Relacionamentos

Relacionamentos

A cura dos relacionamentos

  • 1º Tema: Você pode viver sozinho?
  • 2º Tema: Porque é tão dificil Relacionar-se?
  • 3º Tema: Quebrando os Muros: Eu preciso de Você
  • 4º Tema: Todos precisamos ser curados
  • 5º Tema: É preciso recomeçar
1º Tema: Você pode viver sozinho?
" Deus disse: não é bom que o homem esteja só,
vou dar-lhe uma ajuda que lhe seja adequada." (Gn 2,18

Introdução:

Você seria capaz de viver completamente sozinho, sem a ajuda de ninguém, sem precisar de outra pessoa? Pode ser que muitos de vocês tenham respondido que sim, entretanto, a verdade é bem diferente. Nós, homens, não fomos criados para vivermos sozinhos. Não nos bastamos. Nossa aula hoje é um questionamento acerca disto. Juntos vamos descobrir a verdade que está em Deus, e apagarmos as mentiras que a sociedade incutiu em nós.

1-Você pode viver sozinho?

" A pessoa humana tem necessidade de vida social, ou seja de se relacionar, isto é uma exigência de sua natureza." ( Cat. 1879

Todos nós fomos chamados para um único fim que é Deus. Há uma certa semelhança entre a união da Trindade e a fraternidade que nós, homens devemos estabelecer entre nós, na verdade e no amor. Não há como separarmos o amor a Deus do amor ao próximo. Se caso pudéssemos fazer isto, estaríamos indo completamente contra o que está na Palavra de Deus. Quando dialogamos com os irmãos, desenvolvemos as virtudes em nós, são desenvolvidas. Fomos criados por Deus para nos relacionarmos.

" O eu jamais saberá quem é sem a presença de um tu. Você sabia que somente podemos nos descobrir como únicos, porque existem os outros?

Vivemos convivendo, ou seja, nos relacionando com os outros. É exatamente aqui que se encontra todo segredo de sermos felizes ou infelizes. De nos realizarmos como pessoa, ou não.

O nosso maior desafio hoje, como cristãos, é construirmos vínculos que sejam resistentes e duradouros

. Você sabe porquê? Infelizmente o amor não encontra condições para desenvolver-se.

Por isso, afastamo-nos uns dos outros, não permitindo de forma alguma que as pessoas entrem em nossa vida. Não damos a menor possibilidade de aproximação. Criamos entre nós e os outros um imenso abismo e não estamos nem um pouco interessados em construirmos uma ponte.

Permitimos que a palavra ódio faça parte do nosso vocabulário. Todos os dias milhares de pessoas morrem por causa do ódio, aqui podemos listar uma série de coisas: violência, guerra, fome... A sociedade em que vivemos é extremamente competitiva e negociante, o outro é uma grande ameaça .

Tornamo-nos escravos do medo, da solidão, da desconfiança, do ódio, da ganância, enfim, transformamo-nos numa ilha.

Não entramos na vida de ninguém e conseqüentemente ninguém entra na minha. Pare um pouco e responda, você é capaz de viver sozinho? Necessitamos construir uma ponte, pois não somos uma ilha. Precisamos reencontrar o que nos faz felizes. É nosso dever resgatar o outro como imagem e semelhança de Deus, como pessoa digna. Resgatar o amor, valorizando a diversidade que somos.

2. Encontrar-se com os outros

A nossa vida não é um monólogo no qual vamos vivê-lo sozinhos. Tampouco um trabalho solitário, mas é uma caminhada em equipe de irmãos unidos ao redor de Cristo. Valorizar o meu próximo é indispensável. É preciso que cada um de nós façamos o devido esforço de conhecermos o trabalho do doutro, enfim sua vida, pois através deste conhecimento poderemos apreciarmos mutuamente. Você é uma pessoa atenciosa? Vamos conhecer uma mulher muito atenciosa: " Três dias depois, celebravam-se bodas em Caná da Galiléia, e achava-se ali a mãe de Jesus. Também foram convidados Jesus e seus discípulos. Como viesse a faltar vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: Eles já não tem mais vinho." ( Jo 2,1-3) Não precisamos continuar a leitura porque você com certeza conhece o final. Entretanto, preste atenção num pequeno detalhe e responda: Quem disse a Maria que já não tinha vinho? Ninguém! Ela foi extremamente atenciosa ao ponto de perceber a necessidade daqueles noivos. Como está a sua atenção para com os que o rodeiam? Devemos ser atenciosos com todos. Não há diferença. Todos devem ser tratados com a mesma atenção, seja o diretor da empresa onde você trabalha, ou a lavadeira que é sua funcionária. Deus em sua infinita bondade quis que nos relacionássemos não somente com Ele, mas com a toda a sua criação e com nossos semelhantes. Pois viu que sozinhos somos incompletos, que precisamos de outro para nos completar. As três Pessoas da Santíssima Trindade, se doam, se amam e juntas formam uma comunidade de amor, de doação e serviço, na caridade e fraternidade. Ao contemplarmos isso na Trindade, deve brotar em nós um grande desejo de sermos um reflexo dela. Quando conhecemos somente nos realizamos a medida que nos doamos aos outros e isso faz-nos aproximar mais de Deus. Vamos tomar nossa Bíblias e conhecer uma linda história de amizade que muito tem a nos falar. Rute 1, 16-17. Como me sinto diante deste texto? O que mais me tocou? Por quê? Faça um breve momento de oração e descubra porque você não é uma ilha.

2º Tema: Porque é tão difícil relacionar-se?

" Todo homem é para o outro um sinal de Deus Absoluto."

Introdução

Cada um de nós é único e diferente, os outros nos arrancam do egoísmo, da solidão, enfim de nós mesmos e tendem a nos empurrar para Deus. O que mais nos leva a encontrar a Deus? Não podemos dizer que encontramos a Deus ignorando os outros, tampouco que um animal ou uma flor nos leva mais a Deus que os nossos semelhantes. Quando saímos de nós para amar o outro, agradamos muito ao coração de Deus.

A vontade de Deus é que desenvolvamos o amor fraterno entre nós, mas como? Cultivando relacionamentos de amor e fraternidade.

Vamos ver alguns exemplos bíblicos de amor humano. Para isso, você pode fazer uso da sua Bíblia. - Abraão e Isaac (pai e filho) Gn 21, 1-14; Gn 22, 1- 18 - Jacó e Raquel (marido e mulher) Gn 29, 1-30 - Ruth e Noemi (nora e sogra) Rut 1,16-18 - Jesus e a família de Lázaro (união e amizade de amor) ( Jo 11, 1-44) - Jesus e João (o discípulo amado) Jo 13,22-23 - Jesus e Pedro (o discípulo que mais amou Jesus) Jo 21,15-19 As consequências do pecado em nosso relacionamento Deus nos criou para uma união íntima com Ele, que nos levasse a relacionarmos conosco e com os outros. Entretanto, o pecado a comunhão que outrora tínhamos com o Senhor e como grave consequência disto, desordenou-nos em todos os nossos relacionamentos.

Vamos ler Gn 3,7-20 e meditarmos um pouco a esse respeito. O pecado cavou em Adão e Eva um grande abismo; já não conseguiam mais se comunicar um ao outro. Pois acusavam-se reciprocamente e se falavam cada vez menos. Muito ao contrário do que acontecia quando habitavam no Jardim do Éden. O relacionamento que possuíam no Paraíso era a imagem de Deus. O pecado nos tornou cegos e egoístas. Mas como cegos? Ele nos tirou a visão interior a respeito de Deus, conosco e com os outros. Egoístas, pois buscamos a nós mesmos de maneira exclusivista, querendo sempre a nossa própria satisfação que gera a "independência" de Deus. O egoísmo é uma doença que nos leva ao desamor dos outros, a querer ser servido, a nunca abaixar-se para servir, aos ressentimentos, ` as mágoas... Entretanto, contra essa maldita enfermidade Deus nos concede sua Graça Divina.

O pecado deixou várias seqüelas em nós. O individualismo é um grande mal gerado pelo pecado. Vivemos hoje numa cultura extremamente individualista, onde a lei é cada um por si e Deus por todos. Aprendemos desde o berço que quem pode mais chora muito menos. O individualismo nos leva a uma recusa do relacionamento com Deus, e sem o qual somos incapazes de nos relacionarmos com os outros. " Se não amo ao irmão, a quem vejo, como poderei amar a Deus? " ( I Jo 2,10) Você conhece a história de Caim e Abel? Nela vemos o reflexo daquilo que o pecado fez ao coração do homem. Vamos ler atenciosamente Gn 4, 1-25. O primogênito, Caim, tornou-se como seu pai Adão, agricultor e lavrador. Ao contrário, Abel, escolheu ser pastor e cuidar de ovelhas. Este ofício oferecia-lhe tempo para rezar, para escutar a Palavra de Deus e servi-lo. O que Abel significa para nós? É a pessoa cuja vida está em caminho para atingir a vida eterna. Não possui um lugar fixo, mas está sempre a caminho. Não esforça-se para acumular propriedades, e dá a Deus o que há de melhor.

E Caim? É o protótipo do homem preso às coisas deste mundo, que investe o melhor do seu tempo e dos seus talentos para realizar exclusivamente a si mesmo através do sucesso material. Porém, todo seu sucesso se transformou num insucesso e derrota. Tornou-se um errante, sem parada, e não encontrou nenhuma satisfação verdadeira, nem sequer nesta vida, onde tudo é passageiro. O coração de Caim era tomado pela competição e pelo individualismo. Ele não trabalhava para Deus, mas para si, e não suportava de forma alguma ver a predileção de Deus por Abel. Por isso, tomado pela inveja eliminou aquele cuja vida era voltada para Deus, provocando assim o primeiro assassinato na história do homem. Tudo isso que vimos levou-nos a uma isenção da responsabilidade para com o outro. Um exemplo claríssimo que podemos tomar está em Mt 27, 24. Pilatos para não assumir seu posicionamento em relação a Jesus, o qual acreditava ser inocente preferiu lavar as mãos. Quantas vezes você não lavou sua mão para não assumir qualquer responsabilidade com o teu próximo? Vamos rezar um pouco sobre isso.

Podemos nos unir senão em Deus? Quem não conhece aquela célebre frase: " A união faz a força!!!" ou ainda, "Juntos chegaremos lá!!!" Estar junto buscando um mesmo ideal não significa unidade, tampouco exprime o tipo de relacionamento que agrada a Deus. Unimo-nos para juntos conseguirmos êxito em nossos objetivos. Não é a isso que somos chamados. Movido pelo orgulho, o homem construiu a Torre de Babel. Entretanto, ao excluir Deus findou-se a unidade, pois Ele é o grande Outro que une os homens entre si. A unidade é um grande dom de Deus, porém quando fazemos mau uso dela, pode tornar-se nociva. Então, a compreensão mútua já não existe. Todo dom de Deus se usado para o egoísmo humano, torna-se um mal para nós mesmos.

A falta de comunhão com o outro nos leva ao abismo do fechamento Quando nos recusamos a nos relacionarmos criamos entre nós e os outros um imenso abismo. Ao nos fecharmos em nós mesmos, nos tornamos egocêntricos. Começamos a agir mesmo que inconscientemente com um pé na infância, daí surgem o ciúmes, a inveja, as competições, o desejo ardente de eliminar os outros da nossa vida, quando não o fazemos utilizando a indiferença. Tudo isso impede que nossa personalidade seja amadurecida, e corremos o grande risco de nos tornarmos pessoas angustiadas, solitárias e inseguras.

Cada um de nós é um ser único que foi criado por Deus. Tudo o que somos nunca existiu e jamais existirá igual. As nossas qualidades e talentos são experiências vividas nos constituem de uma maneira muito singular, tanto quanto nossas impressões digitais. Somente você pode partilhar com o outro o que você é. Quando nos recusamos, privamos os que estão a nossa volta do dom que somos para eles.

" O caminho da justiça é o amor. Nem sempre é fácil permanecer à imagem das emoções, que nos envolvem diariamente na vida em sua continuidade. Tentar avaliar as nossas posições e palavras à luz da justiça que procuramos, à luz da Palavra do Senhor. Permanecer alerta para que as pequenas dificuldades sejam superadas no seu nascer. Erva daninha não arrancada logo, vira mato. Desentendimento não esclarecido, com facilidade torna-se barreira que prejudica todo um caminho de construção de um futuro melhor." ( Frei Patrício)

3ºTema: Quebrando os muros: Eu preciso de você

" Quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro"

Introdução

Não há como falarmos de cura de relacionamentos, se não fizermos menção do grande tesouro que é a amizade. Todos nós, sejamos do tipo "durão" ou sensível, sem exceção de ninguém, precisamos nos relacionar, necessitamos de alguém com quem podemos contar a todo instante, que nos fale a verdade e que nos conheça mais a fundo. Até mesmo Jesus, que era Deus e também era homem, teve amigos. Porque nós seríamos diferentes? Vivemos numa sociedade em que somos educados para não precisarmos de ninguém, para bastarmos a nós mesmos. Porém, Deus vem nos mostrar através de sua Palavra que não foi para isso que fomos criados. Por isso, hoje Ele nos chama a rompermos os muros que nos cercam e que nos impedem de nos aproximarmos uns dos outros e dizermos que precisamos dele. Todos nós somos carentes e necessitados dos outros.

A amizade é cura e sinal do amor de Deus Deus é um grande mistério, principalmente para nós que vivemos na sombra da nossa condição humana que é limitada. Sabemos que existe, mas não sabemos como é. Aliás, de Deus sabemos mais o que não é, que o que é. Deus em sua infinita bondade então, revelou-se a nós, mostrou um pouco como é. E qual é a revelação do mistério de Deus? Jesus Cristo. Ele é Deus acessível a nós; em sua humanidade e ensinamentos mostra-nos como é Deus. Jesus nos revelou que Deus é amor. Isto é decisivo para que o amemos e imitemos. O amor é o mais real de Deus, em si mesmo e em seu relacionamento conosco. O próprio amor de Deus é misterioso, uma vez que nem sempre sabemos decifrá-lo no percurso da vida. Por isto Deus revelou seu amor em Jesus de tal maneira que não duvidemos dele. Compartilhou conosco as misérias da vida ao encarnar-se, e assumir em tudo menos no pecado a nossa condição humana. Deus revelou de si mesmo utilizando-se de coisas e experiências humanas. Por isso, quando passamos um por uma intensa felicidade podemos prever a felicidade na vida eterna. Podemos compreender o mistério do amor de Deus através do amor humano. Não é que o amor de Deus seja como o amor humano. Ele vai muito além do imaginável, mesmo na forma mais profunda e intensa de amor entre dois seres. O amor que Deus sente por nós é um grande mistério, embora torna-se acessível a nós através da experiência humana de amor. O amor vem de Deus, portanto, sempre haverá o amor de Deus no amor humano autêntico. Jesus veio nos fazer entender o amor de Deus por nós.

Jesus na sua prática do amor privilegia o amor de amizade. Este para Ele era o "maior amor" . A experiência humana nos ensina que a amizade é um componente necessário para todas as outras formas de amor, a fim de que perdurem. Cada amizade é um grande mistério. Quem nunca se perguntou; porque aconteceu com esta pessoa e não com outra? Ou ainda; porque não tenho amigos? Cada homem precisa da amizade do outro. Isto implica em acolher o outro com todo o seu universo, sem esperar encontrar alguém semelhante a mim, mas exatamente diferente. Essa diferença é um imenso tesouro que precisamos descobrir. Na verdadeira amizade não há rivalidade ou ciúmes. O relacionamento que com um amigo é enriquecedor e libertador. A ajuda ou o sacrificio pelo amigo deve ser totalmente gratuito sem esperarmos recompensas. Devemos "gastar tempo" com nossos amigos e não termos a menor vergonha de nos mostrarmos necessitados de seu auxílio. Não tenha medo de quebrar os muros que o cercam e dizer eu preciso de você! Este texto é para você ler e trazer para sua vida. Após a leitura faça um momento de oração e não perca tempo em amar.

Eu tenho tempo Hoje, ao atender o telefone que insistentemente exigia atenção, o meu mundo desabou. Entre soluços e lamentos, a voz do outro lado da linha me dizia que o meu melhor amigo, meu companheiro de jornada, meu ombro camarada, havia sofrido um grave acidente, vindo a falecer quase que instantemente. Lembro-me de ter desligado o telefone e caminhado a passos lentos para meu quarto, meu refúgio particular. As imagens de minha juventude vieram quase que instantaneamente à mente. A faculdade, as bebedeiras, as conversas em volta da lareira até altas horas da noite, os amores não correspondidos, as confidências ao pé do ouvido, as colas, a cumplicidade, os sorrisos... Ah, os sorrisos... Como eram fáceis de surgir naquela época! Lembrei-me da formatura, de um novo horizonte surgindo, das lágrimas e despedidas e, principalmente, das promessas de novos encontros. Lembro-me perfeitamente de cada feição do melhor amigo que já tive em toda vida: em seus olhos a promessa de que eu nunca seria esquecido. E realmente não fui. Perdi a conta das vezes em que carinhosamente me ligava quando eu estava no fundo do poço. Ou das mensagens que nunca respondi - que ele constantemente me enviava, enchendo minha caixa postal eletrônica de esperanças e promessas de um futuro melhor. Lembro que foi o seu rosto preocupado que vi quando acordei de minha cirurgia para retirada do apêndice. Lembro que foi em seu ombro que chorei a perda de meu amado pai. Foi em seu ouvido que derramei as lamentações do noivado desfeito. Apesar do esforço para vasculhar minha mente, não consegui me lembrar de uma só vez em que tenha pego o telefone para ligar e dizer a ele o quanto era importante para mim contar com sua amizade. Afinal, eu era um homem muito ocupado. Eu não tinha tempo.

Não me lembro de uma só vez em que me preocupei de procurar um texto edificante e enviar para ele, ou para qualquer outro amigo, com o intuito de tornar o seu dia melhor. Eu não tinha tempo. Não me lembro de ter feito qualquer tipo de surpresa, como aparecer de repente com uma garrafa de vinho e um coração aberto disposto a ouvir. Eu não tinha tempo. Não me lembro de qualquer dia em estive disposto a ouvir os seus problemas. Eu não tinha tempo. Acho que eu nunca sequer imaginei que ele tinha problemas.

Não me dignei a reparar que constantemente meu amigo passava da conta na bebida. Achava divertido o seu jeito bêbado de ser. Afinal, bêbado ou não, ele era uma ótima companhia para mim. Só agora vejo com clareza o meu egoísmo. Talvez - e esse talvez vai me acompanhar eternamente - se eu tivesse saído de meu pedestal egocêntrico e prestado um pouco de atenção e despendido um pouquinho do meu sagrado tempo, meu grande amigo não teria bebido até não aguentar mais e não teria jogado sua vida fora ao perder o controle de um carro que, com certeza, não tinha a mínima condição de dirigir.

Talvez, ele, que sempre inundou o meu mundo com sua iluminada presença, estivesse se sentindo sozinho. Até mesmo as mensagens engraçadas que ele constantemente deixava em minha secretária eletrônica poderiam ser seu jeito de pedir ajuda. Aquelas mesmas mensagens que simplesmente apaguei da secretária eletrônica jamais se apagarão da minha consciência Essas indagações que inundam agora o meu ser nunca mais terão resposta. A minha falta de tempo me impediu de responde-las. Agora, lentamente, escolho uma roupa preta - digna do meu estado de espírito - e pego o telefone. Aviso o meu chefe de que não irei trabalhar hoje e, quem sabe nem amanhã, nem depois… pois irei tirar o dia para homenagear com meu pranto a uma das pessoas que mais amei nesta vida. Ao desligar o telefone, com surpresa eu vejo, entre lágrimas e remorsos, que para isto, para acompanhar durante um dia inteiro o seu corpo sem vida, eu tive tempo! P.S.: Já faz muitos anos que escrevi este desabafo no diário da minha vida. Em parte para aliviar a dor que açoitava minha alma. Hoje, estou casado, tenho dois filhos e todo tempo do mundo. Descobri que se você não toma as rédeas da tua vida, o tempo te engole e te escraviza. Trabalho com o mesmo afinco de antes, mas somente sou "o profissional" durante o expediente normal. Fora dele, sou um ser humano. Nunca mais uma mensagem da minha secretária eletrônica ficou sem pelo menos um "oi" de retorno. Procuro constantemente encher a caixa eletrônica dos meus amigos com mensagens de amizade e dias melhores. Escrevo cartões de aniversário e de natal, sempre lembrando às pessoas de como elas são importantes para mim. Abraço constantemente meus irmãos e minha família, pois os laços que nos unem são eternos. Acompanhei cada dentinho que nasceu na boca dos meus filhos, o primeiro passo, o primeiro sorriso, a primeira palavra. São momentos inesquecíveis. Procuro sempre "fugir" com minha esposa e voltar aos tempos em que éramos namorados e prometíamos desbravar o mundo. Esses momentos costumam desaparecer com o tempo, e todo cuidado é pouco. É preciso cultivar o relacionamento como uma frágil flor que requer cuidados constantes, mas que te brinda com sua beleza inenarrável. Nunca mais deixei um amigo sem uma palavra de conforto; ou inimigo sem oração…

4º Tema: Todos precisamos ser curados

Você costuma ir periodicamente ao médico? E ao dentista? Tem tratado dos dentes? Como está sua saúde? Estamos na "geração saúde". Buscamos cada vez mais levarmos uma vida saudável. Aprendemos desde cedo que não devemos somente ir ao médico quando ficamos doente, mas precisamos ter um certo acompanhamento. E acima de tudo é extremamente necessário estarmos muito atentos ao menor sinal que mostre algo diferente acontecendo conosco. Por favor, não responda rápido, pense antes de falar qualquer coisa. Como você tem cuidado da saúde espiritual? Ou melhor dizendo, como tem cuidado de sua alma? Você está sempre atento aos sinais de que as coisas não vão muito bem, ou pensa que está tudo ótimo. Porém, sua alma está desenvolvendo um grande câncer, que você até agora não percebeu, porque ela não é tão importante assim... O meu interior precisa ser curado

Você já parou para pensar que seu interior neste momento possa estar sofrendo um grande câncer? Todos nós necessitamos ser curados interiormente. Quem nunca sofreu de mágoa, ressentimento, traumas psicológicos, rejeições, etc… Todas essas lembranças podem nos influenciar de um modo muito negativo, de maneira a nos impedir de vivermos uma vida emocional equilibrada e termos relacionamentos sadios. E impede-nos principalmente de crescermos na santidade, uma vez que esta lembranças dolorosas, mágoas e carências afetivas são grandiosas barreiras.

Podemos comparar nossa mente a um imenso iceberg, uma grande montanha de gelo que parece flutuar nas gélidas águas do oceano. Todavia, o que vemos é apenas uma parte, a que está exposta que corresponde a dois terços do seu tamanho. Com nossa mente acontece algo muito semelhante; existe uma parte a qual chamamos de consciente, que é a qual temos conhecimento, e uma outra parte inconsciente que corresponde a 90% do seu total. Então, como pôde perceber recordamos apenas 10% do que acontece conosco, o restante fica arquivado em nossa inconsciente. Mas o que tudo isso tem a ver? Constantemente como um mecanismo de defesa, "empurramos" para as áreas mais profundas do nosso ser, todos os acontecimentos da nossa vida, que nos traumatizaram, aqueles cujo não sabemos lidar com eles. Porém, do nosso inconsciente eles podem nos influenciar, mesmo que muitas vezes não tenhamos conhecimento deles. Como assim? Através da nossas atitudes, das nossas idéias, dos nossos relacionamentos ( com Deus, conosco, com os outros e com o mundo).

Vivemos presos ao passado, pois nos transformamos em nossos medos e traumas. Quando isso acontece, ficamos confusos, bloqueados, dificilmente acreditamos nas pessoas e tampouco nos lançamos em Deus e aceitamos seu amor incondicional por nós, uma vez que nós mesmos passamos a impor condições para amá-lo. Fomos criados por Deus e para Deus, necessitamos incondicionalmente Dele para alcançarmos nosso fim último que é Ele . Entretanto, colocamos nossas expectativas nos outros, e em nós; esperamos sempre dos outros e de nós, quando deveríamos esperar em Deus. Amamo-nos de forma completamente desordenada e exigimos que nos amem. Esquecemos que o outro é tão limitado e imperfeito quanto cada um de nós e por isso acabamos nos sentindo completamente vazios, rejeitados, desamados, inseguros, magoados, sozinhos.

Este processo acontece sempre de maneira muito sutil, nem percebemos, mas nossos corações ficam escuros e frios, causando uma grande desordem em nossos relacionamentos e gerando sentimentos de posse, egoísmo, inveja, ciúmes…

É necessário que nos deixemos guiar por Deus e não por nossas mágoas e traumas, pois não somos eles. Somos o que Deus pensa de nós! Vamos ler Gn 12,1-3. Deus dá uma ordem à Abraão, mandando que saia de sua terra e parta para onde Ele indicar. A partir deste momento Abraão deixou todo o seu modo antigo de se relacionar com os outros e com o mundo. Ampliou sua tenda, alargando as fronteiras da sua doação de si . A comunhão perfeita de tudo isso iniciou-se na cruz com o sangue de Cristo, ultrapassando o plano natural. Jesus é o médico das nossas almas Vamos ler juntos Mc 12,28-31. Jesus nos dá uma ordem muito clara, precisamos amar os outros, e, isto implica em amar a Deus e amarmos a nós mesmos. Ele ainda nos mostra que as nossas feridas interiores são consequências dos nossos pecados e acabam afetando o nosso relacionamento com Deus, com o próximo e conosco.

Ao lermos o Evangelho podemos ver a freqüência Jesus perdoava os pecados antes ou depois de uma cura física. Ele bem sabia que a mágoa, o ressentimento, o ódio, a inveja, a discórdia, e outros sentimentos destrutivos aprisionam as pessoas, deixando-as paralizadas, gerando em seus corações um grande distanciamento de Deus. Podemos ver muito bem descrita a missão de Jesus em Is 61. Ele veio para curar e libertar os cativos. " Não vim para os que estão sãos, mas para os enfermos." E quem são estes enfermos? Somos todos nós, que pela graça do Batismo nos tornamos filhos de Deus e pelos méritos da Paixão de Jesus fomos remidos por um preço altíssimo.

Nós precisamos constantemente de cura interior. É uma viagem que percorremos através das nossas lembranças. Nela, a pessoa mais importante é Jesus, pois Ele curará as nossas mágoas, solidão, nossos relacionamentos, dando um grande e novo sentido a eles. O maior desejo de Jesus é a nossa libertação, por isso sua ação redentora age em todo nosso ser seja ele físico, espiritual ou mental.

A maior necessidade que nós seres humanos temos é de sermos amados. Se por um acaso, esse amor nos é privado, seja em qualquer época da nossa vida: quando ainda estamos no ventre de nossa mãe, quando criança ou ainda em qualquer outra fase da vida, tudo isto tem o poder nos roubar a paz, a nossa aptidão de amar e a nossa capacidade de manter um relacionamento de confiança com Deus e com os outros, com quem somos chamados a nos relacionarmos. A grande maioria dos problemas psicológicos que hoje enfrentamos tem sua origem nos relacionamentos afetivos, que geram rejeição, menosprezo, indiferença, mágoas e ressentimentos.

É preciso que saibamos que da mesma forma que fomos criados de uma maneira única e particular, também assim, Deus deseja nos curar. Por isso, estejamos totalmente abertos para acolhermos esta grande graça. Vamos rezar?

5º Tema: É preciso recomeçar

Ao longo do nosso curso vimos porque precisamos nos relacionar e mais ainda, que Deus deseja nos curar de todos os traumas, de tudo aquilo que nos impede de sermos livres. Deus nesta aula nos mostrará que antes de qualquer coisa que façamos é preciso recomeçar.

Recomeçar Deus nos convida a recomeçarmos sempre com a grande certeza de que Ele mesmo nos renova a cada momento dando-nos vida nova. O Senhor Deus não se cansa de criar. Você sabe porquê? É muito simples, pelo fato de que Ele é amor. João da Cruz afirmava: " O amor não cansa e nem se cansa." Para vivermos bem a nossa vida e consequentemente os nossos relacionamentos, a fim de que sejamos verdadeiros sinais de alegria para os outros que estão a nossa volta é preciso que sejamos verdadeiros, autênticos. É necessário que olhemos para o amanhã, sabendo que sem o auxílio da graça nada somos e nada podemos, e que a nós cabe tentarmos. Deus não está interessado em saber se conseguimos ou não amarmos, está interessado em saber se tentamos, se fizemos tudo aquilo que estava ao nosso alcance e permitimos que Ele fizesse o restante.

Não vale a pena ficarmos presos ao nosso passado, querendo viver de lembrança e o que é pior, assumindo os traumas e feridas como algo intrínseco que faz parte de nós. Hoje Deus nos convida a contemplarmos no pôr - do - sol, o novo dia que será gerado no mistério da noite. Sem a qual não haveria a alegria do surgir a madrugada. Sem o inverno não seria possível experimentar a beleza da primavera; sem o lamento da sexta-feira santa não ouviríamos o cântico do " Exultet" pascal. O mundo perdeu completamente o sentido do belo, mas nós como cristãos somos chamados a reavê-lo. Você sabe o que significa beleza? Beleza significa o lugar onde Deus se manifesta. Tem uma raiz sagrada, porque onde Deus se manifesta é um local sagrado. A beleza é uma comunidade de verdade.

O relacionamento básico que temos que ter com Deus, se dá através da sua bondade e misericórdia. Este, reflete-se para o bem dos nossos irmãos, naquilo que eles mais necessitam. Relacionamo-nos de uma maneira profunda, verdadeira. É aí que se manifesta a beleza, um lugar onde Deus escolheu para vir habitar. Precisamos entrar em nós, e descobrirmos a beleza que há no âmago do nosso ser. Por isso reservamos para este último dia de curso um bom momento de oração. Vamos rezar e suplicar que Deus intervenha sobre nossa vida, curando-nos e abrindo-nos aos outros. Imploremos a cura dos nossos traumas, das nossas feridas, dos nossos relacionamentos.


Autor:Adenilson Lourenço

Pagina Principal

Hosted by www.Geocities.ws

1