma oportunidade igual, mas creio que, já nos dias que correm, tornou-se tradição na Bahia uma exibição desta natureza. Esclarecido, assim, seu pedido, peço aceitar o cordial abraço do amigo,

Juracy Magalhães.921

Com isso a capoeira entra pela primeira vez em palácio governamental, começando daí a sua ascensão socio-cultural. Não saiu mais de palácios de governadores e prefeitos do país. Não se concebe uma reunião social, um congresso cultural sem que haja uma exibição de capoeira. A capoeira é ensinada como educação física, nas forças armadas e nas escolas. Alunos da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia vão às academias aprenderem capoeira, para utilizarem na criação de suas coreografias. A capoeira esta no cinema, na música, nas artes plásticas, na literatura e nos palcos teatrais.

318

XIII
A Capoeira no Cinema e nos Palcos Teatrais

Em artigo publicado em 1963922 fui o primeiro a denunciar o elemento turismo na Bahia, infelizmente mal orientado, como o agente responsável por uma série de modificações na estrutura básica de nossa cultura popular, no caso enfocando as pressões económicas diretas ou indiretas, sofridas pelos candomblés, contribuindo assim para um desvio normal na sua evolução, levando-os a uma descaracterização, que dificilmente cairia, não fosse perturbado o ritmo normal da evolução histórica e sócio-etnográfica a que estão condicionados.

No que tange à capoeira, se a coisa não correu às mil maravilhas, também não lhe deu um saldo desastroso. É claro que houve grupos de capoeiristas e até academias que se baratinaram ante as pressões e tentações económicas, descaracterizando se por completo, mas verdade se diga que uma boa parte esteve e está fora dessas influências e, mais importante que tudo, a capoeira arrancou do turismo o que de melhor ele podia lhe dar, que foi a promoção e divulgação dentro e fora do território nacional. Olhada como coisa exótica, a capoeira da Bahia passou a ser, ao lado do candomblé, procurada por toda espécie de turista, pelos etnógrafos, artistas, escritores e cineastas.

319

A sua ida para o cinema e os palcos teatrais é o que vou abordar neste capítulo. Aportaram à Bahia cineastas dos mais variados recantos do Brasil e do mundo, em busca quando não da capoeira de um modo geral, mas isoladamente do toque, do canto e de um determinado instante do jogo. O fato é que essa gente arrancou elementos para inúmeros curta-metragens, ora documentando pura e simplesmente a capoeira, ora usando-a em apenas algumas cenas, como é o caso da película Briga de Galos, com roteiro e direção de Lázaro Tôrres, fotografia de Rony Roger e produção da Winston Filmes, com Menção Honrosa no Festival dei Popoli em Florença. Dos filmes de longa metragem posso citar, entre produções puramente nacionais, associadas ou estrangeiras, em 1960, Os Bandeirantes, uma produção colorida franco-brasileira, distribuída pela UCB, com direção de Marcel Camus. O ano de 1961 foi áureo para o cinema nacional, com O Pagador de Promessas, produção luso-brasileira, distribuída pela Cinedistri, com direção de Anselmo Duarte e fotografia de Chick Fowle. Este filme foi distinguido em 1962, com a Palme d'Or, >no Festival de Cinema de Cannes. Ainda de 1961 é Barravento, produção nacional da Iglu Filmes, com direção e roteiro de Glauber Rocha, fotografia de Tony Rabatone e música de capoeira do mestre-capoeira Washington Bruno da Silva (Canjiquinha). Essa película foi premiada no Festival de Karlovy-Vary, na Tchecoslováquia. Em 1964 vem a produção nacional Senhor dos Navegantes, com roteiro e direção de Aloísio T. de Carvalho e a espanhola Samba, com cenas rodadas no Brasil, em especial a Bahia, onde foram filmadas as cenas de capoeira.

A capoeira emprestou seu principal instrumento musical, o berimbau, para ser símbolo de premiação em festival de cinema. Coube à Bahia a ideia de usá-lo pela primeira vez como tal. Em 1962 foi levado a cabo o primeiro Festival de Cinema da Bahia, cuja nota oficial abaixo diz da sua origem e seu propósito: –

320

A Associação de Críticos Cinematograficos da Bahia e o Departamento de Turismo da Prefeitura, em colaboração com as empresas proprietárias de cinemas, decidiram organizar, em homenagem ao jubileu de A Tarde, o 1.º Festival de Cinema da Bahia, que se iniciará a 22 do corrente, terminando no dia 28. Um júri de entendidos julgará, em sessões diárias matutinas, os filmes selecionados para o Festival. No dia 28, à noite, no Cine Capri, será apresentado, em avant-première internacional, o filme Santo Módico, pelicula franco-brasileira rodada na Bahia. O Festival terminará à noite de 28 no Teatro Guarani, com um espetáculo de gala para a exibição do filme classificado em primeiro lugar.923

Uma vez instituído o festival de imediato se instituiram os prémios. E não tardou uma nota oficial regulamentando, assim, os referidos prémios:–

Quantos prémios serão distribuídos aos melhores do festival. Obedecendo ao seguinte critério: melhor filme– Prémio Cidade do Salvador; filme que apresentar méritos particulares de originalidade e participação social – Prémio Especial da Crítica;melhor curta-metragem–Prémio Universidade da Bahia, e aos meIhores: diretor, argumentista, roteirista, fotógrafo, músico, ator, atriz, ator-coadjuvante e atriz-coadjuvante, em ambas as categorias –Berimbaus de Prata”.924

Como se vê, a maioria dos prémios foi concedida sob a forma de Berimbau de Prata, pela primeira vez instituído, depois utilizado em festivais de música, embora o metal usado seja o ouro. Inúmeros filmes longa e curta-metragens, com a temática capoeira em determinadas cenas, foram exibidos e julgados durante o festival, sendo o resultado da premiação exposto na ata do júri que se segue, onde se vêem os premiados com o berimbau de prata: –

Aos 23 do mês de outubro de 1962, na sede da Associação Atlética da Bahia, com a presença do presidente Carlos Coqueijo Costa, secretário Hamílton Correia e os demais membros: Válter da Silveira, Rui Guerra, Mario Cravo Jr., Leo Jusi, José Augusto Berbert de Castro. Resolveu-se à unanimidade discutir inicialmente os critérios de julgamento, que foram assentados, passando-se então a deliberar sobre a distribuição do Grande Prémio Cidade do Salvador, que foi deferido ao filme de longa metragem “Assalto ao Trem Pagador”, escolhido dentre três filmes que obtiveram melhores médias dos membros do júri.

321

Em seguida resolveu o júri, usando da faculdade que lhe conferem o Regulamento (art. 18) e o Regimento (art. 6), conceder um Prémio Especial ao filme de longa metragem “Tocaia no Asfalto”, por sua grande contribuição para um caráter brasileiro de cinema. Prosseguindo no setor dos filmes de longa metragem, o júri discutiu e votou os prémios “Berimbau de Prata” para os melhores nas suas respectivas categorias, a saber: Melhor diretor: Roberto Pues, por unanimidade de votos, pelo seu filme “Tocaia no Asfalto”; Melhor argumentista: Miguel Tôrres, pelo trabalho no filme “Três Cabras de Lampião”; Melhor roteirista: Roberto Farias, de “Assalto ao Trem Pagador” Melhor fotógrafo: Hélio Silva, por unanimidade, pelos seus trabalhos nos filmes “Três Cabras de Lampião” e “Tocaia no Asfalto”; Melhor músico: Antônio Carlos Jobim, pela partitura do filme “Pôrto das Caixas”; Melhor Ator: Eliezer Gomes, pelo desempenho no filme “Assalto ao Trem Pagador”; Melhor atriz: Gracinda Freire, pelo papel feminino principal do filme: “Três Cabras de Lampião”; Melhor ator-coadjuvante: Mílton Gaúcho, pelo desempenho em “Tocaia no Asfalto”; Melhor atriz-coadjuvante: Luísa Maranhão, pelo papel vivido em “Assalto ao Trem Pagador”.

A seguir foi atribuído o Prémio Reitoria da Universidade da Bahia, para a categoria de curta-metragem, cabendo igualmente aos filmes “Aruanda” e “O Menino da Calça Branca”, respectivamente pelo seu valor documental e pelo seu valor poético, sendo seus autores Linduarte Noronha e Sérgio Ricardo. Por seus méritos artísticos mereceram Menções Honrosas do Júri os filmes “Festival de Arraias”, de Rex Schindler; “Igreja”, de Sílvio Robato, e “Aldeia”, de Sérgio Saenz. A Comissão do júri, antes de encerrar os trabalhos, decidiu por unanimidade inserir em ata um voto de louvor aos idealizadores do Festival, notadamente ao jornal A Tarde, pelo patrocínio que emprestou, ao Departamento de Turismo da Prefeitura, na pessoa do seu dinâmico diretor Carlos Vasconcelos Maia, aos exibidores 322 Francisco Pithon e Juvenal Calumby, pela inestimável colaboração prestada, facilitando as sessões do Festival. E a título de colaboração, sugere que o Festival tenha caráter de continuidade, devendo ser realizado periodicamente, se possível cada ano. Bem assim, que desde logo seja constituída uma comissão permanente, sob a supervisão do Diretor do Departamento de Turismo da Prefeitura, a fim de que sejam reformulados o Regulamento e Regimento do Festival, suprindo-se as compreensíveis falhas neles existentes e ampliando-se critérios que melhor possibilitem a classificação e julgamento dos filmes. Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a sessão, de que dá noticia fiel esta ata, que vai assinada pelos membros do júri que compareceram à sessão. Assinados: Carlos Coqueijo Costa–presidente, Hamílton Correia– secretário, Válter da Silveira, Rui Guerra, Mário Cravo Jr., Leo Jusi, José Augusto Berbert de Castro.925

Em festivais internacionais, os filmes brasileiros, com cenas de capoeira, premiados foram O Pagador de Promessas, no Festival de Cinéma de Cannes, Barravento, no Festival de Karlovy Vary, na Tchecoslováquia e o curta-metragem Briga de Galos, no Festival dei Popoli, em Florença.

Nos palcos teatrais, a capoeira aparece totalmente estilizada. Quando não se estiliza nas coreografias de danças modernas, fazem-no nos espetáculos de conteúdo afro-brasileiro, como vem fazendo, dentre outros, Solano Trindade.926 Quando isso não acontece, fazem-se espetáculos montados, onde se cantam músicas com conteúdo de capoeira, como fazem Ellis Regina e Baden Powell, na boîte Zum Zum, batizando o espetáculo com o nome de Berimbau.927

323

Na Bahia, o Grupo Folclórico da Bahia, dirigido por Ubirajara Guimarães Almeida, discípulo de Mestre Bimba, vem dando espetáculos de capoeira estilizada. De certa feita o Departamento de Educação Física e Esportes da Bahia organizou, no Ginásio Antônio Balbino, um espetáculo intitulado Noite de Folclore, e lá estava o referido grupo no fim da programação, apresentando História da Capoeira e Samba Duro.928 Infelizmente, não se coaduna com a verdade, no que diz respeito à História da Capoeira. O grupo é mal informado e às vezes apela para a imaginação, no que se refere ao aspeto histórico e sócio-etnográfico da capoeira, passando a divulgar inexatidões a quem à sua platéia acorre. Melhor seria que, partindo de fatos concretos de capoeira, estilizando como vem fazendo, criassem histórias próprias e montassem um espetáculo, sem a pretensão de fazerem história ou etnografia da capoeira. No mesmo ano em que se exibiram aqui, exibiram-se na Guanabara, no Teatro Jovem, com um espetáculo intitulado Vem Camará 67 (novas estórias de capoeira).929 Como se vê, o termo História para designar fato concreto, fato consumado, foi substituído pelo termo estória, a coisa criada, inventada. Talvez isso fosse fruto do diálogo que mantivemos, eu e o dirigente do grupo, meses antes do espetáculo. Não assisti a essa apresentação, porém soube do sucesso promocional e de platéia, através da imprensa.930 Agora se lê num jornal de Salvador que

O Grupo Folclórico da Bahia irá representar o Brasil no III Festival Latino-Americano de Folclore, a realizar-se na cidade de Salta, na Argentina, quando apresentarão, durante quarenta minutos, um espetáculo que terá como tema principal a capoeira e fragmentos de candomblé, samba de roda e outros números do nosso folclore.

O Festival de Salta reúne representantes de todas as Américas e seus quatro primeiros colocados irão participar da Feira Internacional de Folclore, em Los Angeles, no que estão esperançosos os nossos representantes''.931

324

XIV
A Capoeira nas Artes Plasticas

O aparecimento da capoeira nas artes plásticas não é de agora. As indicações mais específicas remontam a 1827 com Moritz Rugendas. Em viagem pelo Brasil, Rugendas anotou e desenhou paisagens, cenas e costumes da vida brasileira. Depois, de volta à Europa deu forma de livro e começou a publicação em quatro partes, de 1827 a 1835, sob título de Malerische Reise in Brasilien. Dentre os desenhos que fez, lá está uma cena de capoeira a que já me referi, neste ensaio. No ano seguinte ao término da publicação da obra, isto é, em 1836, Rugendas destacou as planchas litografadas e as publicou em Schaffhausen com o título de Das Merkwurdigste aus der malerischen Reise in Brasilien.

Quase que paralelamente a Rugendas, vem Jean Baptiste Debret com a sua Voyage pittoresque et Historique au Brésil, ou séjour d'un artiste français au Brésil, depuis 1816 jusqu'en 1831 inclusivement, époques de l'avenement et de l'abdication de S.M.D. Pedro ler, fondateur de l'Empire brésilien, publicado em Paris em três volumes de 1834 a 1839, onde há uma plancha litografada de sua autoria, de um negro escravo tocando berimbau, principal instrumento da capoeira. á respeito dêsse desenho, também já me referi no corpo dêste livro.

325

De lá, até nossos dias, o grande mestre e senhor absoluto do tema é Carybé, cujo verdadeiro nome é Hector Julio Páride Barnabó, nascido na Argentina, vindo para o Brasil em 1943, estabelecendo-se de imediato na Bahia, onde assimilou os costumes e tradições, incorporando-se de logo à vida baiana. Hoje com cidadania brasileira, diz-se naturalizado baiano, devido ao seu amor excessivo à Bahia. Com um desenho magistral, que se impõe por sua dinâmica e simplicidade, foi que Carybé conseguiu suplantar todas as dificuldades, na captação e recriação dos complicados movimentos da capoeira, como nenhum outro artista do presente. A Bahia, tanto na sua capital como nas cidades circunvizinhas, está cheia de murais de Carybé com a temática da capoeira. Realizou inúmeras exposições dentro e fora do país, onde os desenhos de capoeira estiveram presentes e no trabalho quotidiano sempre é interrompido por um colecionador que o visita, trazendo, em sua relação de aquisições, desenhos de capoeira.

Em 1955, a Livraria Progresso Editora criou a Coleção Recôncavo, espécie de cadernos, com a finalidade de divulgar os costumes e tradições da Bahia. Cada caderno foi entregue a um escritor para elaborar o texto sobre um tema e todos ilustrados por Carybé. Pois bem, o caderno número três foi destinado a capoeira e como Carybé estivesse mais entrosado, na época, do que ninguém no assunto, a ele foi confiado também o texto. O referido caderno que tem por título O Jogo da Capoeira, com um texto leve, sem pretensões etnográficas, contém 24 desenhos excelentes, além de mais quatro sobre os instrumentos musicais da capoeira, hoje fazendo parte do acervo do Museu do Estado da Bahia.

Mais tarde, em 1962, todas as ilustrações que compunham a extinta Coleção Recôncavo foram reunidas em volume sob o título As Sete Portas da Bahia e publicado com Cantiga de Capoeira para Carybé, de autoria de Jorge Amado, onde o autor, partindo de um refrão de capoeira, compôs esta extensa cantiga de louvação a Carybé:–

Mestre de muitas artes,
ê, ê camarado
quem é que é?

326

Quem é que é
ê, ê, camarado,
da Bahia o filho amado?

É Carybé, camarado,
ê, camarado, ê.

Quem é que é,
ê, ê, camarado,
dono do mar da Bahia?

O xaréu de prata e lua,
ê, ê, camarado,
a jangada e o saveiro
e o abebé de Iemanjá,
ê, ê, camarado,
e de quem é?

Quem é que é,
ê, ê, camarado,
o filho de Oxossi e Omolu?

É Carybé, camarado,
ê, camarado, ê.

Mulato de picardia,
ê, ê, camarado,
na roda da capoeira,
da capoeira de Angola
ê, ê, camarado,
quem é que é?

No largo do Pelourinho,
ê, ê, camarado,
na Conceição, no Bonfim?

De quem é o berimbau,
ê, ê, Pastinha
e o rabo de arraia?

327

É de Carybé, camarado
ê, camarado, ê,

Querido de Mãe Senhora,
ê, ê, camarado,
e de todos os orixás,
Quem é que é esse Obá,
ê, ê, camarado, na roda das iauôs,
negro nagô?

E de quem é,
ê, ê, camarado,
o xaxará, o erukerê e o agogô?

É de Carybé, camarado,
ê, camarado, ê.

De quem é o vatapá,
ê, ê, camarado,
e a negra do acarajé,
Nanci, Ramiro e Sossó,
ê, ê, camarado,
e de quem é?

A paisagem, a poesia
e o mistério da Bahia,
ê, ê, camarado, e de quem é?

É de Carybé, camarado,
ê, camarado, ê.

De Brotas ao Rio Vermelho,
ê, ê, camarado,
quem reina nas Sete Portas,
dono dos atabaques,
amigo de todo mundo,
ê, ê, camarado,
quem é que é?

328

É Carybé, camarado,
ê, camarado, ê.

É Carybé da Bahia,
ê, camarado, ê,
camarado.932

Outro artista que conseguiu ótimos resultados plásticos, com o tema capoeira, foi o escultor Mário Cravo Júnior. Mário Cravo possui litografia,933 inúmeros desenhos de capoeira, mas o seu grande achado está nas esculturas em ferro cujas cenas de capoeira são tão boas e plasticamente válidas quanto a famosa coleção fálica de Cristos e Exus. Em madeira, conseguiu sair-se com rara felicidade quando esculpiu, em tamanho natural, um Tocador de Berimbau, numa interpretação erótica.

São também de grande importância os excelentes desenhos de Aldemir Martins sobre capoeira. Aldemir Martins é um dos dois artistas brasileiros com premiação internacional, na Bienal de Veneza.

Na pintura, a capoeira tem sido aproveitada pelos pintores primitivos, que nos últimos tempos têm proliferado de maneira assustadora, trazendo, na sua maioria algo de ruim e comprometedor, refletindo negativamente no que há de válido na pintura primitiva brasileira.

329

XV
A Capoeira na Música Popular Brasileira

No processo evolutivo da música popular brasileira, de todas as modas em matéria de música, a que conseguiu se fazer notar com mais eficácia foi o que comummente se chama Bossa Nova. Com vários pais e papas, em verdade a bossa nova permanece com a sua extração duvidosa. Tinhorão, em livro cheio de observações lúcidas, não obstante ter pontos discutíveis, aqui e ali, foi bastante feliz ao dizer que a bossa nova é Filha de aventuras secretas de apartamento com a música norte-americana – que é, inegavelmente, sua mãe – a bossa nova, no que se refere à paternidade, vive até hoje o mesmo drama de tantas crianças de Copacabana, o bairro em que nasceu: não sabem quem é o pai.934 Não importa muito aqui o problema da extração da bossa nova e sim no que ela contribuiu de positivo ou negativo no afastamento ou aproximação da música popular brasileira. No que diz respeito ao samba, Tinhorão denuncia o afastamento definitivo de suas origens populares, que ela provocou.935 Entretanto, no que toca à capoeira, em sua temática e música propriamente ditas, a presença da bossa nova foi bastante benéfica. Os letristas e compositores usaram e abusaram do tema. Quando não escreveram letras ou compuseram com base no tema, enxertaram letras e músicas inteiras de capoeira, pura e simplesmente, quando muito retocando a composição anónima para lhe dar sua autoria.

330

Dentro da etiqueta bossa nova, coube a Baden Powell e Vinicius de Moraes, mui especialmente Baden Powell, explorar a temática. Foi por volta de 1962, quando chegou à Bahia, que Baden Powell, segundo me afirmou, tomou contacto com o berimbau. Levado a conhecer o escultor baiano Mário Cravo Júnior, em seu atelier, ouviu o referido artista tatear alguns toques de berimbau, começando assim a despertar interesse pelo problema, conforme expressão sua. Daí em diante foi acumulando vivência e experiência, resultando disso o samba Berimbau, com música de sua autoria e letra de Vinicius de Moraes, sendo gravado e lançado no mercado no ano seguinte, no momento em que se encontrava em Paris. Essa presença de Baden reconhece o próprio Vinicius de Moraes, que em entrevista na imprensa carioca afirma: –

“Muita gente diz que, de dois anos para cá, a música popular tomou novo alento…

Não é bem isso. O que ocorreu de extraordinário, de dois anos para cá, foi a entrada em cena do Baden Powell. Ele acrescentou o elemento Afro, formador de nossas raízes rítmicas, à música popular, obtendo um sincronismo inédito, carioquizando o candomblé, a capoeira e a macumba, da qual, por sinal, é um crente. Ele tem as antenas ligadas com a Bahia recente e a África ancestral. O resultado disso foram essas maravilhas que são Berimbau, Labareda e, ultimamente, Canto de Ossanha, as três já definitivamente incorporadas ao patrimônio musical brasileiro. Essas músicas são resultados de pesquisa no mundo da magia negra e do Candomblé baianos.936

331

Entretanto, historicamente falando, o pioneirismo cabe à Bahia, na pessoa de seu compositor Batatinha (Oscar da Penha).

Muito antes de Baden Powell e Vinicius de Moraes já Batatinha havia feito uso da capoeira, em suas composições. Uma década antes de ser composto Berimbau, Batatinha dava uma entrevista no mais antigo jornal da Bahia, então em circulação, que foi o Diário da Bahia, na qual, respondendo a uma pergunta do entrevistador sobre o uso do tema capoeira em suas composições, afirmava em tom categórico: – Eu disse que já tinha explorado este tema numa composição, “A Capoeira” e depois do carnaval vou me entregar a um sério estudo de adaptação desse ritmo às nossas músicas. As duas tentativas foram bem sucedidas, vamos ver se levo avante esta ideia.937

Houve uma época em que a grande novidade foi uma música e dança chamada boogie woogie. O boogie woogie é uma importação norte-americana de raízes africanas. Segundo Oderigo, el boogie woogie constituye una modalidad pianística de honda raigambre tradicional afronorteamericana, cuyas raices se introducen verticalmente en el terreno del genuino folklore negro y que no representa una “moda”, ni una “novedad”, como por ali se ha dicho y escrito.938 Tecnicamente falando, o boogie woogie consiste em versões dos blues de doze compassos, em que a mão esquerda toca um walking bass (contrabaixo ambulante) de percussão, enquanto a direita explora variações sobre acordes de doze compassos de uma maneira rítmica, obtendo se assim, como efeito final, uma música excitante cheia de ritmos cruzados. É essencialmente um estilo de piano, e as muitas tentativas para convertê-lo à grande orquestra tem dado um resultado híbrido cheio de swing riffs e de monotonia.939

332

Embora sua entrada no Brasil seja recente, os estudiosos querem ver os alicerces do boggie woggie, começando a surgir por volta de 1875940 e a primeira gravação datando de 1928, feita pelo pianista Pirre Top Smith, de Chicago.941 Pois bem, Batatinha, que sempre foi avesso à alienação de nossas coisas, reagia às investidas estrangeiras contra o samba, a ponto de perturbar a sua essência, como o caso da salada samba-bolero e até mesmo o samba-canção. Então ao surgir, como era de se esperar, o samba-boogie, revoltou-se e compôs Samba-Capoeira mostrando que não era precisa buscar o alheio, para modificar ou melhorar o nosso. Samba-Capoeira tem solo de berimbau e começa com uma quadra de capoeira. Foi seu mestre nos segredos dos toques e música de capoeira o famoso capoeirista Onça Preta (Cícero Navarro) e sua composição, depois de pronta, foi cantada na Rádio Cultura da Bahia pelo conjunto vocal Cancioneiros do Norte, constituído de cinco elementos tocando violão, trinlim, tantã, pandeiro e cabaça. A letra é a seguinte:–

Samba-Capoeira

Menino quem foi seu mestre
Meu mestre foi Salomão
Me ensinou a capoeira
Com a palmatória na mão.

Quero mostrar que o meu samba
Com um pouquinho de capoeira é bom
E nem precisa se mudar de tom

333

O samba com o boogie woogle abafa
E a canção com o meu samba
Muito melhorou
Agora a capoeira e o samba vão se ajuntar
E a coisa vaiser mesmo de abafar.

II

Com muita simplicidade
Eles são capazes de fazer furor
Vocês podem ficar cientes
Que eles são os verdadeiros irmãos na cor
Sendo um nobre e outro pobre
Sem nenhuma proteção
Mas agora que está na hora
Da capoeira melhorar de posição.

No presente, com o advento da chamada Bossa Nova, a inovação foi motivo de tema para Batatinha, que compôs de parceria com Jota Luna (Ivaná Maia Luna) a composição que se segue:–

Bossa e Capoeira

A moçada vai gostar
Quando ver o meu samba na prova
E ouvir o berimbau
No balanço da bossa nova.

Vem, vem, vem
Vamos dançar
Bossa-capoeira
Que é de abafar.

Não tem rabo de arraia
Nem pernada, ó meu irmão
Tem morena nos meus braços
Dançando é sensação.

334

Esta composição foi feita para uma gravação, faz uns três anos, infelizmente não sendo levada a cabo. Com o Concurso Internacional da Canção Popular, realizado em 30 de outubro de 1966, na Guanabara, ela foi inscrita. Na Bahia foi apresentada na Televisão Itapuã da Bahia pelo conjunto Inema Trio, com arranjo do próprio conjunto; na Rádio Sociedade da Bahia pelo conjunto Bossa Cinco com arranjo do maestro Oscar Lope.

Batatinha sempre conviveu com os melhores compositores locais, inclusive, há bastante tempo, com João Gilberto, seu velho amigo e companheiro de trocar ideias. Sua produção sempre foi grande. Na época da entrevista, Isa Moniz fez o seguinte roteiro de suas composições:– Como Olhe aí que é que há e Feijoada de Sinhá e, na opinião de Claudionor Cruz, Artur Costa e Jairo Argileu, uma das melhores composições de Batatinha. Não insista e Meu troco condutor, ambas em mãos de João Gilberto, aquele jovem baiano que hoje anda pelo Sul; Batista de Sousa levou O caso de Marina e Batatinha ignora se essas músicas já foram ou não cantadas lá pelo Rio… Para este carnaval surgiu A grande Stela, Carnaval de minha infância, que Arlindo Soares lançou, e Aparências, de parceria com Mílton Barbosa, cantada pelo Cancioneiros do Norte.942 Batatinha continua produzindo, sendo suas composições classificadas desde 1960, nos concursos oficiais da Prefeitura Municipal do Salvador.

Mas, voltando à dupla Baden-Vinicius é preciso repetir que eles foram o ponto decisivo, na história da música popular brasileira, na adoção do toque e canto da capoeira. Berimbau foi e continua sendo sucesso, gravado e regravado por intérpretes famosos e isso foi o estímulo a novas composições dentro do tema. Ao que tudo indica, Baden vai voltar ao assunto. Este ano (1967), dentro do programa comemorativo da reinauguração do Teatro Castro Alves foi incluído um espetáculo de Baden. Aproveitando sua estada na Bahia, tive a oportunidade de conhecê-lo e trocar ideias sobre a música popular brasileira no presente. Baden não perdeu um só instante, às voltas com o capoeirista Canjiquinha (Washington Bruno da Silva), de quem recolheu muitos toques de berimbau e suas respectivas cantigas. Antes, confessou-me Baden, não houvera mantido contacto direto com nenhum capoeirista profissional, na intimidade para saber de sua malícia e seu segredo musical. Berimbau foi composto, como já expliquei anteriormente, conforme suas palavras e com um outro detalhe, que se esqueceu de me dizer, mas que Vinicius informa no texto da contracapa da gravação Os afro-sambas–ouviram uma gravação ao vivo de sambas-de-roda e cantos de candomblé, com várias exibições de berimbau em suas diversas modalidades rítmicas.943

335

Começando por Berimbau, transcreverei as letras de músicas populares brasileiras, com tema de capoeira, que consegui recolher, acompanhadas de informações e explicações, quando se fizerem necessárias:–

Berimbau

Quem é homem de bem
Não trai o amor que lhe quer seu bem
Quem diz muito que vem não vai
E assim como não vai não vem
Quem de dentro de si não sai
Vai morrer sem amar ninguém
O dinheiro de quem não dá
É o trabalho de quem não tem
Capoeira que é bom não cai
Se um dia ele cai,
Cai bem
Capoeira me mandou
Dizer que já chegou
Chegou para lutar

336

Berimbau me confirmou
Vai ter briga de amor
Tristeza camarada.

Música de Baden Powell e letra de Vinicius de Moraes, interpretada por Nara Leão, in Nara, ME-10, Elenco de Aloísio de Oliveira, lado 2, faixa 1.

Ficha técnica: produção e direção, Aloísio de Oliveira assistente de direção artística, José Delfino Filho; gerente de produção, Peter Keller; estúdio, Riosom; engenheiro de som, Norman Sternberg; capa: layout, César G. Vilela e foto de Francisco Pereira.

Na roda da capoeira

Menino quem foi teu mestre
Meu mestre foi Salomão
A ele devo dinheiro
Saber e obrigação
O segrêdo de São Cosme
Quem sabe é São Damião
Olê, Agua de beber, camarada
Agua de beber olê
Agua de beber, camarada
Faca de cortar, camarada
Ferro de engomar, olê
Ferro de engomar, camarada
Terra de brigar, olê
Terra de brigar, camarada.

Composição de capoeira baiana, interpretada por Nara Leão in Opinião de Nara, P 632.732 L, Companhia Brasileira de Discos (Philips), lado 2, faixa 5.

Ficha técnica: produtor, Armando Pittigliani; técnicos de gravação, Rogério Guass/Joaquim Figueira; engenheiro de som Sylvio Rabello; foto, Janio de Freitas; layout, Janio de Freitas.

337

Berimbau

Zum, zum, zum,capoeira mata um (x3)

Santo Antônio pequenino
É meu santo protetor
Cabra você não é sombra
Na capoeira sou doutor

Zum, zum, zum,capoeira mata um (x3)

Bate o pandeiro caboclo
No jôgo do berimbau
Biriba é pau é pau
De fazer berimbau é pau
Biriba é pau é pau
De fazer berimbau é pau

Zum, zum, zum,capoeira mata um (x3)

Composição de João Melo e Codó (Clodoaldo Brito), interpretada por Nara Leão, in Opinião de Nara, gravação citada, lado 1, faixa 4.

João Melo e Codó, compositores baianos, foram, cronològicamente, os segundos a usarem o tema capoeira, após o seu companheiro Batatinha, que foi o primeiro.

338

Agua de beber

Água de beber, água de beber, camarado

Eu sempre tive uma certeza
Que só me deu desilusão
Que o amor é uma tristeza
Muita mágoa demais para um coração

Água de beber, água de beber, camarado

Eu quis amar mas tive mêdo
Quis salvar meu coração
Mas o amor sabe o segrêdo
O mêdo pode matar o meu coração

Água de beber, água de beber, camarado

Eu nunca fiz coisa tão certa
Entrei para a escola do perdão
A minha casa vive aberta
Abri todas as portas do coração.

Composição de Vinicius de Moraes e Tom Jobim (Antônio Carlos Jobim), in Som Definitivo Quarteto em Cy / Tamba Trio, com arranjos vocais de Luís Eça, FM-10, Companhia Brasileira de Discos, face B, faixa 1.

Ficha técnica: produçao e direção, Roberto Quartin/Wadi Gebara; foto da capa, Paulo Lorgus; fotos da contra-capa, Image; técnico de gravação, Umberto Cantaroli; supervisão gráfica, Marcos de Vasconcelos; foto da contra-capa, Vinicius de Moraes; vocais, Quarteto em Cy e Tamba Trio; piano, Luís Eça; baixo e flauta, Bebeto; bateria, Chano.

O terceto que se faz repetir em tôda a composição e inclusive dá nome à mesma é uma cantiga de capoeira conhecidíssima da Bahia.

Hora de lutar

Capoeira vai lutar
Já cantou e já dançou
Não há mais o que falar
Cada um dá o que tem
Capoeira vai lutar
Vem de longe, não tem pressa
Mas tem hora pra chegar
Já deixou de lado sonhos
Dança, canto e berimbau

Abram alas
Batam palmas
Poeira vai levantar
Quem sabe da vida espera
Dia certo pra chegar
Capoeira não tem pressa
Mas na hora vai lutar
Por você
Por você
Por você.

340

Composição e interpretação de Geraldo Vandré, in Hora de lutar. PPL-12. 202, Continental, face A, faixa 1.

Ficha técnica: produção, Alfredo Borba; assistente de produção, Valdir Santos; arranjos e direção musical, Erlon Chaves; técnica de som, Rogério Guass; corte, Luís Botelho; técnico industrial, Francisco Assis de Sousa; layout e capa, Frederico Spitale.

Aruanda

Vai, vai, vai pra Aruanda
Vem, vem, vem de Luanda
Deixa tudo que é triste
Vai, vai, vai pra Aruanda
Lá não tem mais tristeza
Vai que tudo é beleza
Ouve essa voz que te chama
Vai, vai, vai.

Composição de Carlos Lira e Geraldo Vandré, interpretada por Geraldo Vandré, in Hora de lutar, gravação citada, face B, faixa 3.

Aruanda, que aparece freqüentemente nas cantigas de capoeira, conforme expliquei em capítulo anterior, é corrutela de Luanda, nome atual da capital de Angola.

Sao Salvador, Bahia

São Salvador, Bahia
A tarde morria devagar
É berimbau se ouvia
Gente na rua a passar
Alguém no desejo da briga
Fazia cantiga de provocar
São Salvador, Bahia
É um homem passando escutou
Isso é comigo e parou
Se quer jogar vamos já
Eu ia pra lá, mas não vou
E dizendo se ajoelhou
São Salvador, Bahia
Quem estava por perto chegou
Dois homens fizeram uma oração

Começaram jogando no chão
Jogaram Angola Santa Maria
São Bento Pequeno Cavalaria
E o povo assistia tremendo
Capoeira pra matar
Faca de ponta
Rabo de arraia
Na dança no lugar
São Salvador, Bahia
Quando a polícia chegou
Um corpo no chão havia
Em volta um silencio dizendo
Seu moço essa briga acabou
São Salvador, Bahia
Bahia de São Salvador.

341

Composição de Paulo da Cunha e interpretação de Jair Rodrigues, in Dois na Bossa/ Numero Dois, acompanhamento Luís Loy Quinteto e Bossa Jazz Trio, P-632.792, Philips, lado 1, faixa 5.

Ficha técnica: produtor, Mário Duarte; direção musical, Adilson Godoy; acompanhamentos, Luís Loy Quinteto e Bossa Tazz Trio; técnicos de som, J. E. Homem de Mello e Célio Martins. Gravado ao vivo no Teatro Record em São Paulo.

342

Upa! neguinho

Upa! neguinho na estrada
Upa! pra lá e pra cá
Vige qui coisa mais linda
Upa! neguinho começando andá
Começando andá
Começando andá
Começando andá
E já começa apanhá

Cresce neguinho e me abraça
Cresce e me ensina a cantá
Eu prendi tanta desgraça
Mas muito te posso ensiná
Mas muito te posso ensiná
Capoeira posso ensiná
Ziquizira posso tirá
Valentia posso emprestá
Mas liberdade só posso esperá.

Composição de Edu Lôbo e Gianfrancesco Guarnieri, in Arena Canta Zumbi, SMLP-1.505, Discos Som/Maior Ltda., face B, faixa 3.

Ficha técnica: texto, Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri; música, Edu Lôbo; direção musical, Carlos Castilho, direção geral, Augusto Boal; elenco: Gianfrancesco Guarnieri, Lima Duarte, David José, Chamt Dessian, Antero de Oliveira, Dina Sfat, Marília Medalha, Vania Santana; flauta, Nenen; bateria, Anunciação; violão, Carlos Castilho.

Capoeira

Vamos embora camarado
Vamos sair dessa jogada
Quem tem amor tem coração
Capoeira que não dá pé não
Quem tem amor tem coração
Pois quem é filho de Deus
Deve ajudar os companheiros seus

Pois quem é filho de Deus
Deve ajudar os companheiros seus
Mesmo soprando
Mesmo chorando
Nego tem que levar
A vida cantando.

343

Composição e interpretação de Jorge Ben, in Sacundin Ben Samba, P-632. 193 L, Companhia Brasileira de Discos (Philips), lado 1, faixa 4.

Ficha técnica: técnica de gravação, Célio Sebastião Martins engenheiro de som, Sylvio M. Rabello; capa ( foto ), Mafra, layout, Paulo Brèves; produção, Armando Pittigliani.

O assunto é berimbau

Agora só se fala em berimbau
Enquanto houver arame e um pedaço de pau
Agora só se fala em berimbau (x3)
Enquanto houver arame e um pedaço de pau
Agora só se fala em berimbau (x2)
Agora só se fala em berimbau
É uma moeda é um arame e um pedaço de pau
Agora o assunto é berimbau
A bossa nova agora e berimbau
Olhe eu saí de casa
Com o meu amor estou de mau
Se eu voltar agora
O meu amor vai me bater
Com um berimbau. (x6)

Composição de Jackson do Pandeiro e Antônio Barros, interpretada por Jackson do Pandeiro, in …E vamos nós…, Companhia Brasileira de Discos (Philips) P-632-755 L Lado 1, faixa 2.

344

Ficha técnica: produtor, João Melo; engenheiro de som, Sylvio Rabello; técnicos de gravação, Célio Martins e Ademar Silva; Jo Morena; foto, Mafra.

Comprei um berímbau

Eu comprei um berimbau
Berimbau, Berimbau
É o negócio não foi mal
O bate palma pessoal
Que o balanço tá legal
Legal, legal, legal
Menino quem foi teu mestre
Berimbau, berimbau
Meu mestre foi Nicolau
Berimbau, berimbau

Capoeira toma sentido
Berimbau, berimbau
Que biriba é pau
E pau Nicolau
No berimbau
Biriba é pau
E pau Nicolau
No berimbau
Biriba é pau é pau.

345

Composição de Válter Levita, interpretada por Jackson do Pandeiro, in …E vamos nós… gravação citada, lado 2, faixa 1.

Meu berimbau

Um pedaço de arame, Lelê
Um pedaço de pau, Lele
Faço meu berimbau, Lelê
Samba de berimbau
Ai morena

Arrasta a sandália aí
O samba tá bom e não pode parar
Cuidado pra não cair
Qui bonito samba
Qui bom resultado
Do meu berimbau
E de teu rebolado

Composição de Avaro Castilho / Jackson do Pandeiro / Sebastião Martins, interpretação de Jackson do Pandeiro, in Coisas Nossas, P-632.270 L, Companhia Brasileira de Discos, lado 1, faixa 3.

Ficha técnica: produtor, João Melo, técnico de gravação, Cé lio Martins; engenheiro de som, Sylvio Rabello; Capa, Paulo Brèves; foto, Mafra.

346

Capoeira no baião

O capoeira ô berimbau
Malandro faz continência
Na frente do berimbau

Passa rasteira no môço
Cuidado que êle é mau
Na roda da capoeira
Vive passando rasteira
Mas respeita o meu berimbau

O capoeira ô capoeira
O meu santo pequenino

É um santo malandréu
Jogador de capoeira
Na copa do meu chapeu
Buraco velho tem dente
Tem cobra danada
Qui morde a gente

Cobra verde mordeu São Bento
Buraco velho tem cobra dentro.

Composição de Codó (Clodoaldo Brito), interpretação de Jackson do Pandeiro, in Tem jabaculê, P-632.714 L, Companhia Brasileira de Discos, lado 2, faixa 4.

Ficha técnica: produtor, Armando Pittigliani; técnico de gravação, Célio Martins; engenheiro de som, Sylvio Rabello; capa: foto, Mafra; layout, Paulo Brèves.

347

Capoeira mata um

É zum, zum, zum, capoeira mata um
Zum, zum, zum, capoeira mata um

Samba que balança é bom
Samba que balança não cai
O meu samba tem que ser no tom
A pedido do meu pai
Salve a Bahia yoyô, salve a Bahia yayá

Quem não sabe jogar capoeira
Berimbau vai lhe ensinar
Valha-me Deus, Senhor São Bento,
Buraco velho tem cobra dentro

Composição de Alvaro Castilho e De Castro, interpretação de Jackson do Pandeiro, in O cabra da peste PPL 12 265 Continental, face 1 faixa 1

Capoeira de Zumbi

Zum, zum, zum, capoeira deixa Zumbi
Zum, zum, zum, capoeira é de Zumbi
Ninguém pode proibir capoeira de Zumbi
Porque êle é do além
Fique contente moçada
Porque êle já foi bamba
E sabe muito bem.

Ô, capoeira
Zum, zum, zum, Capoeira deixa Zumbi
Zum, zum, zum, Capoeira é de Zumbi
Mestre Bimba na Bahia
Quando brinca no terreiro
Chega levantar poeira
E no som do berimbau
Derrubando cabra mau
Quando lhe passa rasteira.

348

Composição de Geraldo Nunes, interpretação de Jackson do Pandeiro, in A brasa do Norte, LPC-602, Gravadora e Distribuidora de Discos Cantagalo, face B, faixa 1.

Teresinha de Jesus

Abra ala pra Teresa
Carregada de tristeza
E só vai entrar na roda
Quem tiver moral pra sambar

Não tem muito tempo
Teresinha de Jesus
Se jogando nas cadeiras
Caiu numa roda de samba
No seu gingado
Acudiram três amigos
Todos três bons de samba
E bons de amor
Um marinheiro do Norte
Um marmiteiro

Mas um malandro que esperou
Cada qual ter o seu dia
Nem sequer notícias
Do primeiro e do segundo aquilo só
Esperar vida melhor
O terceiro foi aquêle
Que Teresa deu a mão
Seu único amor
Capoeira levou
Na navalha de outro bamba
A esperança de Teresa ficou
E a alegria dêste samba
Que também é de Teresa morreu
Quanta laranja madura
Quanto limão pelo chão
Quanto sangue derramado
Dentro do meu coração.

349

Composição e interpretação de Sérgio Ricardo, in Um Senhor Sérgio Ricardo, ME-7, Elenco, de Aloísio de Oliveira, lado B,

Ficha técnica: produção e direção, Aloísio de Oliveira, assistente de direção artística, José Delfino Filho; gerente de produção, Peter Keller; arranjos, Carlos Monteiro dé Sousa regencia, Carlos Monteiro de Sousa; estúdio, Riosom; engenheiro de som, Norman Sternberg; técnico de gravação, Norman Sternberg; capa: foto, Francisco Pereira.

Domingo no Parque

O rei da brincadeira É José
O rei da confusão É João
Um trabalhava na feira É José
Outro na construção É João

A semana passada
No fim da semana
João resolveu não brigar
No domingo de tarde
Saiu apressado
E não foi para Ribeira jogar
Capoeira
Não foi pra lá
Pra Ribeira
Foi namorar

350

O José como sempre
No fim da semana
Guardou a barraca e sumiu
Foi fazer no domingo
Um passeio no parque
Lá perto da Boca do Rio
Foi no parque que êle avistou Juliana
Foi que êle viu
Foi que êle viu
Juliana na roda com João
Uma rosa e o sorvete na mão
Juliana seu sonho uma ilusão
Juliana e o amigo João
O espinho da rosa
Feriu Zé Feriu Zé Feriu Zé
E o sorvete gelou seu coração
O sorvete e a rosa O José
A rosa e o sorvete O José
O seu santo no peito O José
Do José brincalhão O José
O sorvete e a rosa O José
A rosa e o sorvete O José
O girando na mente O José
Do José brincalhão O José
Juliana girando O girando
O na roda gigante O girando

351

O na roda gigante O girando
O amigo João O João
O sorvete é morango É vermelho
O girando e a rosa O vermelho
O girando girando É vermelho
O girando girando É vermelho

Olhe a faca
Olhe a faca
Olhe o sangue na mão O Jose
Juliana no chão O José
Outro corpo caiu
Seu amigo João O Jose
A manhã não tem fim O José
Não tem mais construção O José
Não tem mais brincadeira O José
Não tem mais confusão O João

352

Esta é a mais recente composição com temática, acordes musicais de capoeira e acompanhamento de berimbau de autoria do compositor baiano Gilberto Gil, a qual arrebatou o segundo lugar no Terceiro Festival da Músíca Popular Brasileira, realizado em setembro de 1967, em São Paulo, pela TV Record. Gravada em 3.° Festival da Música Popular Brasileira / realização da TV Record de São Paulo, Companhia Brasileira de Discos (Philips), Série De Luxe, R 765.015 L, volume 2, lado 2, faixa 2.

353

XVI
A Capoeira na Literatura

De todas as manifestações culturais, a literatura foi a que mais absorveu a capoeira. Usaram-na como tema escritores que viveram no século passado, no momento em que a capoeira marchava para o auge de uma determinada realidade socio-etnográfica da capoeira, bem diversa de outrora.

Pelo que se tem notícia, o documento literário mais antigo pertence à autoria de Manuel António de Almeida, nascido no Rio de Janeiro a 17 de novembro de 1831 e falecido em um naufrágio, no canal perto de Macaé, a 28 de novembro de 1861. Publicou entre 1854 e 1855 o romance Memórias de um Sargento de Milícias, onde a personagem principal foi, na vida real, um habilíssimo capoeira e o maior inimigo do folguedo e seus adeptos. Trata-se do major Miguel Nunes Vidigal, cuja personalidade e atuação à frente da polícia foi ventilada anteriormente neste ensaio.944 A respeito de sua obra e sua vida escreveu Marques Rebêlo.945

354

A segunda mais antiga página literária pertence a Machado de Assis. Os editores W. M. Jackson Inc., após a sua morte, enfeixaram em quatro volumes as crónicas escritas em diversos periódicos, dos anos de 1859 a 1888. No período de 1884 a 1885 publicou na Gazeta de Notícias numa seção intitulada Balas de Estalo, diversas crónicas, sob o pseudónimo de Lélio, dentre elas uma sobre a capoeira, o capoeirista e o seu comportamento na comunidade social.946

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro, hoje Estado da Guanabara, a 21 de junho de 1839 e morreu no mesmo Estado, a 29 de setembro de 1908. Sua bibliografia é vastíssima, existindo um excelente trabalho sobre a mesma, de autoria de J. Galante de Sousa.947 Ainda do referido autor há outro trabalho importante sobre o que se publicou em torno da vida e obra de Machado de Assis.948

Aluiso Tancredo Belo Gonçalves de Azevedo nasceu em São Luís do Maranhão, a 14 de abril de 1857 e faleceu em Buenos Aires, a 21 de janeiro de 1913. Deixou uma vasta produção literária já relacionada por Otto Maria Carpeaux em sua Pequena Bibliografia Crítica da Literatura Brasileira.949 A sua obra onde aparecem cenas de capoeira e capoeiristas como personagens é O Cortiço, publicada em 1890.950

355

Alexandre José de Melo Moraes Filho nasceu na Bahia a 23 de fevereiro de 1844 e morreu no Rio de Janeiro a 1.° de abril de 1919. Estudou em Bruxelas, onde se diplomou em Medicina. Colaborou em inúmeros jornais e revistas, além de deixar uma série de obras publicadas, dentre elas Festas e Tradições Populares do Brasil, vinda a lume em 1901, trazendo em seu bôjo uma crónica intitulada Capoeiragem e Capoeiras Célebres.951 Da bibliografia de Melo Morais Filho cuidou Luís da Camara Cascudo.952

Manuel Raimundo Querino nasceu em Santo Amaro da Purificação, no Estado da Bahia, a 28 de julho de 1851 e faleceu em Salvador, a 14 de fevereiro de 1923. Deixou diversas obras, dentre elas Bahia de Outrora, publicada em 1916, onde há uma crónica intitulada A Capoeira.953 Sua obra e sua vida foram devidamente estudadas por Gonçalo de Ataíde Pereira.954

Henrique Maximiliano Coelho Neto nasceu na cidade de Caxias, no Estado do Maranhão, a 21 de fevereiro de 1864 e faleceu no Rio de Janeiro, a 28 de novembro de 1934. Deixou vasta bibliografia, catalogada por Paulo Coelho Neto.955 Escreveu uma série de crónicas, reunidas, mais tarde, em volume com o título de Bazar, havendo, entre elas, uma datada de 28 de outubro de 1922, sobre o jogo da capoeira, como esporte, intitulada O nosso jogo.956

356

Viriato Correia nasceu no Maranhão, em Pirapemas, a 23 de janeiro de 1884 e faleceu em 1967, na Guanabara. Deixou inúmeras obras publicadas e já catalogadas por Silveira Bueno,956a dentre elas Casa de Belchior, onde há uma crónica dedicada à capoeira e aos capoeiristas, intitulada Os Capoeiras.956b

Jorge Amado nasceu na fazenda Auricídia, em Ferradas, município de Itabuna, Estado da Bahia, a 10 de agosto de 1912. É o mais famoso, mais lido mais traduzido de todos os escritores brasileiros. Possui uma vasta bagagem literária da qual se pode ter notícias através de Miécio Táti em Jorge Amado/Vida e Obra957 e na coletanea Jorge Amado: 30 Anos de Literatura.958 Dessa bagagem, em Bahia de Todos os Santos/Guia das ruas e mistérios da cidade do Salvador, dedicou um capítulo à capoeira intitulado Capoeiras e Capoeiristas, em 1944, quando publicou o livro.959

Odorico Montenegro Tavares da Silva nasceu no município de Timbaúba em Pernambuco, a 26 de julho de 1912. Publicou em Recife 26 Poemas (com Aderbal Jurema), em 1934.960 Cinco anos mais tarde deu à luz no Rio de Janeiro um livro de poemas intitulado A Sombra do Mundo,961 aplaudido por Alvaro Lins, Tristão de Ataíde, Jorge Amado, Valdemar Cavalcanti, Luís Delgado, José César Barbosa, Aníbal Fernandes, Peregrino Júnior e Olívio Montenegro dentre outros. Em 1945 reuniu os dois primeiros livros publicados, juntamente com outros poemas inéditos e publicou sob o título de Poemas.962

357

Afinal, em 1951, diz dos seus sentimentos da nova terra recém-adotada, com a publicação de Bahia/Imagens da Terra e do Povo, distinguida com a Medalha de Ouro, na Primeira Bienal Internacional do Livro e das Artes Gráficas de São Paulo, em 1961, na terceira edição. Neste livro é que usou o tema capoeira no capítulo intitulado Capoeira, onde discorre sobre a capoeira na Bahia e no Brasil, dando depoimento sobre o famigerado capoeirista de sua terra natal, Nascimento Grande.963 Quando recebeu o título de cidadão de Salvador, fez publicar Discurso de um Cidadão de Salvador964 e o seu mais recente livro é de impressões de viagens, Os Caminhos de Casa/Notas de viagem.965

Exerce grande atuação na vida cultural da Bahia, sobretudo no que tange às Artes Plásticas, daí, ao comemorar 25 anos de permanência nesse Estado, o seu governador instituir um prémio para artistas plásticos, através do seguinte decreto:–

Decreto número 20.189, de 20 de março de 1967. Cria o “Prémio Odorico Tavares”. O Governador do Estado da Bahia, considerando:

a) os relevantes serviços prestados à Bahia pelo Jornalista Odorico Tavares tanto no domínio específico de sua atividade profissional como no estímulo às artes sobretudo aos jovens valores;

b) o transcurso no dia 5 de março do corrente de vinte e cinco anos de sua presença efetiva no ambiente da cultura baiana,

Resolve:

Artigo 1.º) – Fica criado o “Prémio Odorico Tavarés” que será concedido ao artista plástico que exerça a sua atividade na Bahia e que mais se tenha destacado no decorrer do ano.

358

Artigo 2.º) –A Comissão destinada a proceder o julgamento da obra a ser premiada será presidida pelo Secretário da Educação e Cultura e constituída pelo Diretor da Escola de Belas-Artes da Universidade Federal da Bahia, pelo Diretor do Museu do Estado e pelo Diretor do Museu de Arte Moderna e por mais duas pessoas escolhidas anualmente dentre críticos ou especialistas de arte brasileira e nomeadas pelo Governador.

Artigo 3.º) – A ata do julgamento deverá ser enviada ao Governador do Estado até o dia 25 de março de cada ano e o prémio será entregue em solenidade pública no dia 29 do mesmo mês.

Artigo 4.º) – O valor do prémio será de NCr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros novos).

Artigo 5.º)–Revogam-se as disposições em contrário.

Palácio do Governo do Estado da Bahia, em 20 de março de 1967.

(Ass.) Antônio Lomanto Júnior–Roisle Aloir Metzker Coutinho.966

Gilberto Amado nasceu no município de Estancia no Estado de Sergipe, a 7 de maio de 1887. Firmou-se na literatura brasileira como prosador, não obstante ter publicado um livro de poemas. Suas obras não foram devidamente catalogadas por Carpeaux, só o fazendo até 1955,967 dentre elas o livro de memórias Minha Formação no Recife, onde narra o seu diálogo, quando jovem, com temível capoeira pernambucano, conhecido por Nascimento Grande.968

359

XVII
Mudanças Sócio-Etnográficas na Capoeira

Primitivamente a capoeira era o folguedo que os negros inventaram, para os instantes de folga e divertirem a si e aos demais nas festas de largo, sem contudo deixar de utilizá-la como luta, no momento preciso para sua defesa. As festas po pulares eram algo de máximo na existência do capoeira, era o instante que tinha para relaxar o trabalho forçado, as torturas e esquecer a sua condição de escravo, daí farejarem os dias de festas com uma volúpia inconcebida, pouco se lhes importando se a festa era religiosa, profana ou profano-religiosa. As procissões com bandas de música eram o chamariz para os capoeiras e, se tinham um pretexto para arruaças, faziam-no sem a menor preocupação de estarem perturbando um ato religioso. A propósito desses momentos, lembra Gilberto Freyre que:– As vezes havia negro navalhado; moleque com os intestinos de fora que uma rede branca vinha buscar (as redes vermelhas eram para os feridos; as brancas para os mortos). Porque as procissões com banda de música tornaram-se o ponto de encontro dos capoeiras, curioso tipo de negro ou mulato de cidade, correspondendo ao dos capangas e cabras dos engenhos.969 Vivia assim o capoeira em seu status social sem nenhuma simbiose com outro, capaz de modificar a sua estrutura.

360

Com o passar dos tempos e cada vez mais crescente a sua fama de lutador e de implantar grandes desordens em fração de segundos, sem possibilidade de ser molestado, conseqüentemente ficando oculto, para quem estava a serviço, o capoeira passou a ser a cobiça de políticos. Serviria de instrumento de luta ora para a nobreza, que dava os seus últimos suspiros, ora para os republicanos, que lutavam encarniçadamente para obterem a vitória sobre o trono, daí os graves acontecimentos que abalaram o país, nos fins do século passado, já anteriormente estudados neste ensaio e registrados por Gilberto Freyre,970 ao fazer a história da decadència do patriarcado rural e o desenvolvimento do urbano. Com isso, a capoeira, um folguedo por propósito, começa a sofrer mudanças de caráter etnográfico, em sua estrutura – a luta que era um acontecimento passou a ser um propósito. Por outro lado, isso acontecia justamente num período em que a sociedade brasileira chegava ao auge nas suas transformações de base por que vinha passando e com essa transformação verificada nos meios finos ou superiores, deu-se a degradação das artes e hábitos mestiços que já se haviam tornado artes e hábitos da raça, da classe e da região aristocrática, em artes e hábitos de classes, raças e regiões consideradas inferiores ou plebéias. Foram várias essas degradações; e algumas rápidas.971 Como se vê, a capoeira, por uma determinação sociológica, não poderia estar imune a essas transformações.

361

Esse estado de coisas veio se arrastando e se desenvolvendo até 1929, com o advento de Mestre Bimba, que tira a capoeira dos terreiros e a põe em recinto fechado, com nome e caráter de academia, onde os ensinamentos passaram a ter um cunho didático e as exibições possibilitaram a presença de outras camadas sociais superiores. Desse modo os quadros da capoeira passaram por modificações profundas. A classe média e a burguesia para lá acorreram, a princípio para assistirem às exibições e depois para aprenderem e se exibirem a título de prática de educação física, daí a 9 de julho de 1937 o governo oficializar a capoeira, dando a Mestre Bimba um registro para sua academia. Um status social superior ao dos capoeiras invade as academias e os afugenta. Os que resistem, por minoria, se esforçam para se enquadrarem no modo de vida do invasor, porém sendo tragados por ele, começando assim a sua alienação e decadência como capoeira. Forçando uma compostura de rapaz-família, exibem-se somente em recintos fechados, salões burgueses, palácios governamentais e jamais onde primitivamente se exibiam, como por exemplo nas festas de largo. Como já tive oportunidade de salientar, em virtude de nenhuma academia querer exibir-se nas festas populares, o órgão oficial de turismo municipal da Bahia convidou várias academias para comparecerem às referidas festas pagando-lhes as exigências. Então houve um cafuso, mestre de uma academia, que, ao saber da finalidade do convite, declinou, alegando ser sua academia freqüentada por uma casta já referida, não podendo misturar-se com o povo de festa de largo.

362

Mas o agente negativo no processo de decadência da capoeira, sociológica e etnogràficamente falando, foi o órgão municipal de turismo. Detentor de ajuda financeira, material e promocional, corrompeu o mais que pôde. Embora o referido órgão tenha por norma a preservação de nossas tradições, os titulares que por ele têm passado, por absoluta ignorância e incompetência, fazem justamente o contrário, direta ou indiretamente. Lembro-me bem de presenciar um deles interferir na indumentária das academias e os seus responsáveis acatarem pacatamente; e infeliz do que não procedesse assim– estaria banido da vida pública para sempre. Houve época em que as academias eram fantasiadas como verdadeiros cordões carnavalescos, cada qual disputando cores mais berrantes e variadas em suas camisas e calças. Já falei também de um mestre de capoeira que foi consultar um dos diretores de turismo da possibilidade de colocar número nas costas de seus discípulos, como se fossem jogadores de futebol, mas que em boa hora o bom-senso baixara na cabeça do referido diretor, proibindo terminantemente. O fato é que, quanto mais palhaçada faz a academia essa é a preferida do órgão público. No momento em que escrevo este ensaio existe uma academia com amparo financeiro, material, promocional e ainda com direito a se exibir no próprio Orgão, até muito tempo com exclusividade, em detrimento de outras, porém hoje apenas a coisa é mascarada com a presença de uma outra, quando em realidade o órgão não deveria promover exibições dessa espécie, em seu próprio e sim escoar os turistas para as diversas academias. Pois bem, essa academia, que por sinal possui um grande mestre e excelentes discípulos, está totalmente prostituida. Com a preocupação de não perder o ponto, em detrimento de outra, a dita faz misérias, em matéria de descaracterização. A certa altura da exibição, o mestre perde a sua compostura de mestre, diz piadas, conta anedotas, faz sapateado com requebros e apresenta alguém para fazer um ligeiro histórico da capoeira, onde as maiores aberrações são ditas. Depois faz um samba de roda ao som dos instrumentos musicais da capoeira, vindo para a roda sambar, cabrochas agarradas de última hora, passista de escola de samba ou profissional amigo do mestre, que por acaso aparece no local. De certa feita, perguntei-lhe o porquê daquilo, ao que me respondeu que era pra não ficá monoto (ele queria dizer monotono) e o turista ir-se embora. A grande lástima é que essas coisas continuam a ter a cobertura oficial.

Lamentavelmente, o quadro atual das academias de capoeira é esse, variando apenas a intensidade das mudanças sociológicas, etnográficas e o grau de decadência. Nos bairros bem afastados, longe das tentações ventiladas e também talvez porque jamais tenham acesso a elas, existem capoeiristas que praticam o jogo apenas por divertimento, no maior estado de pureza e conservação possíveis e enquadrados no seu status social.


Bibliografia

Periódicos

Correspondência

Gravação

Películas

Fontes Audio–Visuais

393

Índice das Matérias

I – A Vinda dos Escravos
1
II – O Termo Capoeira
17
III – A Capoeira
30
IV – A Indumentária
43
V – O Jogo da Capoeira
47
VI – Toques e Golpes
58
VII – Os Instrumentos Musicais
70
VIII – O Canto
89
IX – Comentário às Cantigas
126
X – Capoeiras Famosos e seu Comportamento na Comunidade Social
260
XI – As Academias de Capoeira
282
XII – Ascensão Social e Cultural da Capoeira
291
XIII – A Capoeira no Cinema e nos Palcos Teatrais
313
XIV – A Capoeira nas Artes Plásticas
324
XV – A Capoeira na Música Popular Brasileira
329
XVI – A Capoeira na Literatura
353
XVII – Mudanças Sócio-Etnográficas na Capoeira
359
Bibliografia
363
Índice das Matérias
393
Índice Remissivo
395

394

395

Índice Remissivo

Notas

1 Gomes Eannes de Azurara, Chronica do Descobrimento e da Conquista da Guiné Paris, 1841, pág. 71.

2 Wilhelm Giese, Notas sôbre a fala dos negros em Lisboa no princípio do seculo XVI, Revista Lusitana, Lisboa, 1932, vol XXX, pág. 251-257.

3 Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Notas Viventinas, Lisboa, 1949, págs. 497-498.

4 José Leite de Vasconcelos, Etnografia Portuguêsa, Lisboa, 1958, págs. 38-61.

5 Garcia de Resende, Cancioneiro Geral, Coimbra, 1917 - tomo V, págs. 195-199.

6 Carolina Michaëlis de Vasconcelos, op. cit. págs. 497-498.

7 Luis de Camões, Os Lusíadas / fac-sim da ed. de 1572, Lisboa, 1921, canto I, estância 8.

8 Garcia de Resende, Miscellanea, Coimbra, 1917, pág. 20.

9 Garcia de Resende, op. cit., págs. 21-22.

10 Garcia de Resende, op. cit., págs. 22-23.

11 Garcia de Resende, op. cit., págs. 23.

12 Garcia de Resende, op. cit.,págs.23-24.

13 Garcia de Resende, op. cit., págs. 48.

14 Mendes dos Remédios, in Garcia de Resende, op. cit., pág. 126.

15 Garcia de Resende, op. cit., págs. 51.

16 Garcia de Resende, op. cit., págs. 89-90.

17 João Pandiá Calógeras, A política exterior do Império, vol. I, pág. 36.

18 João Pandiá Calógeras, op. cit., vol. I, pág. 36.

19 João Pandiá Calógeras, op. cit., vol. I, pág. 37.

20 A. Marques Perdigão Malheiro, A escravidão no Brasil, tomo II, págs.16-17.

21 Marfa Barhosa Vianna, O Negro no Museu Histórico Nacional, págs. 84-87.

22 Visconde de Porto Seguro, História Geral do Brasil, s/d., vol. I, pág. 219.

23 Afonso de E. Taunay, Subsídio para a história do tráfico africano no Brasil, Anais do Museu Paulista, São Paulo, 1941, tomo X, pág. 32.

24 João Pandiá Calógeras, op. cit., vol. I, pág. 288.

25 Januário da Cunha Barbosa, Se a introdução dos escravos no Brasil embaraça a civilização dos nossos indígenas, dispensando-se-lhes o trabalho que todo foi confiado a escravos negros. Neste caso qual é o prejuízo que sofre a lavoura Brasileira?, tomo I, pág.164.

26 Manoel de Nóbrega, Cartas do Brasil, Coimbra, 1955, pág.101.

27 Manoel de Nóbrega, op. cit. pág.121-123.

28 Manoel de Nóbrega, op. cit. pág.267-268.

29 Manoel de Nóbrega, op. cit. pág.288.

30 A.J. de Melo Morais, Brasil Histórico, Rio de Janeiro, 1866, tomo I, págs. 212-213.

31 Eduardo de Castro e Almeida, Inventário dos documentos relativos ao Brasil existente no Arquivo de Marinha e Ultramar de Lisboa, tomo I, Bahia, 1613-1762, Rio de Janeiro, 1913, págs. 285–286.

32 Luís Viana Filho, O Negro na Bahia, 1946, pags. 25-26.

33 Mauricio Goulart, Escravidão Africana no Brasil (Das origens à extinção do tráfico), São Paulo, 1950, págs 185-186.

34 Afonso E. Taunay, op. cit., pág. 211.

35 Luís Viana Filho, op. cit., pág. 50.

36 José Honório Rodrigues, Brasil e Africa: Outro Horizonte, vol. I, pág. 17.

37 Segunda Visítação do Santo Ofício às Partes do Brasil pelo inquisidor e visitador o licenciado Marcos Texeira/Livro das Confissões e Retificaçõs da Bahia: 1618 1620, São Paulo, 1963 tomo XVll, pág. 218.

38 Maurício Goulart, op. cit., pág. 185.

39 Raphael Bluteau, Vocabulário Português e Latino,1712, vol. II, pág.129.

40 Antonio de Moraes Silva, Diccionario da Lingua Portugueza, tomo I, pág. 343.

41 José de Alencar, O Gaúcho, Rio de Janeiro, s/d, pág. 239.

42 José de Alencar, Iracema, Rio de Janeiro, 1878, pág. 212.

43 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Estudos Lexicográficos do dialeto brasileiro, Revista Brasileira, Rio de Janeiro 1880, pág. 228.

44 Henrique de Beaurepaire Rohan, Reforma da Ortografia portuguêsa, Revista Brasileira, Rio de Janeiro, 1879, tomo II, pág. 426.

45 Antônio Joaquim de Macedo Soares, op. cit., pág. 228 .

46 Henrique de Beaurepaire Rohan, Sôbre a etimologia do vocábulo brasileiro capoeira, Revista Brasileira, 1880– 1º ano - Tomo III, págs. 390-392.

47 J. Barbosa Rodrigues, Poranduba Amazonense ou Kochiyma- Uara Poranduba - 1872/1877, Rio de Janeiro, 1890, pág. 79.

48 Visconde de Pôrto Seguro, História Geral do Brasil, s/d., vol. I, pág. 8.

49 Antònio Joaquim de Macedo Soares, op. cit., pág. 228.

50

51 Stradelli, Vocabulário da Língua Geral Português-Nheêngatu e Nheêngatu-Português, Rio de Janeiro, 1927, pág. 397.

52 Teodoro Sampaio, O tupi na geografia nacional, Salvaldor, 1955, pág. 107.

53

54 Georg Friederici, Amerikanistisches Wörterbuch und Hilfstwörterbuch für den Amerikanisten, Hamburg, 1960, pág. 131.

55 Antônio Ruiz de Montoya, Vocabulario y tesoro de la lengua guarani ó mais bien tupi, Paris, 1876, pág. 98.

56 Henrique de Beaurepaire Rohan, op. cit., pág. 426.

57 Frederico G. Edelweiss, in Teodoro Sampaio, O tupi na geografia nacional, ed. cit., pág 107 – nota.

58

59 Manuel Aires de Casal, Corografia Brasílica ou Relação Histórica-Geográfica do Reino do Brasil, São Paulo, 1943, tomo II, pág.122.

60 Wied-Neuwied, Viagem ao Brasil, São Paulo, 1958, págs.188,242, 243, 365.

61 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguêsa – 1875-1888, Rio de Janeiro, 1954, vol. I, pags. 106-107.

62 Antenor Nascentes, Três Brasileirismos, Revista Brasileira de Fililogia, Livraria Acadêmica, Rio de Janeiro, 1955, vol. I, pág. 20.

63 Fernam Mendes Pinto, Peregrinação. Nova ediçao, conforme a 1614, pôrto, 1944, vol. II, pág. 33.

64 Francisco Adolfo Coelho, Dicionário Manual Etimológico da Língua portuguêsa, Lisboa, s/d pág. 204.

65 A. A. Cortesão, Subsídios para unl Dícionário Completo (Histórico-Etimológico) da Lingua portuguêsa, Coimbra, 1901, vol. II, pág.25 (Aditamento).

66 Antenor Nascentes, Dícionário Etimológicoda Lingua portuguêsa, Rio de Janeiro, 1932, pág. 151.

67 Academia Brasileira de Letras, Dícionário da Lingua portuguêsa elaborado por Antenor Nascentes - 1964, tomo I,pág. 386.

68 Beaurepaire Rohan, Dícionário de vocábulos brasileiros, 1889, págs. 35-36.

69 Brasil Gerson, História das ruas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, pág. 31.

70 Antenor Nascentes, Carta ao autor de 22/2/66 Rio de Janeiro.

71 Raimundo de Moraes, O meu dicionário de cousas da Amazônia, Rio de Janeiro, 1931, vol. I, pág. 108.

72 Vicente Chermont de Miranda, Glossário paraense ou coleção de vocábulos peculiares à Amazônia e especialmente a ilha de Marajó, pará, 19O5, pag. 21.

73 César de Augusto Marques, Poranduba Maranhense ou Relação da província do Maranhão, Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 1891, tomo LIV – Parte I, pág. 141.

74 Florival Seraine, Dicionário de Têrmos Populares (registrado no Ceará), Rio de Janeiro, 1958, pag. 60.

75 L.F.R. Clerot. Vocabulário de Têrmos Populares e Gírias da Paraiba, Rio de Janeiro, 1959, págs.34-35.

76 F.A. Pereira da Costa, Vocabulário pernambucano, Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, vol XXXIV, pernambuco, 1937, págs. 190-192.

77 Antenor Nascentes, O Linguajar Carioca, Rio de Janeiro, 1913, pág.188.

78 José A. Texeira, Estudos de Dialetologia Portuguêsa / Linguagem de Goiás, São Paulo, l944, vol. II, IV parte (Glossário regional).

79 Antônio Alvares Pereira Coruja, Coleção de Vocábulos e Frases Usados na Província de São Pedro do Rio Grande do Sul no Brasil, Londres, 1856, pág. 9.

80 Clado Ribeiro Lessa, Vocabulário de Caça /contendo os têrmos classicos português de cinegetica geral, os relativos à falcoaria, e os vocábulos e expressões de uso peculiar ao Brasil, São Paulo 1944, pág. 49.

81 Carlos Teschauer, Novo Vocubulário Nacional, pôrto Alegre, 1923, pág. 109.

82 Manuel Viotti, Novo Dicionário da Gíria Brasileira, s/d., pág. 99.

83 Agenor Lopes de Oliveira, Toponímia Carioca, Distrito Federal, s/d., págs. 115, 181, 259-260.

84 Antenor Nascentes, A Gíria Brasileira, Rio de Janeiro, 1953, pág. 33..

85 Bernardino José de Souza, Dicionário da Terra e da Gente do Brasil, São Paulo, 1961, pág. 87.

86 Luís da Câmara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, Rio de Janeiro, 1962, págs. 181-182.

87 Plínio Ayrosa, Termos Tupis no Português do Brasil, São Paulo, 1937, págs. 105, 120.

88

89 Alberto Bessa, A Gíria Portuguêsa, Lisboa, 1901, pág. 7.

90

91

92

93 Laudelino Freire, op. cit., 1941, vol. II, pág. 1238.

94 A. R. Gonçalves Viana, Apostilhas aos Dícionários Portuguêses, Lisboa, 1906, vol. I, pág.226.

95 Plínio Ayrosa, op. cit., pág. 12.

96 Rodolfo Garcia, op. cit., pág.69.

97 Domingos Viera, Grande Dícionário Português ou Tesouro da Língua Portuguêsesa, pôrto, 1873, vol. II, pág. 96.

98 Gustavo Barroso, Terra de Sol (Natureza e costumes do Norte), Rio de Janeiro, 1935, pág. 19.

99 Plínio Ayrosa, op. cit., pág. 117.

100 Bernardino José de Souza, op. cit., págs. 86-87.

101 Carlos Teschauer, op. cit., pág. 109.

102 Plínio Ayrosa, op. cit., pág. 118.

102a Luís da Câmara Cascudo, Folclore do Brasil, Brasil-Portugal, 1967, pág. 183.

103 Braz do Amaral, Os grandes mercados de escravos africanos. As tribos inportadas. Sua distribuição regional, Fatos da Vida do Brasil, Bahia, 1941, pág. 126.

104 Edison Carneiro, Negros Bantos, Rio de Janeiro, 1937 pag. 149.

105 Edison Carneiro, A Sabedoria Popular, Rio de Janeiro, 1957, pág. 99.

106 Antenor Nascentes, Tres brasileirismos, Revista Brasileira de Filologia, Rio de Janeiro, vol. I, pág. 20.

107 Melo Morais Filho, Festas e Tradições Populares do Brasil, Rio de Janeiro, 1946, pág. 448.

108

109 Jornal de Noticias, Salvador 2/4/1880, pág. 1.

110 Jornal de Notícias, Salvador, 9/9/1880, pág. 2.

110a A Tarde, Salvador, 12/3/1935, pág. 2.

111 Manoel Querino, A Bahia de Outrora, Livraria Progresso Editôra, Bahia, 1955, pag. 73.

112 Braz do Amaral, op. cit., pág. 126.

113 Manoel Querino, A Raça Africana e os seus Costumes, Bahia, 1955, estampa XVIII.

114 Melo Morais Filho, Festas e Tradições Populares do Brasil, Rio de Janeiro, 1946, págs. 445, 447, 453.

115

116 Jean Baptiste Debret, Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, São Paulo, 1954, tomo I, pág. 253.

117 João Maurício Rugendas, op. cit. estampa 4/18.

118 Camargo Guarnieri, Melodias Registradas por Meios Não Mecânicos, São Paulo, 1946, pág. 200.

119 Mestre Bimba (Manoel dos Reis Machado), Curso de Capoeira Regional, gravado por J. S. Discos, Salvador/Bahia.

120 Lamartine Pereira da Costa, op. cit..

121 Luciano Gallet, Estudos de Folclore, Rio de Janeiro, 1934, págs. 59-60.

122 Renato Almeida, História da Música Brasileira, Rio de Janeiro, 1942, págs. 12-13.

123 F. Acquarone História da Música Brasileira, Rio de Janeiro, s/d., págs. 132-139.

124 Flausino Rodrigues Vale, Elementos de folk-lore nacional brasileiro, São Paulo, 1936, págs. 79-82.

125 Henry Koster, Víagens ao Nordeste do Brasil, São Paulo 1942, págs. 312-317, 333.

126 Jean Baptiste Debret, op. cit., vol. I, pág. 253.

127

128 Raphael Bluteau, op. cit., vol. II, pag. 128.

129 Antônio de Moraes Silva, op. cit., vol. I, pág. 283.

130 Real Academia Española, Diccionario da Lengua Española, Madri, 1947, pág.178.

131 Cândido de Figuereido, Nôvo Dicionário da Lingua Portuguêsa, Lisboa, 1926, pág. 314.

132 Antenor Nascentes, Dicionário Etimológico da Lingua Portuguêsa, Rio de Janeiro, 1932, pág.108.

133 José Pedro Machado, Dicionário Etimológico da Lingua Portuguêsa, Lisboa, 1956, vol.1, pág. 356.

134 Renato Mendonça, A Influência Africana no Português do Brasil, pôrto, 3a edição, 1948, pág. 239.

135 J. Carominas, Diccionario Critico Etimologico da Lengua Castellana, Madri, 1954, vol.1, pág. 461.

135a H. Capello e R Ivens, De Benguella ás Terras de Iácca, Lisboa, 1881, vol. I, pág. 294.

136 Fernando Ortiz, Los Instrumentos de La Musica Afrocubana, Habana, 1955, vol. V, págs. 15-20.

137

138 Fernando Ortiz, Glosario de Afronegrismos, Habana, 1924, pág. 466.

139 Fernando Ortiz, Los Intrumentos de la musica Afrocubana, ed.cit., vol V, págs. 20-22.

140 Albano Marinho de Oliveira, Berimbau o arco musical da capoeira, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 1956 vol. 80, pags. 225-264.

141 Nina Rodrigues, Os Africanos no Brasil, São Paulo, 3a edição, 1945, pág. 259.

142 Donald Pierson, Brancos e Prêtos na Bahia, São Paulo, 1945, pág. 315.

143 Luís da Câmara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, Rio de Janeiro, 1962, págs. 111-112.

144 Flausino Rodrigues Vale, op. cit., pág. 83.

145 Alfredo Brandão Os negros na história de Alagoas, Estudos Afro-Brasileiros, Rio de Janeiro, 1935, vol. I, pág. 85.

146 Artur Ramos, O Negro Brasileiro, São Paulo, 3.a edição, 1951, vol. I, págs. 209-210.

147 Renato Almeida, História da Música Brasileira, Rio de Janeiro, 1941. pág.115.

148 Luciano Gallet, Estudos de Folclore, Rio de Janeiro, 1934, págs. 59, 61.

149 Edison Carneiro, Religiões Negras, Rio de Janeiro, 1936, págs. 112-114.

150 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág . 932.

151 J. Carominas, op. cit., vol . III, pág . 635.

152 C. Alexandre, Dictionnaire grec-français, Paris, 1952, pág. 1.039.

153 A. Bailly, Dictionnaire grec-français, Paris, 1950, pág. 1. 450.

154 Emile Boisacq, Dictionnaire etimologique de la langue grecque étudiée dans ses rapports avec les autres Langues indo-européennes, Heidelberg, 1950.

155 J.B. Hofmann, Etymologiches Worterbuch des grichischen, München, 1950.

156 J.B. Hofmann, Lateiniches etymologichess Worterbuch, Heidelberg, 1938-1956.

157 A. Ernout et A. Meillet, Dictionnaire etymologique de la langue Latine, Paris, 1951.

158 Friedrich Diez, Etymologisches Worterbuch der romanischen Spachen, Bonn,1887, pág. 233.

159 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Wörterbuch, Heidelberg, 1935, pág. 508.

160 Antenor Nascentes, Dicionário Etimológico da Língua Portuguêsa, Rio de Janeiro, 1932, pág. 586.

161 José Pedro Machado, Dicionário Etimológico da Língua Portuguêsa, Lisboa, 1959 vol. II, pág. 1.664.

162 Raphael Bluteau, op. cit., vol. Vl, 1720, pág. 219.

163 Ramon Menendez Pidal, Origenes del Español, Madri, 1950, págs. 88,90,176.

164 José Subirá, Historia da Musica, Madri, 1958, vol. I, págs 58, 87.

165 Idem, op. cit., vol. II, pág. 647.

166 Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Cancioneiro da Ajuda, Halle, 1904, vol II, págs 158-163.

167 Carolina Michaëlis de Vasconcelos, op. cit., vol II, págs 158-163.

168 Gil Vicente, Triunfo d Inverno, Obras completas, Lisboa, 1943, vol IV, pág. 261-262.

169 José Subirá, op. cit., vol. II, págs. 670-672.

170 Manoel da Nóbrega, Cartas do Brasil, Coimbra 1955, pág. 41.

171 Fernando Ortiz, op. cit. vol. IV, 1954, págs. 98-99.

172 R. Dozy et W.H. Engelmann, Glossaire des mots espagnols et portugais dérivés de l'arabe, Paris 1869, pág. 50.

173 P. Leopoldo de Eguilaz y Yanguas, Glosario Etimologico de la palabras Españolas (castellanas, catalanas, gallegas, mallorquinas, portuguesas, valencianas y bascongadas) de origen oriental (arabe, hebreo, malayo, perso y turco), Granada, 1886, pág. 64.

174 Arnald Steiger, Contribución a la Fonetica del Hispano-Arabe y de los Arabismos en el Ibero-Románico y el siciliano., Madri, 1932, pág.120.

175 Karl Lokotsch, Etymologisches Wörterbuch der europäischen (germanischen, romanischen und slavischen) Wörter orientalischen Ursprungs, Heidelberg, 1927, pág.43.

176 Eero K. Neuvonen, Los Arabismos del Español en el Siglo XIII, Helsinki, 1941, págs. 142-143.

177 João de Souza, Vestigios da Lingua Arábica em Portugal, Lisboa, 1830, pág. 14.

178 José Pedro Machado, Influência Arábica no Vocabulário Português, Lisboa, 1958, vol I, págs. 71-72.

179 Vicente Garcia de Diego, Diccionario Etimologico Espanol e Hispanico, Madri, s/d., págs. 23, 575.

180 Antenor Nascentes, op. cit., 1932, pág. 15.

181 Academia das Ciênças de Lisboa, Dicionário da Lingua Portuguêsa, Lisboa, Anno 1893, tomo I, pág. 119.

182 A.R. Gonçalves Viana, Apostilas aos Dicion´rios Portuguêses, Lisboa, 1906, vol I, págs. 26-27.

183 José Pedro Machado,op. cit., vol I, Lisboa, 1958, pág. 71.

184 Arnald Steiger, op. cit, pag. 120.

185 José Subirá, op. cit., vol. I,pág. 84.

186 José Subirá, op. cit., vol . I, pág. 94.

187 Carolina Michaëlis de Vasconcelos, op. cit, vol. II, pág. 916.

188 Carolina Michaëlis de Vasconcelos, op.cit, vol.II, págs. 162, 639, 915, 916.

189 Ramon Menendez Pidal, Poesia Juglaresca y Juglares, Madrid, 1949, págs. 34-48.

190 Theophilo Braga, Cancioneiro Português da Vaticana, Lisboa, 1878, pág. 165.

191 João Alvarez, Crônica do Infante Santo D. Fernando, Coimbra, 1911, pág. 32.

192 Fernando Ortiz, op. cit., vol. III, pág. 418.

193 Friedrich Diez, op. cit.,pág. 30.

194 R. Dozy et W. Engelmann, op. cit. pág. 207.

195 Arnald Steiger, op. cit., pág. 90.

196 Karl Lokotsch, op. cit., pág.156.

197 Eero K. Neuvonen, op. cit., pág. 221.

198 P. Leopoldo de Eguilaz y Yanguas, op. cit., pág. 295.

199 José Pedro Machado, op. cit., vol. I, págs. 328-329.

200 Vicente Garcia de Diego, op. cit., págs. 82, 1.005.

201 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 702.

202 AntenorNascentes,op. cit., 1932, pág. 79.

203

204 Ernst Gaminscheg, Etymologisches Worterbuch der französichen Sprachen, Heidelberg, 1928 pág. 884.

205 José Subirá, op. cit., vol. III, pág. 525.

206 José Joaquim Nunes, Crestomatia Arcaica, Lisboa, 1943, págs. 49, 55.

207 José Joaquim Nunes, Crônica da Ordem dos Frades Menores (1209-1285), Lisboa, 1918, vol I, pág. 128.

208 A. de Magalhães Basto,Crônica de Cinco Reis de Portugal, pôrto, s/d., pág. 162.

209 João Alvares, op. cit., pág. 32.

210 Fernando Ortiz, op. cit., vol. IV, págs. 412-413.

211 Renato Almeida, op. cit., pág. 114.

212 Leonardo Mota, Sertão Alegre, Fortaleza, 1965 pág. 112, 114, 115, 117, 118, 124.

213 Luís da Câmara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, Rio de Janeiro 1962, pág. 200.

214 R. C. Abraham, Dictionary of Modern Yoruba, London, 1958, pág. 30.

215 Fernando Ortiz, Los Bailes y el Teatro de los Negros en el Folklore de Cuba, Habana, 1951, pags. 6-36.

216 J. Gillieron et E. Edmont, Atlas Linguistique de la France, Paris, 1903-1910.

217

218 Gino Battiglioni, Atlante Lingutitico-Etnografico Italiano della Corsica, Pisa, 1933-1939.

219 K. Jaberg unl J. Jud, Sprach-und Sachatlas Italiens und der Südschweiz, Zofingen (Schweiz), 1928-1940.

220 Serafim da Silva Neto, Introdução ao Estudo da Língua Portuguêsa no Brasil, Rio de Janeiro, 1963, pág. 165-166.

221 K. Jaberg und J. Jud, Der Sprachatlas als Forshungsintrument… Halle (Saale), 1928, págs. 175-176.

222 N. Rossi, Atlas Prévio dos Falares Baianos. Instituto Nacional do Livro, 1963.

N. Rossi, Atlas Prévio dos Falares Baianos. Introdução, 1963.

223 Joseph Huber, Altportugieisches Elementarbuch, Heidelberg, 1933, pág.43.

224 Pedro A. de Azevedo, Documentos portugueses do Mosteiro de Chelles, Revista Lusitana, 1906, pág.263.

225 Duarte Nunes de Leão, Origem, e Ortographia da Língoa Portuguêsa, Lisboa, 1864, pág. 83.

226 Pedro A. de Azevedo, A respeito da antigua ortografia portuguêsa / Um documento de Monção de 1350, Revista Lusitana, 1900-1901, pág. 263.

227 Friedrich Diez, Über die Erste Portuguieisische Kunst und Hofpoesie, Bonn, 1863.

228 Friedrich Diez, Grammatik der Romanischen Spachen, Bonn, 1882, vol. I, pág. 306.

229 Jules Cornu, Die Portuguieisische Sprache, 1904-1906, vol I, pág. 922.

230 A.R. Gonçalves Viana, Ortografia Nacional, Lisboa, 1904, págs. 56-57.

231 Edwin B. Williams, From Latin to Portuguese, Philadelphia, 1938, págs. 22-23.

232

233 Mário Maroquim, A língua do Nordeste (Alagoas e Pernambuco), São Paulo, 1945, págs. 94-95.

234 José Leite de Vasconcelos, Esquisse d'une dialectologie portuguaise, Paris-Lisboa, 1901, págs. 52, 151, 177, 185, 190.

235

236 Joaquim Viera Botelho da Costa e Custódio José Duarte, O Creolo de Cabo Verde, Lisboa, 1886, 6a série, nº6, pág. 332.

237

238 Kr. Nyrop, Grammaire historique de la langue française, Copenhague, 1914, vol. I, págs. 337-339.

239

240 Jules Ronjat, Grammaire Historique des parlers provençaux modernes, Montpellier, 1930, vol.I, págs 96-97.

241

242

243 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., vol. I, págs. 459, 466.

244

245 Ramon Menendez Pidal, Origenes del Español, Madrid, 1950, págs. 230-240, 274-280.

246 Edouard Bourciez, op. cit., pág. 411.

247

248

249 N.S. Trubetzkoy, Grundzüge der Phonologie, Prague, 1939.

250 N.S. Trubetzkoy, Principes de Phonologie, Paris, 1949.

251 Emilio Alarcos Llorach, op. cit., pág. 85.

252 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., vol. I, págs. 409-410.

253

254 Edwin B. Williams, op. cit., págs. 77, 91, 110.

255 Joaquim Viera Botelho da Costa e Custódio José Duarte, op. cit., pág. 332.

256 Mário Maroquim, op. cit., pág. 84.

257

258

259

260 Mário Maroquim, op. cit. pág. 93.

261

262 Fernão de Oliveira, Grammatica da Lingoagem Portuguesa / 3a edição feita de harmonia com a primeira (1536), Lisboa, 1933, pág. 44.

263 Jules Cornu, op. cit. vol. I, pág. 944.

264

265 Ferdinand Sommer, Hanbuch der lateinischen Laut, Heidelberg, 1948, págs. 78-81, 109-110.

266 Max Niedermann, Précis de phonétique historique du latin, Paris, 1953, págs. 65-67.

267 Wilhelm Meyer-Lübke, Die lateinische Sprache in den romanischen Landern, in Gustav Gröber, op. cit., vol. I, págs. 465-466.

268 José Joaquim Nunes, Compêndio de Gramática Histórica Portuguêsa, Lisboa, 1945, págs . 78-81.

269 C.H. Grandgent, Introducción al Latin Vulgar, Madrid, 1952, págs. 142-144, 152.

270 Carlo Battisti, Avviamento allo Studio del Latino Volgare, Bari, 1949, págs. 106-110.

271 Karl Vossler, Einführung ins Vulgärlatein, München, s/d pág. 90.

272 José Leite de Vasconcelos, Esquisse, págs. 106-108, 165, 166, 179, 182, 185, 187, 191, 192.

273 Edwin B. Williams, op. cit., pág. 102.

274 Wilhelm Meyer-Lübke, Grammaire des langues romanes, ed. cit. vol. 1, pág. 324.

275 Joseph Huber, op. cit. pág. 60.

276 Antenor Nascentes, O linguajar Carioca, ed. cit., pág. 62.

277 C.H.Grandgent, op. cit., pág. 56.

278 C.H.Grandgent, op. cit., pág. 56.

279 José Leite de Vasconcelos, Esquisse, pág. 143.

280

281 Maurice Grammont, Traité de phonetique, Librairie Dellagrave, Paris, 1956, pág. 239.

282 Maurice Grammont, op. cit., págs. 239-240.

283

284 José Leite de Vasconcelos, Esquisse, pág. 131.

285 José Leite de Vasconcelos, Esquisse, pág . 160.

286

287

288 A.R. Gonçalves Viana, Palestras Filológicas, Lisboa, 1931, pág. 130.

289 José Leite de Vasconcelos, Esquisse, pág. 192.

290 Antenor Nascentes, O Linguajar Carioca, ed. cit., págs. 143-151.

291 W. Meyer-Lübke, Romanischen etymologisches Wörterbuch pág. 74.

292 A. Magne Dicionário da Lingua Portuguêsa, vol. I, pág. 104.

293 Jules Cornu, op. cit., pág. 949.

294 Vicente Garcia de Diego, Dicionário Etimilogico Español e Hispanico, pág. 73.

295 José Leite de Vasconcelos, Etimologias portuguêsas, Revista Lusitana vol. II, pág. 267.

296 José Pedro Machado, Dicionário Etimologico da Língua Portuguêsa, vol. I, pág. 18.

297 Alfons Hilka, Das Altfranzösisch e Rolandslied nach der Oxforder Handschrift, Herausgeben von Alfons Hilaka. págs. 20, 28.

298 José Pedro Machado, Dicionário Etimologico da Língua Portuguêsa, vol. I, pág. 38.

299

300 Antenor Nascentes, Dicionário Etimologico da Língua Portuguêsa / Nomes próprios, Tomo II, pág. 14.

301 José Leite de Vasconcelos, Opúsculos / Onomatologia, vol III, pág. 72.

302 Antônio de Oliveira de Cadornega, História Geral das Guerras Angolanas, vol I. pág. 14.

303 José Luis Quintão, Gramática de Kimbundo, pág. 213.

304 Bernardo Maria de Cannecattim, Coll. de Obs. Gramaticais Sobre a Língua Bunda ou Angolense e Diccionário Abreviado da Língua Conguesa, pág. XI.

305 Antônio de Oliveira de Cadornega, op. cit., vol. I, pág.14.

306

307

308 Antônio de Moraes Silva, op. cit., vol. I, pág.168.

309 João Ribeiro, Seleta Clássica, pág. 235.

310 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Wörterbuch, pág. 602.

311 A.A. Cortesão, op. cit., pág.14.

312

313 Portugaliæ Monumenta Historica / Leges et Consuedines, vol. I, pág. 380.

314 José Pedro Machado, Dicionário Etimologico da Língua Portuguêsa, vol. II, pág. 2007.

315 Antônio de Santa Maria de Jaboatam, Chronica dos Frades Menores, vol. I, págs. 124-125.

316 Friedrich Diez Eymologisches Wörterbuch der romanischen Sprachen, pág. 37.

317 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Wörterbuch, pág. 70.

318 Ac. Brasileira de Letras, Pequeno Vocabulário Ortográfico…, pág. XXX.

319 A Dictionary of the Yoruba Language, Oxford University Press, London, Fourth impression, 1956, pág. 53.

320 idem, pág. 53.

321

322 Lydía Cabrera, Anagó / Vocab. lucumi / el yoruba que se h. en Cuba, pág. 78.

323

324 Dicionario de la Academia Española, pág. 162.

325 Vicente Garcia de Diego, op. cit., pág.101.

326 Rodrigo de Sá Nogueira, Portuguesismo em Cristovão Colombo, in Miscelânea de Filologia, vol. II, pág. 89.

327 Augusto Magne, op. cit., vol.I, págs.110-111.

328 J. Carominas, op. cit., vol. I, págs. 404-405.

329 José Pedro Machado, Dicionário Etimológico da Língua Portuguêsa, vol I, pág. 328.

330 Barão de Angra, Dicionário Marítimo Brasileiro, pág. 31.

331

332 Carolina Michaelis de Vasconcelos, Poesias de Francisco de Sá de Miranda, págs. 897-898.

333 João de Barros / Diogo do Couto, Da Ásia de João de Barros e de Diogo do Couto, Decada terceira, parte primeira, pág. 569.

334 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 233.

335

336 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Inquisitiones, vol. I, pág. 326.

337 Teófilo Braga, Cancioneiro Português da Vaticana, vol I, pág. 201.

338 Antenor Nascentes, Dicionário Etimologico da Língua Portuguêsa, pág. 50.

339 Giovanni Alessio / Carlo Battisti, op. cit., vol. I, pág. 488.

340

341 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Leges et Consuetudines, pág. 374.

342 Todoro Sampaio, op. cit., pág. 185.

343

344 Frederico G Edeweiss, in Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 126.

345 Jorge Marcgrave, op. cit., pág. 268.

346 Georg Friedericiop. cit., pág. 106.

347 E. Stradelli, op. cit., pág. 135.

348 Pínio Ayrosa, in Georg Marcgrave, op. cit., pág. XCI.

349 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Wôrterbuch, págs. 155.

350 Walther von Wartburg, Französiches Etymologisches Wörterbuch, vol II, pág. 301.

351 Pompeu Fabra, Diccionari General de la Llengua Catalana, pág. 289.

352

353 Portugaliæ Monumenta Historica, v. dos Diplomata et Chartæ, pág. 98.

354 Offício de José Félix de Azevedo e Sá ao ministro do Império expondo as providencias dadas para o restabelecimento da ordem na Provincia, Publicação do Arquivo Nacional, vol. XXIV, pág. 251.

355 Assis Brasil, História da República Rio-Grandense, vol. I, pág. 70.

356 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Estudos Lexicográficos, 1943, pág. 120.

357 Renato Mendonça, op. cit., pág. 203.

358 Heinz Kröll, Designações Portuguêsas para Embriaguez, casa do castelo, Editôra, Coimbra, 1955.

359 José Leite de Vasconcelos, Antroponímia Portuguêsa, pág. 66.

360 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 14.

361 Friedrich Diez Etymologisches Wôrterbuch der romanischen Sprachen, pág.435.

362 Antenor Nascentes, Dicionário Etimologico da Língua Portuguêsa, pág. 6.

363 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Wôrterbuch, págs. 140.

364 José Leite de Vasconcelos, Canção de Berço Revista Lusitania, vol. X, pág.17.

365 Augusto Magne, op. cit., vol. I, pág. 282.

366 José Pedro Machado, Dicionário Etimológico da Língua Portuguêsa, vol I, pág. 44.

367 Francisco Evaristo Leoni, Bênio da Língua Portuguêsa, tomo I, pág. 320.

368 José Leite de Vasconcelos, op. cit., pág. 18.

369 José Inês Louro Notas etimológicas, Boletim de Filologia, 1948, tomo IX, págs. 90-92.

369a Ludolfo Cartusiano, O Livro da Vita Christi, pág. 183.

370 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 187.

371 J. Carominas, op. cit., vol. I, pág. 609.

372 Serafim da Silva Neto, Fontes do Latim Vulgar /O Appendix Probi, pág. 122.

373 Walther von Wartburg, op. cit., vol. II, pág. 134.

374 Walther von Wartburg, op. cit., vol. II, pág. 136.

375 Friedrich Diez, Etymologisches Worterbuch der Romanischen Sprachen, pág. 79.

376 J. Carominas, op. cit., vol. I, pág. 609.

377 Carlo Battisti/Giovanni Alessio, op. cit., vol. I, págs. 700-701.

378 Ernst Gamillscheg, Etymologisches Worterbuch der franzosischen Sprache, pág. 175.

379 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Worterbuch, op. cit., pág. 144.

380 Antenor Nascentes, Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, pág. 143.

381 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 188.

382 Guilherme Piso, História Natural do Brasil, pág. 175.

383 Jorge Margrave, op. cit., págs. 151, LV.

384 Constantino Tastevin, Nomes de Plantas e animais em língua tupi, Op. cit., pág. 736.

385 E. Stradelli, op. cit., pág. 661.

386 Batista Caetano, op. cit., pág. 478.

387 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguêsa, vol. I, pág. 98.

388

389 Vicente Rossi, op. cit., págs. 71-72.

390 Artur Ramos, As culturas negras do Nôvo Mundo, pág 261.

391 Vicente Rossi, op. cit., pág. 84.

392 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Wortrbuch pág. 151 .

393 Academiei Republicii Populare Romine, Dictionarul Límbi Romine Literare Contemporane, vol. I, pág. 447.

394 Elza Paxeco Machado e José Pedro Machado, Cancioneiro da Biblioteca Nacional, vol. II, págs. 352-353.

395

396 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Leges et Consuetudines, pág. 380.

397 Luís da Camara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, pág. 179.

398 R.C. Abraham, op. cit., pág. 157.

399 Samuel Johnson, The History of the Yorubas, págs. 34, 149.

400 A.A. Cortesão, op. cit., vol. I, pág. 47.

401 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 308.

402 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 1243.

403 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Estudos Lexicográficos do Dialeto Brasileiro, pág. 62.

404 A.R. Gonçalvez Viana, Apostilas aos Dicionários Portugueses, vol. I, pág. 208.

405 Daniel Granada, op. cit., pág. 125.

406 Fernando Ortiz, Glosário de Afronegrismos, pág. 106.

407 Carominas, op. cit., vol. I, pág. 693.

408 A.A. Cortesão, op. cit., pág. 25 do Aditamento.

409 Real Academia Española, Diccionario de la Lengua Espanola, pág. 634.

410 J. Carominas, op. cit., vol. I, pág. 693.

411 Gerhard Rohlfs, Le Gascon, pág. 20.

412 Fernão Cardim, Tratado da Terra e da Gente do Brasil, pág. 337.

413

414

415 Portugaliæ Monurnenta Historica, volume dos Scriptores, vol. I, pág. 236.

416 Teodoro Sampaio, op. cit. pág. 196.

417 Sebastião Rodolfo Dalgado, op. cit., vol. I, pág. 276.

418

419 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 351.

420

421 João de Souza, op. cit, pág. 114.

422 Jules Cornu, op. cit., págs. 936, 974.

423

424

425 Real Academia Española, Diccionario de La Lengua Española, pág. 210.

426 Georg Friederici, op. cit., pág. 152.

427 Georg Friederici, op. cit., pág. 153.

428 Academiei Republicii Populare Romine, Dictionarul Limbii Romine Literare Contemporane, vol. I, págs. 62, 313.

429

430

431 Georg Marcgrave, op. cit., pág. 242.

432 Joan Nieuhof, Memorável Viagem Marítima e Terrestre ao Brasil, pág. 48.

433 Júlio de Lemos, Pequeno Dicionário Luso-Brasileiro de Vozes de Animais (onomatopéias e definições), pág. 58.

434 Carl Friedrich Philipe von Martius, Glossaria Linguarum Brasiliensium, pág. 496.

435 Academiei Republicii Populare Romine, Dictionarul Limbii Romine Literare Contemporane, vol. I, pág. 601.

436 W. Meyer-Lübke, Romanisches etymologisches Worterbuch, pág. 197.

437

438 José Joaquim Nunes, Gramática Histórica da Língua Portuguesa pág. 135.

439 Antenor Nascentes, Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa pág. 210.

440 José Pedro Machado, Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, vol. I, pág. 670.

441 J. Carominas, op. cit., vol. II, pág . 1.007.

442 Walther von Wartburg, op. cit., vol. II, pág. 1.137.

443

444 Walther von Wartburg, op. cit. vol . II, pág . 1. 583 .

444a Afonso X, O Sábio, Cantiga de Santa Maria, pág. 268.

445 A. Walde / J. B. Hofmann, op. cit., vol. I, pág. 305.

446 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 220.

447 Theodor Gariner, Handbuch der rätoromanischen Sprache und Literatur, pág. XLVI.

448 Josif Popovici, Dialectele Romîne / Dialectele Romine din Istria, pág. 104.

449 Fernão Lopes, Crônica de D. João I, pág. 24.

450 Pero Menino, op. cit., págs. 27, 28, 29.

451 Nicolò Tommaseo e Bernardo Bellini, Dizionario della Lingua Italiana, vol. I, pág. 766.

452 É. Littré, Dictionnaire de la Langue Française, vol. I, pág. 28.

453 Real Academia Española, Diccionario de la Lengua Española, pág. 385.

454

455 Portugaliæ Monumentae Historica, volume dos Diploma et Chartae, pág. 257.

456 Portugaliæ Monumenta Historica, volume dos Scriptores, pág. 30.

457

458 Walther von Wartburg, op. cit., vol. II, pág. 940.

459 Walther von Wartburg, Problemas y Metodos de la Linguistica, págs. 195-196.

460 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Leges Consuetudines, pág. 704.

461 Walther von Wartburg, Französisches etymologisches Worterbuch, vol. II, pág. 974.

462 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 198.

463 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 203.

464 J. Carominas, op. cit., vol . III, pág. 607.

465 José Pedro Machado, op. cit., vol . II, pág. 1.651.

466

467 Edison Carneiro, Ladinos e Crioulos, pág. 72.

468 Luís dos Santos Vilhena, Recopilaçao de Notícias Soteropolitanas e Brasilicas, vol. II, pág. 757.

469 Elias Alexandre da Silva Corrêa, História de Angola, pág. 137-138.

470 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 230.

471 Portugaliæ Monumenta Historica, volume dos Diplomata et Chartæ, pág. 94.

472 A.A. Cortesão, op. cit., vol. I, págs. 52-53.

472a

473

474 F. Diez, op. cit., pág. 193.

475 W. von Wartburg, op. cit., vol. V, pág. 289.

476 A. Magne, A Demanda do Santo Graal, pág. 70.

477

478 José Leite de Vasconcelos, Dialetos Algárvios, Revista Lusitana, vol.IV, pág. 327.

479 José Leite de Vasconcelos, ibid/, pág. 62.

480

481 Ernst Gamillscheg, Romania Germanica, pág. 375.

482 Antônio Moraes Silva, op. cit., vol. I, pág. 704.

483

484 José Joaquim Nunes, Crônica da Ordem dos Frades Menores, vol. II, pág. 268.

485 J. Carominas, op. cit., vol. III, pág. 155.

486 Alois Walde / J. B. Hofmann, op. cit., vol. II, pág. 570.

487

488 J. Carominas, op. cit., vol. II, pág. 860.

489 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Leges et Consuetudines, pág. 813.

490 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 286.

491 J. Carominas, op. cit., vol. II, pág. 916.

492 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Leges e Consuetudines, pág. 380.

493

494 Augusto Magne, op. cit., vol. III, págs. 355-362.

495 José Leite de Vasconcelos, Lições de Filologia Portuguesa, ed. cit págs. 86-87.

495a Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 204.

496 Gabriel Soares de Souza, Tratado Descritivo do Brasil em 1587, pág. 348.

497 Jorge Marcgrave, op. cit., págs. 185, LXII-LXIII.

498 Guilherme Piso, História Natural e Médica das Índias Ocidentais, págs. 186-187.

499 Vicente do Salvador, História do Brasil Escrita na Bahia a 20 de dezembro de 1627, Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, vol XIII, pág. 22.

500 Wied-Neuwied, op. cit., pág. 72.

501

502 Wilheim Meyer-Lübke, op. cit., pág. 143.

503 J. Carominas, op. cit., vol. II, pág. 649.

504 Teodoro Sampaio, op. cit., pág.244.

505 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 206.

506 Paulo Restivo, op. cit., pág. 9.

507 E. Stradelli, op. cit., pág. 511.

508 Constantino Tastevin, Nomes de Plantas e Animais em Língua Tupi, pág. 715.

509 Batista Caetano, op. cit., pág. 215.

510 Antônio Joaquim de Macedlo Soares, Estudos Lexicográficos do Dialeto Brasileiro, pág. 66.

511 Antonio Joaquim de Macedo Soares, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, vol. II, pág. 15.

512 Laudelino Freire, Grande e Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa, pág. 3.298.

513 Manuel Viotti, op. cit., pág. 273.

514 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 205.

515 Laudelino Freire, op. cit., vol. IV, pág. 3.071.

516 Candido de Figueiredo, op. cit.,vol. I, pág. 957.

517

518 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 56.

519 Carlo Battisti / Giovanni Alessio, op. cit. vol I, pág. 88.

520 J. Carominas, op. cit., vol. I, pág. 60.

521 A. A. Cortesão, op. cit., vol. II, pág. 5 (Aditamento ).

522 Bernardo Maria Cannecattin, op. cit., pág. 8.

523 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Estudos Lexicográficos do Dialeto Brasileiro, pág. 68.

524

525 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Leges et Consuetudines, pág. 380.

526

527

528 Portugaliæ Monumenta Historica, volume dos Diplomata et Chartæ, pág. 31.

529 José Leite de Vasconcelos, Antroponímia Portuguesa, pág. 79.

530

531 José Leite de Vasconcelos, Opúsculos / Filologia, vol. I, pág. 373.

532 Laudelino Freire, op. cit., vol. III, pág. 2.061.

533 José Joaquim Nunes, Compêndio de Gramática Histórica Portuguesa, págs. 372-373.

534 José Pedro Machado, op. cit., vol. I, pág. 808.

535

536

537 Carl Friedrich Philip von Martius, op. cit., pág. 152.

538 Manuel Vioti, op. cit., pág. 245.

539 Sebastião Rodolfo Dalgado, op. cit., vol. I, pág. 471.

540 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 438.

541 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1249.

542 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 374.

543 Friedrich Diez, op. cit., pág. 521.

544 J. Carominas, op. cit., vol. II, pág. 1073.

545

546 Walter von Wartburg, op. cit. vol. V, pág. 40.

547 Ramon Menendez Pidal, Cantar de Mio Cid, vol. I, pág. 153.

548 Walther von Wartburg, op. cit, vol. V, pág. 40.

549 Fernão Lopez Castanheda, História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses, vol. II, pág. 194.

550 Xavier Fernandes, Toponimos e Gentílicos, pág. 113.

551 João Ribeiro, Curiosidades Verbais, pág. 58.

552

553 J. Carominas, op. cit., vol. III, pág. 20.

554 Luís da Camara Cascudo, op. cit, pág. 416.

555

556 Luís da Camara Cascudo, op. cit., pág. 556.

557 R.C. Abraham, op. cit., pág. 186.

558 Teodoro Sampaio, op. cit., págs. 119, 256.

559 Gabriel Soares de Souza, op. cit., pág. 222.

560

561 Jorge Marcgrave, op. cit., págs. 109, XLI.

561a Bemardo Maria Cannecattin, op. cit., pág. XV.

561b Bemardo Maria Cannecattin, op. cit., pág. XV.

561c Frei Luís de Souza, História de São Domingos, pág. 468.

561d Frei Luís de Souza, op. cit., vol. III, pág. 468.

561e Elias Alexandre da Silva Corrêa, op. cit., vol. I, págs. 135-137.

561f Bernardo Maria Cannecattin, op. cit., pág. XV.

561g Luís dos Santos Vilhena, op. cit., vol. I, pág. 53.

562

562a Dorival Caymmi, Cancioneiro da Bahia, pág. 173.

562b Inácio de Alencar, Afinal, que é Maracangalha?, Manchete/ Revista semanal, Rio de Janeiro, nº250, 2/2/57, pág. 42.

563 op. cit. pág. 98.

564 Estudos Lexicográficos do Dialeto Brasileiro, ed.cit., pág. 66.

565 Jacques Raimundo, O Elemento Afro-Negro na Língua Portuguêsa, Renascença Editora, Rio de Janeiro, 1933, págs 141-142.

566 op.cit., pág. 238.

567 Guilherme Piso, História Natural e Médica das Índians Ocidentais, ed. cit. pág. 97.

568 Luís da Câmara Cascudo,Vaqueiros e cantadores / Folcore poético do sertão de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Edição da livraria Globo, Porto Alegre, 1939, pág. 13.

569 Friedrich Diez, op. cit. pág. 465.

570 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit. pág. 428.

571 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 486.

572 José Pedro Machado, op. cit., pág. 1398.

573 J. Carominas, op. cit., vol. III, pág. 209.

574 Zeitschrift für romanischen Philologie / Begrundet von Prof. Dr. Gustav Gröber, Max Niemeyer Verlag, Halle (Saale), 1891, vol. XIV, pág. 183 ; 1907, vol. XXX, págs. 320-328.

575 M. Raynouard, Lexique Roman ou dictionnaire de la langue des troubadours comparée avec les autres langues de l'Europe Latine. Réimpression de l'original publié à Paris 1836-1845. Carl Winter Universitätsbuchhandlung, Heidelberg, s/d., vol. IV, pág. 129 ; vol V, pág. 473.

576 Vicente Garcia de Diego, Contibución al Diccionario Hispanico-Etimologico, Madrid, 1943, pág. 113-114.

577 G.G. Nicholson, Recherches Philologiques Romanes, Librairie Ancienne Honoré Champion, Paris, 1924, pág. 162.

578 Vicente Garcia Diego, Diccionario etimologico Español e Hispanico, págs. 360,842.

579 J. Carominas, op. cit., vol. 111, pág. 210.

580 Teodoro Sampaio, op. cit., pág 243.

581 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 205.

582 Batista Caetano, op. cit., pág. 216.

583 E. Stradelli, op. cit., pág. 511.

584 Jorge Marcgrave, op. cit., págs. 23-24, XXXIX.

585 Guilherme Piso, História Natural e Medical das Indias Ocidentais, págs. 399-405.

586 Renato Mendonça, op. cit., pág. 237.

587 Jacques Raimundo, op. cit., pág. 140.

588 I. Xavier Fernandes, op. cit., vol. I,pág. 280, vol II, pág. 14.

589 Antonio Moraes Silva, op. cit., vol. II, pág. 257.

590 J. Carominas, op. cit., vol. 111, pág. 221.

591 Rodolfo Lenz, Diccionario Etimologico de las Voces Chilenas Derivadas de Lenguas Indigenas Americanas, págs. 473-474.

592 Daniel Granada, op. cit., pág. 269.

593

594 Portugaliæ Monumenta Historica, volume das Diplomatas et Chartæ, pág. 275.

595 Friedrich Diez, op. cit., pág. 468.

596 Jules Cornu, op. cit., pág. 993.

597 Francisco Adolfo coelho, op. cit., pág. 845.

598 Vicente Garcia de Diego, op. cit., págs. 366,840.

599 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 442.

600 C. Michaëlis de Vasconcelos, Glossário do Cancioneiro da Ajuda, págs. 53.

601 Karl Lokotisch, op. cit., pág. 115.

602 Jean Bourciez, op. cit., pág. 181.

603 J. Carominas, op. cit., vol. III, pág. 290.

604 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1.446.

605 Portugaliæ Monumenta Historica, vol. das Leges et Consuetudines, pág. 347.

606 Carolina Michaelis de Vasconcelos, Concioneiro da Ajuda, vol. I, págs. 35, 53, 9S, 133, 145, 168, 169, 223.

607

608

609 Elza Paxeco Machado e José Pedro Machado, Cancioneito da Biblioteca Nacional, vol. VI, pág. 350.

610

611 Elza Paxeco Machado e José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 220.

612 Friedrich Diez, op. cit., pág. 214.

613 Wilhelm Meyer-Lubke, op. cit., págs. 457-458.

614 Jules Cornu, op. cit., pág. 967.

615 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 508.

616 J. Carominas, op. cit., vol. III, págs. 346-348.

617 José Pedro Machado, op. cit. vol. II, pág. 1.469.

618

619 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 241.

620 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 867.

621 J. Carominas, op. cit., vol. III, pág. 392.

622 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág . 478.

623 Joaquim de Santa Rosa de Viterbo, Elucidário das Palavras, Têrmos e Frases que em Portugal Antigamente se Usaram e que Hoje Regularmente se Ignoram, pág. 115.

624

625 Gil Vicente, Auto da Cananéia, in vol. II, pág. 242.

626

627 Duarte Nunes de Leão, op. cit., pág. 204.

628 A.R. Conçalvez Vianna, Ortografia Nacional, pág. 93.

629 José Leite de Vasconcelos Licões de Filologia Portuguesa, pág. 69.

630 Jules Cornu, op cit., pág. 971.

631

632 José Joaquim Nunes, op. cit., pág. 33.

633 Ramon Menendez Pidal, Manual de Gramatica Historica Española, pág 39.

634 Portugaliæ Monumenta Historica, volume dosDiplomata et Chartæ, pág. 67.

635 Bernardo Maria Cannecattin op. cit., pág. 150.

636 Jornal de Notícias, Salvador, 4/5/1880, pág. 2.

637 Francisco Adolfo Coelho, op.cit., pág. 883.

638 Jose Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1.554.

639 Wilhelm Meyer-Lubke, Romanisches etymologisches Worterbuch, pág. 473.

640 Friedrich Diez, Grammatik der romanischen Sprachen, vol. II, pág. 627.

641 Teodoro Sampaio, op. cit., pág 253.

642 Batista Caetano, op. cit., pág. 234.

643 Paulo Restivo, op. cit., pág. 76.

644 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 214.

644a Constantino Tastevin, Vocabulário da Língua Tupi, pág.632.

645 E. Stradelli, op. cit., pág. 562.

646

647 Elza Paxeco Machado e Jose Pedro Machado, op. cit., vol. III, pág. 50.

647a Zdenek Hampl, Tratamento motivado pela cor da pele do interlocutor, no português do Brasil, in Omagiu lui Alexandru Rosetti … págs. 347-348.

648

649 Elza Paxeco Machado e Jose Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 340.

650

651 Wilhelm Meyer-Lubke, op. cit., pág. 15.

652 Walther von Wartburg, op. cit, vol. I, pág. 37.

653 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 564.

654 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1.6l9.

655

656 Pero Menino, op. cit. págs 14, 15, 18.

657 Carl Friedrich Philip von Martius, op. cit.,pág.485.

658 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 299.

659 Batista Caetano, op. cit, pág. 558.

660 Constantino Tastevin, op. cit., pág. 746.

661 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 406.

662 Paulo Restivo, op. cit., pág. 200.

663 Barbosa Rodrigues, op. cit, págs. 179, 258.

664 Couto de Magalhães, O Selvagem. Tipografia da Reforma, Rio de Janeiro, 1876, págs. 232-234, 235, 236.

665 Gabriel Soares de Souza, op. cit., pág. 270.

666 Dialogo das Grandezas do Brasil / Introdução de Capistrano de Abreu / Notas de Rodolfo Garcia. Livraria Progresso Editora, Bahia 1956,pág.268.

667 Jorge Marcgrave, op. cit., págs. 207-208.

668 Aires de Casal, op. cit., vol. I, págs. 59, 154;; vol. II, pág. 247.

669 Wied-Neuwied,op. cit., págs. 46,86, 228, 244, 372.

670

671 Pero Menino, op. cit, pág.62.

672 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 263.

673 Batista Caetano, op. cit., pág. 36l.

674 I. Xavier Fernandes, op. cit., vol. II, pág. 67.

675 Constantino Tastevin, Nome de Plantas e Animais em Língua Tupi, ed. cit. pág. 724.

676 Teodoro Sampaio, op. cit. págs. 258-259.

677 Paulo Restivo, op. cit., pág. 415.

678 Georg Friederici, op. cit., págs. 480-481.

679 Carl Friedrich Philip von Martius, op. cit., pág. 518.

680 E. Stradelli, op. cit., pág. 280.

681 Karl Lokotisch, op. cit., pág. 51-52.

682

683

684

685 Simão de Vasconcelos, op. cit., pág. 52.

686 Carl Friedrich Philip von Martius, op. cit., pág. 79.

687 Couto de Magalhães, op. cit., págs. 209-210.

688 Constantino Tastevin, Vocabulário da Língua Tupi, pág. 649.

689 Georg Friederici, op. cit., págs. 483-484.

690 Jorge Marcgrave, op. cit., pág. 272.

691

692 J. Carominas, op. cit., vol. III, pág. 626.

693

694 Fernão Mendes Pinto, op. cit., vol. VI, pág. 186.

695 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 262.

696 Karl Lokotisch, op. cit., pág. 53.

697 José Pedro Machado, op. cit., vol. II pág. 1.734.

698 Portugaliæ Monumenta Historica, vol. dos Diplomata et Chartæ, pág. 250.

699 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 264.

700 Batista Caetano, op. cit., pág. 277.

701 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 295.

702 Paulo Restivo, op. cit., pág. 414.

703 Georg Frederici, op. cit., pág. 503.

704 Jean de Léry, op. cit., págs. 273, 305.

705 Gabriel Soares de Souza, op. cit., pág. 220.

706 Diálogo das Grandezas do Brasil, pág. 232.

707 Guilherme Piso, op. cit., págs. 70-71.

708 Jorge Marcgrave, op. cit., págs. 133-134.

709 Wied-Neuwied, op. cit., pág. 204.

710

711 Ordenaçoens do Senhor Rey D. Affonso V, Livro IV, Título II, parágrafo I, pág. 31.

712 Garcia Resende, Cancioneiro Geral, vol. I, pág. 221.

713 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1.760.

714

715 José Leite de Vasconcelos, Antroponímia Portuguesa, pág. 346.

716

717

718

719 Portugaliæ Monumenta Historica, volume dos Diplomata et Chartæ, pág.112.

720

721

722 Portugaliæ Monumenta Historica, vol. dos Diplomata et Chartæ, pág. 3.

723

724 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 663.

725 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1829.

726 Joseph Huber, op. cit., pag. 53.

727

728 Jean de Léry, op. cit., pág. 85.

729 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 540.

730 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 1737.

731 Antenor Nascentes, op. cit., pag. 694.

732 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 273.

733 Batista Caetano, op. cit., pág. 147.

734 C. Tastevin, Nomes de Plantas e Animais em Língua Tupi, pág. 730.

735 Carl Friedrich Philip von Martius, op. cit., pág. 472.

736 Georg Friederici, op. cit., pág. 548.

737 Gabriel Soares de Souza, op. cit., pág. 275.

738 Wied-Neuwied, op. cit., págs. 53, 88, 198, 210.

739 Manuel Aires de Casal, op. cit., vol. I, pág. 56.

740

741

742 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 273.

743 Stradelli, op. cit., pág. 638.

744 C. Tastevin, Nomes de Plantas e Animais em Língua Tupi, pág. 730.

745

746 E. Gamillscheg und L. Spitzer, Beiträge zur romanishen Wortbildungslehre, pág. 142.

747 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 715.

748 Friedrich Diez, op. cit. pág. 486.

749 Serafim da Silva Neto; História da Língua Portuguesa, pág. 304.

750 Vicente Garcia de Diego, op. cit., págs. 493, 965.

751 Wilhelm Meyer-Lubke, op. cit., pág. 630.

752 J. Carominas, op. cit., vol. IV, pág. 151.

753 H. Meier, Erwagungen zu iberoromanischen Substratetymologien, pág. 135.

754 G. Gerland, Die Basken und die Iberer, in Gustav Grober, op. cit., vol. I, págs. 425-426.

755

756

757 Portugaliæ Monumenta Historica, vol. dos Diplomata et Chartæ, pág. 28.

758

759 Antonio de Oliveira Cardonega, op. cit., vol. I, pág. 335.

760 Antônio de Oliveira Cardonega, op. cit., vol. I, págs. 334 335.

761 José L. Quintão, op. cit., pág. 215.

762 José Mathias Delgado, in Antônio de Oliveira Cadornega, op. cit., vol. 1, pág. 621.

763 Renato Mendonça, op. cit., pág. 265.

764 Jacques Raimundo, op. cit., págs. 156-157.

765

766 C. Michaëlis de Vasconcelos, Studien zur hispanichen Wortdeutung, ed.cit., págs. 113-116.

767 Leo Spitzer, Aufsatzes zur Romanischen Syntax und Stilistik, ed.cit., págs. 10-12.

768 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 645.

769 Antônio Joaquim de Macedo Soares, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, vol. II, pág. 200.

770 E. Gamillscheg und L. Spitzer, op. cit., pág. 177.

771 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 115.

772 Batista Caetano, op. cit., pág. 94.

773 Teodoro Sampaio, op. cit., pág. 277.

774 C. Tastevin, Nomes de Plantas e Animais em Língua Tupi, pág. 732.

775 Jorge Marcgrave, op. cit., págs. 183-184.

776 G. Piso, História Natural e Médica das Indias Ocidentais, págs. 183-184.

777 Wied-Neuwied, op. cit., págs. 72, 230.

778 Diálogo das Grandezas do Brasil, pág. 281.

779

780 J. Vieira da Costa e Custódio José Duarte, op. cit., págs. 350-351.

781 Portugaliæ Monumenta Historica, volume dos Diplomata et Chartæ, pág. 204.

782

783

784 Wilhelm Meyer-Lubke, op. cit., pág. 715.

785 Carominas. op. cit. vol. IV. Pág. 420.

786 Manuel Aires de Casal, op. cit, vol. I, pág. 59.

787 Wied-Neuwied, op. cit., págs. 390, 394.

788 F. de São Paulo, Linguagem Médica Popular no Brasil, pág. 320.

789

790 M. Rodrigues Lapa, Livros de Falcoaria, Boletim de Filologia, tomo I, pág. 234.

791

792 C. Tastevin, Nomes de Plantas e Animais em Língua Tupi, pág. 742.

793 E Stradelli, op. cit., pág. 677.

794 Ruiz de Montoya, op. cit., pág. 392.

795 J. Carominas op. cit., vol. IV, págs. 520-521.

796 Vicente Garcia de Diego, op. cit., págs. 531, 1.029.

797 C. Michaëlis de Vasconcelos, Glossário do Cancioneiro da Ajuda, pág. 89.

798 Antenor Nascentes, op. cit., pág. 777.

799 José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 2.098.

800 Elise Richter Beitrage zur Geschichte der romanismen, pág. 99.

801 Jules Cornu, op. cit., pág. 985.

802 José Leite de Vasconcelos, Lições de Filologia Portuguesa, pág. 396.

803 Wilhelm Meyer-Lübke, op. cit., pág. 741.

804 A. A . Cortesão, op. cit., vol. II, pág. 141.

805 José Joaquim Nunes, Compendio de Gramática Histórica Portuguêsa, pág. 60.

806 Friedrich Diez, op. cit, pág. 326.

807

808 Portugaliæ Monumenta Historica, vol. das Leges et Consuetudines, pág. 380.

809 Joseph Huber, op. cit., pág. 58.

810 Luís de Camões, op. cit., canto 11, estancia 17.

811 Barão de Angra, op. cit., pág. 195.

812

813 Yolanda Marcondes Portugal, A moeda na voz do povo, págs. 218-221.

814 Joaquim de Santa Rosa de Viterbo, op. cit., vol. II, pág. 257.

815

816 Elza Paxeco Machado e José Pedro Machado, op. cit., vol. II, pág. 191.

817

818

819 C.H. Grandgent, op. cit., pág. 267.

820 Francisco Adolfo Coelho, op. cit., pág. 1.238.

821 Jules Cornu, op. cit., pág. 985.

822 J. J. Nunes, Compendio de Gramática Histórica Portuguesa, pág. 95.

823 Leonardo Mota, Vaqueiros e Cantadores, pág. 36.

824 Leonardo Mota, Violeiros do Norte, pág. 140.

825 Gustavo Barroso, Ao som da viola, pág. 231.

826 Sílvio Romero, Cantos populares do Brasil, vol. 1, pág. 259.

827 Sílvio Romero, Cantos populares do Brasil, vol. 1, págs. 336-337.

828 José A. Teixeira, Folclore Goiano, pág. 70.

829 Luís da Camara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, pág. 691.

830 Luís da Camara Cascudo, Vaqueiros e Cantadores, págs. 206-211.

831 Rodrigues Lapa, Cantigas D'escarnho e de mal dizer dos cancioneiros medievais galego-portugueses..

832

833 José Leite de Vasconcelos, Opúsculos, vol. VII, pág. 890.

834 Manuel Rodrigues Lapa, op. cit., pág. 588.

835 Leonardo Mota, Caantadores, pág. 172.

836 Fernando de São Paulo, op. cit., vol. 1, págs. 99-106.

837 Guilherme Piso, Hfstória Natural do Brasil, pág. 23.

838 Primeira Visitacão do Santo Ofício às Partes do Brasil, pág. 553.

839 Anísio Melhor, Violas, pág. 81.

840 José Leite de Vasconcelos, Romances populares portuguêses coligidos de tradição oral (1880 ), Opúsculos/Etnologia ( Parte II). vol. VII, pág. 952.

841 Leonardo Mota, Violeiros do Norte, ed. cit., pág. 252.

842 Manuel Rodrigues Lapa, op. cit., pág. 88.

843 José Leite de Vasconcelos, Canção de Berco, ed. cit., pág. 844.

844 Sílvio Romero, op. cit., vol. II, pág. 499.

845 J. Osório da Gama e Castro, Cantigas Devotas, Revista Lusitana, 1900-1901, vol. Vl, pág. 255-261.

846 Oswaldo Cabral, A Medicina Teológica e as Benzeduras, pág. 165.

847 Oswaldo Cabral, op. cit., pág. 131.

848 Anísio Melhor, op. cit., pág. 44.

849 J.C. (J. Osório da Gama e Castro), op. cit., vol VI, pág, 271-331; vol. VII, pág, 58.

850 Gustavo Barroso, op. cit., pág. 202, 207, 217.

851 J.C. (J. Osório da Gama e Castro), op. cit., vol. VI, pág. 270.

852 Leonardo Mota, Cantadores, pág. 155.

853 Gustavo Barroso, op. cit., pág. 503.

854 J.C. (J. Osório da Gama e Castro), op. cit., vol. VI, pág. 318.

855 Leonardo Mota, Sertão Alegre, pág. 125.

856 Sílvio Romero, op. cit., vol II, pág. 578.

857 Luís da Càmara Cascudo, Vaqueiros e Cantadores, págs. 111-112.

858 Leonardo Mota, Sertão Alegre, pág. 75.

859 Anísio Melhor, op. cit., pág. 96.

860 Luís da Câmara Cascudo, Cinco Livros do Povo, pág. 37.

861 Inocêncio Francisco da Silva, Dicionário Bibliographico Portuguez, vol. II, pág. 30.

862 Luis da Câmara Cascudo, Cinco Livros do Povo, págs. 38-39.

863 Gustavo Barroso, Tição do Inferno, pág. 44.

864 Gustavo Barroso, Ao Som da Viola, pág. 192.

865 Anísio Melhor, op. cit., págs. 144-145.

866 Luís da Câmara Cascudo, Made in Africa, pág. 90.

867 Gilberto Freyre, Casa Grande e Senzala, vol. II, pág. 686.

868 Manoel Querino, A Bahia de Outrora, págs. 70-80.

869 R. Magalhães Júnior, Deodoro. vol. II, págs. 182-192.

870 R. Magalhães Júnior, 0 negro brasileiro na guerra do Paraguai, págs. 12-15.

871 R. Magalhães Júnior, Carta ao autor de 1/7/66 – Guanabara.

872

873 Leonardo Mota, Cantadores, ed. cit., pág. 123.

874 Leonardo Mota, Violeiros do Norte, pág. 25.

875 Odorico Tavares, Bahia / Imagens da terra e do Povo, págs. 183-184.

876 Gilberto Amado, Minha formação no Recife, págs. 239-242.

877 Melo Morais Filho, op. cit., págs. 452-455.

878 Coelho Neto, Bazar, pág. 136.

879 Roberto Macedo, Notas Históricas, 1944, pág.137.

880 Rafael Alves França (Cobrinha Verde ), Centro Esportivo de Capoeira Angola 2 de Julho, pág.5.

881 Rafael Alves França (Cobrinha Verde ), op. cit., pág.6-8.

882 Edison Carneiro, Negros Bantos, ed. cit. pág. 159.

882a Jorge Amado, Bahia de Todos os Santos, ed. cit. págs 158-159.

883 Edison Carneiro, A Sabedoria Popular, ed. cit., pág. 206.

884 Jorge Amado, Bahia de Todos Os Santos, pág. 210.

885 Anísio Félix, Bimba e Pastinha, duelo de ideas sôbre a capoeira, Diário de Noticias, Salvador, 31/10/65, pág. 5.

886 Mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha), Capoeira Angola, 1964.

887 Jorge Amado, op. cit., pág 209.

888 Jorge Amado, Conversa com Buanga Fêlê, pág. 27.

889 Ary Vasconcelos, panorama da Música Popular Brasileira, 1964, pág. 364.

890 Gato (José Gabriel Goes), Capoeira, gravação citada.

891 Rafael Alves França (Cobrinha Verde), op. cit, pág. 5.

892 Jorge Amado, Bahia de Todos os Santos, ed. cit., pág. 210.

893 Melo Morais Filho, Festas e tradições populares do Brasil, ed. cit. pág. 445.

894 Melo Morais Filho, op. cit., pág. 451.

895 Machado de Assis, Crônicas (1878-1888), vol. IV, págs. 227-228.

896 Coelho Neto, Bazar, ed. cit. págs. 137-138.

897 Vicente Piragibe, Consolidação das Leis Penais, pág. 48.

898 Realidade / Uma Publicação da Editôra Abril, Ano I, número II, fevereiro 1967, pág. 80.

899 Araújo Filgueiras Júnior, Código Criminal do Império do Brasil, págs. 342-344.

900 José Vieira de Araújo, O Código Penal, vol. I, pág. 393.

901 Oscar de Macedo Soares, Código Penal da República dos Estado Unidos do Brasil, pág. 593.

902 Oscar de Macedo Soares, op. cit., págs. 45.

903 Antônio Bento de Faria, Anotações teórico-práticas do Código Penal do Brasil, vol. II, pág. 235.

904 Vicente Piragibe, op. cit. pág. 48.

905 Elísio de Araújo, Estudo Histórico sôbre a Polícia da Capital Federal de 1808 a 1831 – Primeira Parte, págs. 13-28.

906 Melo Barreto Filho e Hermeto Lima, História da Polícia do Rio de Janeiro, vol. I, pág. 203.

907 Josino do Nascimento Silva, Código do Processo Criminal de Primeira Instância do Império do Brasil, vol. I, pág. 4.

908 R. Magalhães Júnior, Deodoro vol. II, pág. 55.

909 João Ribeiro, Estudos Filológicos, pág. 173.

910 Visconde de Taunay, Filologia e Critica, págs. 180-181.

910a Carl von Koseritz, Imagens do Brasil, págs. 238-239.

911 Elísio de Araújo, op. cit., pág. 58.

912 Elísio de Araujo, op. cit., págs. 59-62.

913 J.M Pereira da Silva, Segundo Periodo do Reinado de Dom Pedro I no Brasil, pág. 289.

914 Dunshee de Abranches, Actas e Actos do Governo Provisório, págs. 17-172.

915 Dunshee de Abranches, op. cit.. págs. 176-177.

916 Dunshee de Abranches, op. cit., págs. 36l-365.

917 Rocha Pombo, História do Brasil, págs. 275-280.

918 Melo Barreto Filho e Hermeto Lima, op. cit., vol. III, pág. 161.

919 Jordão Emericiano, José Mariano ou O Elogio da Tribuna, pág. 93.

920 R. Magalhães Júnior, op. cit., vol. I, pags. 326-327, 341-342, 373-374, 376; vol. II, págs. 63-64, 183, 228.

921 Juracy Magalhães, Carta ao autor de 10/5/66 – Guanabara.

922 Waldeloir Rego, Um Calendário de Festa Nagô na Bahia, Jornal da Bahia, Salvador, 29/9/63,2.° caderno, pág. 2.

923 Diário de Notícias, Salvador, 10/10/62, pág. 1.

924 Diário de Notícias, Salvador, 21/10/62, pág. 6 do Suplemento.

925 A Tarde, Salvador, 29/10/62, pág. 3.

926 Jornal do Brasil, Guanabara 18/1/67 Caderno B, pág.5.

927 Jornal do Brasil, Guanabara 18/1/67 Caderno B, pág. 6.

928 A Tarde, Salvador, 26/4/66.

929 Jornal do Brasil, Guanabara, 18/1/67, Caderno B, pág. 6.

930 Jornal do Brasil, Guanabara, 18/1/67, 1.º Caderno, págs. 1, Caderno B, págs. 3, 6.

931 A Tarde, Salvador, 21/3/67, pág. 3.

932 Carybé, As Sete Portas da Bahia, São Paulo, 1962.

933 Mário Cravo, Sincronismo Técnico da Gravua com a Escultura, Bahia, 1963.

934 José Ramos Tinhorão, Música Popular/ Um tema em debate, 1966, pág. 17.

935 José Ramos Tinhorão, op. cit., pág. 22.

936 Luis Carlos Bonfim, Vinicius afirma que Bossa Nova agora é que dá show, Correio da Manhã, Guanabara, 3/3/66, 1º Caderno, pag. 13.

937 Isa Moniz, Entrevistando Nossos Artistas: Não há incentivo para os compositores baianos/ Ouvindo “Batatinha”, compositor baiano – Não é e nunca foi de rádio – Aproveitando o ritmo da capoeira – Quer ir ao Rio só para gravar as suas composições, Diário da Bahia, Salvador, 3/2/52, pág. 4 do Suplemento.

938 Nestor R. Ortiz Oderigo, Estetica del jazz, Ricordi Americano, Buenos Aires, 195l, pág. 52.

939

940 Nestor R. Ortiz Oderico, op. cit, pág. 51.

941 Rex Harris, op. cit., pág. 177.

942 Isa Moniz, entrevista citada, pág. 3.

943 Baden Powell e Vinicius de Moraes, Os afro-sambas/ Arranjo e regência de Guerra Peixe, com a participação do Quarteto em Cy FM 16/ FE 1016, Companhia Brasileira de Discos (Forma).

944 Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um Sargento de Milícias, págs. 31-35, 90-97, 202-206, 211-215, 216-220, 221-224 241-246, 247-256, 267-273.

945 Marques Rebêlo, Vida e obra de Manuel Antônio de Almeida.

946 Machado de Assis, Crónicas, vol. IV, págs. 177, 227-230.

947 J. Calante de Sousa, Bibliografia de Machado de Assis.

948 J. Calante de Sousa, Fontes para o Estudo de Machado de Assis..

949 Otto Maria Carpeaux, Pequena Bibliografia Crítica da Literatura Brasileira,1964, págs. 172-175.

950 Aluísio de Azevedo, O Cortfço, págs. 76-80, 110, 135-141, 202-205.

951 Melo Moraes Filho, Festas e Tradições Populares do Brasil, págs. 443-455.

952 Luís da Camara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro, págs. 474-475.

953 Manuel Querino, A Bahia de Outrora, págs. 73-80.

954 Gonçalo de Ataíde Pereira, Prof. Manuel Querino - Sua Vida e Suas Obras.

955 Paulo Coelho Neto, Coelho Neto.

956 Coelho Neto, Bazar, ed. cit., págs. 133-140.

956a Silveira Bueno, História da Literatura Luso-Brasileira, pág. 163.

956b Viriato Correia, Casa de Belchior, 1936, págs. 137-155.

957 Miécio Táti, Jorge Amado / Vida e Obra.

958 Jorge Amado: 30 Anos de Literatura., l96l.

959 Jorge Amado, Bahia de Todos os Santos, págs. 139-142.

960 Odorico Tavares, Poemas (com Aderbal Jurema).

961 Odorico Tavares, A Sombra do Mundo (Poesias).

962 Odorico Tavares, Poesias, 1945.

963 Odorico Tavares, Bahia/lmagens da Terra e do Povo, págs. 175-186.

964 Odorico Tavares, Discurso de um Cidadão de Salvador, 1961.

965 Odorico Tavares, Os Caminhos de Casa / Notas de Viagem, 1963.

966 Decreto número 20.189 de 20 de março de 1907, Diário Oficial, Salvador, 21 de marso de 1907, pág. 1.

967 Otto Maria Carpeaux, op. cit., págs. 265-266.

968 Gilberto Amado, op. cit., págs. 239-242.

969 Gilberto Freyre, Sobrados e Mocambos, vol. I, págs. 178-179.

970 id. vol. I, págs. 56, 323; vol. II, págs. 387, 509, 621, 655, 690; vol. III, págs 862, 864, 865, 872, 873, 874, 875.

971 id. vol. II, pág. 700.


Artigos de jornais publicados na ocasião da morte do autor

Rego, Waldeloir (ou Valdeloir), professor, artista plástico, etnólogo e ensaista baiano (Salvador, Bahia 25 de agosto de 19301930- id. 21 de novembro 2001).

Exerceu funções no departamento de Cultura e Folclore da Prefeitura de Salvador, de que era chefe em 1975:

[Pierre Verger] me apresentou ao chefe do departamento de cultura e folclore da Prefeitura de Salvador, Waldeloir Rego, autor do livro Capoeira Angola: Ensaio Sócio-Etnográfico (1968), e membro de um terreiro de candomblé de Angola, onde gravou algumas sessões. Nesta ocasião, ele tocou uma das fitas para nós.

Mukuma, Kwazadi wa, Contribuição Bantu na Música Popular Brasileira, 1979, p.68

Publicações

Morre etnólogo Waldeloir Rego

A Tarde, Salvador, 21 novembro 2001

O etnologo, escritor e artista plástico baiano Waldeloir Rego faleceu nesta quarta-feira (21/11), às 6h30, aos 71 anos, no Hospital Santa Isabel, depois de sofrer um AVC (acidente vascular cerebral) hemorrágico. Waldeloir Rego nasceu em Salvador e destacou-se pelo trabalho de pesquisa sobre a cultura afro-brasileira, a história do tráfico negreiro e, principalmente a capoeira. Ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Direito da Ufba, mas não chegou a concluir o curso. Começou a escrever os primeiro artigos sobre as coisas do povo da Bahia, que resultaram na publicação do livro Capoeira angolana – Ensaio sócio-econômico, em 1968. No mesmo ano, o livro foi premiado pela Academia Brasileira de Letras, com o Premio José Veríssimo para Ensaio e Erudição.

Como artista plástico, deixou um acervo de obras e de prêmios que ganhou pelas várias exposições realizadas em diversos salões. Também tem uma vasta coleção de trabalhos em jóias artísticas, sempre com a temática afro-baiana. Começou trabalhando com louça, ceramica e cristal, mais tarde optou por trabalhos em metal (prata, ouro e platina) e pedras preclosas.

Para o artista plástico Calazans Neto, Waldeloir representa uma fatia de carater que já não está mais existindo no mundo. Era um estudioso dos costumes e da coisa mais importante que existe: a que emana do povo, a sua raça e as suas conseqüências artísticas, sempre dentro de um plano de muita dignidade. Para Auta Rosa, mulher do mestre Calá, depois que perdemos Jorge, qualquer morte nos chega com mais suavidade.

Morre o historiador e folclorista Waldeloir Rego

O Estado de São Paulo, 21 novembro 2001

O etnólogo, historiador e folclorista baiano Waldeloir Rego, de 71 anos, morreu hoje de parada cardíaca. Ele estava internado há 15 dias no hospital Santa Isabel, em Salvador. Rego foi uma dos maiores estudiosos do culto afro e das suas relações com o catolicismo, sincretismo que foi a base da formação religiosa do povo baiano. O corpo do etnólogo foi sepultado no final da tarde, no cemitério Campo Santo.

Iniciado no Candomblé, Waldeloir era ogã (espécie de mestre-de-cerimônia) do Terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, um dos mais famosos da Bahia, comandado por mãe Stella de Oxóssi. Ele pesquisou a história de vários terreiros de Salvador, particularmente o Afonjá e o do Gantois, que foi comandado pela mãe-de-santo mais famosa da Bahia, Menininha do Gantois.

Também estudou a história do Mosteiro de São Bento de Salvador (fundado no século 16), por causa da aproximação com o culto afro, promovida pelo abade dom Timóteo Amoroso a partir da década de 60. Como resultado dessa aproximação, vários elementos da cultura africana foram incorporados à missa católica.

Nos últimos anos, Waldeloir vinha se dedicando a pesquisar a vida do historiador e artista plástico Manuel Querino, que tentou identificar no século 19 os principais pintores e escultores baianos de todos os tempos. O projeto contava com o apoio do diretor da Pinacoteca de São Paulo, Emanoel Araùjo, amigo de Waldeloir. O etnólogo não conseguiu publicar o trabalho.

Biaggio Talento

WALDELOIR REGO

por Julio Braga

A Tarde, Salvador, 18 janeiro 2002.

Conheci-o na década de 60, nas dependências da antiga Sutursa, no Belvedere da Sé, onde se concentrava grande parte das atividades administrativas do turismo em Salvador. Nunca soube exatamente seu enquadramento funcional naquela repartição pública. Andava ele, àquela época, com um maço de centenas de páginas, recortadas, emendadas aqui e acolá, num verdadeiro trabalho artesanal, como era de costume a quem desejava publicar algum trabalho. Ali estava o embrião do seu livro Capoeira Angola, que se tornou referência obrigatória, um clássico da etnologia brasileira, tantas vezes premiado. Fui apresentado a ele por Altamirando Camacã, uma espécie de sábio de rotina da Sutursa, a reparar deslizes gramaticais de textos oficiais, estudioso de línguas estrangeiras, contista contumaz e boêmio notívago, de uma Bahia do Bar Brasil, do Mocotó de Sete Portas, do Rumba Dancing e do Tabaris.

Pelo emaranhado de pequenas tiras, coladas cuidadosamente umas juntas às outras, dava para imaginar que denunciavam o pesquisador atento, atualizando seu texto com novas achegas, novas descobertas, novas referências bibliográficas. Dali se afastava somente para assistir, nos terreiros de sua predileção, às festas públicas de candomblé. Acompanhei-o por centenas de vezes nessa tarefa, andarilhos em busca de cerimônias religiosas. Era assíduo no São Gonçalo, na época de Mãe Senhora, e quase nunca faltava aos ciclos festivos em honra a Xangô e Oxalá naquele prestigiado templo religioso, hoje sabiamente dirigido pela venerável Mãe Stela de Oxossi. Gozava de grande prestígio entre os mais velhos e se orgulhava do posto (oiê) Iwindunsi, que recebera na casa de Oxalá, cujo título passou a ser sua referência de marca religiosa.

Conhecia, como poucos, o Axé do Opô Afonjá, sua história social, suas origens, sua estrutura interna, sua gente e, mais que isto, era uma espécie de guardião dos chamados fundamentos da seita amealhados na interação permanente com os portadores da herança africana na Bahia. Era intransigente em relação à observação dos preceitos religiosos, crítico mordaz daqueles que ousavam atualizar, modificar ou reinventar qualquer coisa dentro dos candomblés que ele considerava padrão de referência nagô. Esta especial situação de timorato, a cuidar escrupulosamente de um candomblé ideal, no qual as origens africanas deveriam ser inexpugnavelmente preservadas, sempre me fez lembrar Martiniano Eliseu do Bomfim, o velho babalaô, do tempo de Aninha Obábii, que pela sua maneira radical em não aceitar inovações no contexto ritual, nem sempre foi estimado pelos mais jovens sacerdotes dos candomblés da Bahia, embora fosse por eles respeitado. Contudo, muita gente procurava Waldeloir para dirimir dúvidas, para esclarecer algum aspecto ritual, cujo significado tivesse sido acidentalmente esquecido, o que às vezes acontece, sobretudo quando não se trata de rituais do calendário cíclico, daqueles que se realizam esporadicamente, quando a comunidade sente maior dificuldade na memorização do seu conteúdo simbólico.

Contudo, não há de se esquecer, que para além da sua extremada devoção aos orixás, ele era indiscutivelmente o mais assíduo pesquisador da religião afro-brasileira e se abastecia, diuturnamente, de informações colhidas ao sabor das conversas entre pares, nos momentos que antecediam ao início das festas públicas, ou nos intervalos do xirê, quando os orixás se recolhiam para voltarem ao barracão, paramentados com seus trajes típicos, seus emblemas, seus brasões, suas ferramentas sagradas. Dificilmente alguém poderia encontrá-lo sem sua arma de pesquisador contumaz: um pequeno lápis e pequenos pedaços de papel discretamente acomodados no bolso do seu traje branco com que sempre aparecia nas cerimônias religiosas, ele filho dileto de Oxalá.

No começo da década de 70 fomos parceiros de outras andanças religiosas, com a iniciação de ambos, em datas diferentes, como mobás de Xangô no Terreiro do Aganju, de Balbino Daniel de Paula, em Lauro de Freitas. Ali tivemos um período de salutar convivência onde muito aprendemos sobre os rituais dos orixás e passávamos inesquecíveis fins de semana em verdadeiros cursos intensivos, ao ar livre, sobre os mistérios dos deuses africanos, seus rituais mais delicados, mais esotéricos, mais complexos. Ele era aluno e mestre ou, numa escala valorativa, ele era mestre e aluno, sempre a nos informar sobre pequenos detalhes da tradição religiosa afro-brasileira que ele conhecia como ninguém.

Estivemos muitas vezes juntos em trilhas ancestrais, em Ponta de Areia, em Itaparica, para assistir no vilarejo da Bela Vista ao culto de Baba Egum no terreiro de Baba Aboulá. Ali foi prestigiado pelos espíritos ancestrais que lhe concederam uma das mais importantes honrarias, elevando-o à invejável categoria de Baba Ebé, pai da comunidade, uma espécie de assessor para assuntos sócio-religiosos. Lembro-me do seu traje branco impecavelmente engomado e de seus elequés, suas contas de ebomi, acintosamente grandes, atravessadas por sobre os ombros em diagonal e derramadas para baixo da cintura.

Assim foi a vida inteira Waldeloir Rego, de todos os orixás, voduns, inquices e caboclos. Chamei-o, o tempo todo, de Baba Belebé. Um posto criado por nós e confirmado na amizade que nutria por ele, eu um dos poucos amigos com quem partilhava seus segredos, suas ansiedades, suas fraquezas de um imenso coração encouraçado para fingir-se de difícil, para esconder uma irreparável timidez. Deixou um vazio profundo no mundo dos candomblés. Para compensar deixou uma das mais completas bibliotecas sobre estudos afro-brasileiros que a Bahia e seus governantes terão certamente a sensibilidade e grandeza de preservá-la numa instituição que será, ao mesmo tempo, memorial e fonte para estudos afro-baianos, seara onde Waldeloir Rego era mestre incontestável.

Julio Braga é professor da Universidade Estadual de Feira de Santana - Uefs e escritor.

WALDELOIR REGO: Homenagem

A Tarde, Salvador, 19 janeiro 2002.

Senhor de todos os saberes

Jaime Sodré

Fui apresentado a Waldeloir pelo eminente antropólogo e babalorixá Júlio Braga; com toda a generosidade deste último, evidente que a minha emoção, acanhado, na timidez pela qual se expressam os discípulos, apenas disse um como vai? e murmurava baixinho, é Waldeloir minha gente o autor do livro Capoeira de Angola, um ensaio sócio-etnográfico fenomenal e que na ambição de guardar esta relíquia para a eternidade havia forrado este compêndio maravilhoso, à moda dos estudantes da minha época, com um papel celofane brilhante, como as idéias nele contidas.

Sorrindo o sorriso que era a sua marca maior, o conhecedor de todas as coisas, Waldeloir, foi logo afirmando: Ah, Sodré do Terreiro Tanuri Junssara, Hum! Seu Lolô já me falou de você. E logo detalhou admiravelmente toda a ancestralidade daquele terreiro banto. Ele era assim, um apurado conhecedor, incansável, da presença africana na Bahia, em especial de seu acervo cultural.

Muitas personalides elogiaram de Waldeloir Rego, a exemplo de Jorge Amado, que a ele se referia como: môço baiano debruçado sobre os livros e sobre a vida, é comumente apresentado com a seguinte frase: este rapaz é quem mais entende de candomblé na Bahia, entendimento este testemunhado por mim, atônito e orgulhoso da celebração da amizade deste moço baiano. Jorge vai mais além em suas afirmações elogiosas: … não há nada de amadorismo nem exerce a fácil e simpática vigarice que tão facilmente acompanha a pesquisa e o tratamento de tais assuntos.

Alinhando suas credenciais, Amado informa que Waldeloir tinha um elevado posto no Axé Opo Afonjá, dignidade que lhe outorgou a ilustre Mãe Senhora, que o tinha em alta conta, assim como Mãe Menininha, Olga de Alaketu, e diversos sacerdotes e sacerdotisas: não existia porta fechada para ele nos mistérios dos ritos sagrados do candomblé. De fato, Waldeloir tinha a chave mestra que conservava em uma privacidade respeitosa os segredos dos ritos afro-brasileiros, sem se arvorar a exibicionismos.

Odorico Tavares louvava as surpresas que a Bahia constantemente revelava no que se refere à capacidade intelectual dos baianos, como a de Waldeloir: Waldeloir, um jovem etnólogo do mais alto gabarito, encolhido no caramujo de sua modéstia, entregue de corpo e alma às suas pesquisas e, de repente, nos sai com uma obra que, antes de publicar, se torna, desde já clássica, disse ele do livro Capoeira Angola, acrescentando: … é um livro de mestre, um livro que vem ocupar o seu devido e honroso lugar numa biblioteca baiana.

Em O negro brasileiro nas artes plásticas, Clarival do Prado Valladares registra outras virtudes de Waldeloir: em nosso país raros são aqueles mestiços ou negros, de formação cultural expressiva, vinculados à temática e à valorização dos atributos de origem, que se mantêm e se realizam por fé sólida. … Waldeloir, na opinião de Valladares, integra esta elite de fé sólida, pela qualidade estética e pertinência de sua arte ligada à tradição afro-brasileira, com a produção de adereços, amuletos, jóias etc. … Não temos outras indicações de obras individuais diagnosticáveis pela coerência temática, originalidade de transculturação e profundo sentimento de motivações, complementa.

Porém, é sem dúvida na abordagem dos mitos e ritos dos africanos na Bahia que Waldeloir Rego empregava todo o seu conhecimento basilar e completo na decodificação da nossa personalidade afro-descendente. Comentando brilhantemente a belíssima obra de Carybé, Os Deuses africanos no candomblé da Bahia, Waldeloir Rego, do alto de sua competência, analisa o nosso acervo litúrgico de base africana desde a vinda dos escravos; nomeia e define os atributos sacros das divindades do candomblé, estabelece uma perfeita sincronia entre as informações e comentários, provando ser realmente o conhecedor de todas as coisas.

Sabendo que seria recebido alegre e respeitosamente nos umbrais do templo de Olorum, como ilustre ancestral, ao passar do tempo material para os domínios de outro espaço, com o seu sorriso simpático e sua modéstia de profundo conhecedor das coisas do candomblé, pelas suas contribuições e sua dignidade, Waldeloir seguramente escutou orgulhoso: Axexê oni mo juba, Axexê, axexê omo ode, Axexê Olorum Baba o, Axexê, Axexê omo ode, Axexê.

Jaime Sodré, Mestre em Teoria e História da Arte, é professor universitário.

Conversando com um santo

Eraldo Moura Costa

Desde o dia 21 de novembro de 2001 não temos nos comunicado e assim deverá ser por muito tempo. Sempre que tiver oportunidade tentarei conversar com você, para dar-lhe notícias com detalhes que demandavam nossas conversas longas e freqüentes. Agora está mais difícil o nosso contato, mas não impossível. Esta conversa não terá uma seqüência lógica porque será como era no nosso dia-a-dia. Quando soube da sua definitiva ausência, bem cedo, por um momento fiquei estático, mas logo tratei de pensar no que deveria fazer. Ir ao Hospital Santa Isabel de nada serviria; o que pude fazer, em mais de 32 anos, naquele momento era dispensável. Qualquer pessoa poderia cumprir a parte burocrática do fim de todos os mortais.

Quando cheguei à sala do Campo Santo, vazia, você inerte não me fez a costumeira saudação em iorubá. Entrei em silêncio, sem ruído, e fiquei junto a um banco, pensando como começar. Mas nada me vinha à cabeça. Durante alguns instantes que me pareceram uma eternidade, compreendi que o mais importante da vida é ter tempo para cultivar uma amizade como a nossa. Não houve choro nem tristeza. Todos deveriam agir assim: cultivar a amizade para que haja paz sempre, até o final da vida na Terra. Nós dois estávamos em paz, naquele momento. Fomos amigos.

Depois começaram a chegar algumas pessoas, não muitas; vizinhos, conhecidos, admiradores, parentes, e uns poucos amigos. Imagino quantos desses amigos que já transpuseram a vida terrena devem estar exultantes com a sua chegada - Jorge Amado, Menininha do Gantois, Edgar Santos, Milton Santos, Vasconcelos Maia, Carybé e muitos outros. Júlio Braga, Oyatundê, fez todas as obrigações necessárias ao seu axexê, portanto não se preocupe com seus orixás que já estão servidos e atendidos.

Seus médicos amigos, entre outros, drs. Eduardo Barbosa, Marisa Xavier Araújo, Antonio Raimundo de Almeida (ainda espera pela receita do efó que se fazia em Santo Amaro da Purificação, a ser publicada no seu livro A Cozinha de Manoel Quirino, já pronto), Luiz José Pereira, José Eutrópio Vaz, a equipe médica e demais profissionais sempre solícitos da Clínica Nephron, todo o pessoal do Hospital Jorge Valente, do Hospital Sagrada Família e do Hospital Santa Isabel; seus dentistas, drs. João Cerqueira e Iran Mendes Costa não o esquecem, sentem falta da sua sabedoria, cultura geral e educação.

Perfeccionista e exigente por natureza, como é próprio dos que são do signo de Virgem (nasceu em 25/08/1930), e, como bom filho de Oxalá, somente disposto a realizar qualquer coisa, depois de conhecê-la em profundidade, quantos assuntos expressava em francês e iorubá - e até confundia muitos que o cercavam, falando exclusivamente em iorubá. Seu livro, Capoeira Angola, permanece como referência básica nas palestras de Fred Abreu, e os capoeiristas ainda percorrem sebos à procura da obra, já esgotada, e quem a possui guarda com extremo zelo. Confiamos em que seu amigo Paulo Gaudenzi a reedite para cumprir desejo não apenas dos adeptos da capoeira, mas dos jovens como um todo. Você tem feito muita falta a seus muitos conhecidos, a seus irmãos e filhos de santo, protetores do candomblé, que faziam parte da sua presença diária, mais ainda aos sábados. Buscam com quem tirar as dúvidas sobre os ensinamentos da religião, a competência que era sua marca registrada.

Os intelectuais baianos confiam em que o governador, o prefeito, o secretário da Cultura tomem a decisão sábia de preservar a sua notável biblioteca, montando-a em algum casarão do Pelourinho, com o nome em destaque - Biblioteca Waldeloir Rego, e impedindo assim que se desfaça ou se tranfira a outro estado ou para o exterior. Seus dons culinários continuarão a ser lembrados, quando amigos e conhecidos se defrontarem com alguma dessas comidas de santo, que você não apenas sabia pessoalmente preparar, como ensinar-lhes o preparo, até com medidas, dosagens e temperos corretos, tempo de cozimento (é importante a chama do fogão, alta ou baixa, você dizia). O cheiro da sua feijoada invadia todo o prédio onde morava, para alegria de seus bons vizinhos.

O colar que montou - Lagidibá para Obaluayê - para a investidura no cargo de Assobá do Axé L'Oyá, em 18.03.2000, é uma obra de arte e beleza plástica que agrada a vista e enche de orgulho quem o possui e usa nos dias dos grandes rituais afro-religiosos. A sua vertente africana era tão forte, tão sábia e tão útil para a cultura brasileira, que hoje terreiro de candomblé que se preze terá de render a você homenagens, e assim o será por muitos anos. O esmero, a dedicação, o empenho artesanal, a maneira correta de manipular contas e pedrarias africanas selecionadas demonstravam o seu perfeccionismo e o conhecimento dos orixás que se fixaram na mente de muitos devotos e seguidores de culto.

No último sábado de dezembro de 2001, no Ebó do Pai Júlio Braga, havia muita gente; a festa transcorreu bonita e animada, até que na pregação de fim de ano, antes dos conselhos para este 2002, duas personalidades do candomblé foram homenageadas, Pai Moacir e Waldeloir Rego - você mesmo ?, momento de reverência e emoção dos presentes.

Já está para chegar o carnaval e o Ylê Ayê, os Filhos de Gandhi e outros blocos e cordões já sentem falta dos seus conselhos (tira-dúvidas), sempre valiosos, de todos os anos. A cultura baiana perdeu um amigo - o pesquisador, o colecionador de livros raros, que não se cansava de percorrer os sebos da cidade, ou fazer contato com colecionadores de outros estados e até do exterior. Por isso, não tenho dúvida de que sua importante e diversificada biblioteca não se perderá na voragem do tempo e da insensibilidade. Waldeloir, com sua sensibilidade, integridade, temperamento cordato, até ciúmes, você deve estar neste momento agradecendo tudo que de bom a vida lhe proporcionou, e nós continuaremos agradecendo tudo de bom que nos foi legado pela figura mais simples e sincera que já passou pelos terreiros de candomblé da Bahia. Axé …

Eraldo Moura Costa é médico, amigo de Waldeloir Rego.

Waldeloir Mô Jubá

Emanoel Araújo

Não sei agora quem foi que me fez chegar até ele; assim é que foi ele quem me levou a Vasconcelos Maia, então diretor do Departamento de Turismo da Bahia, para que eu fosse contratado para criar cartazes e folhetos, com tacos de xilo originais, que seriam impressos na gráfica do Convento de São Francisco, com Frei Clóvis, ali, no Belvedere da Sé, de onde se descortinava fascinante vista da Bahia de Todos os Santos.

Mas eu acho mesmo que foi ele que me encontrou, com sua doçura reservada, que era uma das suas características. Waldeloir Rego foi uma dessas pessoas que são infinitamente amigas. Infinitamente amigos, foi sua dedicatória, para mim e Zélia Amado, no seu livro Capoeira de Angola. A Bahia perde, assim, uma das pessoas mais leais da sua cultura, da sua história.

Junto a ele calaram-se para sempre as suas muitas pesquisas: a dos Afoxés da Bahia; as do Candomblé; as dos Ternos de Reis; as da introdução à obra de Jorge Amado; as da introdução crítica da cozinha baiana, de Manoel Quirino. Ele tinha consigo o orgulho e a ambição de fazer tudo isso. Tinha, também, o coração ciumento, ambicioso e apaixonado. Essa eterna paixão que faz os homens se tornarem mais próximos de Deus. Foi Deus mesmo que mudou o seu roteiro, o seu destino, para alguns. Para outros, pode ter sido Oxalá, o criador das coisas vivas, velhinho e todo de branco, que lhe levou para sua eternidade, dessa forma brusca e delicada da morte. Da morte do silêncio, da morte do absurdo.

Ele tinha um imenso prazer no conhecimento da pesquisa, da obstinação da pesquisa, do livro, dos milhares de livros que, às vezes, apenas lhe valiam uma citação. Do conhecimento livre, tão livre como a sabedoria, sem o fastio da academia. E assim ele se cercava do que podia, do que devia, para tocar todos esses projetos ao mesmo tempo. Waldeloir Mô Jubá. Essa imensa dor da saudade não rouba a memória dos muitos anos que estivemos juntos. Dos ensinamentos, da paciência, do sofrimento, do entendimento, do fazer, do olhar apaixonado para nossas coisas, para nossa alma, para nossa história. Aquelas noites de serões como narrador da tradição iorubá, contando a história do Ilê Axé Opô Afonjá; de Dona Aninha; de Dona Pulquéria; dos retornados da África; de Dona Senhora, com quem tivemos muitos momentos vividos.

Estas palavras servem como testemunho de infinita amizade. Aquela mesma que começou um dia que não me lembro bem, com um tablete de chocolate e, dentro, o poema «Campo de Flores», de Carlos Drummond de Andrade.

Emanoel Araújo é escultor e pintor; ex-diretor da Pinacoteca de São Paulo, cidade onde reside. Autor de A Mão Afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo: Tenenge, 1988

Morte da morte

(À memória eternamente fraterna de Waldeloir Rego)

Raimundo Amado

Cada hora que passa torna-se mais jovem. (Rilke)

Vivo com privilégios de morto. (Pe. Vieira)

Ele era um Sábio. Talvez um Santo. Discípulo de São Jerônimo, de quem herdara o nome quando de breve passagem pelo Noviciado de São Bento, mas continuando seu seguidor, na sabedoria e pobreza, pela vida toda - prenhe de erudição - com a simplicidade de um verdadeiro devoto. Assim o conheci, lá pelos meados dos anos 50, nesta Cidade do Salvador, quando funcionários num Departamento de Turismo da Prefeitura. Trazia sempre debaixo do braço alguma edição rara de um livro. Nos apresentamos ? eu, já pensando em ser poeta, tímido e indeciso - ele, discorrendo e dando aulas de Filologia e, à primeira vista, nos tornamos amigos para sempre, pensando e discutindo sobre o belo das palavras e suas achegas, como costumava dizer.

Conspirávamos contra a prisão que o órgão nos impunha como servidores, burlando suas leis de horários e permanência, sob a cobertura e proteção da pintora Lygia Sampaio, e ganhávamos as ruas da cidade a festejar, com os olhos plenos e sedentos, toda magia e mistério que se escondiam através de seus becos, ruas, ladeiras, casarões antigos que davam e ainda dão (embora hoje lamentavelmente bem menos) tanto encantamento à nossa terra de tantos santos e pecados também. Descobri logo de início que havia ganho a partir daquele momento, intimamente histórico para ambos, um irmão mais velho de fé, apóstolo generoso do saber que nada retinha para si - por desejar dar mais que receber -, a não ser a simples dádiva que a vida nos oferecera de desfrutarmos juntos daquilo que dos tempos antigos tanto amávamos de criativo e estimulante no campo principalmente das letras; eu era apenas um neófito no que compreendia a teoria literária que, dia após dia, noite após noite, bebia com insaciável sede dessa fonte.

Para mais acentuar, de forma nada redundante o caráter de sua personalidade, digo que ele era um Monge, na acepção mais pura e respeitosa desta condição, entre seus incunábulos e solidão, que amava a música de Mozart, o ballet, as sombras silenciosas nas noites de lua. Cultuava o Demo - não como entidade má e destrutiva, mas como força inata e poderosa, reveladora do homem em seus caminhos - os mais voluntários - uma força portanto divina. Trazia o folclore e os costumes de sua terra no sangue, não como meio banal e degenerativo de um povo, mas expressão mais autêntica e impulsionadora de uma cultura. Fez do Carnaval, em livro inédito, mas que certamente virá a público um dia, manifestação autêntica de um povo, símbolo máximo talvez de suas contradições existenciais e psicológicas.

Senhor dos Orixás, encontrou no candomblé as raízes e mensagens de seus ancestrais - e o praticou com a devoção e veracidade de um sacerdócio. Mas não pretendo fazer aqui nenhum trabalho de exegese de sua vida, portanto, de sua obra - ambas indissolúveis - numa coesa liga formando uma só pessoa, uma só alma. Que outros o façam e certamente o farão com a devida dedicação e competência.

Um dia, passados alguns anos de convivência, sem nenhum arranhão, sem nenhuma rusga, tive que deixar a cidade, partir para outra distante, levado pelo destino que assim o quis, dando rumos diferentes às nossas vidas, dividindo-as em novas atividades, não havendo no fato nenhum imperativo de afastamento ou afrouxamento dos vínculos fraternos, ao contrário, fortificados com a distância que permaneceram inquebrantáveis, até os momentos finais de sua partida, não pela morte comum a todos nós, mas como sinal de renascimento; monumento eterno à vida que se tornará a partir de agora, cada dia mais jovem, não nos deixando sós - por enfim contemplarmos o legado que nos deixou, legado que só os deuses antigos, que tanto invocávamos e tanto queríamos trazer para perto, afinal concederam …

Raymundo Amado é poeta e cineasta.

Manual da capoeira

Frederico Abreu

Estudo importante é aquele que interfere nos rumos da realidade por ele pesquisada, como aconteceu com o livro de Waldeloir Rêgo, intitulado Capoeira Angola. Ou simplesmente o livro de Waldeloir, como ficou conhecido no mundo da capoeira, do qual é parte integrante e fundamental. Para os estudiosos do assunto, este livro funciona como um manual, fonte essencial de informações e conhecimentos, um guia consultado por mestres e aprendizes. Uma contribuição definitiva: quanto mais a capoeira se expande e é estudada, mais o livro de Waldeloir é solicitado.

Publicado em 1968, nunca mais foi reeditado - uma lacuna que tem alimentado a pirataria do xerox e a ganância dos sebos. Outra contribuição deu Waldeloir à capoeira. Foi um dos idealizadores e orientador do Centro Folclórico da Bahia, inaugurado no início de 1970. Um empreendimento que, além de se constituir num espaço para apresentações das manifestações da cultura popular, previa a existência de um núcleo documental dotado de instrumentos difusores e acervo audiovisual. Uma idéia que não se concretizou integralmente, mas que ainda hoje tem um timbre da modernidade.

Frederico Abreu é autor do livro Bimba é Bamba.

Hora de cumprir promessa

Claudius Portugal

Nossos encontros sempre começaram com Waldeloir me dizendo: Tenho um texto para você publicar. Estou só fazendo uma última revisão. Os anos iam passando e esta revisão não acabava. Os trabalhos nunca chegavam. Apesar da cobrança nos muitos encontros, não tantos como gostaria, pois bebia muito na sua fonte, enquanto papeávamos, sobre cultura baiana. A cada livro que coordenava editorialmente, ele fazia questão de ir buscar, nada de entregar na sua casa, e a promessa continuava. Enfim, não consegui realizar edições de seus livros. Mas como gostaria que seus estudos, suas pesquisas, mesmo faltando aquele dado que ele considerava importante e que as tornava incompletas, tivessem saído na revista Exu ou em algum livro da Coleção Casa de Palavras da Fundação Casa de Jorge Amado. E isto afirmo, mesmo reconhecendo nesta sua postura uma seriedade de intelectual, preocupado com o objeto de seu estudo, um estudioso dedicado, mas por outro lado, quanto fomos privados de conhecer e discutir sobre a vida popular baiana? E este conhecimento abarcava desde a culinária, a capoeira, os afoxés, o Carnaval, estudo mais que prometido, aos muitos trabalhos como etnólogo ou artista plástico - ele foi premiado em bienais -, e a tudo que fosse assunto da cultura popular da Bahia.

Ele era assim. Queria fazer o texto definitivo. E isto significava as pesquisas jamais acabarem e os textos ficarem na promessa. Era o seu jeito. Em 1968, quando da publicação do seu ensaio sócio-etnográfico Capoeira de Angola, livro fundamental e até hoje não superado sobre este tema, na apresentação de Jorge Amado temos: Nele tudo é seriedade e honradez intelectual, não há promessa em seu trabalho nem afã de aparecer. Em seu gabinete, quase uma cela monástica, Waldeloir acumula, separa, cataloga e observa o imenso acervo que vai buscar na intimidade mais profunda da vida popular baiana. Dessa vida popular ele não é apenas observador, é parte integrante.

Com a morte de Waldeloir torna-se necessário resgatar seus escritos - eles existem - assim como não deixar sua biblioteca ser dispersada, e este resgate significa, mesmo que incompletos para ele, pesquisas e estudos da mais alta valia para o conhecimento daquilo que ele entendia profundamente - a cultura popular da Bahia. Vejo, assim, com urgência, que isto venha a ser feito. Algumas pessoas conhecem bem este acervo, privavam de sua amizade e são conhecedores também da cultura popular baiana, e é através deles que isto pode ser realizado. Creio que é chegada a hora de realizarmos o que ele deixou sempre na promessa, os livros de Waldeloir.

Claudius Portugal é poeta; editor da revista Exu (Fundação Casa de Jorge Amado) e crítico de arte.

Edição eletrónica: problemas técnicos

Codificação

No processo por escaneamento e correção manual, podem subsistir erros. O texto impresso é a única referência válida.

Codificamos a presente versão em HTML 4.01. Qualquer programa de internet deve mostrar o essencial do texto.

Paginação original

Indicamos os números de página para facilitar a referência ao texto impresso. A estrutura lógica do texto sempre tem precedência sobre essa indicação.

Quando a tipografia corta uma palavra em final de página, reportamos a indicação de nova páginano primeiro espaço branco normal que segue esta palavra.

Quando a mudança ocorre dentro de um parágrafo, mantemos a unidade deste elemento usando um elemento <strong> que, graças à folha de estilo, o coloca sobre um fundo cinzento, assim: 987 (não tem tantas páginas!).

Indicamos as mudanças de página com elemento parágrafo <P> especial, criando bordura em cima do número, quando a mudança ocorre entre dois parágrafos.

Citações

Temos tomado a liberdade de codificar a maior parte das citações como blocos <blockquote>, reconhecidos por todos os programas, mesmo que não respeita exatamente a tipografia da edição impressa. Fica mais claro no ecrã, e tira problemas de compatibilidade.

Codificamos as citações breves (menos de duas linhas) com o elemento <q>, que coloca aspas, mas que programas antigos n&a